2 em Book do dia/ Comportamento no dia 12.02.2014

Book do dia: Extraordinário, de R.J. Palacio

Saindo um pouco do assunto NY, queria muito falar de um livro que eu terminei no dia da viagem e, por isso, não consegui fazer post antes.

Na verdade, esse livro já apareceu por aqui antes, em uma das raras participações da Jô no book do dia (todo mundo na torcida para ela fazer mais books do dia por aqui!!). Cheguei a ficar na dúvida se falava ou não sobre o mesmo livro, mas no fim, acho que uma opinião não interfere na outra, mesmo que elas sejam bem parecidas, né?

resenha-livro-extraordinario

A sinopse, para quem ainda não sabe: August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade… até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.

Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade – um impacto forte, comovente e, sem dúvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo tipo de leitor.

Antes de dar a minha opinião, preciso compartilhar que achei essa história muito parecida com a do Corcunda de Notre Dame. Como se fosse um Quasimodo com 10 anos de idade. Mas isso não tira os méritos do primeiro livro de R.J. Palacio.

É um livro de leitura fácil, capítulos curtos e com outros narradores além do Auggie, cada um contando o seu lado da história de como é conviver com uma pessoa que tem uma deficiência tão difícil quanto a dele. Dessa forma, é muito mais fácil se identificar e se envolver, o que acaba gerando uma história de superação não apenas do personagem principal e sim de todo mundo, personagens e leitores.

frase-extraordinario

Acredito que crianças/pré adolescentes consigam tirar mais proveito desse livro do que nós adultos. Não sei se isso aconteceu com quem leu, mas várias horas o meu “eu descrente do mundo” lia e pensava: “ah, mas isso é porque é no livro, na vida real isso não costuma acontecer”. Depois eu parava pra pensar e lembrava de casos como o da Lizzie Velasquez, e aí voltava a me convencer que existe, sim, gente que consegue atravessar lindamente as adversidades.

Quem estiver procurando uma leitura leve, rápida, gostosa e emocionante (chorei em váááários momentos! #manteigaderretida) com certeza vai amar!  Quem já leu, o que achou???

Beijos!

Carla

Gostou? Você pode gostar também desses!

2 Comentários

  • RESPONDER
    Camilla
    13.02.2014 às 8:53

    Li esse livro no início do ano! Amei!!
    Acho que a autora conseguiu equilibrar bem a narrativa que poderia ficar pesada devido ao tema ou boba devido aos “narradores”. Não foi nem uma coisa nem outra. É um livro leve, mas com uma mensagem linda.
    O fato dos capítulos serem curtos dá muita agilidade. A leitura fica muito dinâmica, tanto que li em apenas um dia. Adorei que o livro é dividido em partes, com pontos de vista de vários personagens diferentes. Isso agrega muito à história. Sempre é bom conhecer todos os lados.
    Sobre a mensagem, não existe discussão: é um tema lindo que foi muito bem abordado. Foi impossível não derramar lágrimas. Não por ser triste e dramático, mas por ser simplesmente belo.
    E esse trecho que você destacou é maravilhoso!
    “Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil.” – Virou mantra pra mim! O mundo está precisando mais de gentileza!

  • RESPONDER
    Maria
    26.02.2014 às 10:00

    Eu simplesmente amei esse livro! Li em uma noite, chorei desde a primeira narrativa. Não sei, me coloquei literalmente no lugar da mãe e embora meu filho não tenha nenhuma deficiência, o personagem apesar de todas as dificuldades, consegui a medida do possível superá-las e decidi ser feliz a ser amargo. Uma grande lição que todos nós deveríamos seguir.

  • Deixe uma resposta