Browsing Tag

reflexões

1 em Destaque/ Relacionamento no dia 10.01.2019

3 motivos para você se encorajar a sentir felicidade pelo outro

Existem muitas demonstrações de afeto nas relações de amor e amizade. E ainda bem que a lista é longa. Mas tem um sentimento que eu acho um dos melhores do mundo. E, a meu ver, merece nossa atenção. É algo que vem sem a gente esperar, e que é super genuíno. É super gostoso de sentir, e mais ainda de demonstrar: sentir felicidade pelo outro.

Quanto mais seguras de nós mesmas, mais somos capazes de olhar para os outros sem nos comparar e deixar assim a natureza dos sentimentos pelo outro fluir naturalmente, quão mais genuíno for o sentimento pelo outro que eu valido, mais gostoso vai ser expressar, dar e até mesmo receber.

foto: Ian Schneider

foto: Ian Schneider

O primeiro motivo de sentir felicidade pelo outro ser tão bom é porque preenche nosso coração.

Olhar para uma pessoa que você gosta e ficar genuinamente feliz pelo sucesso dela é delicioso, inspirador e muitas vezes gratificante. É experimentar a empatia em sua forma mais gostosa. É conseguir nos colocar no lugar da pessoa e entender o quanto aquela conquista é importante para ela. Sem inveja, sem cobiça ou comparação, só felicidade por algo que não é nosso, mas está acontecendo com alguém que gostamos.

O segundo motivo é porque acredito que só conseguimos acessar esse sentimento quando estamos felizes com nós mesmas.

Não digo aquela felicidade utópica, como se nossa vida estivesse completamente perfeita e sem problemas. Não ter problemas é uma ilusão, eles fazem parte da vida. Mas quando estamos satisfeitas com o que temos, independente dos percalços, estamos mais focadas em nós e conseguimos olhar o outro sem julgamentos ou pressões.

E por isso, fica muito mais fácil sentir felicidade pelo outro. De apreciar a conquista alheia como se fosse nossa. Mas não porque queremos o que a pessoa tem, e sim porque estamos felizes pela felicidade de quem gostamos.

Um terceiro motivo legal é se dar conta que a felicidade que sentimos pelo outro pode ser um objeto de gratidão pra nós.

Ao sermos verdadeiramente gratos pelos bons acontecimentos na vida de quem amamos, sintonizamos uma energia de agradecimento que contagia a nossa própria vida. Como já teve post aqui no blog, a gratidão genuína é combustível pra mudanças, transformações e abre portas para que a nossa felicidade também chegue. Ao sermos felizes pelos outros, caminhamos na nossa jornada mais preenchidos de felicidade também.

O maior desafio nesse processo é sentir felicidade verdadeira pelo outro quando ele conquista algo que a gente também estava procurando. Estarmos mais atentas e conscientes de nossas emoções nos permite racionalizar e separar as coisas. Faz parte dessa busca por autoconhecimento atingir o ponto de alegria pelo outro de forma que, mesmo quando o outro conquistou algo que desejávamos, ainda assim ficamos felizes. Cada acontecimento tem seu próprio tempo, seríamos extremamente egocêntricos se quiséssemos tudo para nós o tempo todo, não é mesmo?

Por fim, demonstre essa enxurrada de alegria para o outro. Todo mundo gosta de saber que tem com quem dividir essa alegria. E ser essa pessoa é muito gratificante. Nosso coração também fica preenchido ao sabermos que podemos ser a torcida de alguém. Assim como é uma delícia saber da torcida do outro. Quanto mais inteiros nos permitimos ser, mais acolhedor e amoroso pode ser o nosso olhar pra gente e pro outro.

0 em Autoconhecimento no dia 27.09.2018

6 motivos para encarar de frente as coisas que te dão medo

O medo é algo que todos nós experimentamos, mas o mais importante é como reagimos a isso. O medo, por definição, é uma resposta evolutiva necessária ao perigo físico ou emocional; nos ajuda a sobreviver e nos proteger de ameaças reais que existem neste mundo. Embora o medo esteja lá para nos proteger, ele também pode nos deter, porque às vezes temos medo de coisas que não são realmente uma ameaça.
Então, vamos falar sobre abraçar o medo e considerar fazer o que nos dá aquele pavor de qualquer maneira? Eis alguns motivos porque você precisa enfrentar seus medos:

1. Lembre-se que você vai passar por isso!

As coisas que tememos quase nunca são tão ruins quanto imaginamos que serão. Muitas vezes, o pior que imaginamos nunca vai de fato acontecer. Nossa imaginação é muito poderosa e pode nos ajudar na vida, mas infelizmente também pode nos deter se permitirmos. Sim, os aviões podem cair, mas isso acontece tão pouco que não deveria impedi-la de entrar em um e sair para ver o mundo.
Há sempre a possibilidade de que as coisas possam dar errado. Você pode planejar tudo que puder imaginar e depois aprender que a mãe natureza tem mais imaginação do que você. Então, em vez de deixar a possibilidade de coisas darem errado, planeje o máximo que puder e aceite o resto como vier.

2. Você sempre vai se perguntar: “E se”?

O arrependimento é um sentimento terrível. Embora seja verdade que você nunca é velho demais, não é verdade que nunca é tarde demais – a última coisa que você quer que aconteça é que você chegue ao fim de sua vida e olhe para trás pensando “e se?” É uma sensação horrível, especialmente quando a única coisa que te impede é você mesmo. Tudo é possível se você definir sua mente para isso. Sim, algumas coisas levam mais recursos, oportunidades ou esforço, mas se você acredita, você pode alcançá-lo. Às vezes tudo o que é preciso é pedir ajuda das pessoas ao seu redor. Nenhum de nós está fazendo isso por conta própria, é preciso uma tribo para construir a vida que queremos.

3. Você não pode ter sucesso sem falhar

Não sei qual é sua taxa média de sucesso, mas vamos estimar que a minha seja em torno de 20%, o que significa que cerca de uma em cada cinco tentativas que eu faço resultam em sucesso ou seguem de acordo com o planejado. Isso significa que eu deveria parar de tentar ser bem sucedida? Não. Significa apenas que o fracasso vai acontecer e você não pode ter sucesso sem ele. Nenhum de nós é perfeito e é impossível acertar 100% do tempo.

4. Você merece brilhar!

O medo pode ser uma emoção incapacitante se você permitir. O medo pode nos fazer acreditar que não podemos fazer algo ou que não somos dignos de uma vida incrível. Todos nós merecemos viver vidas incríveis e fazer coisas incríveis. Todos nós temos um propósito e um lugar neste mundo – não deixe que o medo o impeça de descobrir qual é esse propósito. O medo de se conhecer também limita você.

5. Leva tempo e prática para acertar!

Poucas pessoas acertam as coisas na primeira vez que as fazem. Mas para atingirmos a prática é importante que se faça essa mesma coisa muitas vezes – até acertar! E claro que praticar leva tempo. Mas pense lá na frente e veja que vai valer à pena! Seja paciente consigo mesma e continue praticando, sem tanto medo de errar, sem deixar o medo te paralizar.

6. O mundo precisa de você e das coisas que só você pode oferecer

Há apenas uma de você, que tem seus pensamentos, suas experiências e sua vida. Cada um de nós tem um propósito neste mundo. Sim, há provavelmente milhares de pessoas no mundo que trabalham no trabalho que você quer, mas isso não significa que não há espaço para mais uma. O medo de ser mais um é uma ilusão, não deixe ele te impedir. O mundo precisa da sua voz. Mesmo se você apenas tornar o mundo um pouco melhor para apenas uma pessoa, valeu a pena!

0 em Autoestima/ Destaque/ Relacionamento no dia 27.09.2018

Autoestima e casamento, ou “nós precisamos ser inteiras quando nos dividimos”

A gente fala muito sobre autoestima nos relacionamentos, sobre se amar antes de amar outra pessoa, mas ainda não levantamos a bola da autoestima dentro de um casamento! Uma circunstância como qualquer outra, em que ela é tão importante quanto em outros relacionamentos. O ser humano acostuma, e isso inclui o fato da gente acostumar a ter alguém ali que sabemos que nos admira de alguma forma e vê valor na gente – afinal, a outra pessoa “nos escolheu” (e nós à ela).

Por mais gostosos que possam ser os pontos positivos de ter alguém que você ama consigo, o costume pode levar à acomodação e isso pode não ajudar muito. Como nos manter com um olhar interessante sobre nós mesmas em meio a rotina? Pra começar, é preciso deixar muito claro que esse post não é sobre estratégias pra fazer seu parceiro ou parceira te notar. É como continuar vendo valor em si mesma e se aceitar como você é, independente da opinião do outro.

Quando começamos a pensar que tudo o que fazemos é, antes de mais nada, pra nós mesmos, estamos falando de uma reação de dentro pra fora. Que faz com que a gente se sinta bem com quem nós somos. Por isso é importante achar, em meio a todas as nossas tarefas da vida, momentos onde você se conecta com você mesma. Pode ser uma atividade física, uma atividade que você curta fazer ou até mesmo fazer algo sozinha, como ir ao cinema, ter um dia na semana para estar com as amigas e se divertir…algo que te lembre da sua identidade além do casal, além do básico de todo dia. Isso te lembra quem você é, onde está indo em direção aos seus objetivos (ou onde gostaria de ir) e te mantém nos trilhos do rumo da sua própria vida, mesmo que agora, ela esteja dividida com outra pessoa.

UfDV

Também acho que é importante, sim, que você cuide de si. Que busque aceitar seu corpo como ele é, ou lidar com ele da forma mais pacífica que você conseguir. Que use as roupas que gosta, que faça com seu cabelo o que bem entender, desde que, no fim, você se sinta bem consigo mesma. Não em busca da aprovação do outro, mas de si mesma, de externar a sua identidade. Talvez seja esse um dos maiores problemas que vemos por aí, quando reclamamos que nosso parceiro ou parceira não nos elogia, não repara, não nos nota…quando quem tem que fazer tudo isso somos nós mesmas, nos dar também a atenção que queremos do outro! Autoconfiança é fundamental e isso que faz com que os outros nos percebam como realmente queremos. Inclusive – e especialmente – quem escolhemos dividir a vida.

Só pra não dizer que o olhar do nosso parceiro ou parceira não conta nessa equação, você pode, sim, usar isso a eu favor: lembre-se, todos os dias, de coisas que a outra pessoa gosta em você, partes do corpo que elogia, qualidades que ressalta, e lembre-se de valores que você tem em dias mais difíceis. 

Toda ferramenta que te faz se sentir bem consigo mesma, forte, empoderado e dona de si é importante para sua autoestima em geral e especialmente em uma relação. Para haver amor, precisa, antes de tudo, ter admiração e isso é MUITO além da aparência física, apesar de passar por ela. Para que essa admiração se mantenha, é importante que a gente lembre a todo instante quem somos e o que queremos, porque isso nos fortalece e essa confiança pode, enfim, aparecer. E gente autoconfiante muda tudo.

O amor pelo outro é maravilhoso, mas o melhor de todos é o amor próprio, não deixe a rotina de uma relação longa te desconectar de você. ;)