Browsing Tag

maternidade desromantizada

0 em Comportamento/ maternidade no dia 23.04.2019

Sobre tentar se enturmar com as mães da escola

Em dois meses eu completo 3 anos morando em Nova York. Mas posso dizer que meu grande passo só aconteceu mesmo há uns 3 meses, quando eu comecei a tentar me enturmar com as mães da escola.

Eu achei que seria fácil. Lembro que uma amiga minha, que botou a filha na escolinha mais ou menos na mesma época que eu, se enturmou super fácil. Todo dia ela tinha coisa para fazer na casa das outras mães. Eu achei que seria igual.

Bem…Arthur entrou na escolinha com 1 ano e meio. Ele está com 3 anos e 4 meses, então faz as contas. Foram basicamente 2 anos inteiros sendo uma pessoa simpática, que ri, fala oi, mas que não dava nenhuma chance de aproximação.

Toda vez que eu tentava, eu sentia certa dificuldade para entender boa parte do que elas estavam falando. Sentia mais dificuldade ainda de seguir a conversa. Não só por causa da língua, mas também porque muitas vezes elas estavam falando de coisas que eu não sabia dar opinião. Quando ele foi para essa nova escolinha, tive outra dificuldade. As mães da escola já se conheciam do ano anterior, então todas já se falavam e sabiam coisas umas das outras. Por causa disso tudo, toda vez saía meio frustrada, e muito cansada, na maior parte das vezes.

O fato de conhecer muitas mães brasileiras – e já falei de algumas aqui – fez com que eu me isolasse constantemente. Muitas vezes sem perceber, e sem intenção. É muito fácil você se manter na zona de conforto quando está insegura.

Só que, no caso das mães brasileiras, cada uma mora em um canto. A que eu tinha mais perto de mim, no meu prédio pra ser mais exata, foi morar em outro país. Muitas moram em New Jersey. E eu me vi ficando cada vez mais sozinha. E o isolamento começou a pesar. Somos seres sociais – e sociáveis – no fim das contas.

Via mães passeando juntas com seus carrinhos e crianças pela rua, e sentia inveja. Via mães da escola nos parques enquanto os filhos brincavam, e me enfurnava no celular para tentar me sentir menos sozinha.

O que mudou? Arthur.

Foi ele que puxou pra fora dessa zona de conforto ao fazer amigos. Mateo e Cruz, o nome deles. Eles começaram a pedir playdates nas casas um dos outros, e foi assim que eu passei a conviver mais com as mães deles (no caso do Cruz, inclusive, são duas mães). E assim eu fui me sentindo mais acolhida, mais por dentro das conversas, e mais segura também.

Outro dia eu fui para o parque depois da escola, e lá estavam outras mães da escola. Fiquei impressionada quando me toquei que, enquanto Arthur estava brincando com as meninas, sem nem perceber, eu estava ali, sentada conversando com elas sobre vários assuntos. Alguns que, inclusive, eu puxei. No outro dia, fui para casa de um deles e voltei quase 9 da noite, de tanto que o papo tava bom.

Enturmada. Finalmente.

5 em Autoestima/ Destaque/ maternidade no dia 05.04.2019

O primeiro passo para uma maternidade saudável? Admitir as fraquezas!

Eu vivo numa bolha. E sei disso. Convivo com muita gente que está aberta a discutir a maternidade desromantizada. Mães e não mães. Converso com gente que está disposta a se questionar sobre maternidade, doação e amor incondicional. Pessoas que querem tirar a imagem da mãe/super mulher/super heroína, pessoa incansável. Hoje vivo uma maternidade saudável, graças à essa bolha que eu vivo.

E acreditem em mim, tirar esse peso das costas das mulheres é um passo incrível para construirmos uma maternidade saudável.

Eu me lembro da primeira vez que alguém veio dizer que eu falava de um jeito que parecia que meu filho era um fardo. Eu não vesti a carapuça. Mas fiquei pensando sobre o assunto. E acabei chegando à conclusão que o fardo estava todo nas costas da maternidade. E do que a sociedade espera que uma mãe seja.

Você pode ter o filho mais comportado, educado e lindo do mundo. Você pode ter a criança dos sonhos. Você pode ter se encontrado na vida como mãe. Você pode estar muito realizada. Mas pode ter certeza que vai ter dia que a maternidade vai ser um fardo. Vai ser um trabalho solitário, repetitivo, cansativo. Vai ter dia que a gente só vai querer se trancar dentro do quarto e deixar o mundo explodir. E vai ter dias que queremos fugir.

E é bom que a gente possa admitir isso, para nós mesmas ou em voz alta. Vai ter dias que maternar vai ser pesado. E tá tudo bem.

Outro dia entrei no meio da live que a Fernanda Marques, uma mulher incrível que conheci aqui em NY, estava fazendo. Em um dado momento ela estava contando como ela faz questão de criar o filho em uma casa de pais imperfeitos. Que ela não queria criar o filho achando que a imagem da mãe é daquela mulher incansável, que se desdobra, se anula e nunca reclama só pra fazer os filhos felizes. Que ela queria poder virar pra ele e ser sincera no dia que ela estiver cansada, chateada, etc. Que essa é uma forma de criar um ser humano empático.

A gente precisa ser mais sincera com nossos filhos. Até mesmo para construirmos não só uma maternidade, mas também uma relação saudável com eles.

Vejo muito adulto que foi criado com a visão da mãe incansável e que se doa incondicionalmente. Mulheres que cresceram ouvindo que ser mãe era padecer no paraíso (e sem reclamar!) e acreditaram nisso. Passaram essa imagem para os filhos por anos, até o momento que ficou difícil sustentar essa imagem. Quando elas falam em voz alta, dá tilt na família.

Vemos filhos magoados, se sentindo preteridos e até mesmo culpados por terem “estragado” a vida da mãe. Ou seja, será que as coisas não teriam sido diferentes – e até mesmo mais suaves – se a relação não tivesse sido mais honesta desde o início?

Eu precisei me tornar mãe para entender a minha.

Foi quando eu me vi no mesmo lugar que ela que eu consegui enxergar as coisas de forma mais flexível. E consegui enxergar suas decisões e sua história com mais compaixão e empatia.

Nunca vou dizer que você precisa se tornar mãe para chegar nesse lugar que eu cheguei. Mas que tal começar a olhar com outros olhos a maternidade desromantizada? Tente ouvir mais sem julgamento. Tente tirar a ideia de que maternidade saudável é aquela que a mãe vira super heroína. Ou então que a mãe tem que aguentar tudo sem reclamar. Tenho certeza que isso serve não só para as mães, mas também para quem é filha.

1 em Destaque/ maternidade no dia 03.10.2018

Para valorizar a maternidade, não precisamos agradecer as mães por se diminuirem

Nunca pensei que teria muitos insights sobre maternidade justamente lendo “Year of Yes” (o ano que disse sim), da Shonda Rhimes. Ele é um livro inspirador em diversos momentos e eu jurava que ele seria motivador em vários sentidos, nunca nesse. Recentemente passei por um trecho sobre o assunto que me fez pensar. Vou mostrar aqui para vocês.

“Eu não acho que nunca tinha percebido o quanto e o quão frequentemente mulheres são ovacionadas por atos que praticamente as invisibilizam. Quando eu paro para pensar nisso, eu percebo que a maior culpada é a linguagem usada para ovacionar as mulheres. Especialmente as mães.

Ela sacrificou tudo pelas suas crianças….Ela nunca pensou em si mesma….Ela abriu mão de tudo por nós….Ela trabalhou incansavelmente para nos dar de tudo….Ela permaneceu nas sombras, ela era o vento embaixo de nossas asas.

Empresas de cartões são construídas nessa ideia.

(…)

Eu não estou dizendo que maternidade não deveria ser ovacionada. Ela deveria. Maternidade é maravilhoso. Eu estou fazendo isso. Eu acho ótimo.

Mas tem várias outras formas e razões que mães podem e devem ser ovacionadas. Mas cultivar esse senso de invisibilidade, martírio e trabalho incansável que não é nem notado? Essas não são razões.”

maternidade-renuncia

Já tem um tempo que eu sabia que eu não me encaixava no papel da mãe que se doa por completo e bota os filhos constantemente na frente de si. Mas até o momento eu não conseguia admitir isso com toda a convicção. Porque bater no peito e assumir que eu preciso ser eu antes de ser mãe me fazia achar que estava escolhendo ser uma péssima mãe. E não era uma sensação fácil de ser ignorada ou fácil de deixar escondida. Isso ficava martelando na minha cabeça, como se uma coisa fosse sinônimo da outra.

Eu fui criada por uma mãe que largou tudo para ser mãe. E por mais que ela diga que nunca se arrependeu da decisão que tomou (e nem sempre eu acredito quando ela fala isso), eu me projeto nela e não me vejo sendo feliz se fizesse essa mesma escolha.

O ano que eu vivi a maternidade em tempo integral com pouquíssima rede de apoio (que basicamente consistia do meu marido, que trabalha fora diariamente) foi um dos mais difíceis da minha vida. Sei que foi a melhor coisa que poderia ter feito pelo Arthur, e também foi o ano que eu mais aprendi sobre mim mesma, mas também foi o ano que eu não sabia onde achar a minha felicidade, que eu passei me afogando e procurando por ar, e que eu descobri que quantidade e qualidade de tempo não eram necessariamente proporcionais. E que eu não era minha melhor versão de mãe quando eu passava o dia na função materna (que inclui aí a versão dona de casa, afinal, com filho pequeno os dois se misturam bastante).

E aí, quando eu li esse trecho da Shonda, eu percebi que eu não quero receber parabéns por ter me anulado ou por ter me doado completamente. Eu não quero ser vista como uma mulher – muito menos uma mãe – maravilha, infalível, incansável, idealizada. É muito difícil permanecer nessa posição. E eu não me vejo segurando esse papel por muito tempo. E vou contar pra vocês, é uma sensação de liberdade maravilhosa se dar conta que não precisamos dos elogios da “mãe perfeita” para nos sentirmos valorizadas.

Então, vou aproveitar esse post para trazer um exercício. Que tal elogiarmos as mães de forma que a gente tire o foco de tudo aquilo que as invisibiliza? Adianto que não vai ser fácil – estamos muito condicionadas a acreditar em tudo aquilo que os cartões de datas especiais nos contam – mas façam o teste. Tenho certeza que teremos muitas mães mais realizadas e menos pressionadas.