1 em Autoestima/ Comportamento/ entretenimento/ séries no dia 14.02.2019

Dumplin’, é filme mas poderia ser uma tour do #paposobreautoestima

Essa não é mais uma história sobre a “fofinha” que desabrocha e conquista o bonitão. Mas é também. No dia da live que Carla e Joana realizaram no Instagram, a Carla falou de Dumplin’. Ele chegou à Netflix Brasil e eu corri pra assistir.

O filme fala de relacionamentos tóxicos, mães que sufocam, frustrações, perdas. Fala também de luta contra os padrões, autoaceitação, insegurança nos relacionamentos. Não satisfeitas? Pois também aborda competição, comparação, lugar de fala, protagonismo da mulher oprimida. Mais? Amizades verdadeiras, representatividade, pluralidade, inconsciente coletivo, gordofobia, preconceito estrutural. E sobre autoestima, claro! Parece até que as roteiristas de Dumplin’ stalkearam o Papo por um tempo.

Eu esperava ver um bom filme sobre uma garota gorda oprimida por sua mãe. Mãe essa que foi Miss quando mais nova, e desde então ajuda a organizar os concursos de Miss da região.

Assim que acabei de assistir, só conseguia pensar que a Anelise de 17 anos precisava ter assistido esse filme. Mas a Anelise de quase 35 ficou emocionada.

“Eu sou Dumplin. E Will e Willowdean. Eu sou gorda. Eu sou feliz. Eu sou insegura. Eu sou ousada.”

Bons personagens constroem uma excelente trama em Dumplin’

Esse filme tem tudo aquilo que a gente já espera. A mãe ex-miss (Jenifer Aniston), a adolescente gorda (Danielle Macdonald) cheia de conflitos internos e a melhor amiga dentro dos padrões sem esforços (Odeya Rush). Tem também umas pessoas “esquisitas”, o gato da cidade e a tia sensacional. Esses são os personagens perfeitos para um filme teen, mas Dumplin’ (adaptado do livro de mesmo nome que, inclusive, quero <3) entrega maturidade e revela mulheres envoltas em suas certezas e fraquezas.

A trama gira em torno da inscrição de Willowdean, Odeya e algumas outras meninas no concurso de miss da cidade. Parece ser sobre vingança e protesto, mas percebemos que Willowdean é uma defensora das pessoas mais frágeis. Ela também é doce, mas mostra uma face negativa e julga as pessoas pela aparência (inclusive o seu “crush). Sempre presa às suas convicções, ela busca um jeito de receber atenção e carinho de sua mãe. 

Willowdean é incrível, super segura no trabalho e entendedora da opressão que a cerca. Mas também guarda alguns preconceitos justamente por ter sido tão massacrada pelo bullying – e aqui nós nos parecemos. Enquanto adolescente, para mim, existiam dois tipos de mulheres: as bonitas e as inteligentes. Se eu não conseguia corresponder ao padrão da magreza e beleza (e sempre me lembravam disso), eu não era a bonita. Logo, precisava fazer valer a minha inteligência.

Em algum momento eu achei que o filme cairia no lugar comum da desistência e da cessão à opressão, tornando a protagonista no estereótipo da recalcada. Mas com o desenrolar do filme, vi que Dumplin’ é tudo o que Insatiable ou Sierra Burguess quiseram ser. E ambos pecaram em não exaltar mulheres gordas como vencedoras. Ou melhor, vencedoras DA VIDA – fiquem tranquilas, não é spoiler.

Então quer dizer que tudo é lindo e perfeito? NÃO!

Tem afirmação de que a protagonista tem um rosto lindo (e a intenção era essa mesma). E mais uma vez, vemos uma mulher gorda ter o seu corpo anulado diante de uma afirmativa gordofóbica de que só corpos não-gordos podem ser bonitos.

Tem também uma tradução que só colocou a palavra GORDA na fala de uma personagem sincerona. Ninguém diz que é gorda com tranquilidade – sempre dizem com raiva ou quando buscam ofender outra pessoa. Gorda sendo palavrão, como quase sempre.

Devo abrir um parêntese para o figurino: tem drag no rolê, gente! vocês acham que é um bapho, sim ou com certeza?

Encerro essa resenha-desabafo com o final que publiquei no #papo:

“Dentre tantas outras questões e lições, o filme nos mostra que todas podemos lutar para que os corpos sejam aceitos, respeitados e admirados em sua diversidade. Mas permitam e promovam o protagonismo de corpos que foram esquecidos, demonizados, ridicularizados, negligenciados e anulados por toda a vida. Com uma ou outra ressalva, esse filme é uma ode ao plural e ao mais importante dos amores – O PRÓPRIO!”

E vocês? O que mais encontraram nas variadas nuances de Dumplin’?

Gostou? Você pode gostar também desses!

1 Comentário

  • RESPONDER
    Sâmia Laços
    18.02.2019 às 21:43

    Eu chorei do início ao fim com o filme, numa mistura de sensações. Principalmente pelo papel da personagem Tia Lucy na trama!

  • Deixe uma resposta