Browsing Category

Comportamento

0 em Comportamento/ Destaque/ Moda no dia 29.05.2020

Looks para ficar em casa

Faz tempo que a gente não posta por aqui, né? A frequência no blog deu uma diminuída, mesmo tentando continuar as atividades nas outras redes sociais. Resolvi quebrar esse jejum aqui no blog com um post que eu tava com certa saudade de fazer: look!

Desde que a quarentena começou, cruzei com muitos comentários de gente que percebeu que não tinha muita roupa pra ficar em casa. Era pijama ou roupa de sair, seja pra trabalhar ou para se divertir.

Se teve uma coisa que a maternidade + vida aqui em NY acabou me ensinando foi a priorizar o conforto sempre. Conheci a categoria de homewear (que não tem nada de pijama) por uma necessidade de ficar em casa com looks confortáveis e que me permitissem aparecer em público caso eu precisasse. Então, desde que me mudei, calças com elástico em estilo jogger entraram com força no meu armário. Camisetas e suéteres, e sempre com tecidos bem confortáveis e agradáveis ao toque passaram a fazer diferença.

Recentemente eu tenho escolhido muitas roupas para a Jô por causa de trabalhos que estamos fazendo (e que eu fico impossibilitada de participar por estar longe :/), e tenho priorizando muito esse tipo de roupa. Pensando nisso, quis fazer esse post!

Blusa H&M | Calça Delphina

Esse look da Jô foi ela que escolheu, e eu amo essa combinação de uma calça mais arrumadinha com camiseta. Aliás, vocês vão ver nas próximas fotos que a Jô está abusando de calças e shorts clochard, esses que têm cintura alta, elástico na cintura e esse laço que a gente dá para o toque de charme.

Camisa bonprix | Calça Karamello (bem antiga)

Esse foi o único look meu que eu botei aqui, porque eu tenho tirado menos fotos dos meus. rs Mas diria que meus looks recentes foram todos variáveis dessas combinações. Essa calça, inclusive, já pode andar sozinha.

Esse foi um dos looks que escolhi pra Jô que eu usaria sem piscar e que eu acho uma ótima opção para ficar em casa, principalmente em dias de mais calor. O tie dye está ensaiando uma volta (apesar de eu achar que não faz sentido investir fortunas em roupas desse tipo), mas pra mim a estrela do look é o short rosa. Confortável e estiloso até com a camiseta mais básica.

vestido bonprix | cardigã bonprix

Esse foi outro look que eu escolhi para ela e que eu fiquei com medo de ser o tipo de look que fica lindo na teoria mas na prática não funciona. Pois bem, na minha humilde opinião, ficou lindo na teoria e na prática, maravilhoso!

Acho esse tipo de vestido super confortável, com partes mais justas e mais soltas nos lugares certos. Como ele é de alça e o Brasil está entrando no outono, o cardigã alongado traz esse aconchego para quando dá uma esfriadinha. Enfim, eu moraria nesse look facilmente e fiquei orgulhosa que deu tão certo nela! rs

Como vocês estão fazendo com looks para ficar em casa? Qual dica é imperdível?

0 em Comportamento/ Destaque no dia 01.05.2020

Qual é o sentido do trabalho para você?

Pensei neste 1o de maio em contar a história deste dia, narrar como foi escolhido o Dia Internacional de Luta dos Trabalhadores. Não é uma data de confraternização entre patrões e empregados. Mas uma data para lembrarmos das lutas que travamos todos os dias no mundo do trabalho e o quanto este carrega sentido em nossa existência. Tinha pensado em falar que a 1a comemoração no Brasil aconteceu em Porto Alegre, em 1892. E nesta ocasião, operários foram mortos e enterrados em cortejo. 

Cogitei escrever sobre o quanto a cada dia se celebra a conquista de direitos e o quanto perdemos direitos nos últimos tempos.

Muitos dirão que também perdemos trabalho. Minha pergunta seria: perdemos trabalhos ou empregos? O cenário de pandemia pode ter mostrado à muitos que perdemos empregos, mas o trabalho continua cerne da nossa existência. Somos seres humanos no trabalho. E falo de trabalho remunerado ou não. 

Pretendia relatar sobre o trabalho feminino, ainda sobrecarregado, em pleno século XXI.

ilustra: Amy Hood

Ainda recai sobre as mulheres a maior parte do cuidado com a casa e o cuidados com as crianças. Mesmo que elas não sejam mães, são cobradas pelos cuidados e são vistas como cuidadoras. Se fizermos o recorte étnico-racial, esses dados pioram ainda mais. Os salários caem, o desemprego e a precarização piora. 

Solidariedade, saúde, emprego, renda e democracia são as principais bandeiras que devemos erguer todos os dias em nossos locais de trabalho. Em tempos de pandemia, essas bandeiras devem estar ainda mais no alto de nossas casas.

Mas vou neste texto falar do que faz mais falta em meu trabalho.

Sinto falta das reuniões de equipe, de tomar café com colegas de trabalho, de dar gargalhadas. De pensar nas nossas oficinas e nos desafios que colocamos para nosso trabalho. Sinto falta das assembléias do sindicato, onde podemos expressar nossos descontentamentos e sermos ouvidos pelos nossos pares. O meu trabalho é importante para mim, porque eu dou sentido à ele e ele faz sentido para mim. E o seu? Qual sentido tem? 

Feliz dia de Luta para nós!!!

0 em Autoestima/ Comportamento/ Destaque/ Saúde no dia 15.04.2020

Você não deveria fazer dieta na quarentena

Já perdi as contas do número de memes gordofóbicos que recebi nesse período de quarentena. As meninas já falaram por aqui, láááá no começo da quarentena. Já falamos por aqui como a gordofobia é um problema enraizado na nossa sociedade. E o compartilhamento desses memes parece inicialmente uma piada mas ele é carregado de preconceitos.  

As pessoas estão apavoradas em engordar nesse momento, pois estão confinadas dentro de casa e, muitas, na presença de comida. Isso pode gerar uma sensação de descontrole imensa. Para tentar reverter isso, a ideia de fazer uma dieta é bastante sedutora pois ela traz uma uma sensação de controle, algo raro no momento que estamos vivendo. 

Mas sabe por que as pessoas insistem em fazer dieta agora e não correrem o risco de engordar?

Porque na verdade a magreza continua sendo um valor para elas, frente à sobrevivência. “Como vai ser se eu acabar a quarentena mais gorda?”, “Como vou encarar as pessoas após isso e elas verem que eu engordei”. as pessoas ainda pensam nessa forma pois o corpo delas tem que ser validado socialmente pelos outros. Esse aprisionamento que as faz pensar em iniciar ou manter a dieta restritiva.

Adicionado à isso, parece ser uma boa pensarmos que “agora que estou em casa e com tempo, seria ótimo cuidar do meu corpo e iniciar uma nova dieta”.

Sabe qual o problema disso? Fazer uma dieta agora pode colocar o seu corpo em risco. Pela primeira vez na vida estamos sendo confrontadas com uma situação que nos exige pensarmos na nossa sobrevivência. Sim, sobrevivência! A não ser que alguém já tenha passado por uma situação grave de doença e que já teve risco de morrer, quem nunca viveu isso está experimentando essa sensação pela primeira vez. Dá medo, e muito. Medo de nos contaminarmos, das pessoas que amamos serem contaminadas….e o medo de morrermos.

Para isso, o nosso corpo precisa estar com a imunidade em dia.

Em uma dieta restritiva são retirados da alimentação tradicional diversos alimentos que atuam muito na imunidade como sucos, frutas, legumes e verduras. Dietas com base em proteínas, por exemplo, eliminam muitos desses alimentos. E a variedade deles também se faz totalmente necessária. Sabemos que você pode não conseguir comprar alimentos em variedade – é outra história – do que voluntariamente deixar de consumi-los.

Vale ressaltar que não há comprovação científica de nenhum alimento ou nutriente específico que previna a contaminação pelo corona vírus. Os órgãos competentes como Ministério da Saúde, Organização Mundial da Saúde e Conselho Federal de Nutrição pontuaram isso. Shots de imunidade, vitamina C ou D isolada, água com limão etc. Eles são bons para a manutenção da imunidade, mas em altas doses ou isolados não resolvem. 

Algumas sugestões:

Procure um nutricionista para lhe orientar sobre a sua alimentação específica. O Conselho Federal de Nutrição liberou temporariamente o – atendimento on line de pacientes. Procure um profissional indicado e faça o acompanhamento.

É fundamental mantermos uma alimentação tradicional e saudável nesse momento. Não pule refeições, mantenha os horários tradicionais das suas refeições. Se possível, coma comida tradicional brasileira – o bom prato tradicional de arroz, feijão, uma carne, legumes e verduras é sensacional. Coma frutas, legumes e verduras todos os dias. Mantenha regularidade de sono, beba água, faça atividade física se possível. 

E não custa lembrar: 

– Siga as orientações dos órgãos competentes – Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde. Ambos trabalham com ciência e não achismos.

– Não siga conselhos de leigos no assunto – pessoas que não são profissionais e que “dão sua opinião”. Não se refuta ciência com opinião!

– Se puder, fique em casa! Cumpra as determinações do isolamento social. Estamos fazendo isso por nós mesmos e também pelo coletivo! Ficar em casa protege você e os outros.

– Lave sempre as mãos com água e sabão.

– Higienize os alimentos e produtos que chegam à sua casa.

– Use álcool se você tiver.

– Cuide da sua higiene pessoal! 

Fiquem bem. Independente do que vai acontecer com seus corpos no final da quarentena.