3 em Autoestima/ Relacionamento no dia 01.05.2019

Comer, rezar, pensar e… apaixonar!

Ganhei bronca da dona Carla Paredes enquanto estávamos juntas em Nova Iorque (deixem eu me achar phyna brevemente, pufafô!). Eu joguei um textão aqui em janeiro e nunca mais voltei.

Acho que estou com tantas dúvidas na minha cabeça ultimamente que está difícil sair um pouco desses questionamentos. Parte de mim tem medo de abrir a caixa de Pandora aqui para todo mundo. Mas tenho falado tanto disso com as pessoas mais próximas que me sinto um CD empacado na mesma música. Mas enfim, papo para outro texto (prometo)!

Vim aqui falar sobre outra coisa. E matutei demais. Fiquei me perguntando se escrever sobre isso me tornaria hipócrita depois de falar que a gente não precisa sair pelo mundo procurando nossa metade da laranja porque somos completos sozinhos. Um dos meus textos que mais tive feedback na vida.

Bati papo com algumas pessoas para garantir que não estava sendo contraditória. porque se tem algo que eu não suporto ser é contraditória (and hipócrita). Mas cheguei à conclusão de que o que vou falar agora não significa o contrário do que eu disse antes. E sim uma consequência.

Ter consciência de que eu sou uma laranja completa me faz entender muito sobre o que eu quero e não quero no(s) meu(s) próximo(s) relacionamento(s). E, finalmente, saber que o outro não deve vir como uma muleta. E sim como um complemento. E isso me faz ver a paixão de uma outra forma.

Então vim falar que eu, uma laranja inteira, estou pronta para transbordar minha alegria com outra laran..ops, pessoa. Ou melhor, estou para me apaixonar.

Estou com saudades disso! Estou com saudades especialmente do comecinho, do momento em que a gente se vê apaixonada, boba, sorrindo mais do que o normal.

Estou com saudade das borboletas no estômago, do coração batendo acelerado em meio a uma troca de olhares. De gastar noites batendo papo conhecendo a outra pessoa e fazendo ela te conhecer também. Saudades dos primeiros beijos, saudades daquele momento em que do nada você pega na mão da pessoa enquanto andam lado a lado.

Saudade de primeiro encontro, de simplesmente não saber se vai dar certo. De não saber nadinha do que o futuro vai ser com essa outra pessoa, mas sonhar e pensar nela mesmo assim. Saudades do arrepio do toque, de cair no sono junto ou de não dormir absolutamente nada. Saudades de acordar do lado, de sentir o cheiro da pessoa na roupa do dia anterior. Saudades das coisas menos boas também, porque ninguém e nenhum relacionamento é perfeito.

Estou com saudades não apenas de me deixar apaixonar, mas de apaixonar alguém.

É gostoso, né? Saber que aquela pessoa que a gente gosta sente o mesmo pela gente? Que daquele lado também tem borboleta no estômago, tem curiosidade, tem vontade. É recíproco. Nossa, que saudade dessa reciprocidade. Nunca mais vou esquecer de como a reciprocidade é importante numa paixão e num relacionamento.

Eu me fechei, sim, para relacionamentos amorosos em 2018. Talvez porque eu me machuquei com o final do meu namoro. Talvez porque coloquei muito esforço em outras “áreas” da minha vida, como trabalho e o plano de vir para a Europa. O foco era outro e eu também evitei me apaixonar por qualquer nova pessoa sabendo que em alguns meses eu não estaria mais no Brasil.

Mas agora estou aqui. De coração aberto para compartilhar minhas alegrias com outra pessoa. Para deixar a minha vida e a de uma outra pessoa mais colorida. 

Espero não cometer os mesmos erros do passado. Espero não deixar cometerem comigo outros erros do passado. Mas estou pronta para correr o risco. Não dá para ter medo para sempre e estou com saudade disso. E estou pronta sabendo que não existe príncipe encantado, metade de laranja ou como vocês quiserem chamar isso aí.

Estou mais pronta do que nunca porque hoje entendo que quanto mais a gente se ama, mais ama de verdade os outros.

Gostou? Você pode gostar também desses!

3 Comentários

  • RESPONDER
    Lilian Pinheiro dos Santos
    01.05.2019 às 19:16

    Sempre estou por aqui…nunca um texto me representou tanto!

  • RESPONDER
    Débora
    09.05.2019 às 18:25

    May me identifiquei muito no texto ~da laranja e me vejo (ou vi!) muito nesse tb! Depois do meu último relacionamento eu tomei a decisão consciente de focar em mim, me curtir e ser uma laranja inteira. Bateu essa saudades também, intimidade é tão gostoso! Ao contrário um pouco de ti eu não tomei a decisão de talvez querer conhecer uma laranja mas né, a laranja veio hahahaha e é maravilhoso ter um relacionamento quando a gnt teve tempo de se recuperar e se amar, é muito diferente e muito muito melhor! Dá medo, mas aquela coisa, vai com medo mesmo ❤️ Amei o texto e ansiosa por mais textos teussss (puxão de orelha detected)

    😍😘

  • RESPONDER
    Rayssa
    10.05.2019 às 8:40

    Amei. Alias, sempre amo seus textos.

  • Deixe uma resposta