1 em Comportamento/ Convidadas/ Juliana Ali no dia 26.06.2017

Sobre decisões

Quando eu tinha uns dezoito ou dezenove anos, fui pedir um conselho para minha mãe. Tinha uma dúvida me consumindo. Estava nervosíssima. Acontece que eu tinha um namorado, mas estava pensando em deixá-lo por outro cara que tinha acabado de conhecer. Não sabia se devia fazer aquilo. Meu namorado era legal, o outro, sei lá, parecia bacana, tava empolgada, mas… sei lá. E se eu tomasse a decisão errada? Com quem deveria ficar? Os dois queriam namorar comigo. Então fui, tensa, perguntar o que mamãe achava.

“Filha, sinceramente? Tanto faz. Escolhe quem der na sua telha. Você tem dezoito anos. Não vai ficar com nenhum dos dois mesmo, no fim das contas! Ainda vai namorar um monte de homem na tua vida.” Fiquei revoltada com a resposta. Como assim? Meu grande problema reduzido a nada? Tanto faz?!?!?!

Só que ela tinha toda a razão. Aquilo não era um grande problema, mais tarde descobri. Não fiquei com nenhum dos dois mesmo. Conheci um monte de gente depois. A decisão que acabei tomando não fez a menor diferença na minha vida.

Há um ano cortei o cabelo curtíssimo. Meu cabelo era super longo. As pessoas falaram: “Uau, que corajosa.” Coragem por que? Isso não é nada. Não muda nada. Não faz diferença na vida de ninguém – pouca na minha, nenhuma na dos outros. O mesmo vale para muitas das decisões que ficam martelando na nossa cabeça. Aprendi isso na vida.

Fez tatuagem sem quase nem pensar. Grande coisa. Fez a entrevista de emprego morrendo de nervoso e no fim não foi chamada. E daí. Terão outras. Ficou com medo de paquerar o boy. Por que? O que muda na vida? Essas coisas não são tão grandes. Parecem, na hora, pra todo mundo. Mas, de verdade, não mudam nada.

Que roupa vou usar? Affff. Compro ou não compro? Socorro. Como o doce? Foda-se. Peço desculpas? Senhor, pede logo. Peço o aumento? Perguntar não ofende. Falto hoje? Tanto faz, não faz a menor diferença. Ligo ou não ligo? Liga de uma vez. Tudo bobagem. Foi o que minha mãe me disse aos dezoito anos e não entendi, odiei.

Toda vez que me confrontei com uma decisão que parecia enorme, minha mãe sempre dizia: “Qual a pior coisa que pode acontecer?”. A resposta nunca era algo terrível. Normalmente, nada demais. Você pode tomar um fora do boy. Pode detestar o corte de cabelo. Pode ser demitida. Pode engordar dois quilos. Pode estar fora do dress code. Pode passar meia hora de vergonha. A longo prazo, muda o que?

Existem sim, decisões que realmente MUDAM A VIDA. Mas são poucas, essas. E aí, sim, temos que pensar. Normalmente, são nessas que a gente não pensa tanto. Transou sem camisinha, só hoje. Quem nunca?

Fiz mil tatuagens, nunca me arrependi. Cortei e descortei o cabelo, sou sem vergonha, falo o que sinto, paquero os boy, nunca me arrependi. Um dia, ainda adolescente, resolvi ver como era fumar um cigarro. Nem pensei no assunto. Sussa. Me arrependo disso todo dia até hoje. Que decisão estúpida, tomada em um segundo, não é mesmo? Tenho tendência a vícios. Não bebo, não fumo nem um baseadinho, nunca experimentei nada de droga, sou a mulher mais careta do planeta. Mas e o cigarro? Que decisão.

Por outro lado, decidi casar novamente seis meses após me separar do meu primeiro marido. Decisão séria. Tinha filho. A melhor coisa que fiz na vida. Decidi largar tudo, e me arriscar profissionalmente mais de uma vez. Mudei de profissão algumas vezes na vida, e todas as vezes foram incríveis. Decisões arriscadas e bem tomadas.

O que quero dizer com tudo isso? Que aqui, aos quarenta anos, descobri que a gente tem que pensar menos, e pensar mais também. Sofrer menos, muito menos. As decisões, em geral, não são muito importantes. Mas algumas delas… Vão sim mudar sua vida. Boas decisões pra você.

Gostou? Você pode gostar também desses!

1 Comentário

  • RESPONDER
    féfa
    26.06.2017 às 16:27

    Que máximo! Uma vez tava com um problemão e conversei com sua sista, ela me falou assim: ” qual a pior coisa que pode te acontecer?” eu pensei.. e cheguei a conclusão que o pior tava longe de ser ruim.. Nunca mais esqueci disso. Sempre me faço essa pergunta! Obrigada por compartilhar esse conselho.. bjoo

  • Deixe uma resposta