1 em Autoestima/ Convidadas/ Saúde no dia 31.10.2017

Outubro Rosa: Juliana Kozlowski

Meu nome é Juliana, tenho 25 anos e em maio de 2017 recebi o diagnóstico de câncer de mama. Assustou saber que tão nova, eu estaria vivendo essa doença sem ter nenhum histórico familiar. Fui pega de surpresa depois de ficar 3 meses correndo atrás do diagnóstico.

Tudo começou quando eu estava deitada vendo televisão e senti a parte inferior da mama esquerda levemente endurecida. Procurei a ginecologista para ela fazer o exame do toque. Em seguida, ela pediu uma ressonância para me deixar mais tranquila, mas o exame não detectou nada alarmante. Relaxei e 1 mês e meio depois.. Boom! O seio ficou endurecido e foi quando eu fui atrás de um mastologista. Fiz mais duas ultras, uma ressonância e a biópsia, que foi a única capaz de revelar o diagnóstico precisamente.

Por ser muito jovem foi bem difícil mudar minha vida agitada, de noitadas e estudos para uma vida de consultórios e exames médicos. Mas procurei buscar o lado bom disso tudo, ver em cada coisa um motivo para agradecer. Em um país em que a população está em leitos médicos em corredores de hospital, eu tinha que agradecer por ter acesso a uma boa rede de saúde.

Inúmeras coisas passam pela sua cabeça tal como a possibilidade de concretizar ou não os seus sonhos. Além disso, a preocupação com a aparência – aquele medo de ficar careca e como lidar com essa nova aparência. Como eu iria lidar com a minha nova imagem, será que eu ia me aceitar ou não? Eu sempre alisei o cabelo e há dois anos resolvi me aceitar e passar pela transição capilar. Finalmente estava com os cachos desenvolvidos, quando por ironia do destino, depois que eu sinceramente os aceitei, eles foram embora.

FOTO: @juliaassisfotografia

É engraçado porque eu sempre tive cabelos longos e nunca imaginaria que iria gostar tanto de ficar careca. Parece que a vida te vira do avesso e você descobre que fica melhor assim.

Mal eu sabia que o câncer estava prestes a me dar uma baita lição. Mudou a lente com que eu via o mundo e me enxergava, você de fato começa a ver a beleza de dentro de você, perceber o quão supérfluo seu cabelo pode ser, quando você tem um sorriso que mostra alma, que ostenta vida. Isso tudo aconteceu porque perdendo os cabelos, eu que tinha medo da cara redondinha, do braço mais gordinho, percebi que nada disso importava. A minha saúde e a minha felicidade não dependiam desse padrão que eu mesma me impus por décadas.

Às vezes, a gente só precisa mudar a forma que se vê, deixar de lado aquele olhar severo com a nossa aparência, aquela busca desenfreada pela perfeição e pelo tal padrão social. Antes do câncer, eu lutava muito pra aceitar meu sobrepeso, minhas dificuldades com a balança. Vivia em guerra e não gostava de algumas partes do meu corpo. A gente olha tanto pra fora, revistas, novelas e instagrams, que esquece de olhar pra dentro, de enxergar nosso real valor e as nossas inúmeras qualidades. Insistimos em olhar aquela espinha, aquela gordurinha localizada ou qualquer outro defeito. Hoje, eu consigo enxergar a Juliana incrível que eu sempre tive dentro de mim: amiga, determinada, sincera, espontânea e engraçada. Os que me rodeavam tentavam sempre me mostrar esse meu lado, mas acho que eu ainda não estava pronta para vê-lo. Agora não só me apoderei de tudo isso, como consigo me reconhecer assim.

Foto: @juliaassisfotografia

A doença nos faz agradecer por cada imperfeição, por cada membro do nosso corpo e mais do que tudo isso, por estar viva mais um dia.

O cabelo caiu mas a auto estima subiu depois que você percebe o seu lugar no mundo, troca o olhar crítico e rígido por olhos de carinho, ternura e compreensão. Hoje eu vejo a vida com outros olhos, com muito mais cores e amores. Valorizo cada pequena conquista, cada passo dado e cada sonho a se realizar.

Outubro deixou de ser um mês qualquer pra mim, passei a ter uma obrigação quase que moral de espalhar amor, lembrar às amigas e leitoras de não só se tocarem, fazerem seus exames, mas também a tentar passar um pouco o caminho do melhor amor: o próprio. Amem-se, toquem-se e sejam felizes! Não tem maquiagem mais bonita do que o sorriso sincero de quem tem o melhor amor do mundo: o próprio!

Gostou? Você pode gostar também desses!

1 Comentário

  • RESPONDER
    Maiara
    03.11.2017 às 15:24

    Texto incrível, que inspiração, Ju!

  • Deixe uma resposta