3 em Autoconhecimento/ Autoestima no dia 16.01.2017

Mas eu sou tudo isso mesmo?

Outro dia me deparei com um exercício que achei interessante. “Cite 10 coisas que ama em si mesma”. Parece fácil, né? Pois é, quando li pensei justamente isso. Super fácil, faço isso sem nem pensar, sem nem piscar inclusive. E aí comecei.

Primeiro fui citando coisas que eu gosto em mim fisicamente: meus cabelos, meus olhos, minhas pernas.  Fiquei na dúvida se continuava a citar outras partes do corpo ou se ia para a personalidade, mas achei besteira citar outras partes minhas que eu até gosto mas não diria que amo. Então resolvi começar a listar o que eu amava na minha personalidade. Só 7 vai, não faz sentido ser difícil…

Aí, minhas amigas, FERROU. Tudo, TUDO que eu citava eu sempre parava para pensar que eu não podia amar isso em mim porque eu não era isso tudo ou então conhecia outra pessoa que era muito melhor naquilo do que eu.

Era tipo “Ah, eu não amo o meu carisma porque eu não sou que nem a fulana de tal que chega no lugar e todo mundo quer falar com ela. Eu amo minha simpatia? Acho que não, porque eu sou tímida então não sou tão simpática quanto…sei lá…a Joana.” Depois fui listando algumas características de personalidade que eu acho incríveis tipo espontânea, inteligente, engraçada e não conseguia dizer que amava nada disso em mim porque não conseguia achar que eu tenho essas características em mim.

Aí parei pra pensar por qual motivo eu não conseguia me valorizar e por que eu precisava me comparar com outras pessoas em um (na teoria) simples exercício de autoaceitação e amor próprio. A pergunta não gera uma competição e não existe resposta perfeita, certa ou errada. Por que então eu estava com medo de soar prepotente?? E o pior, por que é tão mais fácil fazer uma lista de defeitos (sim, eu testei, foi muito mais rápido chegar aos 10 – e passar esse número!).

Com alguma dificuldade eu consegui completar a minha lista (citei também a minha força, minha curiosidade, meu senso de justiça, minha capacidade de fazer várias coisas ao mesmo tempo, minha fé nas pessoas, meu otimismo e minha praticidade), mas fiquei com a pulga atrás da orelha. Poxa, se eu tenho um blog que fala majoritariamente de autoconhecimento e autoestima, se nós falamos quase todo dia sobre se conhecer, se aceitar e se amar, eu não deveria ser a primeira a estar nos incentivando a completar a lista?

Então por isso eu escrevi esse post, afinal, assim como todas aqui eu também estou em eterna construção :) Mesmo com dificuldade, mesmo empacando em alguns momentos, que tal preencher também os 10 números dessa lista?

Beijos!

PS: Obrigada, Raisa, por trazer esse exercício maravilhoso para o grupo :)

Gostou? Você pode gostar também desses!

3 Comentários

  • RESPONDER
    Juliana de Paula
    17.01.2017 às 0:51

    Mês passado num treinamento de desenvolvimento de equipes comentamos sobre essa questão Carla! De como é difícil levantar as nossas qualidades. Sinto que a gente faz o exercício ao contrário, que é sempre depreciar algum ponto dessa qualidade… Hehe
    Estamos quase sempre a mercê do que o outro vai achar de nós e isso é coletivo!
    Experimenta dizer as tuas qualidades em um grupo em que ninguém te conheça pra ver se não te acharão metida, insuportável? Hehe
    É um grande trabalho pelo frente pra nós.

  • RESPONDER
    Fernanda Almeida
    17.01.2017 às 14:04

    Preciso tentar! Mas lendo o post já me peguei pensando e está difícil falar a 1a qualidade. Pq será que é tão mais fácil elogiar o outro do que nós mesmos?!?!

  • RESPONDER
    Barbara
    18.01.2017 às 13:15

    Tentei fazer isso e só depois de 4 dias consegui visualizar 4 qualidades, to em terapia, to tentando me abrir e aceitação é parte disso… mais amor por nós mesmo e pelo próximo e menos critica ^^

  • Deixe uma resposta