5 em Moda/ Reflexões no dia 21.10.2014

O tal do normcore: Será que eu eu fui influenciada e não sabia?

Acho que a essa altura do campeonato, todo mundo que segue blogs, portais ou outros veículos de moda já deve estar sabendo da tal tendência normcore, né? Como ultimamente eu ando defendendo ferrenhamente o estilo básico, acho que até demorei a falar um pouco sobre ela aqui, mas a verdade é que eu fiquei com uma pulga do tamanho de um elefante atrás da orelha.

normcore1Costumo ter muitas respostas na ponta da língua, mas se me perguntam sobre o meu estilo, dificilmente sei responder sem pensar muito. Gosto de coisas mais fashionistas, mas não me considero fashionista. Também não me acho clássica, nem boho, nem moderna, nem muito lady. E ele também muda muito rápido. Posso acordar um dia louca por estampas, e no outro só querer peças lisas. Amar cores, e logo depois não querer sair da cartela de tons neutros.

Na realidade, essa história de paixão pelo básico eu comecei a perceber depois de ver que na minha pastinha de inspiração não entrava mais estampas mirabolantes, modelagens diferentes ou ousadias fashion que, no fim das contas, eu sabia que nunca copiaria. Ao mesmo tempo, eu deixei de ver minhas camisetas e jeans como peças para dias sem inspiração e fiquei com mais e mais vontade de trabalhar em cima deles, de dar meu toque em cima do básico. E foi aí que eu tive a certeza que eu tinha achado meu estilo.

normcore2Paralelamente, a história do normcore começou a surgir e, quando eu li o post da Ale Garattoni, eu me peguei pensando: “Gente, será que eu estou sendo uma vítima da moda? Será que eu fui influenciada sem nem perceber?” Nada contra quem é vítima da moda ou quem gosta de usar sempre as últimas tendências, mas é que eu estava tão convencida de que essa minha afinidade era algo vindo de mim, que ao perceber que poderia não ser isso, meu mundo caiu um pouquinho.

normcore3A paranoia não durou muito tempo, e quando eu já estava mais calma, passei a me perguntar: e se? E se eu realmente tiver sido influenciada? E se daqui a um tempo eu achar que a Elke Maravilha é meu ícone de estilo? E cheguei à conclusão que nada disso importa, afinal, a moda é feita para ser mutável mesmo e eu prefiro que meu estilo seja uma reunião de referências que eu venho reunindo durante todos esse anos do que algo engessado, que não me permita liberdades e extravagâncias de vez em quando.

Por enquanto, estou seguindo aqui no meu basiquismo, muito feliz. Até quando? Não sei, mas algo me diz que vou continuar gostando dessa “moda” mesmo depois dos ditadores de tendência avisarem que o normcore é passado.

PS: Para ilustrar esse post, usei as fotos de uma semana que eu estava especialmente muito básica. ;)

Gostou? Você pode gostar também desses!

5 Comentários

  • RESPONDER
    Camila gusmão
    21.10.2014 às 15:59

    E a felicidade de entrar aqui pra ler o post e ver o Artsy ali no blogrrol? Vocês são demais, amigas! Obrigada! <3

    • RESPONDER
      Carla
      21.10.2014 às 16:26

      Nós somos rápidas no gatilho! ;)

  • RESPONDER
    Silvia
    21.10.2014 às 19:08

    Meu problema é que eu sempre fui básica demais!!! Já tentei várias vezes sair dessa, mas minha cartela de cores acaba sempre sendo azul de todos os tons – acho o básico dos básicos pq nem sempre preto ou marrom ficam bem em mim – um pouco de vermelho, verde, um branco e cinza. Bege é um tom que não me caí muito bem, então evito especialmente na parte de cima. Mas se pudesse usava um estilo mais puxado para Lady, Navy e retrô, mas sem parecer fantasia é claro. Quem sabe um dia? Aliás eu concordo que a Moda muda e seria meio bobo se a gente não aproveitasse essas mudanças, né?

    Beijos!!!

  • RESPONDER
    Camyla Mendes
    21.10.2014 às 21:46

    Ah, Carla, mas seus básicos são muito interessantes e nada sem graça! Quero me vestir assim também, hehe! Estou gostando cada vez menos de estampas, mas meu guarda-roupa ainda é bastante colorido :///

  • RESPONDER
    Mariana
    22.10.2014 às 11:32

    Me identifico demais com essa sua definição (ou indefinição) do estilo… Também sou assim: nem clássica, nem boho, nem fashionista, nem lady… Eu sei o que não sou, mas não sei o que sou… Engraçado, né? Não gosto do estilo ultra-fashionista, “montada”, mas ao mesmo tempo gosto de dar um toque de “modernidade” a uma roupa mais básica. Gosto de cores sóbrias, mas adoro mesclar com umas estampas discretas mais clássicas (listras, poás, floral…) e acessórios menos óbvios. Enfim, é isto! Seus “looks normecore” estão lindos!

  • Deixe uma resposta