Browsing Tag

inspiracão

0 em Autoestima/ Destaque no dia 27.02.2020

Como foi seu Carnaval?

Eu acho Carnaval uma época emblemática. Sempre foi uma data onde as pessoas se permitem mais, mas hoje vejo que virou um evento simbólico para muitas mulheres. É nesses dias de folia que muitas se permitem experimentar liberdades diferentes, soltar suas expressões de criatividade e muito mais.

Pensando nisso, perguntei para as mulheres que participam do grupo do Papo no Facebook o que elas fizeram no Carnaval que marcou. E essas foram algumas das respostas:

Estudei+Netflix – mas esse ano (pela primeira vez) consciente de que era o que eu precisava fazer e sem invejar os amigos que estavam festando.

Célia
Samya

Esse ano eu usei tudo que tive vontade! Ano passado eu estava no auge de uma depressão bem pesada e o carnaval foi uma época bem ruim. Dessa vez meu peso foi o de menos quando pensei nas coisinhas que eu queria usar 🤗BOTEI A RABA PRA JOGO MESMO ESTANDO 15kg ACIMA DO MEU PESO! E me senti linda ❣️

Samya

Esse foi o primeiro carnaval em que me permiti curtir mesmo. Fui cordeira em um bloco de amigos, fui de bunda de fora, me emocionei com o discurso foda da Anelise sobre gordofobia, prestigiei o trabalho de pessoas queridas que fazem o carnaval de BH acontecer. (não sei se vocês sabem, mas quase não aconteceu por arbitrariedade do governo do estado). Ocupei espaços que ao longo dos anos não me permitia entender como meus.

Raninha
Stellinha

Sai todos os dias de cropped sem sutiã 💕Comecei alguns carnavais usando body, ainda usava com sutiã, depois evoluindo para body sem sutiã e agora cropped! Uma coisa que refleti muito foi ter visto muitas meninas gordas fantasiadas! Antes me sentia muito a única no role, várias pessoas me abordavam perguntando como eu fiz, que lugar comprei. E esse carnaval foi o que mais vi mulheres com uma diversidade de corpos vestidas da forma que quiserem

Stella

Nesse carnaval viajei, pela primeira vez, sem minha filha de 18 anos. E foi muito bom, tanto pra mim, qto pra ela! Nos divertimos muito, eu curtindo o descanso na praia e ela curtindo o agito com os amigos! Vejo que demos um passo muito importante na nossa relação! ❤️

Daniela

Me maquiei com coisas carnavalescas e saí na rua com shortinho e blusa aparecendo um pouco a barriga, sem medo de ser julgada. Foi a primeira vez, após 18 anos longe do carnaval. Esse ano consegui encarar de uma maneira mais leve e aproveitei um pouquinho, mesmo não sendo minha festa popular favorita.

Larissa

Esse carnaval mexeu demais comigo! To tentando elaborar ainda. A temática da ocupação dos espaços com nossos corpos da maneira que quiséssemos nos vestir.

Camilla – que também escreveu esse texto aqui sobre Carnaval e hot pants!

Tive um sexo mara com um menino de 26 anos (13 anos a menos do que eu), pela primeira vez após o divórcio, ou seja, quase um ano após o fim de um relacionamento de 18 anos. Ele, barriga de tanquinho e dentro eu padrão. Eu, 15 quilos acima do meu peso ideal. Ligar o foda-se para isso foi revolucionário e libertador. E eu curti muito (algumas vezes na mesma noite 🤣🤣🤣). Isso de sexta para sábado. Depois fui para o meio do mato e passei 4 dias com amigos e sem meu filho de 4 anos, dormindo muito, ouvindo música, batendo papo… Melhor impossível

Renata

Fui pro bloco de body sem sutiã (só tiro sutiã pra dormir) e usei legging sem cobrir o bumbum (q acho enorme e está sempre coberto). Saí de casa com uma camiseta por cima mas qdo chegou no bloco consegui tirá-la e coloquei meu bundão pra jogo.

Margareth
Mayara

Respeitei meu querer. Por mais que eu tivesse preparado fantasias, estivesse animada e empolgadissima nos dias de pré-carnaval, quando chegou o carnaval mesmo, eu quis descansar, produzir, curtir minha sobrinha. Me senti um pouco “culpada” a princípio, “eu tenho que curtir”, “tenho que criar novas memórias”, mas conversei com um amigo que me aconselhou a respeitar o que eu tava sentindo. Acabei curtindo a “folia” só na terça, mas curti todos os dias do meu jeito.
– Usei acessórios de cunho político. Já que viver é um ato político, o carnaval também pode ser. Venho conquistando cada vez mais confiança de me posicionar sem medo do que os outros vão pensar.

Mayara

Eu usei hot pants e bodyyyyy NUNCA na vida achei que ia conseguir, me senti muito feliz com isso 💙💙

Giovanna

Não fiz nada. Que libertação não ter a obrigação de “curtir”! Fiquei em.casa assistindo Netflix.

Andrea

E você? O que fez nesse Carnaval que foi marcante?

0 em Autoestima no dia 14.09.2018

Lá no #paposobreautoestima…

Já tem um tempo que eu, nas minhas passeadas pela hashtag no instagram, venho me deparando com pessoas que estão usando ela de uma forma que nada tem a ver com nosso posicionamento. Quando criamos, pensamos que ela poderia ser mais um espaço de inspiração para a gente, e ela tem sido (inclusive para nós).

Só que as vezes dá um desânimo ver no meio de tanta mensagem linda, um comercial de produto para emagrecer, por exemplo.

Como eu acho que não tem nada que possamos fazer para isso, o jeito é continuar postando aqui no blog algumas das mensagens mais inspiradoras que achamos lá. :D

fabi-saba
“Essa sou eu, Fabiana, 40 anos, mãe de duas meninas, casada, amo lavar os cabelos, tenho Ansiedade Generalizada, me acho super engraçada, amo cantar, canto super mal, apresento o FalaSaba, tenho um 🐶, tenho medo de dormir sozinha, acredito nas pessoas, AMO falar, e muito muito mais faz parte de mim. Ah, tento ser boa amiga, boa mãe, esposa, filha, irmã, e acho que tenho sido até ok, mas tão quanto posso né, tem dia que 👎 mas até que tem dia que 🙌👍🙂. Nossa, tem tanto mais que me faz ser EU! E sim, as celulites, as dobras nas minhas costas, a espinha que apareceu hoje na testa, os olhos verdes, as pintinhas nos ombros, e até os seios de silicone fazem parte de mim, da minha pessoa, mas não são mais meu foco, o principal! Hoje sou mil coisas, meu corpo faz parte delas, mas eh só isso. E você? O que ou quem você é? Nunca deixe seu corpo ser parte principal dessa descrição, você é mais, muito mais do que só o seu externo!!!” – por @fabisaba


Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por BABI (@dicasbarbarasblog) em

“Se você não achou essa capa maravilhosa, então você tem um problema! A capa da @cosmopolitanuk do mês de Outubro é a modelo plus size @tessholliday e gerou comentários negativos sobre a modelo. Hoje de manhã vi um texto sobre isso no jornal The West Australian, onde a colunista escreveu: “Essa não é uma conversa sobre aparência ou o que está na moda. Nem sobre se você acha que Tess Holliday poderia ser modelo ou não. Isso é sobre o mesmo lixo sendo vendido às mulheres – que qualquer forma ou tamanho são bonitos, mesmo que seja extremamente doente.” Se você NÃO CONCORDA, está no caminho certo! Mas se você CONCORDA, gostaria de te fazer uma pergunta.

1 – Você é médico(a)?! Se não, realmente você não tem como saber se ela está saudável ou não. Se você for médico passe para a próxima pergunta…
2 – Você teve acesso aos exames médicos da modelo?! Se não deu uma olhada nos resultados, você também não tem como saber se ela está saudável ou não.

Perceberam como não existe estar saudável apenas por olhar uma foto?! A @brunamarquezine disse isso semana passada, as pessoas comentam sobre o que você deve ou não fazer com o seu corpo, apenas por julgar o que olham em uma foto. – Não é mais fácil ficar calado?! Agora, passemos para a questão mais séria do problema… GORDOFOBIA! Você pode ter preferências em como quer parecer fisicamente, pode desejar emagrecer ou engordar, assim como pode estar completamente satisfeita com o seu corpo! Mas você só pode fazer isso com o SEU PRÓPRIO CORPO! O corpo do amiguinho, é só dele e ele faz o que for melhor para ele!

Ontem vazou uma foto de uma futura coleção da Revolve, marca de Los Angeles famosa por suas embaixadoras super influentes, como Camila Coelho, Rocky Barnes, Aimee Song e por aí vai… TODAS MAGRAS! A foto em questão era de uma camisa escrito: “Ser gorda não é bonito, é uma desculpa.” (print na 2ª foto). ALGUÉM AQUI JÁ QUESTIONOU OU JÁ VIU ALGUÉM QUESTIONAR A SAÚDE E A MAGREZA DESSAS INFLUENCIADORAS?

Ser gorda não significa não ter saúde, assim como ser magra não significa ser saudável. E com isso vamos a terceira foto: A Regra dos 5 Minutos!” – por @dicasbarbarasblog


Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Thais Giubelli (@thagiubelli) em

“Eu tirei essa selfie ontem, após uma tarde entre amigas, tendo aula de automake com a musa @heloiseee. E tô postando não porque tô gata, ou porque eu aprendi tudo e ficou perfeita, mas exatamente porque o objetivo principal não era esse, nem tem que ser! Ainda hoje eu vejo muitas mulheres que enxergam a maquiagem como uma obrigação, um passo-a-passo cheio de regras. E desse jeito é óbvio que vira uma chatice. Maquiagem existe pra gente brincar, pra se divertir! É pra dirfarçar ou evidenciar algo que queremos? Também! Mas o mais gostoso não é isso, é a liberdade de poder fazer tudo-o-que-a-gente-quiser! Foram horas em meio a pincéis, bases, sombras, batons e muita, MUITA risada. Cada uma testando o que tava afim porque sim. O resultado? Mulheres felizes. E quando a gente tá felizona com a gente mesma, inevitável se sentir linda, né? Portanto, amores, usem maquiagem como as crianças usam lápis de cor. Esqueçam as regras, elas não existem. O resultado não tem que ser impecável, tem que te fazer bem, combinado?
E se eu puder dar mais um conselho: água thermal 😉”- @thagiubelli


Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por A Guiança – por Lu Fernandes (@a_guianca) em

“SOBRE MULHERES PARA NÓS MULHERES
‘Quando a sua “sinceridade” for capaz de baixar uma autoestima, cale-se.
Quando a sua “opinião” for capaz de desmotivar, cale-se.
Quando a sua “crítica construtiva” for capaz de diminuir, cale-se. “Verdades” sem empatia, são apenas conveniências emocionais para satisfazer o seu egocentrismo.’

Chega, simplesmente, chega de diminuir outras mulheres, sejam elas desconhecidas, celebridades, colegas, amigas, irmãs e até mães e filhas em detrimento da nossa baixíssima autoestima.

Ao invés de ressaltarmos o “defeito” da outra, olhemos pra dentro e façamos a seguinte pergunta: “Por que esse traço nela me incomoda?”. E descubra que a resposta virá de um ego que se sente ameaçado. Não é nada com a outra, mas sim com a gente mesma.” – por @a_guianca)


Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Kerlen Rocha (@kerlen08_rocha) em

“Quero compartilhar com vcs um desafio que participei: me pediram que escrever uma lista das 10 pessoas que eu mais amo.
Então me perguntaram se a primeira pessoa dessa lista era eu. Resposta: Não! Depois me perguntaram se meu nome estava nessa lista. Resposta: Tb não!!! Então me pediram para refletir sobre isso, qual o grau de amor que sinto por mim? Como posso amar os outros mais dq a mim? Como podemos fazer os outros felizes se não estamos?
O segundo mandamento de Deus diz que devemos amar ao próximo “como a nós mesmos”, então Deus disse que devemos nos amar e depois amar ao próximo!
O amor próprio não é vaidade, nem egoísmo, nem tão pouco supérfluo! Precisamos estar bem para que a alegria que oferecermos seja real, transborde de dentro para fora!
O amor próprio não é fácil (na verdade é bem mais difícil do eu que pensava!), mas se vc cultiva-lo, aos poucos ele vai crescendo e a sementinha vira uma bela árvore florida! Vc vai aprendendo que ninguém é perfeito, quem não podemos ter tudo que queremos e que a felicidade deve vir de dentro para fora! Que vc deve ser feliz no caminho, na jornada, pq a vida é um caminhar constante e quando se chega ao final é pq ela acaba!
Comece a exercitar sua mente, comece a se amar como vc ama os outros!! Sabe aqueles incentivos que vc dá aos outros, se olhe no espelho e fale pra vc tb e procure ajuda, vc não precisa enfrentar tudo sozinho! PS: A vida é um presente para ser vívido!” – @kerlen08_rocha


Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Vivi Barbosa (@vivipraisso) em

“Eu sei, você aprendeu que o verdadeiro amor é aquele que dá, dá, dá, sem pedir nada em troca. Este tipo de amor até existe; mas, será que ele te faz bem? .

Viver uma relação (amorosa, familiar, de amizade e até de trabalho), sem que haja uma troca, só favorece a baixa autoestima. E, muitas vezes, é essa falta de RECIPROCIDADE que anda te fazendo todo esse mal, gerando angústia, ansiedade e aquela sensação de “NINGUÉM ME AMA, NINGUÉM ME QUER”, que parece não ter fim. .

Quem ama cuida, compartilha, aplaude e apoia você. Qualquer coisa longe disso tem outro nome. Quer saber qual? MIGALHA! .

Você merece mais. 💜Dê sim o seu melhor; mas o faça para quem merece, e aí sim você reencontra o caminho da autoestima, em que o amor – qualquer que seja o tipo – só te faz bem. Afinal, amar é bom. Então, ame, MUITO, ame a si mesmo, principalmente. Porque aí, meu bem, você vai saber quando aquela relação é uma migalha perto do que VOCÊ MERECE!” – por @vivipraisso


Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Vanessa Santos Plus (@vanessario83) em

“Eu paro pra pensar quanto tempo perdi da minha vida sendo privada de fazer tantas coisas por causa do meu corpo, quantas vezes deixei de ir numa praia, piscina, quantas vezes deixei de ir num shopping, quantas vezes deixei de sair pra dançar. Meu corpo era minha prisão. Me limitei. Me negligenciei. Esqueci que não sou apenas um corpo. Esqueci de mim, esqueci de viver. Hoje, eu só quero aproveitar a vida, quero ultrapassar meus limites, quero ser feliz. A vida é mt curta pra ser desperdiçada pra viver dentro da prisão de padrões. Viva cada dia como se fosse o último, preocupe-se apenas em ser feliz, aprenda a ser feliz com o que vc tem, com o que você é, e se você não estiver satisfeita mude o que vc não gosta, mas faça isso por você e não pelos outros. A vida é curta demais pra vivermos pra agradar os outros.  Seu corpo não te define! Padrão é ser feliz!” – por @vanessario83

0 em Autoestima/ Destaque no dia 20.06.2018

Lá no #paposobreautoestima

Nem acredito que já contamos com quase 8.000 posts na hashtag! E essa semana resolvi trazer algumas das coisas que estão rolando por lá, para quem quiser se inspirar em mais fontes. :)

andreza

Sempre quis usar um body de renda mas assim como a maioria de vocês sempre tive muitas inseguranças com o corpo. Ontem me joguei nesse body ( já tenho ele a mais de 1 ano e estava guardado). Pela primeira vez me senti linda para usar. Aos poucos estou fazendo as pazes com o meu corpo, é um trabalho diário de aceitação. Parece besteira mas não é. Precisamos amar as nossas diferenças e compreender que não precisamos ser iguais às capas das revistas para sermos perfeitas. Se ame mais! – por @andrezagoulart

Falamos tanto em construir um “mundo melhor” e nem sempre sabemos como, eu te digo: apoiando. Apoiar o outro nos une, nos agrega, nos fortalece, conforta.
Se cada um de nós apoiar pessoas a nossa volta, já é um começo, o mundo inteiro vai estar muito melhor!
Apoiar é como andar de mãos dadas e saber que por mais que a gente caia ou derrape você sente que alguém vai te ajudar.
E como disse Khalil Gibran “Meu caminho pode não ser o seu caminho, contudo, caminhamos de mãos dadas” – via @beyoutoday_

Pensei mil vezes antes de postar essa foto, pq minhas varizes aparecem. Só que eu achei a foto linda e então resolvi publicar, sei que é difícil a gente aceitar coisas que nos incomodam no nosso corpo, parece besteira mas isso é uma coisa que me incomoda muito, e é difícil aceitar e querer mostrar aquele defeito que tanto incomoda. Mas eu to aqui dando a cara e tentando trabalhar isso em mim, tenho que me amar do jeito que sou e ter a consciência que devo ser feliz com minhas imperfeições! . – por @vanessacatribblog

Ninguém é você e esse é o seu poder – por @chefpaty

Você aceita elogio? Um elogio sincero e genuíno é bem recebido? Você agradece ou refuta? Tudo que nos é dito de bom deve ser absorvido. Você é digna de todos os elogios. Eu demorei a responder elogios com um simples: obrigada! Era sempre: impressão sua, são seus olhos, imagina… Hoje eu simplesmente aceito e agradeço. Bem gratiluz, bem clichezona. Não dependa de elogios, mas acolha os que você receber. – por @patiquental