Browsing Tag

nutrição baseada no comportamento

0 em Autoestima/ Camilla Estima/ Convidadas/ Saúde no dia 22.01.2018

Parece que não estar de dieta é o comportamento estranho

Semana passada rolou na internet umas imagens de uma festa de aniversário de uma moça cujo tema era “35 anos tentando ser magra”. Cada um faz a festa que bem entende, mas esse exemplo gráfico pulando na tela do meu computador me fez lembrar da história que eu mais ouço no meu consultório: passei a minha vida de dieta. Não estou sendo exagerada ao afirmar que 90% das mulheres que se consultam comigo ou que me mandam mensagens nas redes sociais já me falou essa exata frase.

Mulheres na faixa dos 30 a 40 anos relatam que estão nesse processo desde adolescentes.  Fico imaginando essa vida narrada por elas….e com vontade real de dar um abraço carinhoso em cada uma.

Quem não conhece alguém que está sempre de dieta? Não estou falando de mulheres que têm uma alimentação saudável, balanceada e uma relação boa com sua comida e seu corpo. Estou falando de mulheres que passam a vida restringindo sua alimentação, presas em listas de “pode x não pode”, entrando e  saindo de dietas da moda, fazendo comentários magoados à respeito do que comem ou do que “não podem comer”, que se controlam o tempo todo e se frustram quando saem desse controle. 

Pensando friamente: É normal alguém passar a vida toda de dieta? Relatar isso às pessoas a sua volta e todas acharem normal é ok? Você pode dizer que é comum por ser frequente, mas não é normal.

da página Fazendo a Nossa Festa

da página Fazendo a Nossa Festa

E não, a culpa não é da mulher que vive de dieta! E sim do universo que ela está inserida. Não preciso nem voltar a falar do padrão de beleza pautado na magreza, isso todo mundo já está careca de saber. Mas acho que vale adicionar à essa discussão algo importante: o mundo que vivemos há muito tempo associa valores à aparência. Isso é grave e está ficando cada vez mais enraizado nas pessoas e na cultura. Está saindo do controle. Na cabeça de muita gente, não estar no tal do padrão implicitamente faz parecer que a pessoa não tem valores como ética e caráter (“gordo é sem vergonha”) ou que não tem a tal força de vontade (“gordo é preguiçoso”, “gordo não se cuida”), não é bem sucedido, não é bom suficiente e vive atrás das suas “desculpas” para não se cuidar. Essas ideias (estapafúrdias, a meu ver) viram crenças, e aí que vai ficando mais entranhado. Tudo isso somado leva ao medo de engordar, e o resultado disso? Passar a vida de dieta.

Quando penso nesse cenário todo, alguns questionamentos martelam a minha cabeça:

  1. Que mundo é esse que estética é mais importante que valores? Você gostaria que as pessoas lembrassem de você pelo que: “fulana é magra” ou “fulana é uma mulher incrível e super inspiradora”?
  2. Que mundo é esse que aquisições e conquistas são menos importantes que o corpo que você tem?Já falamos disso anteriormente por aqui, em um dos meus primeiros textos pro futi.
  3. Que mundo é esse que quer manter as pessoas nesse modo operante?

Como sempre digo, a jornalista Daiana Garbin tem um vídeo sensacional em seu canal chamado “A indústria do belo”, onde ela disserta sobre a infinidade de mercados que existem baseados em discursos que semeiam inadequação e insatisfação para que as pessoas possam continuar consumindo. Que mundo é esse que não questiona esse comportamento constante?

Por que será que não se questiona uma mulher que passa a vida de dieta? Que passa a vida contando isso? Presa nisso? Por que será? Se alguém tiver essa resposta, me conta….

Uma coisa que eu penso é que não há questionamentos pois quem ouve isso também está a vida toda de dieta. Ou tem alguma mulher próxima que passou a vida de dieta. E todo mundo acaba achando isso normal. Pois todo mundo está de dieta e parece que não estar de dieta é ser estranho.

Que mundo é esse que não abraça essas mulheres?

Essas mulheres têm que ser abraçadas. Temos que olhar e tratar delas com muita compaixão. Acho que uma forma de abraçar isso é desconstruir esses conceitos e crenças que estão entranhadas na nossa sociedade. Mas ao mesmo tempo, ouço de muitas mulheres que quando elas se libertam desses padrões ou modo operante, elas ficam sem assunto com suas amigas. E quando mostram sua nova forma de pensar continuam se sentindo inadequadas, pois começam a ser julgadas por isso. Por não estarem mais de dieta ou por estarem aceitando seus corpos. Que maluquice é essa!

Então, já que estamos trilhando o caminho da desconstrução, pra mim as pessoas só vão se sentir confortáveis de verdade nos seus corpos no dia que os valores não forem mais associados à forma física. Caráter, ética e valores nada têm a ver com o seu peso, o seu corpo, o seu cabelo, seus músculos ou sua altura. Nada. No dia que esse pensamento se tornar mais corriqueiro do que falar sobre dietas, talvez o mundo se torne um pouco mais gentil com nós mulheres. 

Grande beijo.

4 em Autoestima/ Camilla Estima/ Convidadas/ Saúde no dia 29.11.2017

Projeto Verão – não, obrigada!

Não adianta, basta as temperaturas começarem a subir e a ansiedade das pessoas acompanha essa escalada em busca de um “corpo para o verão”. Começam a pipocar os “projetos” para a temporada mais quente do ano, ou seja, uma cruzada para uma modificação rápida do corpo, como que um passe de mágica, correndo contra o relógio para ter o tal corpo perfeito para exibir na praia.

Coloquei na busca do Google “corpo de verão” para ilustrar o post e as fotos que aparecem são essas:

Sempre o mesmo formato de corpo, em uma praia paradisíaca, um biquíni branco e uma modelo “sem cabeça”. Fiquei pensando o por que do biquíni branco.

A presença da fita métrica é constante nas imagens. Profissionais de saúde e educação física usam esse instrumento para realizar medidas corporais. O problema desse tipo de imagem é que a medida da fita métrica mal interpretada vira mais um número que gera insatisfação corporal.

o biquíni virou um inimigo para você ter que “encará-lo”?

A necessidade de ter um corpo aceito nos padrões atuais parece ser o passaporte ou uma condição para ir à praia livremente, sem culpa e julgamentos alheios. Se você não tem o “corpo do verão” parece que não tem direito de usufruir das atividades típicas dessa estação.

A quantidade de mulheres que já reproduziram tal discurso – “imagina que eu vou à praia no verão” – em grupos de amigas, nas redes sociais, no meu consultório é incontável. Elas simplesmente não se acham merecedoras de aproveitarem o sol, a praia, piscina ou cachoeira por um autojulgamento de que seus corpos não estão adequados para isso. E esse julgamento vem de onde? Além do óbvio – do padrão de beleza pautado na magreza excessiva – vem exatamente dessas fotos que ilustrei acima. I-M-P-O-S-S-Í-V-E-L olhar para uma foto dessas e não se comparar imediatamente ou enaltecer alguma “imperfeição” que você afirma ter.

Agora vamos conversar sobre o quão problemático está o mundo que te manda fazer um projeto para aproveitar o verão e qual o PROBLEMA de se colocar em um “projeto” desses:

– eles são pautados em dietas extremamente restritivas. Já falamos por aqui do problema das dietas restritivas: dietas são imposições externas para comportamentos internos, pautadas em uma restrição calórica completamente exagerada e bem difícil de ser seguida. E como a maioria das pessoas simplesmente não consegue segui-las por muito tempo, acha que o problema é com elas e não com o método.

– atividade física em excesso e que não faz parte – especialmente quanto à frequência – da rotina natural das pessoas.

– palavras julgadoras envolvidas nesse processo “força, foco e fé”, “falta de força de vontade”, “só não faz quem não quer”. Recentemente consegui listar com meus alunos apenas 52 motivos que fazem as pessoas comerem o que elas comem. Sim, você não leu errado….C-I-N-Q-U-E-N-TA-E-D-O-I-S motivos, já falamos deles também por aqui. As pessoas realmente não têm força de vontade para mudar sua alimentação e sua relação com a comida ou é tudo muito mais profundo do que a gente realmente imagina?

Isso tudo gera MUITA INSATISFAÇÃO e sentimento de fracasso nas mulheres, gerando ansiedade e relação descontrolada com a comida.

Por fim, amo essa imagem para sempre.

Agora me diga, quais são os seus projetos reais para o verão:

– planejar uma viagem bacana
– conhecer uma praia ou cachoeira que você nunca foi
– aproveitar o sol com proteção
– encontrar seus amigos
– apreciar o pôr do sol
– participar de eventos ao ar livre
– curtir o reveillon e o carnaval

Bom verão para todas nós…..e que seja com liberdade e em paz com a gente mesma!

2 em Camilla Estima/ Comportamento/ Convidadas/ Saúde no dia 08.11.2017

Você sente mais fome no estômago….ou na cabeça?

Vou começar o meu texto com duas perguntas, que podem parecer bestas….

1) Você conhece a sua fome?
2) Você sabe a hora que deve parar de comer?

Mas Camilla, como assim “conheço a minha fome”? Claro que sei.

Será mesmo? Então pare e pense se você conhece mesmo a sua fome…..e em qual parte do seu corpo você a sente? E em qual momento você a sente? Não precisa escolher só uma opção.

a) Na cabeça
b) No estômago
c) No peito
d) Roendo as unhas
e) Ansiosa estudando para uma prova no final do período da faculdade
f) Entediada no domingo às 6 da tarde
g) Quando você abre a geladeira pra pensar
h) Quando está trabalhando até mais tarde e precisa se manter acordada
i) Quando terminou o namoro
j) Antes de uma reunião importante
k) Na TPM

Agora vamos para a segunda pergunta:

2) Você sabe a hora que deve parar de comer?

Mas como assim hora de parar de comer? Normalmente eu paro de comer quando estou satisfeita (satisfeita mesmo ou cheia?) ou quando pisquei o olho e vi que acabou a comida que do prato enquanto eu estava vendo a minha série favorita ou então quando a pipoca magicamente acabou e o filme ainda nem tinha começado!

E naqueles restaurantes que você paga um preço fixo – buffet ou rodízio – e pode comer o quanto quiser -você sabe a hora que deve parar?

Agora vamos ao gabarito das perguntas acima:

Se na pergunta 1 você respondeu que quando está com fome você sente no seu estômago, é um bom sinal. Mas agora, como adoro uma pegadinha, a fome que você sente está 100% do tempo no estômago? Acho que não, né. As letras C até K, você marcou alguma?

Calma, se você não marcou “estômago ” e sim todas as outras, tá tudo bem!

Por que estamos falando isso? A gente fala muito aqui no futi sobre respeitar seu corpo, honrá-lo, aceitá-lo como ele é e fazer o melhor dele. Respeito, essa é a palavra. Para melhorar a relação com o corpo é inevitável que haja uma melhor relação com a comida.

Na linha da nutrição baseada no comportamento, nosso foco é melhorar a relação com o corpo e com a comida usando alguns pilares: o reconhecimento dos sinais de fome física e da saciedade e também entender os motivos que levam você a comer o que você come.

A fome e a saciedade são dois sinais que nascem com a gente mas que se perdem na infância e adolescência por diferentes motivos. Na infância um bebê sabe direitinho a hora que ele tem fome e quando precisa parar de comer. Simples assim. Há um comando interno – que chamamos de autorregulação energética – que avisa que a energia está baixa (que nem a luz do painel do seu carro acende quando a gasolina está na reserva), envia um sinal para o centro da fome no cérebro, e aí o alerta vem. E quando “o tanque foi completo” mais um sinal é enviado, mas agora no centro da saciedade, avisando que está na hora de parar.

O que então desregula? Quando a criança já passou de um corpo de bebê para um corpo de criança ele já não sente mais tanta fome, e junto a isso outras coisas passam a a dar prazer à ele que não apenas o alimento, pois agora ele caminha! Só que a família desavisada disso, o que faz? Com a preocupação de “meu filho parou de comer”, engata em um pensamento de “vamos encher essa criança de comida!” e aí começa uma desregulação.  Junte isso com algumas crenças de que “não pode deixar comida no prato”, “não vai sair da mesa se não comer tudo”, “tem gente passando fome, você não pode desperdiçar comida” – lascou-se. Tem que comer o prato feito por um adulto, na quantidade de comida que um adulto avaliou que seja suficiente, mas para a fome de uma criança. Parece louco, né…..mas é a realidade, acho que desde que o mundo é mundo.

Na adolescência há novamente uma alta demanda de energia e nutrientes – afinal de contas precisamos transformar um corpo de criança em um corpo de adulto – e volta novamente aquela fome de leão. Mas aí, aliado a diversas crenças construídas socialmente como “fulana engordou assim que virou mocinha”, muitos adolescentes, por conta própria ou até estimulados pela sua família, saem à procura de algo para frear isso. E então começa a roda viva das dietas e em casos mais extremos (mas infelizmente bem comuns) são levados a profissionais de saúde que indiscriminadamente prescrevem remédios para inibir o apetite. (Alguém ai se identificou?). Agora, imagina só frear a fome para a construção de um corpo saudável por conta de um achismo de que o corpo engordou? Esse corpo precisa mudar!

Remédios inibidores de apetite desorganizam completamente o centro da fome e da saciedade. O corpo já não sabe mais que horas está com fome, está satisfeito, fica uma sinfonia de sensações completamente misturadas.

E então você hoje, adulta(o), que provavelmente já passou por algum desses processos aí, sabe me dizer se conhece a sua fome? E a hora de parar de comer?

Pra embolar ainda mais o meio de campo nós temos as emoções. Sim, nós nos diferenciamos do resto da cadeia alimentar por conta das emoções e da racionalidade. Me diga, quais são os motivos que levam você a comer o que você come? Outro dia dei aula sobre isso e junto com a turma chegamos a 52 motivos, e acho que ainda faltou muita coisa.

Feliz, triste, entediado, depois de um dia difícil como recompensa, se sentindo só, sentindo um vazio interno que precisa ser preenchido, uma ida à um rodízio que precisa fazer valer o quanto pagou, uma ida à um evento com mesa de coffee break (sendo que você nem estava com fome, mas a comida estava ali), porque foi em um lugar cuja comida era de graça, passou por uma praça de alimentação do shopping e viu uma promoção, na fila da farmácia e pegou umas balinhas expostas, parada no sinal de trânsito e o menino colocou um amendoim no retrovisor. Ufa……ainda falta um monte de coisas! Mas já deu pra entender, né.

Agora respira…..pois você não está sozinha. E não se desespere. Perceber a hora que você está com fome de verdade ou se algum dos motivos acima te fez comer mesmo sem fome, já é um bom passo para entender isso tudo e melhorar a sua relação com a comida.

E depois disso tudo que eu escrevi, alguma dieta ou receita mágica ou lista de alimentos permitidos ou proibidos já te fizeram pensar em metade das coisas que falei acima? Acho que não, né..