Browsing Category

Comportamento

1 em #paposobremulheres/ Comportamento/ Sem categoria no dia 23.09.2019

Pop Plus, pertencimento e uma troca sobre roupas plus size!

Olá! Me chamo Renata Brasil e fui convidada pelas meninas para dar dicas de lojas plus size aqui no blog. De início, fiquei pensando o que eu tinha de especial para fazer isso. Sim, sempre com aquela tendência de achar que não somos boas o suficiente, não é mesmo? E concluí que meu “credenciamento” vinha exatamente do que eu não tenho de especial. 

Assim como muitas de vocês, sou gorda desde a puberdade. Trabalho com contracheque mensal e sempre amei moda. Sei como é sair de lojas chorando porque nada entra. Sei como é se sentir obrigada a comprar a roupa que cabe por falta de opção. Como é querer uma peça específica e não encontrar.

Por isso, eu vim hoje trazer uma boa notícia. Estive na última edição do Pop Plus, o maior bazar de moda plus size da América Latina. E fiquei completamente surpresa com o tamanho do evento e a variedade de opções.

foto: insta @popplusbr

A intenção aqui não é indicar o Pop Plus em si, porque sei que muita gente não tem a possibilidade de frequentar por mil motivos. Mas se você tiver essa oportunidade, vá a algum, esse ou outro, sendo gorda ou sendo magra. Nada substitui a sensação de ver mulheres empoderadas e fora do padrão por todos os lados! Todas lindas, simpáticas, bem vestidas. Um clima gostoso de amizade e, principalmente, de PERTENCIMENTO! Quantas amizades eu já fiz, quanto conhecimento já troquei. 

Os eventos no Pop Plus são tão legais que, entre compras e conversas, dessa vez eu passei um total de oito horas do final de semana lá dentro. Fui sábado, não aguentei, e voltei no domingo. Esses bazares não contam só com moda; contam também com atrações. Pessoas gordas dançando, fazendo pole dance, apresentando rodas de conversa sobre situações que você e eu passamos.

Além dos debates, tem shows de dança, DJ, exposições e muito mais!

Voltando à variedade, no Pop Plus eu vi coisas difíceis de encontrar até mesmo em tamanho regular. Pijamas fofos que parecem diretamente saídos de fotos do Pinterest. Meias ¾ de lurex ou oncinha. Marca que trabalha somente com materiais biodegradáveis e consegue produzir todo tipo de peça. Enfim, uma infinidade de novidades. Fora aqueles itens difíceis para nós gordas especificamente, como anéis para dedos mais grossos, sapatos mais largos, cintos de tamanho maior, lingeries sensuais, biquinis, moda fitness. Tudo de muito bom gosto e com preços acessíveis. 

Aliás, encontrei desde tecidos nobres e recortes inusitados, até roupas mais básicas e baratas.

Muita coisa masculina também. Streetwear, acompanhando tendências como o tie dye, que está por todos os lados nas coleções de primavera-verão. Fiquei pensando no início desses bazares, que eu frequento há anos. Lembro quando, mesmo diante de várias marcas reunidas, tudo me parecia muito igual. Tecidos baratos, como viscolycra e poliéster. Peças mal modeladas, estampas com uma temática muito infantil ou senhoril. Tudo que fugia um pouco dessas tendências já se tornava muito mais caro. Que mudança! E sabem qual é a melhor parte? Muitas dessas marcas têm todos os tamanhos, para todas as pessoas. Claro, naturalmente esse é o ideal, que cheguemos ao ponto de não precisar mais discriminar nichos de moda.

Eu não pretendo afirmar aqui que está fácil.

Que agora qualquer hora que a gente quiser um mero short jeans basta correr no shopping mais próximo. Estamos muito distantes dessa realidade, mas a boa notícia é que a evolução da moda plus size é um caminho sem volta. Felizmente, esse é um ramo que vem em constante crescimento já há alguns anos, ignorando crises econômicas. Como disse uma amiga muito querida, atura ou surta!

Então eu vim trazer dicas, porque sei que, apesar do crescimento, às vezes é difícil saber procurar. Quais peças vocês têm dificuldades de encontrar? O que vocês gostariam de saber?

2 em Autoestima/ Decor/ Parceria no dia 20.09.2019

Casa do Papo com todos os detalhes

Há quase um mês eu fiz um post contando os motivos que nos fizeram optar por um lugar para chamar de nosso. A lista de motivos é enorme, e a cada dia que passa a gente tem mais certeza que fizemos a escolha certa. Hoje, porém, o post tem um outro viés. Muita gente se interessou nos detalhes que compõem a Casa do Papo, e hoje a gente veio contar cada um deles.

A arquiteta & o projeto

Para começar, precisamos contar para vocês como a ideia desse projeto surgiu. E antes de tudo, precisamos enaltecer Ana Neri, arquiteta que nos ajudou a transformar uma sala vazia em um lugar acolhedor e dinâmico. E como isso aconteceu? Por causa do nosso briefing!

3D do escritório de arquitetura Ana Neri

Na nossa primeira reunião com ela, deixamos claro que fazíamos questão de algumas coisas: 1) A gente queria um lugar onde pudéssemos receber pessoas da forma mais confortável possível. 2) Não queríamos um cenário engessado. Queríamos versatilidade, dinamismo e um lugar onde pudéssemos fotografar e filmar sem depender de apenas um ângulo específico. 3) Também gostaríamos de criar uma conexão com a casa da Carla, que tem muito branco, madeira e ilustrações.

Assim que definimos isso, a Ana fez pesquisas em ambientes corporativos e de escritórios criativos e a arquibanca tem sido muito presente em muitos deles. Quando ela desenhou a planta com a arquibancada, nós não tivemos nenhuma dúvida, nunca tínhamos visto um espaço de blog com uma, quisemos na hora. Era a união de basicamente tudo que a gente queria. O desafio dela foi transportar a ideia da arquibancada para um tamanho menor, de sala comercial e com tudo mais que a gente queria.

No fim das contas, a arquibancada foi além das nossas expectativas. Como ela foi feita totalmente sob medida para nosso espaço, ela também funciona como baús, servindo para armazenar muitas coisas que precisamos para que a sala não fique atulhada. Volta e meia recebemos muitos produtos (o momento pré fim de semana do papo que o diga! rs).

Sem uma arquiteta tão talentosa esse projeto jamais teria saído do papel de forma tão autoral, brasileiro e repleto de significado, praticidade e custos viáveis. Parece que fazer sozinho é mais barato, mas todos os fornecedores e lojas sugeridos pela Ana foram os mais econômicos que encontramos, isso tudo sem falar no bom gosto e criatividade.

Além da arquibancada, tivemos mais 4 ambientes que foram feitos sob medida: A estante, o escritório, a copa e a entrada. Uma coisa que a Ana Neri sempre nos falou é que usar a marcenaria e móveis feitos sob medida é uma das formas mais eficientes de conseguir otimizar os espaços, e de fato foi isso que aconteceu. A estante foi projetada tanto para comportar produtos dos patrocinadores e parceiros como para guardar materiais que precisamos e ter itens de decoração. Além disso, ela pode ser um outro cenário para gravar vídeos.

A parte do escritório consiste de um tampão de madeira, um armário suspenso e um gaveteiro móvel, que divide o tampão em duas áreas (perfeito para quando eu e Cá estamos trabalhando juntas). A copa tem prateleira, um armário móvel e um espaço para um frigobar. E a entrada foi pintada de outra cor e tem um cabideiro. Elas foram pensadas para que nenhum ambiente ficasse de fora do vídeo.

Cadeira do Escritório & espelho Abra Casa | cesta linda Casa que Tem
Espelho Abra Casa
Espelho Abra Casa (vou comprar igual pra meu lar) | geladeira Brastemp

E apesar de termos feito quase tudo sob medida e da marcenaria ter sido o maior custo nesse projeto, a parte charmosa da Casa do Papo foi toda pensada com a ajuda de duas lojas que nos ajudaram a transformar esse lugar em um ambiente tão delicioso de trabalhar.

Lojas parceiras do projeto: Abra Casa & Casa que tem!

A primeira delas foi a Abra Casa. Uma marca super tradicional no setor de decoração aqui no Rio de Janeiro. Ficamos super felizes de tê-la conosco porque namoro as coisas de lá no Rio Sul há anos. Foram os móveis de lá que ajudaram a trazer toques práticos, estilosos e necessários para o nosso ambiente. O espelho, as cadeiras, o tapete e a mesa de suporte, vieram de lá. Assim como o cabideiro, que é a estrela da nossa entrada e super prático para o dia a dia.

Uma boa notícia para quem está decorando ou redecorando sua casa ou escritório é que a Abra Casa está com 10% de desconto até o dia 30/09 para todas as leitoras do Papo Sobre Autoestima! É só digitar o código PAPO10 no fim de suas compras. ;)

ABRA CASA: mesa Sophia <3 e tapete
ABRA CASA: Cabideiro
Da ABRA CASA: Cadeira do escritório | Espelho de corpo inteiro

A outra marca que nos ajudou a deixar a Casa do Papo ainda mais acolhedora foi a Casa que Tem. Ela é uma loja de São Paulo, que tem loja física e online, com objetos decorativos que deixam qualquer cantinho mais aconchegante, estiloso e lindo de se ver. Uma loja perfeita para os detalhes, o site já mostra, mas a loja em São Paulo é ainda mais incrível.

Toda a seleção de produtos disponíveis é pensada para criar ambientes acolhedores e funcionais. É de lá as cestas organizadores onde botamos livros e revistas. É de lá também os cachepots que aparecem no fundo de algumas fotos, assim como os quadros, os azulejos e a maior parte das almofadas que ficam na nossa arquibancada. O jogo de xícaras e pires de estrelas que sempre é elogiado por todo mundo que aceita nosso cafézinho também é de lá. Vale a pena dar uma olhada nos produtos que estão por lá, tem muita coisa bacana para os mais diversos estilos de decoração.

cesta + cachepot + pode de cerâmica | Casa que Tem
Potinho de cerâmica | Casa que Tem
mais uma cesta organizadora decorativa Casa Que Tem
Almofada cinza (tenho duas) Casa Que Tem
cesta mais maravilhosa da vida | casa que tem
Todos os quadrinhos são da Casa que Tem | a placa Todos juntos somos fortes ainda tem.
a xícara de cafezinho estrelado mais elogiada de todas é da Casa que Tem

Por fim, é claro que tem muita coisa que foi surgindo de acordo com a nossa necessidade. A máquina de café e o microondas, além do frigobar, por exemplo. A biblioteca que criamos – e que virou nosso orgulho – toda com temas que têm a ver com o que falamos no Papo Sobre Autoestima. O trilho de iluminação, que permite que a gente consiga direcionar a luz para diferentes lugares e criar efeitos diversos. E até mesmo o difusor de óleos essenciais, que a Carla trouxe sem que eu soubesse – e foi o presente que mais fez sentido para mim. hehe

É claro que ainda estamos no começo, e esse é um ambiente muito orgânico, vivo e que está apto a acompanhar nossas mudanças e invenções de moda. É um lugar que nossa criatividade está fluindo mais do que nunca e que a gente está amando dividir com vocês.

Todo mundo que entra aqui fala da beleza, da vibe e do quanto ficou lindo nosso escritório. Tudo isso só foi possível porque escolhemos essa arquiteta talentosíssima para criar, pensar e fazer acontecer. Ela participou de todas as decisões e ajustes desse sonho e por isso que ficou tudo tão perfeito.

Obrigada a todo mundo que apostou e incentivou para que a gente materializasse o espaço dessa troca coletiva que é o Papo sobre Autoestima, ter a casa do papo fez toda diferença.

Obrigada Ana Luiza Neri por ter sido a melhor arquiteta possível. Obrigada Paulo por ter sido o marceneiro mais rápido de todos e obrigada Daniel por ter sido o melhor eletricista/ faz tudo que poderíamos querer. Ah, quase esquecemos do Maurício que nos salvou com a consultoria da escolha e instalação do ar condicionado.

Foi um grande investimento em todas as frentes, mas tem sido uma honra desfrutar de tudo isso.

0 em Autoestima/ Destaque/ maternidade no dia 19.09.2019

Para você que está se sentindo uma mãe bosta

Dizem que a culpa nasce no mesmo momento que nasce um filho. Eu a conheço bem, assim como provavelmente todas as mães. E alguns pais. Há 2 anos esse é um assunto que volta e meia aparece na minha terapia e eu vou aprendendo a lidar – e bloqueá-la sempre que possível. Mas hoje me senti uma mãe bosta. O que me pegou de surpresa, porque geralmente essa sensação vem acompanhada de muita culpa. E culpa é algo que eu trabalho muito. Então decidi contar.

Mas antes, queria só deixar claro qual o conceito de mãe bosta.

Para começo de conversa, ele é bem diferente da ideia de “mãe de merda”. Essa é a mãe que ignora qualquer cartilha de perfeccionismo ouvindo seu instinto e respeitando as possibilidades e a individualidade de seus filhos. Ela sabe que não está seguindo todas as dicas do que é bom fazer, mas também sabe que está fazendo tudo que está ao seu alcance. E está tranquila com suas escolhas. A “mãe de merda” eu diria que é uma etiqueta de rebeldia com orgulho.

Já a mãe bosta é aquela que acha que está acertando, mas se vê em algum momento questionando sua maternidade. E se enche de culpa, e preocupação. Parece que grudaram um papel na testa com letras garrafais escrito “MÃE BOSTA” e tá todo mundo julgando. Ela dimensiona o motivo que a fez achar que merece tal título de tal forma que mal enxerga que, se corrigisse as proporções do “problema”, acharia soluções possíveis rapidamente.

Se você já se sentiu assim, ou está se sentindo, bem vinda ao clube.

Mas não vim aqui contar os meus motivos, vim aqui dar umas notícias aliviadoras. Para começar, o selo de mãe bosta mais é um estado de espírito (bem ruim, diga-se de passagem) do que um título permanente. Geralmente ele é imperceptível ao olhar alheio, mas caso você resolva dividir com outras mães (o que eu aconselho), vai descobrir muita gente para compartilhar experiências parecidas.

Tá tudo bem achar que está errando em algo. Aliás, pelo o que eu pude ver nesses quase 4 anos sendo mãe, se você não acha que tá fazendo algo errado, é aí que a coisa tá errada. rs Mas não tá tudo bem transformar isso em um rótulo. E permanecer com a culpa por tempo indeterminado.

Bote a sua cabeça de volta no lugar. Reajuste as dimensões dos seus sentimentos. E depois vem me contar se você continua se achando uma mãe bosta. Confesso que depois desse desabafo, eu já voltei a me sentir apenas uma mãe que estava fazendo o possível. ;)