2 em Comportamento/ crônicas/ Relacionamento no dia 23.06.2016

Não, eu não tenho tempo pra nós!

Eu adoro você, mas não tenho mais tempo pra nós dois. Sábios são aqueles que têm conhecimento do óbvio: luxo é ter tempo. Tempo para viver, tempo para não ficar na tela do celular, tempo para viajar, tempo para se divertir, tempo para ser feliz.

Então, por mais que eu tenha tido os mais nobres sentimentos por você, não tenho tempo para sua indecisão. Até tentei arranjar algum tempo para te convencer a deixar seus medos para trás, te mostrar que seus traumas passados não deveriam atrapalhar seu futuro. No entanto descobri que estava perdendo preciosas horas da minha vida me angustiando por algo que  não dependia de mim.

Aliás, desde que eu percebi que eu sou dona do meu tempo, entendi que eu sou responsável pelo o que eu faço dele. Foi libertador, sabe? Depois dessa entendi que não precisava ficar presa a trabalhos que não me faziam feliz, não precisava gastar minutos me explicando para pessoas que não se importavam comigo e que nada nem ninguém deveria roubar minhas noites de sono. Esse último eu ainda estou aprendendo a lidar.

voa

Por alguns meses eu achei que você era aquela pessoa pela qual valia ceder meu tempo, afinal, você estava disponibilizando o seu, que não era dos maiores. E quando eu sentia que nossos tempos se uniam, era leve. Era descomplicado, gostoso e fluido.

Até que o tempo passou e um dia percebi que estava fazendo malabarismos com meu tempo, esticando e encurtando-o de uma forma que nem Stephen Hawkins saberia explicar. E você de repente permaneceu ali, com seu tempo rígido e sem nenhuma vontade de desafiar as leis da física quântica.

Às vezes minha falta de tempo será interpretada como soberba, arrogância ou com preguiça de tentar, mas acabei descobrindo que para se entregar de corpo, alma e coração é preciso ter algo além da coragem. Também é preciso ter tempo. E nesse caso, o tempo tem que somar. Se você não tem, eu não posso ter por nós dois.

TONDq

Esse texto pertence a tag de crônicas do blog | Joana Cannabrava

banner-snap

Conforme contamos aqui, a tag de crônicas não tem nenhuma obrigação de refletir histórias verdadeiras, nossas ou recentes. Ela é inspirada em sentimentos reais e muitas vezes floreada com a imaginação.

Gostou? Você pode gostar também desses!

2 Comentários

  • RESPONDER
    Tatiana
    24.06.2016 às 7:33

    Uau, que texto incrível! Me identifiquei muito, foi inclusive por essa razão que terminei meu último relacionamento… Sabe quando o cara se acomoda e acha que não precisa fazer esforço algum pra te ver, surpreender, mostrar que gosta de você, por que te vê como “garantida” já? Ele marcava de sair comigo na sexta, por exemplo, e dai desmarcava de última hora porque sabia que eu abriria espaço no meu sábado para encontrá-lo. E eu, boba apaixonada, aceitava isso porque achava que era desse jeito mesmo. Fui aguentando essa frustração por muito tempo, até que chegou um dia que cansei, terminei o relacionamento e nunca mais o procurei. Ficamos juntos 2 anos e faz quase outros 2 que terminamos, ele me procura até hoje pra saber da minha vida. Eu? Não tenho mais a mínima vontade de gastar meu tempo falando com ele :)

  • RESPONDER
    Pri
    24.06.2016 às 8:40

    Gente!! texto maravilhoso!!!

    é aquela história do 200% de um, nunca fará chegar nos 100% da relação..
    :)

  • Deixe uma resposta