Browsing Tag

jumeirah

1 em Destaque/ Oriente Médio/ Trip tips/ Viagem no dia 21.09.2017

Conhecendo o deserto de Dubai no hotel Bab Al Shams

Os Emirados Árabes estão localizados no deserto arábico de Rub’ al-Khali, na costa do golfo do Omã e do golfo Pérsico. Trocando em miúdos, ir até o Oriente Médio e não conhecer um pouquinho do deserto é como ir a Paris e não conhecer torre Eiffel: não dá.

Existem duas formas de conhecer o deserto emiradense: pegando um tour de 4×4 bate-e-volta a partir de Dubai, num passeio que sai na parte da tarde e volta no fim da noite, ou se hospedando em algum hotel no deserto. Nós optamos pela segunda opção.

E para isso, decidimos passar 1 noite no Bab Al Shams Desert Resort & Spa, um hotel bacanérrimo que fica a aproximadamente 50 minutos de Dubai. O hotel fica no meio do nada, cercado de areia por todos os lados e algumas pequenas dunas.

 

Além da vibe desértica no seu entorno, o Bab Al Shams é todo decorado com tema árabe e construído com material próprio para manter a temperatura dentro dos quartos mais amena (me lembrou o adobe, que vemos muito pelas ruelas de San Pedro de Atacama).

Aliás, o hotel é árabe também no estilo de construção: são muitos corredores se entrelaçando, o que faz do lugar quase um labirinto. A cada curva, uma paisagem e um cantinho diferente que você ainda não tinha visitado, como espelhos d’água, balanços e lareiras.

O hotel tem 113 quartos muito aconchegantes, com uma salinha de estar, penteadeira, TV, máquina de Nespresso (com cápsulas à vontade, yay!) e uma cama gigantona muito confortável. Os banheiros tem banheira junto do chuveiro e amenities muito bacanas produzidos ali no Oriente Médio: até máscara facial com lama do mar Morto tem! Nosso quarto tinha ainda uma varandinha com vista para o deserto.

Quando chegamos no quarto, fomos recebidos com uma cesta de frutas enorme e vários doces árabes. Adoro esses mimos! Não esperamos nem 2 minutos e já fomos fazendo um cafézinho para provar junto com as guloseimas.

Presentinhos de boas vindas

Como o próprio nome já diz, o hotel tem um spa bem conceituado, com diversos tipos de tratamento. Além disso, também existe uma academia completa e infra de sauna liberada para os hóspedes.

O grande destaque do hotel, na minha opinião, foi a piscina de borda infinita de frente para o deserto. Na realidade, o Bab Al Shams tem um conjunto de piscinas que fica lado a lado, uma mais rasa para os pequenos e a principal, que além da vista, tem vários pontos de onde saem borbulhas que fazem massagem. O melhor é que perto da fonte das borbulhas tem tipo umas cadeirinhas esculpidas na pedra, para você ficar jogadão mesmo, que além de tudo ainda ficam na sombrinha! Além das piscinas, tem também uma jacuzzi escondida num terraço ao lado da piscina mais rasa, para quem quiser levar o relaxamento ainda mais a sério.

E como nós fomos no verãozão, a programação foi uma só: escolher uma espreguiçadeira e passar o dia relaxando na sombra e água fresca. 

Curtindo minhas borbulhas

Foi ali na piscina que vimos pela primeira vez na vida uma tempestade de areia! O tempo fechou e do nada começou um vento forte, carregando areia pra tudo quanto era lado. 5 minutos depois, tudo voltou ao normal como se nada tivesse acontecido. Bem louco!

Em questão de atividades, o hotel oferece também experiências bem interessantes sem custo para os hóspedes: a interação com falcão e a voltinha de camelo. Quando estivemos no Bab Al Shams, essas atividades aconteciam entre 17 e 18 h, logo ao lado da piscina, mas vale confirmar os horários na recepção.

Amei dar uma voltinha no camelo, mesmo sabendo que ele não estava nem aí pra mim e só ficava mastigando o que quer que tenham colocado dentro daquele saquinho que fica na boca dele. A interação com falcão também foi bem legal, apesar de dar um nervosinho (só pensava no estrago que aquele bico fino podia fazer!).

Tentando fazer amizade

Outra atividade que o hotel oferece é um tour nas dunas numa 4×4 (com custo adicional). Acabamos ficando meio sem tempo para ir nesse passeio, mas acho que deve ser bem divertido.

Um programa imperdível é assistir o por do sol. E para isso, o melhor lugar é o Al Sarab Rooftop Lounge, um restaurante que fica no 2o andar com uma vista panorâmica para o deserto. Fomos para lá no fim da tarde, pedimos uns drinks e ficamos assistindo o sol se por por trás da areia. Sensacional!

Aliás, o hotel tem diversas opções de bares e restaurantes, com culinárias diversas para vários gostos. Nós almoçamos na beira da piscina e, para jantar, escolhemos o Al Hadheerah, um restaurante típico árabe que fica anexo ao Bab Al Shams.

O Al Hadheerah tem formato de forte, todo feito de pedra natural, e serve o jantar em estilo buffet. Na verdade, é como se fosse uma experiência num acampamento beduíno: na chegada, você passa por um souk (mercado típico); no salão principal acontecem diversos espetáculos de dança do ventre e outras danças locais (fiquei muito impressionada com um dançarino que rodava sem parar durante vários minutos), além de um ato com cavalos e camelos; e na parte de trás tem tatuagem de henna, interação com falcão e voltinha no camelo.

Show de dança típica

Quase uma beduína

A comida estava incrível e era MUITA quantidade e muita opção – beirava até o exagero. De sobremesa ainda pegamos um sorvetinho turco muito gostoso (depois de ser muito zoado pelo moço que servia o sorvete, que fazia altas trapalhadas e você nunca conseguia pegar a casquinha de verdade!). Achamos que valeu muito a pena! 

Na verdade, o Al Hadheerah é bem famoso e atrai turistas que vem de Dubai só para isso. Os tours mais tops de bate-e-volta ao deserto incluem o jantar no restaurante, o que também é uma opção, caso você opte por não se hospedar no Bab Al Shams.

Ainda sobre alimentação, o café da manhã é bem gostoso e tem muitas opções de comida de várias regiões, além de uma sessão só para os pequenos. O destaque ficou para o leite de camelo e um mel branco da montanha, dois itens inéditos no meu café da manhã!

Café da manhã com itens super diferentes

Para épocas de temperatura mais amena, tem uma outra coisa que dá pra fazer que deve ser incrível: ver as estrelas. Tem um terraço dedicado a isso no Bab Al Shams, com pufes e almofadas, para você se jogar e ficar relaxando. Acho que ali deve ser muito bom de ver estrelas, porque não há muita luz em volta do hotel, o que facilita muito a visualização. Ainda, é possível sentar em volta de uma fogueira e ficar curtindo a noite. Deve ser uma delícia.

Amamos a experiência no deserto e a estadia no Bab Al Shams, mas achei pouco tempo. Acho que o ideal para se aproveitar bem o hotel são 2 noites, o que teria nos dado tempo de conhecer outros restaurantes, fazer o tour de 4×4 e aproveitar mais a calmaria da região para descansar. Ainda assim, valeu muito a pena a visita.

 

Quer ver mais detalhes do Bab Al Shams? Confira a galeria abaixo.

0 em Destaque/ Oriente Médio/ Trip tips no dia 18.09.2017

Por dentro do famoso hotel Burj Al Arab

Quem está acompanhando os posts de Dubai sabe que eu fiquei obcecada no Burj Al Arab e sua arquitetura moderna. Assim, não poderia deixar de entrar no hotel e ver se ele é tão legal por dentro quanto por fora.

O Burj Al Arab faz parte do grupo Jumeirah, dono também dos hotéis do complexo Madinat Jumeirah, onde ficamos hospedados. Por isso, foi bem fácil chegar lá: pegamos um buggy na recepção do nosso hotel e em menos de 5 minutos já estávamos no lobby do imponente edifício em formato de vela.

O hotel é muito luxuoso e bem exclusivo. Dessa forma, o acesso a seu interior é restrito a hóspedes ou a quem fizer reserva em um dos restaurantes, spa ou comprar um day use para a piscina.

Sem dúvida, a opção mais em conta para entrar no Burj Al Arab é ir a um dos restaurantes. São muitas opções que vão desde o Al Mahara, um restaurante que fica ao lado de um aquário gigante, dando a sensação de jantar dentro do mar (bem no no estilo do Ossiano, no Atlantis) até o Skyview Bar, um bar no último andar do hotel com uma bela vista panorâmica do mar e da The Palm, onde é servido um chá da tarde bem famoso.

O Burj Al Arab é grande em número de quartos (são 202 no total), mas nem por isso deixa de ser exclusivo. O luxo vai além da arquitetura e decoração. A área do deck, por exemplo, conta com areia importada da Arábia Saudita, por ter propriedades terapêuticas e não grudar na pele, além de piscina com água doce e salgada. Já o Gold on 27 é um bar todo folheado a ouro que serve drinks e petiscos com folhas do metal (nem imagino quanto isso deve custar!).

O spa do hotel, Talise, é super famoso e conceituado e é um luxo só. Os tratamentos são feitos só com produtos de beleza de marcas ultra top tipo La Prairie (e não poderia ser diferente né?). Um sonho de consumo!

Conhecemos a Royal Suite Two Bedrooms, um apartamento enorme com dois quartos com a maior quantidade de mimos por metro quadrado. Como o próprio nome do quarto já diz, o quarto foi pensado para a realeza e oferece luxo condizente com seu público alvo. São dois andares, uma escada imponente que abre para os dois lados, um elevador (afinal de contas, 1 lance de escada é demais para subir, não é mesmo?), escritório, sala de jantar com muitos lugares, sala de estar, dois quartos (um para o rei e outro para rainha), três banheiros completos com chuveiro, banheira e penteadeira, além do backstage (cozinha e entrada para o staff). Lembro de ter visto 2 iMacs, DOIS iMACS, um no quarto e outro no escritório. Não tem miséria mesmo!

A decoração é toda muito colorida, com estampas de onça, tons vermelhos, rosas e azuis e vários itens banhados a ouro. Ah, o quarto todo e os banheiros são cobertos com um tapete fofíssimo, muito gostoso de pisar.

Apesar de estar longe de ser para o meu gosto, tudo é tão over que acaba ficando extremamente interessante. Acho que não tem como se sentir mais como parte da realeza do que se hospedando numa suíte dessas.

Pra mim, o auge da preguiça não foi nem o elevador, mas o botãozinho que faz a cama girar, seja para ficar mais próxima do banheiro, seja para ficar mais escurinha (virada para a parede e não para a janela!). Eles pensam em tudo!!!

A cama que roda!

Para os mortais (mas nem tão mortais assim), o hotel também tem quartos mais simples, mas ainda assim muitíssimo luxuosos, todos duplex – só não sei se esses tem elevador também! Esses nós não conhecemos, mas acredito que sigam o mesmo estilo de decoração azul e vermelha do lobby e da Royal Suite.

Para mim, entrar no Burj Al Arab deve estar no roteiro de quem passa por Dubai. O hotel é tão diferente de tudo que eu já tinha visto que passear por ali foi por si só um passeio. Afinal, se Dubai é o centro da ostentação no mundo, eu diria que o hotel é o epicentro da ostentação na cidade. 

Tem como não se apaixonar?

Quer ver como era essa suíte luxuosíssima em mais detalhes? Clique no vídeo abaixo.

0 em Destaque/ Oriente Médio/ Trip tips/ Viagem no dia 04.09.2017

Trip Tips: Os programas mais divertidos (e diferentes) de Dubai

Como é de se esperar de uma cidade tão cosmopolita como Dubai, programação é o que não falta. No último post, eu falei sobre o complexo de hotéis que ficamos em Dubai, o Madinat Jumeirah, e as coisas que tem pra fazer lá dentro (Souk, parque aquático Wild Wadi, passeio de abra, piscinas, etc). O Madinat Jumeirah por si só poderia ser a programação completa da viagem, mas fora do hotel também tem um monte de programas divertidos e bastante diferentes. Nós fizemos questão de explorar o máximo que a cidade tinha para oferecer nos 5 dias que passamos por lá!

 

Dubai Mall

Como toda cidade em que circula muito dinheiro, Dubai tem vários shoppings com todas as marcas que você puder imaginar. Dos que conhecemos, o maior e mais legal foi o Dubai Mall.

Fiquei muito impressionada com a variedade de lojas como Prada, Channel, Hermès, Apple Store bem como algumas redes de comida (se é que posso chamar de redes) que eu nunca imaginei encontrar como as londrinas Ben’s Cookies e The Hummingbird Bakery, a francesa Fauchon, além das novaiorquinas Magnolia Bakery, Shake Shack e Eataly. Sim, eu só penso em comida…

O shopping é enorme (se dizem o maior shopping do mundo e eu acredito) e tem uma réplica de um Souk tradicional em anexo, além de um lago artificial gigante.

Outra coisa bacana é a Dubai Fountain, um espetáculo de águas bem estilo o do Bellagio de Las Vegas (não à toa a comparação, a Dubai Fountain foi de fato desenhada pela mesma pessoa que fez a fonte do Bellagio). A Fountain fica na frente do Burj Khalifa e coladinha no shopping, o que dá um visual ainda mais impressionante para as águas dançantes, e ocorre diariamente a cada meia hora entre 18 e 24 horas.

Além disso, no Dubai Mall também tem várias outras atrações bacanas, como vou contar mais adiante.

At The Top – Burj Khalifa

Assim que você chega em Dubai você descobre que tudo lá é o maior do mundo. E com os arranha-céus não poderia ser diferente.

O Burj Khalifa é atualmente o prédio mais alto do mundo, com 828 metros de altura e 160 andares. Só como referência, o One World Trade center, em NYC, tem 541 metros de altura, enquanto o Empire State tem 380 metros e a Torre Eiffel, 300 metros. É muita diferença!

O prédio levou cerca de 6 anos para ser construído e custo algo em torno de 1,5 bilhões de dólares (achei até barato, perto do preço das obras das Olimpíadas do Rio, por exemplo). O Burj Khalifa é um mix de comercial e residencial, com apartamentos, escritórios, o Hotel Armani, o restaurante At.mosphere e os observatórios At The Top.

Subir no prédio mais alto do mundo faz parte da maioria dos roteiros de quem passa por Dubai e não poderia ser diferente: a vista lá de cima é um escândalo e é possível ver toda a cidade em 360 graus.

A entrada para o observatório At The Top é por dentro do Dubai Mall. São duas opções de visitação: o At The Top, que dá acesso aos andares 124 e 125, e o At The Top Sky, que dá acesso ao andar 148.

Optamos pelo At The Top Sky, a experiência VIP que, além de ir mais alto, te dá várias vantagens como uma salinha de espera com coffee & dates (café árabe acompanhado das tradicionais tâmaras árabes), grupos muito menores, um guia para cada grupo, um elevador privativo, fast pass pra subir e descer (ou seja, sem fila) e ainda permite o acesso ao At The Top tradicional.

O elevador exclusivo do Sky já é um espetáculo! É rápido, não dá nenhum tranco e não dá nem para sentir que ele está se mexendo. Fica tudo escuro quando as portas se fecham e nas paredes vão aparecendo projeções dos edifícios famosos do mundo, na altura de cada um, mostrando o quão mais alto você está que todos eles. Achei muito bacana!

Quando chegamos no lounge Sky, fomos recebidos com snacks e sucos numa sala com uma decoração incrível e super confortável. Se você quiser ir para o lado de fora, também tem uma parte aberta. É permitido ficar no Sky por até uma hora e depois é possível descer até o andar 124 e 125, onde as pessoas que optaram pelo ticket tradicional ficam, e ficar por ali o tempo que você quiser. Sinceramente, depois de ter o Sky só pra gente e poder ver todos os ângulos da cidade com toda a tranquilidade do mundo, achei tudo meio sem graça e muito muvucado quando descemos para os andares mais baixos (isso porque fomos de manhã, que em tese é bem mais tranquilo).

Resumindo, achei o At The Top Sky uma visita muito mais completa e tranquila. Mas independente da sua opção do ticket, subir no Burj Khalifa é um must do em Dubai.

Dubai Aquarium & Underwater Zoo 

Esse aquário gigantesco fica dentro do Dubai Mall e é um ótimo passeio para complementar sua voltinha no shopping. Já do lado de fora dá para ver a grandiosidade do aquário, com muitas espécies de peixes, tubarões e arraias que ficam saracoteando pra cima e pra baixo. Já na parte de dentro, a experiência é passear por dentro do túnel, com os bichos nadando por cima da sua cabeça. Bem divertido!

O ingresso tradicional também dá acesso ao Underwater Zoo, localizado no piso superior do shopping, que como o próprio nome diz é um zoológico da vida marinha. Nós acabamos ficando um bom tempo vendo várias espécies diferentes de bichos como tartaruga de casco mole, peixe arqueiro (ele cospe e acerta um alvo fora d’água), águas vivas que brilham no escuro, cavalos marinhos, jacarés gigantes e o tão amado Nemo (e a Dori também).  

Para quem quiser se aventurar, é possível mergulhar dentro do aquário e fazer um encontro com os tubarões, andar de Shark Scooter debaixo d’água ou fazer um mergulho na jaula junto com os tutubas. Bem radical!

Já para as meninas, tem shows de sereias e um encontro especial com as amigas da Ariel.

Achei impressionante como um aquário desse tamanho pode existir dentro de um shopping. Vale muito a visita!

Dubai Ice Rink

Esse é pra lembrar da infância!

Também dentro do Dubai Mall tem uma pista de patinação no gelo em tamanho olímpico (ou seja, enorme!) divertidíssima.

As sessões são temáticas de acordo com o tipo de música que o DJ do local toca: fomos na Disco Night e achamos o máximo!

Acho que a coisa mais divertida de lá eram as criancinhas ensandecidas empurrando pinguins e bonecos de neve completamentes aleatórias rsrsrsrs! Eu nunca tinha visto esses bonequinhos mas depois de dito é super óbvio: os bonecos deslizam no gelo e servem de apoio para os pequenos não caírem enquanto aprendem a patinar.

Como tudo em Dubai, o Ice Rink fecha tarde e pode ser uma ótima opção para quem estiver de bobeira pelo Dubai Mall no fim do dia. Nós adoramos!

The Yellow Boats

Nós raramente pegamos tours fechados quando vamos conhecer uma cidade nova, mas às vezes acabamos deixando de saber detalhes interessantes do lugar por não termos um guia. E esse pra mim foi um grande diferencial do passeio que fizemos com o The Yellow Boats, que além de muito divertido, ainda oferecia um guia mega figura que ia contando altas histórias sobre a cidade (uma mais inacreditável que a outra).

O tour é feito em um barquinho amarelo (óbvio né) com capacidade para 12 pessoas e sai de Dubai Marina. Os trajetos vão depender da duração do tour escolhido: 30 minutos (Palm Jumeirah); 45 minutos (Marina & Palm Jumeirah); 75 minutos (Palm Jumeirah & Burj Al Arab); ou 90 minutos (Marina, Palm Jumeirah & Burj Al Arab). Nós optamos pelo tour de 90 minutos no horário do por do sol e foi incrível.

Saímos por volta das 18h da Marina, o que nos permitiu ver os prédios ainda com a luz do dia. Demos uma volta por fora da palmeira e fizemos uma parada na frente do hotel Atlantis The Palm. Depois seguimos para o Burj Al Arab e o Jumeirah Beach Hotel. Depois, voltamos pela base da palmeira, passando na frente das casas dos sheiks. Quando chegamos de volta na Marina, o sol estava se pondo e os prédios acessos, dando uma outra visão do que tínhamos visto na ida. Por fim, demos uma volta por dentro do canal da Marina, terminando de volta no lugar de partida.

Amamos ver a cidade desde o mar, uma perspectiva bem diferente do que tínhamos visto até ali. Fora isso, adoramos saber as histórias e curiosidades que nosso guia contou sobre as maluquices nababescas dos árabes. Foi realmente muito interessante.

Aproveitamos para conhecer, depois do passeio, a região da marina, que também é bem bacana, com muitas opções de restaurantes.

Ski Dubai

Mais uma megalomania dos emirados: a maior pista de ski indoors do mundo está aqui, no meio do deserto! O Ski Dubai fica dentro do shopping Mall of the Emirates e é uma ótima opção para fugir do calor escaldante das ruas da cidade: ali dentro é frio real, apenas -4oC, com neve e gelo pra tudo quanto é lado! Que loucura né? Haja energia para resfriar aquele espaço todo!

Existem vários tipos de ingressos do Ski Dubai que vão desde somente a entrada ao Snow Park a combos que incluem aulas de ski ou snowboard ou até um encontro com pinguins! Nosso passe foi o Polar, que incluía o acesso ilimitado ao Snow Park, um ticket para o lift (sim gente, tem lift e tudo!) e um ticket para uma descida de trenó super rápida chamada de Mountain Thriller. Ah, todos os passes incluem roupas e botas também.

O Snow Park é bem divertido e tem vários brinquedos em que você escorrega na neve com bóias ou pranchinhas, além de uma bola gigante que, na minha opinião, é a coisa mais divertida do parque: você mergulha dentro da bolona e te empurram ladeira abaixo rolando! Engraçado demais! Se quiser dar umas boas risadas, clica no vídeo no fim do post rsrsrsrs.

Achamos o Ski Dubai bem diferente e super recomendamos. Só ficamos com pena de não termos comprado um passe que dava direito a aulinhas de ski, mas na próxima compraremos com certeza.

IMG Worlds of Adventure

O IMG é nada mais nada menos que o maior parque de diversões indoors do mundo (e com um ar condicionado super potente!).
O parque é dividido em quatro grandes zonas de acordo com temas: Marvel, Vale Perdido dos Dinossauros, Boulevard IMG e Cartoon Network. São muitas atrações para todas as idades, entre simuladores, montanhas russas, cinema 3D e uma casa mal assombrada para matar qualquer um de medo (sério, os atores são pessoas e chegam MUITO perto de você, dá muita angústia).

Achamos a parte dos dinossauros e a da Marvel as mais divertidas, onde estavam as atrações mais radicais. Curtirmos especialmente as montanhas russas do Spider Man, a Velociraptor e o Predador.

Apesar de grande, acabamos curtindo o parque todo em umas 3-4 horas – demos super sorte de estar vazio e com pouca fila. Para os amantes de aventura, achei uma ótima opção de curtir o dia.

Além disso, ainda conhecemos os hotéis Atlantis The Palm e Burj Al Arab, além de termos ido até o deserto emiradense. Mas isso eu vou contar nos próximos posts!

Atlantis The Palm

Burj Al Arab

Passeio pelo Deserto – Hotel Bab Al Shams

 

Quer ver mais detalhes dos passeios de Dubai? Confira a galeria abaixo.