2 em Comportamento/ Convidadas/ Mayara Oksman/ Reflexões no dia 06.09.2015

Vontade de voltar no tempo…

Sempre tem aqueles dias em que tudo que queremos é voltar no tempo. Voltar para a escola, para os lápis coloridos dentro do estojo (só os meus pais sofriam com a pentelha aqui pedindo novas cores todo começo de ano letivo?), para os recreios onde brincar de pega-pega ou esconde-esconde era o máximo. Voltar para aquele tempo em que o programa da tarde era se jogar no sofá e assistir “A Lagoa Azul” na Sessão da Tarde pela 5452ª vez, ou brincar com os amiguinhos do prédio ou da rua. Andar de bicicleta, correr até cansar, chegar em casa e ter aquele jantar gostoso esperando. Voltar para o tempo em que “responsabilidade” era fazer direitinho a lição de casa e escovar os dentes antes de dormir (e ai de nós se não fizéssemos TUDO isso).

Voltar para o ginásio, para o primeiro beijo, voltar para “meninas, vocês não acreditam, ele me chamou para ir no cinema”, voltar para aquela sensação de borboletas voando no estômago quando chegava uma mensagem do paquera gato naquele celular Nokia que nunca quebrou (e que tinha um dos melhores jogos do mundo, o da cobrinha). Voltar para as aulas no laboratório de física e química, onde a gente mais se divertia do que qualquer outra coisa. Para o laboratório de biologia, onde dava para ver coisas que a gente nunca imaginou que existiam! Voltar no tempo para jogar vôlei no recreio, para ir de Melissa e calça jeans boca de sino para a escola (e achar que está abafando).

foto-2

Voltar para o colegial, para as conversas intermináveis no ICQ ou MSN, voltar para as aulas de história e descobrir que na verdade verdadeira, quem tinha problema mesmo era o Henrique VIII e não as esposas dele. Aprender sobre os países, sobre a Revolução Francesa, sobre a Declaração da Independência dos Estados Unidos, aprender sobre como o Brasil virou Brasil. Voltar para a época em que Ryan Atwood e Marissa Cooper eram um casal feliz. Voltar para o stress das semanas de provas, para as bibliotecas cheias e silenciosas, para algumas colas (sim, eu confesso). Ouso dizer, voltar para aquela época em que as aulas duplicaram por causa do maldito vestibular.

Quem lembra? Adorei! #regram do facebook da nossa amiga Aninha!

A photo posted by futilidades (@futilidades) on

Voltar para a faculdade, para aquela sensação de liberdade que só um calouro tem. Voltar para as aulas com aqueles professores que te faziam querer ser alguém realmente fodástico e que te mostravam como dava para ir além da nossa linha de conforto. Vontade de voltar correndo para as festas (principalmente aquelas a fantasia) e para a jurupinga (quem não bebe cerveja, bebe jurupinga), para os dias em que a sua turma sentava toda junta e conversava sobre qualquer assunto no intervalo entre as aulas. Voltar para as viagens, para os jogos universitários, para o primeiro estágio e para o que nós achávamos ser “horários insanos de trabalho”.

foto-1

Vontade simples e pura de voltar no tempo e reviver “os melhores anos” da vida. Mas acho que mais importante que tudo isso é saber que outras alegrias virão. É focar no presente e fazer com que algum dia, talvez em poucos ou muitos anos, a gente olhe para trás e pense: puts, que vontade de voltar para 2015!

Mayara-L.-Oksman

Gostou? Você pode gostar também desses!

2 Comentários

  • RESPONDER
    Cristiano
    07.09.2015 às 0:33

    Boa noite gurias.

    Eu acordado a esta hora (00:11) me dá vontade de passar pelo (f)uti e vejo post, que bacana.

    Realmente, que vontade de reviver “os melhores anos”, e que sentimento nostálgico que bate e aquelas lágrimas alegres saem tão naturalmente como as que estão saindo de mim agora.
    Enquanto alguns acreditam que devemos viver o presente e deixar o passado, outros acreditam que recordar é viver, e eu prefiro a segunda, onde podemos ter contato eterno com nossa boa essência e sentir tão claramente o que contribuiu para que pudéssemos ser boas pessoas hoje, ou que muitas vezes nos fizeram sonhar e querer seguir um caminho para chegar as nossas realizações. E quantas vezes estivemos meio para baixo em alguma situação e a doce lembrança nos fez alegrar novamente? Isto é incrível, é como se o tempo não passasse ao mesmo tempo que sabemos que está seguindo.

    Acredito que se mantivermos estes bons sentimentos sempre acesos, o tempo não vai passar, e podemos e seremos sempre crianças e jovens cheios de vida.

    Obrigado pelo momento, pelas lágrimas e bons sentimentos, adorei!

    Abraço! =D

  • RESPONDER
    Mari
    13.09.2015 às 0:08

    Carambaaa!!! Que post maravilhoso!! Chorei.

  • Deixe uma resposta