2 em Autoestima/ Destaque/ Moda no dia 19.09.2017

Na dúvida? Vista-se de você mesma

Desde que mudei para cá eu dei uma pausa em alguns aspectos da minha vida de blogueira. Continuo postando com regularidade, presente nas redes sociais, mas algo que eu nem lembrava direito como funcionava era ir a eventos. De moda, mais especificamente.

Aí semana passada, com a NYFW rolando, eu tive não só 1 como 3 compromissos: uma festa, uma palestra e um resee, que é quando a marca expõe as peças do desfile em seu showroom. O único evento que não me deu calafrios na hora de escolher o que eu ia vestir foi a palestra, justamente porque era um ambiente seguro, com gente que eu conhecia e me sentia confortável.

Escolher o que eu ia vestir na festa foi um momento difícil, principalmente depois de tanto tempo sem precisar me preocupar com esse tipo de coisa. O que será que as pessoas vão vestir? Será que se eu for com esse vestido vai ser muito informal? E se eu fizer essa combinação, será que vai ficar demais? Eu vou ter que andar pra caramba com esse salto que certamente vai me machucar até chegar na festa, será que eu vou com ele só para valorizar o look ou escolho outro sapato mais confortável?

Acabei optando por um look meio termo, isso é, metade mais fashion, metade mais confortável. No fim das contas só conseguia pensar que eu não tenho mais necessidade de me vestir para agradar aos outros. Ou melhor, não tenho mais paciência e nem vontade, porque necessidade na verdade eu nunca tive (apesar de eu achar que tinha, que essa era a forma de impressionar as pessoas).

Aí, na quinta feira eu tive um outro compromisso que me deixou um pouco mais chocada com a insegurança que eu ainda trago comigo em relação à moda, adequação e fashion weeks. Mesmo tendo ido à festa com aquele pensamento sobre não precisar agradar os outros. Eu já fui a alguns resees de marcas e todas as vezes eu estava com a minha maquiagem mais caprichada, meu cabelo mais arrumado e alguma roupa alguns níveis acima do meu dia a dia, afinal, era fashion week. Nesse tempo elaborei vários looks que até hoje eu amo, mas alguns outros eu olho hoje em dia e penso como tinham elementos inadequados. Do tipo bota de salto (grosso) em plena neve de fevereiro em Nova York, por exemplo.

Quando a minha amiga, que é PR da Coach, me chamou para ver o resee do desfile, eu nem pensei duas vezes em aceitar. Sempre foi uma das partes das semanas de moda que eu mais amo, mais até do que ver o desfile, porque no resee você consegue ver tudo de perto, os acabamentos, os detalhes…Enfim, eu piro, é quase uma catarse. Mas depois que eu aceitei, bateu a insegurança. Eu só teria umas 3 horas para tomar banho, me arrumar, chegar no escritório da Coach (45 minutos de metrô), ver as peças do desfile e picar minha mula para pegar o Arthur na creche. A nível de comparação, no último resee que eu fui antes de vir morar aqui, eu tinha 3 horas só para me arrumar. rs

Enchi o saco dessa minha amiga: “Mari, como eu vou? Como eu me arrumo pra isso? Eu não tenho como gastar 1 hora só no babyliss e na maquiagem, eu não tenho ideia que roupa usar, o que eu faço?”. Ela me acalmou: “Carla, relaxa, lá é todo mundo desencanado e aí é Nova York, ninguém liga. Não tem essa de ir super fashion se não é você. Vista-se de você mesma que vai estar linda”. Não foi bem essas as palavras que ela usou, mas foi isso que eu entendi.

Terminei meu banho e enquanto secava o cabelo de qualquer jeito e me maquiava o mais rápido que conseguia, fui decidindo minha roupa. Acabei chegando à conclusão que me sentiria segura se fosse com uma camisa branca e uma calça preta, mas com acessórios diferentes. Saí de casa muito feliz comigo, certa de que se encontrasse alguém eu não me sentiria muito por fora. Sim, mesmo com todos os preparativos, obviamente nessa hora o medo do julgamento alheio e da comparação vieram bater na minha porta mais forte do que nunca.

Resultado: saí de casa amando o look, cheguei no escritório da Coach, vi tudo que eu tinha pra ver, fiquei sabendo mais detalhes da coleção, fiz stories, cruzei com pessoas de todos os tipos e fui embora. O tal medo de sentir-me inadequada ou diminuída por não estar por dentro das últimas tendências realmente não fazia sentido, mas só consegui perceber isso depois de encarar a situação de frente.

Enquanto voltava para pegar o Arthur na creche me senti super bem. Estava maquiada mas nem tanto, o cabelo arrumado mas nem tanto, básica mas nem tanto. Vestida de mim mesma e com a certeza que, nas horas de insegurança, ser fiel à seu próprio estilo – seja ele qual for – é sempre a melhor opção. :)

Gostou? Você pode gostar também desses!

2 Comentários

  • RESPONDER
    Darlene
    28.09.2017 às 14:31

    AMEI de um tanto seu look no evento, está salvo na minha pastinhas de referências, quero usar algo parecido logo (de preferência quando diminuir o calor senegalês rs).

    • RESPONDER
      Carla Paredes
      01.10.2017 às 21:07

      Ahh, que bom que curtiu!! Usa sim! Depois me mostra que adoro ver hahaha

    Deixe uma resposta