Browsing Tag

dois filhos

16 em Comportamento/ maternidade no dia 18.06.2018

Para as mães de dois (ou mais) filhos

Queria contar uma coisa aqui: vocês são minhas heroínas. Sério.  Toda vez que cruzo com uma mulher que está com um filho de 2/3 anos no patinete e outro no carrinho, eu admiro. Toda vez que vejo uma mãe passeando por aí com carrinho duplo – e sentado nele pode ter gêmeos ou filhos de idades diferentes – eu admiro. Toda vez que vejo uma grávida com outro filho correndo por aí, eu admiro. Na turma da escolinha do Arthur, praticamente todas as mães ou estão grávidas ou têm filhos com menos de um ano. Eu e mais uma mãe (de uma turma de 10 crianças) somos as exceções.

Não estou dizendo que já me decidi por deixar o Arthur sendo filho único para sempre. Mas toda vez que olho tudo que já passamos e conquistamos, fico me questionando se gostaria de passar por tudo isso de novo. A maior parte das vezes a minha resposta é não, ou melhor, ainda não. Será que eu daria conta de perder essa minha liberdade recém conquistada (por mais que sejam apenas algumas horas por dia, é uma liberdade rs)? Ainda não. Será que eu conseguiria dar conta de duas crianças sem ter família por perto, sem ter uma ajuda extra nas tarefas de casa? Até conseguiria, mas não gostaria. Ainda não. Será que eu gostaria de perder o tempo que finalmente estou conseguindo ter com meu marido para que a gente precise dividir para conquistar? Ainda não. Mas esse texto não é sobre mim, é sobre mães com mais filhos.

tirinha-antes-depois-filhos

Tenho amigas que dizem ter optado por engravidar em anos próximos para se livrarem logo da função gravidez/bebês/filhos pequenos e “fecharem a fábrica”. Que preferiram ficar mais ou menos uns 5 anos dedicadas à esse mundo do que ficar em um entra e sai de licença maternidade e incertezas sobre o mercado de trabalho. Outras que engravidaram por acidente. Não sei qual foi seu caso, mas não importa como o novo integrante da família surgiu, você continua sendo minha heroína.

Admiro como você conseguiu passar novamente pela fase do puerpério. Se na primeira vez essa é uma fase de renascimento e redescobrimento, muitas vezes de introspecção e um sentimento de nostalgia, com dois filhos não tem como ter isso novamente. Não sei como você consegue.

Admiro como você consegue se desdobrar em mais uma para suprir as necessidades de duas pessoinhas diferentes. Até imagino que deve ser mais fácil com o segundo filho depois que você já passou pela experiência uma vez. Sei também que muitos cuidados e medos que temos com o primogênito não acontece com o segundo. Mesmo assim, não sei como você consegue.

Admiro como você consegue administrar o ciúme da criança mais velha. Principalmente se ela tem por volta dos 2 ou 3 anos, aquela idade que é o ápice do egoísmo e do egocentrismo, onde tudo é dela. Um irmão ou irmã nessa altura da vida deve ser ótimo para ensinar que a vida não gira em torno do seu umbigo, mas não estou falando da perspectiva da criança aqui. Sei que a mãe de dois (ou mais) aprende na marra e em um curso intensivo a ter um jogo de cintura digno de diplomata em zona de guerra. Mais uma vez, não sei como você consegue.

Admiro sua destreza em conseguir sair com todos os filhos na rua, ou no restaurante ou até mesmo para o parque. Eu, com um, já quase morro em uma saída com o patinete, ou para o supermercado. Hoje em dia ando na rua tão alerta que chego a ficar com o pescoço rígido de tanta tensão, e já aconteceu (mais de uma vez) de eu sair da loja com alguma roupa ou brinquedo jogado no carrinho em um momento de distração e eu ter que voltar morrendo de vergonha de devolver o item “roubado”. Imagina com dois? De novo, não sei como consegue.

Admiro também o casal que passa a ter que usar a estratégia de dividir para conquistar (a conquista, no caso, é uma janela de duas horas de descanso depois que as crianças foram dormir). Se aqui em casa a gente faz um rodízio para que todo mundo consiga descansar mais cedo ou dormir até tarde pelo menos alguns dias da semana, com dois filhos não existe essa possibilidade. Com três ou mais, então, não sei nem como soluciona. Não sei como consegue – e meus parabéns para o casal.

Imagino que muitas que lerão esse texto devem estar pensando: “mas a verdade é que eu não consigo. Eu estou acabada, cansada, desgastada, por vezes arrependida”. Todas nós, independente da quantidade de filhos, temos nosso momento “me tira daqui” e nosso momento “poderia ter mais uns 5“. Talvez você precise se doar mais do que gostaria, talvez tenha que fazer mais concessões do que imaginava, talvez você sinta falta da simplicidade da vida com apenas uma criança. Mas nada disso tira o fato que você consegue. E por isso eu só posso dizer, parabéns. <3