1 em Autoestima/ Comportamento/ Convidadas/ Juliana Ali no dia 19.06.2018

Suas palavras têm peso

Acordo e faço café. Depois, pego o celular e vou dar uma olhada nas redes sociais, conferir as notícias do dia estilo século XXI. Conforme as fotos das pessoas físicas e jurídicas (famosas, sub famosas, conhecidinhas ou gente como a gente) vão passando pela tela, vou fazendo minhas notas mentais sobre cada imagem, quase sem pensar, automática e imediatamente.

“Tá linda hoje”.

“Credo, que caro”.

“Embuste”.

“Bom dia, maravilhosa”.

“Errou feio, errou rude”.

“Ridícula”.

“Que legenda bosta”.

“Clichê”.

“Macho escroto”.

“Marca de playboy”.

“Que brusinha massa, quero”.

“Pele tá boa, hein bonita”.

“(emoji do olho virando)”.

“Perfeita”.

E assim vai. Você faz isso também? Se você respondeu sim, fique sossegada porque é normal, faz parte do ser humano. Na verdade, vamos julgando, meio sem perceber, tudo e todos que vemos, a partir das NOSSAS VIVÊNCIAS. Enquanto esses julgamentos ficam “morando” na nossa cuca e a gente entende que cada um é cada um e que isso que a gente pensa é algo muito particular e não tem nada a ver com o outro, tudo bem*.

Acontece que, dado o conforto e a facilidade que as redes sociais nos trazem, muita, mas MUITA GENTE MESMO, vai escrevendo essas opiniões todas nas fotos que passam em suas timelines. E os donos de cada foto vão lendo essas bobagens que surgiram em um segundo na nossa cabeça. Segundos depois a gente esqueceu e seguiu a vida sem pensar mais nisso, mas será que o recipiente de nossas mensagens também esqueceu e seguiu a vida? Será que a mulher que foi chamada de ridícula bateu o olho e nem ligou? Acho improvável.

ilustra: Cécile Dormeau

ilustra: Cécile Dormeau

Mais importante ainda: ela pode ter realmente sido ridícula ali, nesse momento, mas será que ela é UMA PESSOA RIDÍCULA, em sua totalidade? Também muito improvável. Porque ninguém é só aquela parte que vimos ali, em um minuto. Todo mundo é um total muito maior. Todo mundo tem coisa boa e coisa ruim porque ninguém, mas ninguém MESMO, é só bom ou só mau.

O mesmo vale para a foto daquela mulher linda que bati o olho e pensei “perfeita”. Esse elogio eu posso postar, porque elogio (que não seja “maaaaagra”) nunca é demais e não faz mal a ninguém. Pelo contrário, faz bem a quem elogia e a quem recebe o elogio. Porém, a pessoa não é perfeita de verdade. Importantíssimo isso. Pode até parecer perfeita, ali, naquele momento estático, mas ela também é uma totalidade enorme cheia de alegrias e sofrimentos e lindezas e imperfeições e até coisas ridículas assim como eu e você.

Existe também aquelas pessoas que a gente admira nas redes e é comum que se coloque expectativas sobre elas. E geral vai vomitando as próprias frustrações: “Ah, mas como assim você não concorda comigo sobre assunto X, achei que você era uma pessoa legal” ou “Mas você é tão bem resolvida e agora diz que ainda não consegue se sentir bem de biquini?”. Quanta pressão… Pessoas admiráveis também tem dificuldades! Ainda não conheci ninguém que sabe tudo ou que está em paz consigo mesmo em todas as áreas, não.

Me preocupo muito com esse “escrever qualquer coisa sem pensar” na internet. A gente esquece que ali, lendo aquilo, tem outro ser humano absolutamente normal, que ri e que chora. Que sente, que se incomoda e que sofre. Não sabemos nada sobre aquela pessoa, mesmo que pareça que a conhecemos intimamente por conta de textos e fotos e stories. Mas a verdade é que são completos estranhos. E existem na vida real.

O que a gente escreve nas redes ESTÁ SENDO LIDO por um SER HUMANO. É preciso se responsabilizar por isso.

*Quero deixar claro que sou uma grande treteira internética. Sou crítica. Mas não de pessoas. Sou crítica de atitudes que não podem passar e encorajo que outros também sejam. Acho que machismo, racismo, homofobia, gordofobia ou qualquer outro tipo de comportamento discriminatório deve ser apontado nas redes. Aponto a cada vez que vejo, e aponto duramente. Mas argumentando, não xingando. E isso é MUITO DIFERENTE de criticar os outros só porque “ai, fulano é ridículo” ou “fulano é falso” ou “fulana é feia”.

Gostou? Você pode gostar também desses!

1 Comentário

  • RESPONDER
    Margareth Andrade
    19.06.2018 às 12:04

    E a gente vai aprendendo que a vulnerabilidade também é uma virtude, que não existe perfeição e que o cuidado com as palavras é fundamental!

  • Deixe uma resposta