Browsing Tag

redes sociais

3 em Comportamento/ Convidadas/ Destaque/ Deu o Que Falar/ Juliana Ali no dia 27.10.2017

Com amor, Ju: Ela é linda

Pois então, ontem um insta desses estilo “paparazzi de famosos” postou uma foto de Rodrigo Lombardi e sua mulher, passeando sei lá onde.

Abaixo da foto, comentários femininos achincalhando a mina. Em primeiro lugar, o que mais se via era “horrorosa”. Seguido por “velha”, “gorda”, “mal vestida” e, não menos presente, “sortuda”. Porque, de acordo com o que li no dito insta, uma verdadeira monstra daquelas precisa de muita, mas muita sorte para casar com um galã lindo e maravilhoso como Rodrigo Lombardi.

um dos comentários feitos na tal página

 

Como se não desse para ficar ainda mais chocante, as mesmas mulheres que estavam detonando a esposa do Lombardi começaram a brigar entre si, em um show de horror estilo “Tá falando o que? Você é mais feia ainda. Cala a boca sua imunda.”. Não estou inventando, li essas coisas assim mesmo.

Difícil saber por onde começar, mas vou tentar. Um dia teve o big bang e aí… Não, brincadeira, vamos lá. Mas é que precisa ser do começo mesmo.

Beleza. O que faz a gente achar alguém bonito parte de muitos critérios que são extremamente diferentes para cada pessoa. E grande parte deles não vêm nem de nós mesmas, sem mesmo nos darmos conta.

mas é o que?

Anos atrás, quando eu ainda era blogueira, gravei um vídeo para meu canal do YouTube. Meus vídeos não tinham muitas visualizações, o YouTube nunca foi meu forte naquela época mas, por algum motivo, esse em específico viralizou. Até hoje recebo comentários nele, e gravei há quatro anos, imagina. Adoro ler os comentários, que em geral não tem nada a ver com o conteúdo do vídeo e são de morrer de rir. Eles vão de coisas como “você é a mulher mais bonita que já vi na vida, casa comigo” até “você parece uma velha fumadora de crack”. Juro. E é louco porque tem meio que a mesma quantidade de elogios e de críticas. Ou seja.

O que estou querendo dizer? A beleza está nos olhos de quem vê, em primeiro lugar. Eu, JULIANA, não me levem a mal, prefiro belezas fora do padrão. Embora hoje em dia acho quase toda mulher bonita dentro do que ela é, me atraio loucamente por um rosto cheio de ângulos “estranhos”, um corpo arrendondado por quadris largos e coxas grossas, cabelos de cores diferentes como rosa ou azul, ou bem curtinho. Carinha lavada, roupinha básica ou então roupa chamativa mesmo. Sou aquariana, quanto mais diferente melhor. Você pode gostar de uma beleza exatamente oposta, e tudo bem. Todo mundo pode ser lindo, depende do observador.

as pessoas ainda não aprenderam a separar a novela da vida real, né?

Mas muito, MUITO mais importante do que isso, é perceber que o fato do Rodrigo Lombardi estar apaixonado por sua mulher pouco tem a ver com a aparência dela – que ele pode achar maravilhosa ou não, eu e você idem. Você sabe muito bem que beleza (o que quer que ela signifique a seus olhos) cansa rápido. A gente se acostuma com ela. A gente esquece dela no dia a dia. O que prende duas pessoas não tem NADA a ver com isso. Tem a ver por uns seis meses? Talvez até um ano? Passou disso, não.

Quer outra coisa MAIS IMPORTANTE AINDA? O pior de toda essa história, pra mim, foi a briga entre as mulheres. Quando a gente vai perceber que estamos no mesmo time? Que, ao julgar a mina do Lombardi, estamos replicando o julgamento que não queremos para nós e que foi imposto pela sociedade? Que é machista?

Você quer que alguém te olhe e diga “feia”, “horrorosa”, “SORTUDA POR ESTAR COM ESSE BOY”??? Nem sei como é esse boy na vida!!!!! Eu hein!!!! Sei lá se é sorte ou azar, não conheço o cara.

Estamos no mesmo barco, e dentro dele há o fardo de ter que ter certa aparência, certo comportamento, ter que nos encaixar em certos padrões que, para a maioria de nós, é impossível nos encaixar.

Então amigas, vamos olhar com carinho umas para as outras. Porque ninguém mais vai fazer isso.

4 em Destaque/ Relacionamento no dia 23.10.2017

Flerte em tempos de redes sociais

“Sabe o Augusto? Ontem ele apareceu, curtiu uma foto minha na praia. Ele tá namorando, como assim fica curtindo foto minha?”

Foi com essa frase que eu me peguei de ouvido na conversa entre 4 mulheres que não pareciam ter muito mais de 20 anos enquanto desfrutava meu açaí em uma mesa do Bibi Sucos. Eu sei, é um péssimo hábito, também detesto. Mas aconteceu e quando eu me vi, estava absorta nas estratégias e supostas intenções atrás de likes e views nas redes sociais.

No caso, Augusto – fiquei sabendo um pouco depois – era um crush não concretizado. Logo depois, outra menina começou a falar da Larissa, aparentemente uma pessoa que ela não gostava, que não deixava de ver um stories. E ela adorava ser vista pelo desafeto velado, pude perceber. No fim, ainda consegui ouvir parte de uma aula que a terceira garota dava sobre estratégias para fazer o boy (que não consegui entender o nome) que ela tava afim começar a seguí-las nas redes sociais. Era um truque engenhoso que consistia seguir amigos em comum, tentar aparecer em fotos dessas pessoas e ser marcada para que o carinha visse o nome do seu instagram. Pena que meu açaí acabou e eu achei que ficaria muito evidente se eu continuasse ouvindo a conversa alheia sem mais nada pra fazer.

Saí de lá me sentindo uma dinossaura das redes sociais. Tirando a segunda história, de gostar de ser notada por alguém que você já não fala mais, eu não consegui me identificar com nenhuma outra. Quando comecei a namorar só existia ICQ, era o tempo do “oi quer tc” e o truque da vez era ficar online e offline do chat, para que o barulho de portinha que o ICQ fazia quando alguém entrava chamasse atenção o suficiente do crush a ponto de fazê-lo vir falar com a gente. Hoje quando eu curto uma foto de alguém, homem ou mulher, é porque eu realmente curti a foto.

Pensei no tal do Augusto. E se ele só curtiu a foto porque achou bonita? E se ele só estava sumido porque os algoritmos do Insta fizeram ela sumir pra ele? E se ele tá super feliz com a namorada, não pode mais curtir fotos de mulheres? A menina já foi criando possíveis intenções na cabeça dela sem ter noção se alguma é verdadeira. Ela, inclusive, quis inventar uma possível infidelidade só pelo fato dele ter curtido sua foto. Isso não é doido?

Só não achei mais doido que as estratégias. Acho que nem em Game of Thrones o povo é tão estrategista. Segue gente para ficar com um grau de separação entre ela e o alvo, arquiteta um plano de aparecer na foto desse alguém e ser marcada, planta bananeira, bota uma setinha de neon em cima da cabeça e mesmo assim, ainda corre o risco de não ser seguida pelo crush. Afinal, quem nunca se interessou por um carinha completamente desligado que não entendeu as deixas mesmo quando você abriu um outdoor que dizia “eu estou afim de você” na frente dele?

E aí me pergunto: qual o problema de seguir primeiro? É só um botão que você clica para começar a acompanhar as postagens da pessoa! Não querendo julgar, mas já julgando, se o orgulho de não ser a primeira a mostrar interesse é tão grande ainda nessa pré-fase de conquista, imagina quando tiver junto??

Nessas horas me pego lembrando de mim, aos 14 anos, reunindo toda a minha coragem para mandar uma mensagem para um menino dizendo que eu tava afim dele. Ou ficando amiga de amigos do garoto que eu fiquei (e pagando alguns micos pelo caminho) só para saber se poderia rolar algo novamente. Ou até mesmo pedindo para a amiga chegar junto de quem eu tava interessada para sondar se eu seria correspondida. Eu hein, a tecnologia chegou para facilitar nossa vida mas parece que a gente dá um jeito de complicar as coisas.

Será que se eu tivesse essas redes sociais à minha disposição lá nos anos 2000 eu seria confusa e cheia dos joguinhos como essas meninas? Nunca pensei que uma parada para um açaí fosse gerar tanta dúvida.