Browsing Tag

papo sobre autoestima

2 em Autoestima/ Decor/ Parceria no dia 20.09.2019

Casa do Papo com todos os detalhes

Há quase um mês eu fiz um post contando os motivos que nos fizeram optar por um lugar para chamar de nosso. A lista de motivos é enorme, e a cada dia que passa a gente tem mais certeza que fizemos a escolha certa. Hoje, porém, o post tem um outro viés. Muita gente se interessou nos detalhes que compõem a Casa do Papo, e hoje a gente veio contar cada um deles.

A arquiteta & o projeto

Para começar, precisamos contar para vocês como a ideia desse projeto surgiu. E antes de tudo, precisamos enaltecer Ana Neri, arquiteta que nos ajudou a transformar uma sala vazia em um lugar acolhedor e dinâmico. E como isso aconteceu? Por causa do nosso briefing!

3D do escritório de arquitetura Ana Neri

Na nossa primeira reunião com ela, deixamos claro que fazíamos questão de algumas coisas: 1) A gente queria um lugar onde pudéssemos receber pessoas da forma mais confortável possível. 2) Não queríamos um cenário engessado. Queríamos versatilidade, dinamismo e um lugar onde pudéssemos fotografar e filmar sem depender de apenas um ângulo específico. 3) Também gostaríamos de criar uma conexão com a casa da Carla, que tem muito branco, madeira e ilustrações.

Assim que definimos isso, a Ana fez pesquisas em ambientes corporativos e de escritórios criativos e a arquibanca tem sido muito presente em muitos deles. Quando ela desenhou a planta com a arquibancada, nós não tivemos nenhuma dúvida, nunca tínhamos visto um espaço de blog com uma, quisemos na hora. Era a união de basicamente tudo que a gente queria. O desafio dela foi transportar a ideia da arquibancada para um tamanho menor, de sala comercial e com tudo mais que a gente queria.

No fim das contas, a arquibancada foi além das nossas expectativas. Como ela foi feita totalmente sob medida para nosso espaço, ela também funciona como baús, servindo para armazenar muitas coisas que precisamos para que a sala não fique atulhada. Volta e meia recebemos muitos produtos (o momento pré fim de semana do papo que o diga! rs).

Sem uma arquiteta tão talentosa esse projeto jamais teria saído do papel de forma tão autoral, brasileiro e repleto de significado, praticidade e custos viáveis. Parece que fazer sozinho é mais barato, mas todos os fornecedores e lojas sugeridos pela Ana foram os mais econômicos que encontramos, isso tudo sem falar no bom gosto e criatividade.

Além da arquibancada, tivemos mais 4 ambientes que foram feitos sob medida: A estante, o escritório, a copa e a entrada. Uma coisa que a Ana Neri sempre nos falou é que usar a marcenaria e móveis feitos sob medida é uma das formas mais eficientes de conseguir otimizar os espaços, e de fato foi isso que aconteceu. A estante foi projetada tanto para comportar produtos dos patrocinadores e parceiros como para guardar materiais que precisamos e ter itens de decoração. Além disso, ela pode ser um outro cenário para gravar vídeos.

A parte do escritório consiste de um tampão de madeira, um armário suspenso e um gaveteiro móvel, que divide o tampão em duas áreas (perfeito para quando eu e Cá estamos trabalhando juntas). A copa tem prateleira, um armário móvel e um espaço para um frigobar. E a entrada foi pintada de outra cor e tem um cabideiro. Elas foram pensadas para que nenhum ambiente ficasse de fora do vídeo.

Cadeira do Escritório & espelho Abra Casa | cesta linda Casa que Tem
Espelho Abra Casa
Espelho Abra Casa (vou comprar igual pra meu lar) | geladeira Brastemp

E apesar de termos feito quase tudo sob medida e da marcenaria ter sido o maior custo nesse projeto, a parte charmosa da Casa do Papo foi toda pensada com a ajuda de duas lojas que nos ajudaram a transformar esse lugar em um ambiente tão delicioso de trabalhar.

Lojas parceiras do projeto: Abra Casa & Casa que tem!

A primeira delas foi a Abra Casa. Uma marca super tradicional no setor de decoração aqui no Rio de Janeiro. Ficamos super felizes de tê-la conosco porque namoro as coisas de lá no Rio Sul há anos. Foram os móveis de lá que ajudaram a trazer toques práticos, estilosos e necessários para o nosso ambiente. O espelho, as cadeiras, o tapete e a mesa de suporte, vieram de lá. Assim como o cabideiro, que é a estrela da nossa entrada e super prático para o dia a dia.

Uma boa notícia para quem está decorando ou redecorando sua casa ou escritório é que a Abra Casa está com 10% de desconto até o dia 30/09 para todas as leitoras do Papo Sobre Autoestima! É só digitar o código PAPO10 no fim de suas compras. ;)

ABRA CASA: mesa Sophia <3 e tapete
ABRA CASA: Cabideiro
Da ABRA CASA: Cadeira do escritório | Espelho de corpo inteiro

A outra marca que nos ajudou a deixar a Casa do Papo ainda mais acolhedora foi a Casa que Tem. Ela é uma loja de São Paulo, que tem loja física e online, com objetos decorativos que deixam qualquer cantinho mais aconchegante, estiloso e lindo de se ver. Uma loja perfeita para os detalhes, o site já mostra, mas a loja em São Paulo é ainda mais incrível.

Toda a seleção de produtos disponíveis é pensada para criar ambientes acolhedores e funcionais. É de lá as cestas organizadores onde botamos livros e revistas. É de lá também os cachepots que aparecem no fundo de algumas fotos, assim como os quadros, os azulejos e a maior parte das almofadas que ficam na nossa arquibancada. O jogo de xícaras e pires de estrelas que sempre é elogiado por todo mundo que aceita nosso cafézinho também é de lá. Vale a pena dar uma olhada nos produtos que estão por lá, tem muita coisa bacana para os mais diversos estilos de decoração.

cesta + cachepot + pode de cerâmica | Casa que Tem
Potinho de cerâmica | Casa que Tem
mais uma cesta organizadora decorativa Casa Que Tem
Almofada cinza (tenho duas) Casa Que Tem
cesta mais maravilhosa da vida | casa que tem
Todos os quadrinhos são da Casa que Tem | a placa Todos juntos somos fortes ainda tem.
a xícara de cafezinho estrelado mais elogiada de todas é da Casa que Tem

Por fim, é claro que tem muita coisa que foi surgindo de acordo com a nossa necessidade. A máquina de café e o microondas, além do frigobar, por exemplo. A biblioteca que criamos – e que virou nosso orgulho – toda com temas que têm a ver com o que falamos no Papo Sobre Autoestima. O trilho de iluminação, que permite que a gente consiga direcionar a luz para diferentes lugares e criar efeitos diversos. E até mesmo o difusor de óleos essenciais, que a Carla trouxe sem que eu soubesse – e foi o presente que mais fez sentido para mim. hehe

É claro que ainda estamos no começo, e esse é um ambiente muito orgânico, vivo e que está apto a acompanhar nossas mudanças e invenções de moda. É um lugar que nossa criatividade está fluindo mais do que nunca e que a gente está amando dividir com vocês.

Todo mundo que entra aqui fala da beleza, da vibe e do quanto ficou lindo nosso escritório. Tudo isso só foi possível porque escolhemos essa arquiteta talentosíssima para criar, pensar e fazer acontecer. Ela participou de todas as decisões e ajustes desse sonho e por isso que ficou tudo tão perfeito.

Obrigada a todo mundo que apostou e incentivou para que a gente materializasse o espaço dessa troca coletiva que é o Papo sobre Autoestima, ter a casa do papo fez toda diferença.

Obrigada Ana Luiza Neri por ter sido a melhor arquiteta possível. Obrigada Paulo por ter sido o marceneiro mais rápido de todos e obrigada Daniel por ter sido o melhor eletricista/ faz tudo que poderíamos querer. Ah, quase esquecemos do Maurício que nos salvou com a consultoria da escolha e instalação do ar condicionado.

Foi um grande investimento em todas as frentes, mas tem sido uma honra desfrutar de tudo isso.

2 em Comportamento no dia 20.08.2019

Por que ter a Casa do papo?

Em janeiro nós faremos 10 anos de blog. No primeiro dia de 2020 vamos celebrar uma década de conteúdo na internet. Algumas pessoas nos acompanham desde então, sabem das nossas histórias, acompanham nossas fotos nas redes sociais ou nossas dicas nos stories. Muitas de vocês viram a gente realizar muitos feitos e até mesmo transformar sonhos em realidade.

Um desses sonhos é o tema desse post: o nosso escritório, mais conhecido como CASA DO PAPO.

Sempre falamos de ter um lugar, um espaço para podermos nos organizar visando crescer de forma mais funcional e próspera. A verdade é que o Brasil enfrenta momentos muito delicados e desde 2015 não encaramos o cenário do país ou do mercado como apto a muita ousadia. Sobrevivemos a crise vivendo do blog como nosso trabalho, vimos muita gente parar ou mesmo mudar a forma de monetizar seu trabalho. Vimos gente tentar e desistir, consciente de todos os nossos privilégios seguimos mais um pouco.

Muitos produtores de conteúdo viraram fornecedores de serviços, passaram a vender infoproduto ou mudaram de ramo.  Batemos na trave da desistência, mas resistimos.

O tempo passou. Novamente oportunidade nos mostraram de uma vez por todas que: grandes sonhos muitas vezes se beneficiam de grandes apostas, feitas com um pouco de fé, muita coragem, uma dose de ousadia e muito trabalho. Seguimos com tudo em ordem na empresa, mas ainda pensávamos pequeno. Notamos novamente que precisávamos parar de pensar pequeno, o que pra nós foi muito desafiador.

Aprendemos um pouco mais sobre o valor do nosso trabalho, sobre o quanto ele é único e repleto de significado. Descobrimos que queríamos oferecer mais do que conteúdos, experiências. E pra isso, vimos que precisávamos pensar maior. Era profissionalizar mais, ou desistir de vez. Tivemos a oportunidade de escolher a primeira opção.

Precisávamos de um lugar concreto para mudar nossa maneira de nos comportar, criar e trabalhar.

Foi assim que deixamos de ser uma empresa feita no fundo do nosso quintal e nos organizamos para crescer. Para ter equipe em algum momento e para não ficarmos mais com a vida pessoal tão misturada com a profissional. Queríamos organizar a agenda e o conteúdo. As jornadas precisavam ficar claras. As reuniões precisavam de um lugar. Os conteúdos demandavam identidade visual e um espaço criativo. A gente precisava criar espaço pra no futuro poder contratar alguém para ousar nessa empreitada conosco. Afinal sabemos que sozinhas não vamos mais muito longe, precisamos de gente pra somar, pensar e realizar.

TUDO isso foi a força motriz para esse projeto que a gente apresentará esses dias aqui no blog pra você. Nós duas contamos para Ana Neri, nossa arquiteta, quais eram as nossas expectativas e pronto. Ela superou tudo na realidade, como num livro em que você imagina tudo de maneira incrível e a realidade consegue ser melhor. Deixamos claro que queríamos um espaço para semear ideias, plantar sonhos, colher resultados de projetos e reunir mulheres para aprender. Reunir no conceito mais crú que esse verbo pode ter.

Tá, mas o que é REUNIR pra vocês?

Queríamos unir novamente MULHERES que admiramos. Unir bem, de vez, causando uma aproximação do que estava separado. Fazer comunicar. Juntar uma pessoa com outra. Aproximar aquilo que disperso estava. Agrupar ideias. Aliar lutas. Convocar pessoas para colocar sonhos em prática, fazer funcionar. Um lugar para agrupar iniciativas. Uma maneira de juntar projetos em um mesmo lugar.

Algumas das mulheres muito legais que já estiveram por aqui:
Maraisa Fidelis | Cinderela de Mentira | Luciellen Assis | Soutipo4
Ana Neri nossa arquiteta | Mandy Blog Starving entre outras visitas

Para ir além, dando espaço concreto para a nossa criatividade. O investimento foi alto, mas nunca vimos ninguém realizar crescer sem investir tempo e dinheiro em seus objetivos em algum momento do processo. Nos programamos pra isso, nos organizamos financeiramente e cuidamos das possibilidades de investimentos da empresa.

Financeiramente essa conta não se pagou ainda, mas energéticamente já valeu cada noite mal dormida preocupada com os custos, com a planilha, com as datas da obra, com a mudança de elétrica, sinteco, móveis e todo detalhe que envolve criar um espaço pautado na nossa verdade. Foram alguns meses DESAFIADORES, mas agora é quase que mágico.

MUITAS VONTADES NOVAS JÁ NASCERAM AQUI. Muitos projetos já são embriões em gestação e sonhos ganharão formas. Nossos encontros e desencontros no eixo Rio-Nova Iorque ganharam um novo jeito com nosso escritório funcionando, juntas e separadas.

O futuro a gente entrega ao que há de mais divino na existência. Hoje a gente escolhe vibrar na energia da abundância e pede a Deus uma chuva de bençãos para nosso caminhar.

Juntas a gente espera mudar muita coisa, levar ideias, propor trocas, enaltecer o senso crítico e ter um espaço físico fez toda a diferença para isso. Essa mudança concreta impacta na nossa maneira de se comportar, de sonhar e de se planejar.

É isso, sejam bem vindas a era da casa do papo.

No post sobre o projeto falaremos mais deles, mas fica aqui o agradecimento a todos os envolvidos:

Arquiteta e idealizadora de todo projeto: Ana Neri
Marcenaria: Paulo (o mais rápido possível) Mobile Art
Ajustes de civil e Elétrica: Daniel (o melhor faz tudo, o mais sincerão)
Móveis prontos: Abra Casa* 
Itens de Decoração: Casa que tem * & outros


Muita gratidão a todos que de alguma forma foram parceiros* desse projeto.

1 em Autoconhecimento/ Autoestima/ Destaque no dia 14.08.2019

Um bate papo sobre gordofobia, pressão estética, saúde física e mental

Quando fui chamada para participar do #FimDeSemanaDoPapo, eu não imaginava o que me esperava. Especificamente, fui convidada a falar sobre Gordofobia, Pressão Estética e o Impacto na Saúde Física e Mental. Junto comigo, mais algumas mulheres muito queridas: as blogueiras Ana Luiza Palhares e Ju Romano, a nutricionista Isabela Mota e a atriz Mariana Xavier.

Nosso bate papo foi o primeiro de todo o evento e aconteceu algo bem curioso. Todas as vezes em que conversei com a Jô antes do evento perguntando sobre como seria este bate papo, ela sempre dizia: “Estou tranquila com todas vocês juntas! Com certeza será incrível!”

No momento em que nos encontramos na sala em que o bate papo iria acontecer, era nítido o clima de alegria que estava no ar! Todas aquelas mulheres se conheciam de uma troca diária do grupo Papo Sobre Auto Estima. Joana e Carla nos apresentaram, introduziram o tema e, ao encerrar sua fala, Joana disse:

– “Meninas, eu tenho certeza que vcs estão em boas mãos e duas horas será pouco para toda essa discussão”

Neste momento a querida Ju Romano, me olhou e disse: – “Você conduz? Você começa?”

Essa sou eu!

Sim! Este sempre foi o meu papel! Conduzir o processo de auto conhecimento dos meus pacientes é a minha área. Ser aquela que acompanha, mas não dá as respostas prontas. Ser aquela que provoca, e mais do que isso, a que faz possível ir além da dor quando o paciente permite.

Primeiro pedi que todas chegassem mais perto, inclusive se sentassem no chão, se assim quisessem. Eu me apresentei, e apresentei também Ju Romano, Ana Lú, Isabela e Mariana. E na sequência perguntei:

“Vocês sabem a diferença sobre pressão estética e gordofobia?”

O silêncio se fez na sala. É dificil mesmo levantar a mão e dizer que não sabe ou que tem dúvidas. Até que uma voz quebrou o silencio e disse: “Não!” Ufa! Nossa troca iria começar a partir dali!

Deste momento em diante todas aquelas mulheres e toda aquela potência do feminino se conectou. E enfim pudemos falar dos temas mais delicados, que trago hoje para vocês. Alguns deles:

Ana Lu Palhares

– Não julgar que uma mulher com um corpo mais “típico”, ou “próximo” ao padrão estético unilateral da magreza, não sofra tanto quanto uma mulher gorda. Existe a pressão estética em cima dela, existe o bullying e existe, sim um sofrimento. Mas é preciso entender o contexto onde a acessibilidade dela não é impedida socialmente (catracas de ônibus, falta de cadeiras reforçadas para suportar o peso, poltronas e cintos de segurança do avião que lhe caibam…). Ou que ela não deixa de ser atendida em um hospital porque presume-se que é só emagrecer que passa. E o mais importante, lembrar que se fere a existência do outro, deveria ferir a nossa também.

– Como o corpo gordo é visto como uma doença epidêmica mundialmente, com dados alarmantes. E ao mesmo tempo nunca estivemos tão obcecados por dietas, composição dos alimentos e corpos esculpidos.

A nutricionista Isabela Mota

– Essa obsessão nos mostra que estamos no caminho errado. Tentando controlar o corpo, a fome, o peso. E nos afastando do verdadeiro significado da saúde.

– Como o padrão de beleza unilateral da magreza, não representa todas as possibilidades, tipos, formas e tamanhos de corpos. Como, em 7 bilhões e 600 milhões de códigos genéticos, eu posso crer que é possível ter apenas um tipo de corpo?

– Nosso corpo mostra a nossa genética, historia, escolhas e traz todas as consequências. E isto não é ruim, mas não quer dizer que seja simples de entender e se familiarizar. Afinal, estamos no mundo do “Não gosta, mude!” 

Ju Romano

– Questionamos a eficácia de diminuir toda a dor e angústia vividas com o corpo desde a infância a procedimentos estéticos e transtornos alimentares. Habitar o nosso próprio corpo é nos depararmos com a historia que este corpo conta. É entrar em contato com a dor e as angústias vividas a cada ganho de peso ou a cada dieta mal sucedida. A cada médico que atribuiu a sua dor na cervical única e exclusivamente ao seu peso. A cada familiar que o ridicularizou durante um encontro de família, como se o seu corpo fosse público.

A partir daí muitas mulheres se manifestaram. Contaram suas histórias de dor com suas mães, médicos gordofóbicos, crianças na época de escola, as dificuldades de existir fora de padrão unilateral da magreza. Essas mulheres compartilharam suas histórias, dores, suas marcas e puderam ser acolhidas, abraçadas e cuidadas. Eu só posso agradecer, a cada uma das mulheres que fizeram este momento tão especial e transformador.

Ressignificar cada uma dessas experiências inclui entender que autocuidado não significa única e exclusivamente tomar um banho demorado ou ter tempo de ir a manicure.

É também, mas não só isso. É entender que cuidar da sua alimentação é uma forma de cuidar do seu bem estar. Internalizar que fazer uma atividade física é para manter seu corpo em movimento e cuidar desta “casa” que você habitará até os últimos dias da sua vida. E que saúde não é medida pela circunferência abdominal, e que ninguém precisa andar com seus exames bioquímicos por aí para demonstrar que tem um corpo saudável.

Mariana Xavier

Foi também entender que nossas mães só foram capazes de nos dar e nos ensinar o que lhes foi ensinado.

Por mais dolorosa que possa ter sido a sua relação com seu corpo e a maneira como sua mãe lidava com o corpo dela – e consequentemente com seu corpo – isso dificilmente é intencional. A gordofobia da sua mãe diz respeito à ela, não à você.

Por isso que hoje todas nós somos capazes de fazer diferente com nossas filhas, irmãs, primas, vizinhas, amigas! Cada uma de nós podemos nos tornar agentes de saúde, ainda mais em uma sociedade tão adoecida.

Sim, precisamos lembrar que apenas nós somos capazes de fazer diferente. Que cada like, cada visualização ou foto que eu abro para ver alguém falando do corpo ou da vida de outra mulher, eu reforço este comportamento. Cada vez que eu permito receber um elogio em detrimento a outra mulher, eu compactuo com esse sistema.

E por fim, que toda essa desconstrução é um processo. Individual, muitas vezes doloroso, mas que envolve uma construção de uma mulher possível e real! Lembrando sempre que não é fácil, mas é possível!

Meu muito obrigada a cada uma das mulheres incríveis que estavam presentes! E a cada uma das colegas deste evento que, ao meu lado, levaram esse bate papo tão importante!