Browsing Tag

resenha de livros

0 em Book do dia/ Comportamento/ Destaque no dia 24.10.2019

Book do dia: A parabóla do semeador e a Parabóla dos Talentos, de Octavia Butler

Preciso começar a semana falando desses 2 livros que impactaram meus últimos meses, até eu terminar a última linha. Se você é do time que fica impactada, fascinada e ao mesmo tempo com o medo de O Conto da Aia (Handmaid’s Tale), provavelmente você vai gostar desses livros de Octavia Butler. Tanto Parábola do Semeador quanto Parábola dos Talentos têm todos (e até mais) os ingredientes que encontramos na história de Margaret Atwood. Ao meu ver, as duas autoras beberam de fontes muito próximas para construir suas narrativas.

Eu comprei a versão em inglês com os dois livros juntos, mas tem como comprá-los separados e em português aqui e aqui. A versão brasileira vem com uma entrevista com a própria Octavia no final, que pelo o que fiquei sabendo, vale muito a pena ler!

Ambos os livros se passam em um futuro distópico (assustadoramente próximo) e tratam de assuntos como direitos das mulheres em um cenário de fundamentalismo religioso. Porém, vou parar por aqui nas comparações, porque acho que são dois clássicos que merecem ser lidos. Não é “ou um ou outro”. Leia os dois e deixe a sua cabeça explodir!

Mas preciso fazer um parágrafo só para enaltecer Octavia Butler.

Vou começar dizendo que acho uma injustiça que seus livros só tenham começado a serem traduzidos para o português ano passado. Provavelmente para pegar carona no sucesso que Handmaid’s Tale se tornou. Octavia Butler é conhecida aqui nos Estados Unidos como a rainha da ficção científica. Quase todos os seus livros são premiados nessa categoria e sua carreira recebe prêmios até hoje, mesmo 13 anos depois de sua morte.

A Parábola do Semeador é um livro de 1993, e a Parábola dos Talentos é de 1998. Teoricamente era para ser uma trilogia, mas seu último livro nunca foi terminado. Nessa duologia, Octavia Butler claramente se inspirou em questões debatidas na época, como Aquecimento Global, violência nas grandes cidades, envio de sondas para Marte, etc. Além disso, claramente sua experiência como mulher negra ajudou a construir discussões enredos com diversidade, abordando até mesmo questões como imigração e preconceito.

A série se passa entre 2024 e 2035 (o primeiro livro vai de 2024 a 2027, o segundo termina em 2035) e conta a história de Lauren Olamina, uma adolescente negra de 15 anos, vivendo em um mundo pós (?) apocalíptico. Mas não pensem em ET’s ou zumbis, o apocalipse foi causado por nós, humanos. Esse gênero é chamado de “mundane science fiction” (ficção científica mundana). É um subgênero onde a história se passa na Terra, sem explorar o universo ou contatos com extraterrestres, quase sempre com recursos que existem na nossa realidade.

Como deu pra ver, essa foi uma série que me fez ir atrás de muita informação que eu desconhecia. Nem todo livro me traz tanta curiosidade, e eu amo quando isso acontece! Obrigada, Octavia Butler. <3

Nessa série, lemos os diários de Lauren a medida que o tempo vai passando. E acompanhamos toda a sua saga em uma sociedade totalmente destruída por questões ambientais, guerras, escassez, drogas. Nos deparamos com novas formas de escravidão, com o perigo de ser mulher e as possibilidades de silenciamento. O livro é inegavelmente político.

E também fala sobre o surgimento de uma nova religião. Lauren cria a Semente da Terra, um livro baseado em suas vivências e reflexões sobre religiões. Ali, ela assume que mudanças são inevitáveis e, por isso, precisamos ser maleáveis e adaptáveis. É a partir desses seus ensinamentos que Lauren vai criando uma comunidade, mas não vou falar mais nada.

Ah, também vemos um candidato fascista e religioso subir ao poder, cujo lema da campanha, pasmem: “make America great again”. Nesse ponto, vamos ser justas e lembrar que essa frase não é do Trump. É do Reagan, nos anos 80. Ou seja, Octavia não inventou essa frase, mas quem diria que em 2018, mais de 30 anos depois, teríamos um presidente se elegendo com esse slogan novamente?

“Escolha seus líderes com sabedoria e ponderação. Ser liderada por um covarde é ser controlada pelos medos desse covarde. Ser liderada por um idiota é ser liderada pelos oportunistas que controlam o idiota. Ser liderada por um bandido é oferecer os seus tesouros mais preciosos. Ser liderada por um mentiroso é pedir para que mentiras sejam contadas”
“E ainda assim, Andrew Steele Jarret conseguiu assustar, dividir e fazer com bullying com pessoas, primeiro para conseguirem elegê-lo presidente, depois para deixá-lo consertar o país para eles. Ele não conseguiu fazer tudo que gostaria. Ele era capaz de um fascismo muito maior. Assim como seus seguidores mais ávidos.”

Além dessa visão de mundo completamente conectada de Octavia E. Butler, existem outras questões que ela traz no livro e são totalmente atuais. Por exemplo, epidemias de doenças como sarampo, malária, dengue. O nível do mar subindo, aquecimento global, cidades costeiras desaparecendo, o surgimento de máscaras de realidade virtual…

Enfim, eu to aqui me atendo à detalhes que não são spoilers, mas que mostram um pouco do que você pode encontrar nesse livro.

Mas já adianto que não é uma leitura fácil, bonitinha. Ao contrário, caem tantas fichas das nossas responsabilidades dentro do sistema que é impossível não ficar pensativa. Impossível não se tornar mais questionadora. Mais alerta.

É uma leitura impactante, mas ao mesmo tempo achei extremamente necessária. Então, se você está procurando algo nesse estilo pra ler, vou parar por aqui com esse textão que já bateu recordes e terminar falando: leia! E depois me conta o que achou. ;)

0 em Book do dia/ Comportamento/ Destaque no dia 17.06.2019

Book do dia: dois livros sobre felicidade

Se tem um assunto que abordamos muito aqui no Papo sobre autoestima, mas nem sempre com esse nome, é felicidade. Queremos viver em paz com nós mesmas e com os outros. E o motivo? Ser feliz. Sempre.

Infelizmente, taí uma coisa que não existe guia, nem fórmula. Mas existe muita vontade – ao menos da nossa parte – em entender e procurar o que funciona pra cada uma de nós. E se no meio disso pudermos indicar dicas de boas leituras a respeito, é o que vamos fazer.

Andei lendo dois livros sobre felicidade recentemente e gostaria de dividir com vocês. São duas leituras que acrescentam não só na nossa vida, mas também na de quem convive com a gente (afinal, iremos indicar offline também)

O jeito Harward de ser feliz, de Shawn Achor

para comprar, é só clicar aqui!

“Você não precisa ter sucesso para ser feliz, mas precisa ser feliz para ter sucesso”. Foi essa a frase que me ganhou e me fez levar o livro.

Aliás, vocês sabiam que o curso mais disputado de Harvard não é sobre finanças ou Direito? Como já dá para imaginar pelo andar desse post, o tal curso mais disputado é sobre felicidade. E que agora virou livro.

É uma leitura leve e que te prende a atenção toda hora. Shawn Achor te mostra e te dá exemplos práticos que corroboram a teoria de que ser feliz é o verdadeiro segredo do sucesso. E isso vai direto nas nossas questões, onde achamos que ter o peso X, fazer a viagem y, o emprego z, o amor da vida ou qualquer outra conquista nos fará feliz, quando o que rola é exatamente o contrário. Shawn te prova isso mostrando provas de todas as áreas a respeito.

Pra mim foi fundamental para dar uma chacoalhada nas ideias. Também me abriu novas perspectivas e possibilidades de uma vida mais leve e feliz no meio de tanta carga de trabalho e estresse. Outra coisa positiva foi que reforçou o que eu sempre acreditei: encarar as coisas de maneira positiva impacta positivamente na nossa vida.

Projeto Felicidade, de Gretchen Rubin.

Gretchen Rubin tinha uma vida ótima e nada a reclamar. Bom trabalho, um marido excelente, duas filhas lindas e saudáveis. Um dia, ela percebeu duas coisas: que o tempo passa e que ela não estava focada no que era de fato importante. Eu sei que parece obvio, mas as vezes as pessoas precisam de um chacoalhão do óbvio mesmo,

A partir daí, ela decidiu se dedicar ao que chamou de “Projeto Felicidade” por um ano. E que isso a ajudaria a aproveitar melhor todas as coisas boas que ela já tinha. O que eu acho o grande lance desse livro é que ele não fala de uma reviravolta na vida, uma grande mudança ou é uma história de superação de alguém que estava na pior e deu a volta por cima. Ela apenas se limitou a olhar a vida de forma realista, estipulando metas e reorganizando prioridades. De um jeito muito agradável e com base em estudos e outras leituras que ela fez à respeito, ela vai contado suas experiências que a ajudaram nesse ano. Quando você menos esperar, já terminou o livro com um quentinho no coração.

E você? Tem algum livro sobre felicidade que mudou sua forma de agir para indicar?

0 em Book do dia/ Comportamento no dia 11.01.2019

Book do Dia especial: Indicação das seguidoras!

Eu sempre venho aqui indicar algumas leituras que me interessaram. O Book do Dia é uma categoria do blog que eu já pensei em tirar diversas vezes, mas tenho o maior apego. Amo dividir coisas que gostei, amo ter esse espaço de troca e de aumentar minha lista de leituras pendentes. Amo mais ainda quando alguém vem falar pra mim que leu algo que eu indique. Enfim, Book do Dia é minha tag do coração.

Mês passado eu fui levar o Book do Dia para o instagram e só fiz uma pergunta: pedi para as seguidoras contarem quais leituras foram mais marcantes em 2018. E hoje, eis o tal Book do Dia especial. Para dividir alguns dos livros que foram mais indicados por vocês. As sinopses explicam um pouco mais do que esperar e os links para comprar cada um estão aí também. :)

Book do dia 1 – A sutil arte de ligar o foda-se, de Mark Manson

book-do-dia-leitoras

“Coaching, autoajuda, desenvolvimento pessoal, mentalização positiva – sem querer desprezar o valor de nada disso, a grande verdade é que às vezes nos sentimos quase sufocados diante da pressão infinita por parecermos otimistas o tempo todo. É um pecado social se deixar abater quando as coisas não vão bem. Ninguém pode fracassar simplesmente, sem aprender nada com isso. Não dá mais. É insuportável. E é aí que entra a revolucionária e sutil arte de ligar o foda-se.

Para os céticos e os descrentes, mas também para os amantes do gênero, enfim uma abordagem franca e inteligente que vai ajudar você a descobrir o que é realmente importante na sua vida, e f*da-se o resto. Livre-se agora da felicidade maquiada e superficial e abrace esta arte verdadeiramente transformadora.” – para comprar, clique aqui.

Book do dia 2 – A coragem de ser imperfeito, de Brené Brown

book-do-dia-leitoras-2

“Viver é experimentar incertezas, riscos e se expor emocionalmente. Mas isso não precisa ser ruim. Quando fugimos de emoções como medo, mágoa e decepção, também nos fechamos para o amor, a aceitação, a empatia e a criatividade. Por isso, as pessoas que se defendem a todo custo do erro e do fracasso se distanciam das experiências marcantes que dão significado à vida e acabam se sentindo frustradas.

Por outro lado, aquelas que mais se expõem e se abrem para coisas novas são as mais autênticas e realizadas, ainda que se tornem alvo de críticas e de sentimentos como inveja e ciúme. É preciso lidar muito bem com os dois lados da moeda a fim de alcançar a felicidade de realizar todo o seu potencial.

Depois de estudar a vergonha e a empatia durante seis anos e colher centenas de depoimentos, a autora chegou à conclusão de que compreender e combater a vergonha de errar e de se expor é fundamental para o sucesso. Ninguém consegue se destacar se ficar o tempo todo com medo do que os outros podem pensar.” – para comprar, clique aqui.

Book do dia 3 – Hibisco Roxo, de Chimamanda Ngozi Adichie

book-do-dia-leitoras-3

“Protagonista e narradora de Hibisco Roxo, a adolescente Kambili mostra como a religiosidade extremamente “branca” e católica de seu pai, Eugene, famoso industrial nigeriano, inferniza e destrói lentamente a vida de toda a família. O pavor de Eugene às tradições primitivas do povo nigeriano é tamanho que ele chega a rejeitar o pai, contador de histórias encantador, e a irmã, professora universitária esclarecida, temendo o inferno. Mas, apesar de sua clara violência e opressão, Eugene é benfeitor dos pobres e, estranhamente, apoia o jornal mais progressista do país. Durante uma temporada na casa de sua tia, Kambili acaba se apaixonando por um padre que é obrigado a deixar a Nigéria, por falta de segurança e de perspectiva de futuro. Enquanto narra as aventuras e desventuras de Kambili e de sua família, o romance também apresenta um retrato contundente e original da Nigéria atual, mostrando os remanescentes invasivos da colonização tanto no próprio país, como, certamente, também no resto do continente.” – para comprar, clique aqui (só em e-book).

Book do dia 4 – Americanah, de Chimamanda Ngozi Adichie (to lendo!)

book-do-dia-leitoras-4

Lagos, anos 1990. Enquanto Ifemelu e Obinze vivem o idílio do primeiro amor, a Nigéria enfrenta tempos sombrios sob um governo militar. Em busca de alternativas às universidades nacionais, paralisadas por sucessivas greves, a jovem Ifemelu muda-se para os Estados Unidos. Ao mesmo tempo que se destaca no meio acadêmico, ela depara pela primeira vez com a questão racial e com as agruras da vida de imigrante, mulher e negra.

Quinze anos mais tarde, Ifemelu é uma blogueira aclamada nos Estados Unidos, mas o tempo e o sucesso não atenuaram o apego à sua terra natal, tampouco anularam sua ligação com Obinze. Quando ela volta para a Nigéria, terá de encontrar seu lugar num país muito diferente do que deixou e na vida de seu companheiro de adolescência.” – para comprar, clique aqui.

Book do dia 5 – A morte é um dia que vale a pena viver, de Ana Claudia Quintana Arantes

book-do-dia-leitoras-5

“Passamos a vida tentando aprender a ganhar. Buscamos cursos, livros, milhares de técnicas sobre como conquistar bens, pessoas, benefícios, vantagens. Sobre a arte de ganhar existem muitas lições, mas e sobre a arte de perder? Ninguém quer falar a respeito disso, mas a verdade é que passamos muito tempo da nossa vida em grande sofrimento quando perdemos bens, pessoas, realidades, sonhos. Vivemos buscando discursos que nos mostrem como ganhar. Como conquistar o amor da nossa vida, o trabalho da nossa vida.

Para boa parte de nós, a morte é provavelmente o maior de todos os medos. Mas e se a grande questão envolvendo a morte for, na verdade, a vida? Estamos aproveitando nossos dias ou vamos chegar ao fim desta jornada cheios de arrependimentos sobre coisas que fizemos – ou, pior, que deixamos de fazer? De maneira clara e suave, Ana Claudia nos ajuda a ter um novo olhar sobre o modo como gastamos o nosso tempo e sobre a nossa ideia acerca da vida e da morte.” – não achamos para vender online em lugar nenhum :( Se você souber onde está vendendo, conta pra gente.

Book do dia 6 – Kindred – Laços de Sangue, de Octavia E. Buttler

book-do-dia-leitoras-6

“Em seu vigésimo sexto aniversário, Dana e seu marido estão de mudança para um novo apartamento. Em meio a pilhas de livros e caixas abertas, ela começa a se sentir tonta e cai de joelhos, nauseada. Então, o mundo se despedaça. Dana repentinamente se encontra à beira de uma floresta, próxima a um rio. Uma criança está se afogando e ela corre para salvá-la. Mas, assim que arrasta o menino para fora da água, vê-se diante do cano de uma antiga espingarda. Em um piscar de olhos, ela está de volta a seu novo apartamento, completamente encharcada. É a experiência mais aterrorizante de sua vida… até acontecer de novo. E de novo. Quanto mais tempo passa no século XIX, numa Maryland pré-Guerra Civil – um lugar perigoso para uma mulher negra –, mais consciente Dana fica de que sua vida pode acabar antes mesmo de ter começado.” – para comprar, clique aqui.

Você também tem um Book do Dia que marcou seu ano? Conta pra gente!