3 em Devaneios da Mari no dia 17.11.2016

Devaneios da Mari: A felicidade também gosta de companhia

Oi leitorxs do Futi, tudo bom? Depois de vários papos incríveis e “sessões de terapia entre amigas”, a Jô e a Carla me chamaram pra colocar aqui um pouco das ideias que têm passado pela minha cabecinha caótica nessa nova fase do blog cheia de novidades. Estou super contente de poder compartilhar essas ideias e vou amar a troca com todxs do outro lado da tela.

Temos falado muito no grupo incrível do Futi no Facebook sobre como precisamos valorizar nossas conquistas, mesmo a menor delas, antes de nos entristecermos por qualquer coisa no presente. Sem duvida a valorização do que ja temos, do que já conseguimos, é parte fundamental no quebra-cabeça da nossa auto estima.

Mas já há algum tempo tem me chamado atenção, principalmente no grande muro das lamentações que o Facebook também pode ser, que entra ano sai ano e aquele numeral é xingado e amaldiçoado… “Já vai tarde 2012”, “se soubesse que 2015 seria essa desgraça não tinha falado tão mal de 2014”, “que 2017 seja menos pior do que esse 2016 assustador”… E por aí vai. Com certeza comentários como esses povoam a sua timeline.

Piadinha que já rola desde 2011...ou seja, faz tempo que tá na moda reclamar do ano vigente

Piadinha que já rola desde 2011…ou seja, faz tempo que tá na moda reclamar do ano vigente

Parece que O Ano, assim, com letras maiúsculas, se tornou uma entidade. Parece que o que acontece em cada Ano acontece seguindo uma ordem própria, sem qualquer influência nossa, mas que ao mesmo tempo, sem que a gente queira, ou que tenhamos pedido, interfere totalmente na nossa vida. Não sei o que me assusta mais, a possibilidade de que quem escreve realmente se sinta dessa forma ou a possiblidade da pessoa falar apenas por falar. Li outro dia uma frase que me fez pensar bastante: o sofrimento gosta de companhia. Ou seja, qualquer um fica aliviado em saber que suas agruras são compartilhadas por outras pessoas.

Reclamar sobre O Ano na timeline, é garantia de vários likes em concordância e alguns comentários amargos contendo superficialidades chatíssimas com as quais qualquer um de nós muito provavelmente lidou nos últimos meses. Esse quadro que descrevi nos últimos parágrafos é tão cansativo, tão chato, que só de escrever sobre ele já estou meio de saco cheio do meu próprio texto. Por isso já vou virar o disco para uma ideia mais positiva.

Os meses recentes foram muito complicados no mundo todo? Foram. Foram intensos nas nossas vidas pessoais? Foram. Mas olha, uma coisa é certa, basta estarmos vivos para passarmos sempre por altos e baixos. Então, por que não gastar essa energia de uma forma mais positiva? Pego como exemplo o meu ano de 2016. Foi um ano difícil, me decepcionei com pessoas muito próximas, do ponto de vista profissional foi um ano estressante, consequentemente do ponto de vista financeiro também. Eu poderia, mais uma vez, reclamar sobre como O Ano foi uma desgraça. Até que me dei conta que se nada disso tivesse acontecido, eu não teria amadurecido o tanto que amadureci, não teria finalmente iniciado a reeducação financeira sobre a qual vinha falando (e vinha adiando) há tanto tempo – com consequências desastrosas, diga-se de passagem – não teria chegado um pouco mais perto do equilíbrio tão precioso entre o trabalho e a vida fora dele… Enfim, já deu pra entender que foi também um ano de muitos ganhos né?

frase JK Rowling, autora do Harry Potter

“A felicidade pode ser encontrada até nos momentos mais escuros, é só nos lembrarmos de acender a luz” frase JK Rowling, autora do Harry Potter

Então, não estou aqui pra dizer que devemos todxs ser Polianas, vivendo num eterno jogo do contente e vendo só o lado colorido das coisas. Mas sim, pra incentivar que a gente tente encontrar, decifrar quais são as cores que estão escondidas no que parece ser totalmente cinza.

A felicidade também gosta de companhia. E cultiva-lá dá menos trabalho, além de fazer bem pra nossa saúde. Não acha?

banner-mariana-coelho

Gostou? Você pode gostar também desses!

3 Comentários

  • RESPONDER
    Clarissa
    18.11.2016 às 9:11

    Tão bom quando nos deparamos com texto que abraça a gente. Quando a gente começa a ler e vê que aquilo era exatamente o que a gente precisava. Poderia falar mil coisas mas queria só agradecer :):)

  • RESPONDER
    Naiara
    18.11.2016 às 18:15

    Posso falar que mega me identifiquei com tudo? Foi um ano hiper difícil do ponto de vista sentimental, e psicológico como um todo… Mas sabe aquela frase de quem não cresce no amor, cresce na dor? E que virada que dei… O ano nem acabou, e por mais que eu saiba que ainda tenho muito o que evoluir, tenho uma paz e uma alegria imensa em enxergar o tanto que amadureci, mesmo que na porrada… E ver todas aquelas frases clichês do tipo “só arvóre que dá fruto que leva pedrada”, etc., etc., etc… funcionarem tão bem pro que to vivendo e pro que ainda vou viver… Só posso desejar que 2017 seja ainda mais florido, e que eu consiga enfrentar ainda mais tempestades…

  • RESPONDER
    Mari Tomazelli
    09.12.2016 às 14:19

    Eu tinha que vir aqui e comentar nesse texto. Ele ficou ótimo e já li duas vezes. Todo ano vai ser difícil, sempre tem alguém que o “santo não bate”, mas a vida me mostra toda vez que é para crescer. Eu falo que meu sonho é ter equilibrio, enquanto ele não chega eu vou tentar ver as coisas no meio termo !!!!

  • Deixe uma resposta