3 em Comportamento/ desafio de peso/ Fhits/ Reflexões no dia 16.06.2014

Desafio de peso: o emagrecimento do André Marques

Como vocês sabem, toda temporada de moda nós fazemos bate papos com artistas nos QGs do Fhits. Nesta temporada, nós só postamos a visita inusitada do Seu Jorge, mas os outros já estão no ar. Teve Anitta, Claudia Raia, Carolina Ferraz e o que eu vou falar hoje, André Marques.

Resolvi escrever um pouco sobre o que o papo do André Marques pois me fez pensar. Ela contou um pouco de tudo que ele tem passado nessa transformação. Esteticamente falando, ele já estava gordinho há muito tempo, mas o interessante foi o momento em que ele percebeu que precisava emagrecer por conta de saúde (afinal Obesidade Mórbida mata, como já diz o nome).  Além de parar de fumar, ele teve que focar em mudar sua cabeça e, com isso, 50 kg já foram embora.

Eu luto muito com a balança, acho que todo mundo que lê o futi já sabe. Falei sobre esse assunto várias vezes no desafio de peso e não tenho como negar que achei o papo com ele um dos mais interessantes.

Por causa da edição, essa parte não está tão detalhada no video, mas ele deixou muito claro a importância de mudar a cabeça, de ter um acompanhamento psicológico e da necessidade da força de vontade. Cuidar da cabeça é o ponto chave para manter a eliminação do peso e não correr o risco do efeito sanfona (que eu sei bem o que é).

A verdade é que não é fácil mudar, normalmente a pessoa tem que querer muito e ser muito forte. Haverão dias de recaídas, outros de tentações, e tudo faz parte desse processo de mudar ou melhorar a “famosa cabeça de gordo”.

Não acredito que devemos “catequizar” todo mundo que tem sobrepeso a ficar magro só para entrar na lista dos padrões de beleza atuais, mas acho que o André tocou num ponto cada dia mais recorrente no Brasil: a Obesidade Mórbida. Dessa todo mundo precisa fugir.

Claro que ser “gordinha feliz” é uma alegria que algumas pessoas seguram super bem. Nesses casos, só é importante marcar em cima dos exames e ir com freqüência aos médicos para garantir que a saúde não vai ser prejudicada.

Em alguns casos da minha família, assim como no caso do André, o sinal de alerta já apareceu, por isso, eu sou da linha que a busca do peso ideal vai muito além de uma questão de estética. Leia-se: peso ideal é aquele que o médico sugere, e não o que a sociedade impõe! ;)

Gente, queria que existisse uma forma de mostrar tudo em edição, ele falou cada coisa mais engraçada que a outra. Todo mundo ia matar a gente se o vídeo tivesse uma hora, mas nesse caso, eu bem que gostaria.

Achei legal trazer o vídeo para motivar aqueles que precisam mudar a cabeça além do número da balança. Quase sempre essa perda grande de peso vem com a tal melhora na saúde e acompanha um discurso legal de estar curtindo se vestir, se cuidar, se sentir mais elegante e com a auto estima nas alturas.

No fim do dia, se sentir bem consigo mesma é o objetivo de ouro, a melhor resposta a qualquer esforço.

E vocês, gostaram do vídeo?

Beijos

Observação: Acho super válido olharmos para tudo isso com um olhar de saúde, de bem estar e deixar a ditadura da magreza de lado. Estar com um corpo mais leve é sinônimo de ganhos para você ,  não de que você é melhor do que antes e por isso é mais aceito pela sociedade. Por mais que em alguns casos isso seja verdade, nós temos que quebrar esses preconceitos. Cada um precisa encontrar o seu objetivo e não o objetivo da massa.

Gostou? Você pode gostar também desses!

3 Comentários

  • RESPONDER
    mony mony
    16.06.2014 às 15:03

    Oi Joana! Adoramos o vídeo! É super importante divulgar informações do tipo. Segundo uma reportagem recente do Wall Street Journal, quase 29 % da população mundial está acima do seu peso ideal ou obesa, ou seja, mais de 2 bilhões de pessoas! Em 2013, o Brasil terminou entre os 10 países com números mais preocupantes. São mais de 26 milhões de pessoas nesse bolo! É como uma das nossas colaboradoras aqui na mony mony sempre disse “Avental tá por fora!” Vamos nos cuidar, nos amar mais! A vida pede isso!

    equipe mony mony

  • RESPONDER
    Didi Maia
    22.06.2014 às 1:56

    Oi Jô!

    Nossa, amei a entrevista e mais ainda o que você escreveu no post sobre “recaídas e efeito sanfona”.

    Você conhece a minha luta contra a balança também, né!? E esse post caiu como uma luva para mim, pois essas últimas semanas eu tenho feito das jactadas quase um rotina. Não quero e nem posso jogar todo o meu esforço pela janela e acredito que nada é por acaso, amei ter lido o que li e me motivou a parar com as goludices.

    A sua pergunta na entrevista foi ótima também, porque adoro sair para jantar com marido e com as amigas e não acho que só porque estamos de dieta esses prazeres da vida tenham que ser deixado de lado. Com equilíbrio e moderação faz até bem pra gente, né!?

    Beijão minha linda e continua focada, você é fonte de inspiração para mim e para muitas leitoras, tenho certeza!!!

    Beijos, Didi.
    http://www.didimaia.com
    @didimaia

  • RESPONDER
    Silvia
    26.06.2014 às 20:57

    Eu estou dentro do meu IMC e mesmo qdo estava uns 5kgs mais magra meu médico queria que eu pesasse menos! Isso seria menos complicado se volta e meia ele não me oferecesse sobremesa quando vamos jantar!! ;) Meu pai é meu clinico pq eu preciso de um medico que agrupe todos os que vou e depois de tentar alguns que fugiram da raia, acabei com meu pai mesmo. Mas tirando o peso que ele e minha mae, tb medica, me enchem a paciência, não tenho reclamações!

    Mas tb tenho obesidade na família e no meu caso meus pais tem diabetes tipo 2 e minha mãe é magérrima e não come açúcar! Só que eu sou dessas que como quando estou ansiosa, quando estou preocupada, enfim deu para entender né?

    Excelente a matéria! Viva a saúde e não a magreza excessiva!

    Beijos!

  • Deixe uma resposta