Browsing Tag

autoestima

0 em Autoconhecimento/ Autoestima/ Destaque no dia 07.02.2019

Palavras têm poder. Você já pensou no peso das suas?

As palavras tem poder. E por mais que pareça óbvio, nem sempre isso fica tão claro assim. Quando digo isso, não quero falar apenas da escolha de palavras positivas para atrair coisas boas ou desejar outras tantas. As palavras também podem acabar com a autoestima das pessoas. Elas têm o poder de impactar alguém positiva e negativamente, deixando marcas. E esse poder não tem força apenas momentaneamente.

Já que palavras têm poder, devemos ser mais responsáveis com as palavras que escolhemos.

Pense em casos de pessoas que carregaram medo, culpa, outras angústias e inseguranças. Provavelmente em algum momento, alguém disse algo para elas que causou isso. Algo que construiu essa crença limitante. Palavras deixam legados. Em crianças e adolescentes, elas podem deixar marcas pesadas.

Frequentemente vemos casos, seja na vida ou no grupo do Papo no Facebook, em que pessoas ficaram emocionalmente abaladas com o que para o outro foi apenas um comentário. Muitas vezes algo falado sem intenção de maldade. Apenas por falta de tato ou por falta de consciência. Só que não controlamos como o outro recebe essa informação, e isso pode ter, sim, um impacto mais profundo. Afim de evitar isso, precisamos lembrar que palavras têm poder. E que podemos dosar e rever se nossos comentários têm doses de preconceito, crueldade ou carregam algum estigma que pode fazer mal à outra pessoa.

Buscando uma escolha mais responsável e produtiva no que falamos é que a empatia se faz tão importante!

Não podemos controlar o impacto que as nossas palavras terão sobre a vida da outra pessoa que vai ouvir. Por isso, se botar no lugar do outro é tão importante.

É egoísta demais pensar que “eu sou responsável pelo que eu falo, não pelo que o outro entende”. Um argumento como esse nos isenta de pensar com responsabilidade no peso que nosso julgamento tem sobre a vida do outro. Justamente porque o outro é um ser humano, e tem suas falhas, assim como eu e você! O outro pode ser impactado de uma maneira péssima porque alguém, no auge do próprio egocentrismo, não pensou em como a outra pessoa iria se sentir ao ouvir o que foi dito.

Isso não significa que você não possa ser sincero e honesto com as pessoas que você ama. Muito menos que não possa alertar alguém que esteja fazendo que não seja tão legal. Eu sou daquelas que acredita que amizade verdadeira é aquela que puxa a sua orelha quando necessário. Porém, é possível dizer coisas duras sabendo que minhas palavras têm poder. Dessa forma, consigo encontrar um jeito que não magoe ou que prejudique a autoestima do outro.

“Ah, mas se eu viver tendo cuidado com fulana, ela nunca vai amadurecer. O mundo não é assim”.

Realmente não é, mas você pode ser! Você pode ser quem vai começar a mostrar às pessoas ao seu redor que podemos ser mais amorosos, cautelosos e gentis com quem gostamos e convivemos. Pessoas diferentes respondem a estímulos diferentes, nem todo mundo reage de forma positiva e produtiva à comentários cruéis.

Tenha sempre em mente que as palavras têm poder. Mesmo quando parecem brandas, mesmo quando parece que não é grave. Nós não estamos na pele do outro para saber a dimensão que isso pode ter. Por isso, e justamente por isso, é importante que sejamos sempre empáticos e façamos o possível para se colocar no lugar do outro.

Traga pra você: seria útil e proveitoso receber esse conselho? Ótimo, dê o conselho sem diminuir o esforço do outro, escolha bem as palavras. Você se magoaria com as palavras que está usando? Se sim, reformule a frase. Ao repensar, viu que era apenas um julgamento por você pensar diferente do outro? Repense se vale a pena impor sua verdade, dado que seus valores são diferentes!

Dar o verdadeiro peso para o legado das nossas palavras é também um ato de auto responsabilidade.

Quanto mais refletimos sobre o que realmente queremos dizer, menos julgamos o outro a partir do nosso umbigo. Projetamos menos de nós nele e assim podemos aprender mais com essa troca.

Esse cuidado pode mudar completamente a nossa forma de se expressar e, consequentemente, melhorar significativamente a qualidade das nossas relações.

Trabalhar a nossa autoestima de uma forma generosa é entendermos que temos responsabilidade com o processo de desenvolvimento da autoestima do outro. Então, que tal não prejudicarmos a autoestima de quem a gente ama? Que tal assumirmos que nossas palavras têm poder e entender o que podemos fazer para sermos melhores?

Veja também:

0 em Autoestima/ Destaque/ entretenimento/ séries no dia 06.02.2019

Andi Mack, um seriado adolescente para discutir sobre autoestima

Andi Mack é uma série familiar e de comédia do Disney Channel, que eu nunca tinha ouvido falar até pouco tempo atrás. A primeira temporada entrou no Netflix aqui no Brasil, eu resolvi assistir. Mesmo sendo uma série para famílias eu confesso que quis assistir. Cada dia mais estou interessada em séries e filmes que reforcem a autoestima das adolescentes e pré adolescentes. E esse é exatamente o caso, então agora vou indicar!

Nas minhas férias devorei os 13 episódios da primeira temporada que subiram no Netflix. O seriado conta a história de Andi, que ao fazer 13 anos lida com a revelação do maior segredo de sua vida. A partir daí, ela precisa encarar uma transformação que muda sua vida de forma prática. Principalmente no que diz respeito à sua percepção de si mesma, com muitas transformações emocionais.

Se você tem uma pré- adolescente em casa com problemas de autoestima, eu realmente recomendo assistir Andi Mack. De preferência, juntas!

Fica claro que o peso que colocamos na beleza (principalmente dentro do padrão) é exagerado. Além disso, ela conta alguns dramas bacanas quanto ao papel do jovem na turma do colégio. Também redesenha valores de forma bem clara, que dão abertura para conversas e ensinamentos.

Agora começa o Spoiler suave!

A série mostra preconceitos nascendo e barreiras emocionais atrapalhando relações familiares, como na vida real. No entanto, tem um ponto na primeira temporada que eu achei bem fraco: o papel da mãe. Não digo da mãe que criou Andi – e que, na minha opinião, exagerou na rigidez. Falo no papel da mãe biológica, que ao reassumir esse papel na vida da menina não se coloca como mãe.

Pra mim, a falta de responsabilidade da mãe biológica acaba sendo romantizada em alguns momentos. Só não dá muitos problemas por dois motivos: Primeiro é uma série, então o efeito lúdico dá uma licença poética. Certamente os desfechos seriam outros se não fosse uma história de ficção.
Segundo, Andi Mack é super atenta, boa pessoa e responsável.

Na terapia acabo entendendo a importância da mãe se colocar no lugar de mãe e do filho se colocar no lugar de filho. A dinâmica de preservar os papéis originais me parece de extrema importância pra saúde mental das pessoas. Assim sendo, essa seria a minha única crítica a essa série que aborda tantos temas legais.

Diálogo, cabelo cacheado, quebra de estereótipo de beleza. Namoro, beijo, amizade e tantos outros assuntos tão importantes de tratar com adolescentes.

Vejo que a busca por se entender como individuo e perceber seu novo lugar na sua família dá a Andi Mack muitas oportunidades de nos ensinar.

Enquanto ela aprende sobre sua beleza, nós aprendemos sobre as inseguranças de uma adolescente. Ela descobre ao longo da série que muitas das crenças que carrega são padrões repetidos, que nem sempre são verdadeiros. Quando ela começa a desconstruir verdades socialmente ensinadas, ela começa a ver seu valor. De quebra, mostra pra gente como mudar de postura pode transformar a adolescência em algo muito melhor.

Queria eu ter entendido o real sentido da autoestima quando tinha 13 anos. Queria eu ter notado que existiam belezas além do padrão. Queria eu ter notado que todos os corpos podiam usar todas as roupas, dançar ou mesmo andar de mãos dadas com o menino mais legal da sala.

Acho que as crenças limitantes que fui aprendendo quando adolescente se perpetuaram por muito tempo, me paralisando. Enquanto eu podia estar curtindo, estava rezando pra ser diferente, me conformando que eu nunca teria oportunidades. Eu estava me odiando quando podia estar aprendendo a me amar. Por isso toda série ou livro que acharmos que reforça a autoestima e a segurança de adolescentes, será post aqui. Andy Mack é mais um desses.

O #paposobreautoestima a é sobre reversão de danos para mulheres de 30 anos, mas pode ser sobre prevenção de baixa autoestima para adolescentes.

Então, sejamos mães melhores, e vamos estudar e refletir como ajudar no processo de empoderamento das meninas do futuro. Para que a gente consiga ensinar sobre a verdadeira autoestima e toda a força que ela nos dá.

Acho que se eu tivesse uma filha de 10 anos agora, certamente estaria assistindo essa série com ela. Explicando todos os meus valores no meio do caminho. Aproveitaria esse tipo de conteúdo pra deixar um legado de amor próprio.

Você tem mais alguma série, livro ou filme pra me recomendar? Quero assistir tudo que eu puder para entender como o entretenimento produzido hoje pode quebrar paradigmas amanhã!

2 em Autoconhecimento/ Autoestima/ Saúde no dia 31.01.2019

Quer mudar sua relação com seu corpo?

Ótimo, saiba que é possível, libertador e transformador, mas não tem uma receita mágica ou uma única fórmula correta. É um processo profundo e individual, por isso precisamos conversar sobre ele.

Muito é falado hoje em dia sobre aceitação corporal. Os movimentos de #bodypositive e #bodykindness tem aumentado cada vez mais ao redor do mundo. É bonito ver cada vez mais mulheres entendendo a força e a potência que nossas ações podem causar no mundo. É lindo ver mulheres se tornando cada vez mais donas de seus desejos e arcando com a consequência de ser protagonista na sua própria historia e escolhas. Eu como profissional de saúde, formada a quase 2 décadas, presencio este movimento ao longo destes anos e a olhos nus no meu consultório particular, nas redes sociais e em reuniões com outros profissionais da área de saúde.

Eu recebo uma infinidade de mensagens de mulheres me agradecendo por colaborar no processo de aceitação de seus corpos, entendendo que cada uma de nós tem um corpo, um biotipo, uma genética e uma historia que faz com que nossos corpos sejam únicos e incapazes (pelo menos naturalmente) de serem padronizados.Tem dias em que durmo com um sorriso no rosto após ler uma dessas mensagens. Porém, nem só de flores vivem as mudanças…

Recebo também uma infinidade de mensagens de mulheres que já leram livros, já fizeram “Unfollow Terapêutico” (deixar de seguir nas redes conteúdos que lhe fazem se sentir diminuída ou pressionada), mas mesmo assim ainda sofrem.

Joana Cannabrava Ilustrando o texto | Foto Adriana Carolina Iwanczuk

Se você está neste último grupo, este texto é para você:

Como toda grande mudança, alterar seu foco, definir novas prioridades e aprender a lidas com as dúvidas e frustrações leva um tempo que não tem como ser definido. Mas hoje, o desafio que enfrentamos para nos adaptar a mudanças, tanto voluntárias, como involuntárias, é ainda maior.

Zygmunt Bauman, sociólogo e filósofo polonês, ficou conhecido pela sua teoria que vê o mundo através da metáfora da “liquidez” e “fluidez”. Hoje tudo é temporário, e a modernidade – tal como os líquidos – caracteriza-se pela incapacidade de manter a forma. Todos os campos da vida — o trabalho, a família, o engajamento político, o amor, a amizade e a própria identidade —  são tocados por essa instabilidade, e isso nos causa angústia.

Tememos pelo desemprego, pela violência, pelo terrorismo, e também pelo receio de ficar para trás, de não se encaixar nesse novo mundo que muda em um ritmo hiperveloz. A fluidez impede a possibilidade de manter a mesma identidade por muito tempo, o que reforça o estado temporário das relações sociais e auto-imagem. E isso nos leva indiretamente a termos que nos reinventar constantemente!

É neste ponto que eu queria chegar!

Em um mundo onde tudo muda constantemente não há nem fórmula fixa de como se adaptar às mudanças. Por isso esqueça as regras, formas e maneiras de conquistar um olhar mais gentil consigo mesma. Não existe e nunca existirá uma forma pronta, mas sim diversas maneiras de se conquistar esta mudança que depende da sua maneira única de enxergar o mundo, de como sua história, e como ela influenciou positivamente ou não sua relação com seu corpo.

Com a exposição que vivemos nas redes sociais, cada vez que você vê uma mulher expondo seu processo de mudança, não esqueça que ali não é exposto: o choro, as dificuldades, as diversas vezes em que ela se sente bem e daqui 30 minutos tem dúvidas sobre sua auto imagem, as vezes em que fez algo, mesmo com medo, os momentos em que pensou em desistir…

E lembre-se que o trajeto dela, não necessariamente será o seu. Leia, estude, busque ajuda profissional, tente, acredite, mas lembre-se: estamos em constante mudança. Se permita tentar, errar, acertar e fazer de novo.

Ser gentil consigo é também ser gentil com seu processo de mudança.

E isso significa: olhar para si de uma forma mais amável, olhar o processo de outras mulheres e não julgar (mesmo que lhe pareça estranho). Acreditar que não existe tempo ou uma linha final, mas uma constante inquietação que nos leva a ir além. Uma verdadeira autoestima está pautada em um processo individual de autoconhecimento. Sem pontos de partida ou linhas de chegada. Sem receita de bolo ou verdades absolutas. O importante mesmo é o processo ao longo da jornada.

Por mais distante ou difícil, nunca se esqueça: “Mudar não é fácil, mas é possível