5 em Deu o Que Falar no dia 08.09.2016

Somos todas gordas?

Como vocês sabem, a gente deu uma parada no DQF. Primeiro porque eu não estou mais conseguindo me organizar para deixar o post pronto toda segunda feira. Acho que dá para perceber aqui que estou tentando fazer post sempre, mas as vezes dou uma falhada. Normal para quem teve a rotina totalmente modificada, né? :) Segundo porque muitas vezes os assuntos que abordávamos toda segunda feira tinham acontecido há quase uma semana e quando postávamos, já tinham virado notícia velha. Mas ontem surgiu um assunto que me fez morrer de vontade de ressuscitar essa coluna aqui.

Ontem foi divulgada a campanha da C&A promovendo seus jeans querendo passar a ideia de que com eles você pode expressar toda a sua individualidade e identidade. Vendo as outras peças da campanha eu achei a ideia no geral bem interessante e de acordo com aquele papo que vem sendo tão discutido sobre a representação da diversidade. 

O único problema é que uma das peças tem uma modelo plus size com os dizeres: “sou gorda & sou sexy”. Só que a modelo é alta, curvilínea e veste 44/46, ou seja, tá longe de ser gorda e passar pelas dificuldades e preconceitos que uma gorda sofre. Como cereja do bolo muitas consumidoras reclamaram que a C&A também não vende roupas acima de 48, ou seja, gorda mesmo não tem nem como se sentir sexy com as peças da marca porque elas simplesmente não cabem nessas mulheres. Como a Ju Romano bem apontou, faltou inclusão e sobrou reafirmação de que uma gorda aceitável e sensual não é realmente gorda. O tiro no pé maior é que não afetou apenas quem veste 48 para cima.

gorda

Vejam bem, eu visto 42 e não tenho como objetivo de vida fazer loucuras para caber num 38. Sou bem resolvida na hora de pedir G e até mesmo GG nas lojas, quero mais é que a peça fique boa no meu corpo, independente do número da etiqueta. Mas me incomodei porque sei que se um dia eu pular para o 44, eu poderei até me achar acima do peso, mas eu não vou ser gorda. Eu não vou ter dificuldade de passar em certos lugares, as pessoas não vão me olhar torto porque estou comendo, eu não vou ter tanta dificuldade de achar roupas legais em uma ida ao shopping.

Não, gente. O mundo não tá chato, as pessoas não estão vendo pelo em ovo, ninguém está exagerando ao reclamar disso. São mensagens como essa de que uma mulher que veste 44 ou 46 é gorda que precisam ser desconstruídas, caso contrário continuaremos na ditadura da magreza que agora vai continuar tentando nos convencer que quem usa 42 está acima do peso e quem veste 48 virou obesa mórbida. Como se a gente já não estivesse cansada de ouvir que você só é magra mesmo quando usar uma calça 36, no máximo 38. Ou seja, essa imagem nada mais é que o velho discurso com uma roupagem supostamente inclusiva. Somos todas gordas? Não, somos todas lindas, independente do número do nosso manequim.

banner-SNAP-ca

Gostou? Você pode gostar também desses!

5 Comentários

  • RESPONDER
    Camila Arcanjo
    09.09.2016 às 11:35

    Sou GG/44 e gordinha… e me amooo…
    Só que quando eu vejo essas campanhas a minha raiva eleva em 100%. Primeiro pq o GG e o 44 da C&A veste um 42 normal e olhe lá… Eles falam que são inclusivos, mas é só na etiqueta, pq desculpem, a modelagem é pequena! Fora que, qdo vc chega na loja, raramente encontra os tamanhos… Mas os 36, nossa, esses tem aos montes, qse dizendo: quer usar minha roupa, emagreça queridinha!

    É uma pena que num país tão diversificado como o nosso, com lindas mulheres curvilíneas por aí, ainda tenhamos essa cultura de exclusão ;(

    • RESPONDER
      Joana
      09.09.2016 às 13:07

      Tem gosto pra tudo, enquanto uns excluem mulheres com curvas, outros gostam e muito. :)
      Fiz essa descoberta recentemente e achei divertido saber que existe muito material voltado pro publico masculino só focado em mulheres com curvas, umas com mais outras com menos.
      Tem gosto pra tudo gente, ainda bem!
      Então quebrar padrões é essencial, pra descobrirmos do que gostamos e não do que nos foi ensinado a gostar.

    • RESPONDER
      Joana
      09.09.2016 às 13:08

      Ps: não gosto de falar que sou gordinha não, mas to no GG/44 e me sinto muito gostosa sendo curvilínea / cheia de curvas e até dobrinhas! :)

    • RESPONDER
      Rafaela
      09.09.2016 às 15:36

      Camila, essa questão de que há várias peças 36 à disposição nas lojas, na minha opinião, está mais ligada ao corpo da maior parte das brasileiras… as poucas peças 42, 44, 46 que fazem são as primeiras a sair…se for analisar assim, a maior parte das mulheres é gorda por usar 42/44. Já cansei de em promoções não achar peças maiores, só sobram as pequenas…

  • RESPONDER
    Aline
    09.09.2016 às 17:48

    Engraçado que o contrário também acontece, infelizmente.
    Já sofri bullyng na escola por ser magra demais e sempre tinham aqueles apelidos “inofensivos”, como Olívia Palito, etc.
    Todas as roupas ficavam folgadas e tinha que comprar roupas na seção infantil.
    Qualquer tipo de padrão (seja pra gordo ou pra magro) é condenável! Cada um que se sinta bem do jeito que é , se ame e não importa a opinião alheia.

  • Deixe uma resposta