0 em Autoestima/ Moda no dia 30.08.2018

Look da Cá: moletonzão de renda porque sim

Faz tempo que eu não posto um look por aqui. Acho que no fundo me rendi mesmo ao instagram para esse tipo de post mais básico, mais instantâneo, mais….look do dia. Só que não tinha como eu não trazer o look que eu usei na festa que demos durante o #fimdesemanadopapo para cá.

Quando a Jô contou sobre a ideia da produção que ela imaginou para o dia, ela também contou sobre os motivos de ter escolhido cropped e transparência. Ela contou que foi um grito de liberdade, uma forma de usar a moda como expressão, de se libertar daquela voz que passou a vida em seus ouvidos dizendo que ela não tinha corpo para usar cropped.

Meu look teve a mesma motivação por trás, provar algo para mim. A diferença é que ao invés de usar algo que dizem que não é para o meu corpo, eu resolvi usar a história da minha vida: “Carla, essa roupa larga te faz parecer bem mais gorda”, ou “por que você se esconde nessas roupas?”, ou então a cena clássica que acontece toda vez que eu uso uma roupa mais justa: “eu achava que você era mais gorda!”

Em muitos relatos sobre corpo e autoaceitação você vai ouvir gente dizendo que usa roupas largonas justamente para que ninguém comente sobre o seu corpo. Não acho que eu me encaixo nessa definição, principalmente ao ver que optar por roupas mais largas foi acontecendo na medida que eu fui me sentindo mais e mais confortável com meu corpo, não ao contrário. Não foi uma tentativa de esconderijo, foi o lugar onde eu me achei.

Eu sou uma pessoa prática, que preza pelo conforto e que odeia se preocupar se tem algo marcando aqui, algo subindo lá. Eu até tenho roupas justas, mas elas servem para variar, servem para aqueles dias que eu quero surpreender, inclusive até a mim. De resto, não to ligando se roupa justa deixa o corpo parecer mais magro, ou mais isso ou mais aquilo. Gosto de liberdade, e como a moda é diversa, dá para ver nesse texto que meu conceito de liberdade é bem diferente do da Jô, né? 

E aí, foi nesse contexto que surgiu a ideia que mandei para a Adriana Meira. Queria um moletonzão, uma coisa bem oversized, larga. Como o tecido que havíamos definido seria de renda, achei que essa modelagem seria perfeita para me representar lindamente. Porque essa festa era toda sobre amar sua natureza, e a minha nunca foi de equilibrar proporções ou criar ilusões para parecer mais isso ou aquilo. 

adriana-1 adriana-meira-3 adriana-meira-2

Quando vi o que a Adriana fez com a minha ideia, eu quase caí para trás. Porque ficou tudo o que eu imaginava e além. Eu olhei no espelho e me senti….sexy! O maiô que eu usei debaixo é da nova coleção da Marcyn (que ainda não chegou nas lojas) e tem uma modelagem maior, bem vintage, e que funcionou muito bem com a transparência da jaqueta bomber oversized de renda.

Somado ao conjunto da obra, não posso deixar de falar nos desenhos que ela fez pensando em cada detalhe da nossa personalidade e do nosso trabalho.

Toda vez que eu falo que as roupas da Adriana Meira são um capítulo à parte da nossa história, é por isso. Não importa se você compra as roupas da loja online ou pede sob encomenda, ela traduz lindamente em desenhos e bordados traços da nossa personalidade que estavam latentes, é o tipo de roupa que tem sentimento e que certamente tem história.A minha, por exemplo, foi essa.

E acho que nunca me senti tão eu em uma roupa. <3

Gostou? Você pode gostar também desses!

Sem Comentários

Deixe uma resposta