43 em Comportamento/ Deu o Que Falar no dia 09.12.2013

Deu o que falar…

1 – A polêmica das cópias

Não poderíamos deixar de falar sobre o assunto mais comentado do fim de semana: As bolsas da Le Petit Joueurs, marca de MariaSole Cecchi, que também estavam sendo vendidas iguais na LAX Store, loja em que uma das donas é nossa vizinha de blogroll, Lalá Noleto.

Resolvemos não entrar no mérito de inspiração/cópia porque esse assunto é recorrente por aqui e, se bobear, daqui a pouco rola outro post sobre o tema. Enquanto isso, vocês viram o que a Carla Lemos falou no Modices? Achamos um texto bem lúcido e com uma visão bem parecida com a nossa hoje em dia em relação aos inspireds.

Voltando à história, uma coisa que ficou martelando na nossa cabeça é o motivo da RG ter transformado uma briga tão comum de marcas em uma discussão de pessoas físicas e com foco no “blogueira”. Pode parecer que a gente tem mania de perseguição com essa história de blogueiras, mas sentimos que da maneira que foi escrita, acabou mascarando uma situação que acontece com frequência na moda brasileira e com pessoas que estão longe de terem um blog. E todo mundo sabe que é só falar algum barraco envolvendo blogueira que os números vão nas alturas.

Não existe apenas uma loja no Brasil que vive de vender inspirações de it produtos, são inúmeras. Aliás, muitas marcas só deslancharam de verdade depois que deixaram a originalidade de lado para focar em peças que todo mundo queria. Uma delas, inclusive, é cliente da Monica Mendes. Respeitamos demais o trabalho dela, mas ela botou os pés pelas mãos ao defender a MariaSole nessa história toda pelo instagram. E acabou recebendo o comentário mais lúcido do mundo:

comentario-insta

E isso também não é de hoje. Ontem, conversando com uma amiga, ela disse que leu um livro de um estilista brasileiro que contava sobre um casal de estilistas que foi pego dentro do provador de uma loja lá de fora fotografando várias peças (antes estivessem na saliência, né? rs). 

Não estamos defendendo nada nem ninguém, só achamos que valia lembrar que não adianta pegar uma loja (no caso, uma pessoa, ou melhor, uma blogueira) pra Cristo, baixar o nível, chamar de vulgar ou coisas do tipo. Esse caso é apenas uma gota d’água no meio de uma tempestade de cópias e inspirações, para mudar isso precisamos mudar a cabeça da maioria dos criadores e dos consumidores, inclusive queríamos ver boas campanhas envolvendo a questão! :)

2 – Gato por lebre (ou Lenny por Ali Express)

vestido-cea-lenny-niemeyer-para-cea-collection-ali-express-ebay-china-colecao-compra-1Foto: Princesas Modernas | Montagem: Starving

Semana passada, a Stephanie mandou um e-mail coletivo para algumas blogueiras que ela lê contando que viu um dos vestidos da coleção Lenny para C&A vendendo no Ali Express. A Mandy & a Gabi do Starving foram conferir se os vestidos eram iguais e concluíram que, sim, é o mesmo, sendo que no Ali ele custa US$19 e aqui está sendo vendido por R$129.

Não é a primeira vez que uma peça que faz parte da linha C&A Collection é encontrada em sites da China. Comprar peças do outro lado do mundo para encher as araras não é incomum, ainda mais em um tipo de loja cuja rotatividade de produtos é muito alta. O problema é fazer isso em uma coleção cujo objetivo principal é oferecer peças de uma marca/estilista a um preço acessível. Além de enganar quem está comprando, também bota a credibilidade do estilista em jogo, não acham?

Não sabemos se o problema é a quantidade de parcerias seguidas, se essa prática já acontece desde a primeira coleção ou se a gente que ainda não conhecia Ebay/Ali direito para pesquisar, mas a verdade é que essa não é a primeira vez que isso acontece. Pelo menos a gente espera que seja a última.

3. Persona non grata

Toda profissão tem suas qualidades e defeitos, toda carreira, empreendimento e trabalho têm suas características próprias, consequências boas e ruins daquilo com que você trabalha. Essa semana resolvemos falar de uma coisa que não deu o que falar, mas está chamando nossa atenção o suficiente para que a gente resolva tocar no assunto.

Há muitas semanas, a chef Roberta Sudbrack (cujo restaurante já mereceu um post cheios de elogios) postou sua revolta com clientes que fizeram sua reserva e não apareceram. A sequência de posts foi mais ou menos essa:

fotos-no-show

Semana passada mais uma vez ela estava ali, expondo no seu instagram os clientes que vacilaram e não marcaram presença:

insta-roberta
Claro que não é certo reservar, não aparecer e não avisar o cancelamento, ainda mais em um restaurante com poucos lugares como o dela, mas não conseguimos achar de bom tom uma profissional expor os seus clientes dessa forma. Claro que tem cliente folgado que reserva em 500 restaurantes só para garantir, mas e se aconteceu algum imprevisto?? Dois erros não fazem um acerto e, nesse caso, nos deu a impressão que a falta de educação é geral, tanto dos clientes quanto dela! Um restaurante que custa cerca de R$300 por pessoa não deveria mostrar esse lado pirracento pelas redes sociais!

Infelizmente, esse “absurdo” relatado por ela mais nos parece apenas um risco inerente ao trabalho que ela escolheu. No insta da Roberta, todo mundo parece concordar com a situação, mas para nós e todos os amigos para quem mostramos o caso, parece um perfeito branding às avessas. O que vocês acham?

4. Mais amor por favor!

Não quisemos deixar passar em branco a violência noticiada exaustivamente que aconteceu ontem no jogo do Atlético Paranaense e Vasco.  Não há com o que discordar de nenhum dos desabafos que lemos no facebook. É triste que em pleno século XXI ainda existam seres de atitude tão selvagem em um momento que deveria estar relacionado a festa do esporte, no país do futebol.

Infelizmente no Brasil a impunidade (comum a vários segmentos) dá margem para que esse não seja o último caso, como todas sabemos não foi o primeiro.

Gostou? Você pode gostar também desses!

43 Comentários

  • RESPONDER
    Dani
    09.12.2013 às 20:35

    Concordo com vocês em relação aos outros tópicos, mas no item 3 eu discordo. Não sigo mais a RS no IG (seguia, mas dei unfollow porque achava muito repetitivo), portanto não sei se ela realmente expôs os clientes. Ao que parece, ela só citou o primeiro nome, o que não dá para identificar ninguém.
    A questão é que é realmente uma grande falta de respeito reservar um restaurante (ou agendar qualquer serviço, unha no salão da esquina que seja), não aparecer e não dar uma satisfação. Restaurantes de alto nível como o dela trabalham com produtos frescos e compram os itens de acordo com a ocupação da casa esperada para o dia. Se muita gente reserva e não aparece sobra pro dono do restaurante desperdício e prejuízo.
    Recentemente, li uma reportagem no Rio Show do Globo que abordava esse problema e dizia que muitos restaurantes do Rio deixaram de aceitar reservas porque o índice de no show era altíssimo. E também tinha o problema do cliente chegar atrasado e achar que o local tem a obrigação de segurar a mesa por mais de meia hora com gente esperando na fila e dá showzinho na porta. Então, quando o estabelecimento deixa de aceitar reservas pra acabar com esse problema, quem sai prejudicado são os clientes que honram suas reservas e deixam de ter essa opção!

    • RESPONDER
      Joana
      09.12.2013 às 20:39

      Posso falar? Adorei seu comentário, enriqueceu o post, mas continuo achando que tem um erro de marketing nisso, de imagem.
      Pra mim era mais digno ela não aceitar reserva.
      Obrigada pela contribuição e por citar uma info importante como essa do Rio Show!
      Bjão!

    • RESPONDER
      Gisele Martins
      10.12.2013 às 1:23

      Concordo com a Dani! Também acho que ela não expôs os clientes, já que ela só citou o primeiro nome.
      (Agora, se foi um erro de marketing eu já não sei. Não entendo disso! hahaha)

      Adoro os posts do DQF.
      Beijos!

      • RESPONDER
        Carla
        10.12.2013 às 10:30

        Meninas, a história da exposição não é que ela apontou o dedo e gritou pra todo mundo ver (no caso, não é que ela botou a @ do cliente pra todo mundo ver), mas ela está expondo um lado dela que não é o melhor. Você quer ir num restaurante caro para ser bem tratado, e não para correr risco de sofrer bullying da dona, sabe?

        Obvio que acho o cúmulo da falta de educação você marcar em um lugar e não aparecer nem avisar, mas já aconteceu de eu ter passado mal a ponto de ir no hospital umas duas horas antes de uma reserva e não ter conseguido avisar (até pq quando você tá passando mal a última coisa que vc pensa é pegar num telefone, né?). Sinceramente, eu sigo ela no instagram, se eu visse meu nome ali passando por cliente mal educado, eu iria pirar! Esse não deve ser o caso da maioria dos no shows, e o fato das pessoas terem desligado o telefone só comprova que pode ter sido tudo premeditado, maaaaas, acho que não dá pra compartilhar tudo nas redes sociais! A Jô contou aqui no blog que o restaurante é maravilhoso, isso não pode ser ofuscado por besteira, sabe?

        Se tá sofrendo prejuízo, passa a cobrar depósito de todos ou então acaba com as reservas. Isso vai prejudicar os clientes educados? Sim, mas duvido que causaria mais prejuizos do que vários no shows!

    • RESPONDER
      Osana Oliveira
      10.12.2013 às 14:27

      Concordo com você, Dani! Em Belo Horizonte, onde a oferta de bons restaurantes é pequena, por várias vezes tentamos ir ao Taste Vin e estava sempre com reservas esgotadas. Ruim pra nós, que demoramos um tempão pra conhecer o restaurante (finalmente consegui reserva e fui semana passada…adorei!) e bom para os proprietários do local. Quando alguém reserva e não aparece, várias pessoas saem perdendo: os donos do restaurante, funcionários e clientes que deixam de conseguir uma mesa. Entendo perfeitamente a indignação da Roberta, e acredito que ela tenha começado a desabafar no Instagram após passar pelo problema infinitas vezes. Não acho errado não!

      • RESPONDER
        Carla
        10.12.2013 às 15:20

        Osana, errado não é, mas se for levar para o lado business pode assustar possíveis clientes! Como disse um amigo nosso, a impressão que dá é que ela anotou nome e endereço e se a pessoa voltar a aparecer por lá ela vai cuspir no prato! rs

    • RESPONDER
      mary
      10.12.2013 às 22:34

      concordo com a dona do restaurante as veses é necessario fazer isso pra ver se as pessoas acordam e em relaçao a lalá eu concordo com voces.

  • RESPONDER
    Luiza
    10.12.2013 às 0:41

    Meninas, amei o post! Com relação à Roberta, li uma matéria uma vez sobre os bolos de quem faz reserva e não aparece. Ela dizia na reportagem, inclusive, que em alguns casos cobra um depósito para mesas de muitos comensais. Acho que acabou estravazando nesse caso, pois parece ser algo reiterado e que causa prejuízoa. Bjs!

  • RESPONDER
    Priscila
    10.12.2013 às 1:25

    Não entendi a polêmica da Lenny e Ali
    É a coleção atual que está na C&A??
    Como já existe a cópia do tecido?? Até onde eu saiba tecido é uma coisa que se demora para fazer….ou foi usado um tecido que já existe….então não foi cópia, eu acho que não, pois é uma modelagem bem simples…acho que todo mundo tem um vestido com essa modelagem

    • RESPONDER
      Silvia
      10.12.2013 às 2:59

      Priscila, nesse caso não é uma cópia. O caso dos vestidos pode ser explicado de duas formas:
      A) a fábrica chinesa que foi contratada para fazer a roupa não assinou ou não honrou a clausula de tempo de espera – no caso de estampas e tecidos exclusivos normalmente as empresas assinam uma clausula de tempo. Esse tempo determina quanto elas tem direito a exclusividade do produto pode ser 1 ano, 2, 6 meses. Depois desse tempo a fábrica tem liberdade de vender a padronagem para outras empresas – e portanto o vestido que foi desenhado pela Lenny é exatamente o mesmo que está sendo vendido no Ali por outra empresa

      B) A marca Lenny não criou de verdade o vestido e comprou o mesmo já pronto de uma revendedora que vende no Ali e a Lenny vende no Brasil mais caro

      C) Sempre existe essa opção, os vestidos vendidos no Ali podem ser os da Lenny que não foram aprovados na qualidade – a Ali estaria vendendo um produto inferior de “ponta de estoque” – ou ainda alguns dos lotes desse vestidos foram roubados ou revendidos sem a empresa brasileira saber e os mesmos estão no Ali mais barato.

      Como não é a primeira vez, a hipótese mais levantada é que a marca tenha comprado o vestido para revender aqui, MAS não necessariamente foi o que aconteceu. Mas como as linhas próprias da C&A chegam muito semelhantes as de nome, é bem claro o pq tudo fica muito estranho.

      Beijos!

    • RESPONDER
      Priscila
      13.12.2013 às 16:47

      Obrigada ^-^

    • RESPONDER
      Silvia
      14.12.2013 às 2:55

      De nada! Sempre que precisar! :)

      Beijos!

  • RESPONDER
    Ingrid B
    10.12.2013 às 5:10

    Meninas, respeito muito vocês, mas no caso da Lalá vocês deveriam reler o que escreveram sobre o caso Zibba versus Adô. Entendam: não acho que vcs devam ser reféns de opiniões emitidas no passado, mas o preço de fazer um bom blog, com conteúdo e análises relevantes como as de vocês, é ter que se repensar sempre. Acho que tem que ser pensada uma ética mesmo pra quem bloga de forma profissional. Sempre achei essa LAX um equívoco da Lalá. As blogueiras ganharam importância, vocês são veículo de informação, a credibilidade é um patrimônio. Vender um monte de tranqueira copiada numa loja pode até passar batido pra muita marca metida à bacana, mas vocês tem que se dar ao respeito.

    • RESPONDER
      Carla
      10.12.2013 às 10:09

      Oi, Ingrid! Para nós a credibilidade é o fator mais importante não só para uma blogueira, mas para qualquer profissional! Independente do que mudou no meu pensamento sobre cópia/inspiração (e de lá pra cá acabei dando o braço a torcer para algumas ideias, sim), no caso da Zibba x Adô, o que me fez admirar a marca na época daquele DQF foi o modo como ela defendeu suas criações. Ela mostrou desenhos, processo de criação, etc, etc, mas a dona da Adô não precisou ir para a mídia discutir com a Alice Tapajós, sabe? Ela conseguiu provar seu ponto (e acabou ganhando notas em vários sites) mostrando seu trabalho duro e ponto. Com classe, sabe?

      É óbvio que a MariaSole tem toda a razão do mundo de reclamar e ficar com raiva de ver seu trabalho copiado, qualquer pessoa que trabalha com criação partilha desse sentimento, mas o que mais chamou a atenção (pelo menos por aqui) foi o modo como essa história veio a publico. Ela não defendeu sua marca, ela se defendeu, pessoa física. E a história acabou saindo como uma grande lavagem de roupa suja e não fez nada pela marca dela. Depois, também achei horrível o modo como a assessora dela se manifestou publicamente. Além do teto de vidro que ela tem por representar outras marcas que também copiam na cara dura, ela arrumou um barraco que acabou ofuscando o talento e a indignação da MariaSole!

    • RESPONDER
      Joana
      10.12.2013 às 15:24

      Ingrid,
      Não reli ainda, mas não acho que mudamos de opinião não viu?
      Acho que no caso era uma EMPRESA lutando por seus direitos contra o abuso de outra EMPRESA.
      Nesse caso virou uma chacota pessoal, mais fácil jogar pedra na blogueira do que a empresa da Marie entrar em contato com a empresa LAX e resolver a situação. Ou mesmo levar para a imprensa, mas não tentar aumentar pageviews de revista falida “falando de CERTA BLOGUEIRA”, que até chamada de vulgar foi, por uma assessora que tem uma cliente de sapatos que copia 100% de sua coleção. A Monica atacou a Lalá com dois pesos e duas medidas na mão, pois tem cliente que faz o mesmo, então será que não era melhor só ter jogado num site ou revista, de CPNJ para CNPJ e não na tentativa de denegrir a imagem de uma blogueira. Quando ela também atende outra blogger, ou seja, poderia ser apenas uma forma de matar vários coelhos com uma cajadada só. Não estou defendendo a lax ou não, só estou falando que MILHARES de empresas fazem isso em todo o país e atacar uma pessoa física, levando em conta vulgaridade e botando em jogo um caráter não me parece certo. Deveriamos estar discutindo o quanto as cópias literais são erradas e ensinando aos clientes a não deseja-las talvez… Não sei ao certo o que penso exatamente sobre isso!

      Acho que a questão principal é super polêmica, importante e fundamental, mas nesse caso foi apenas um show para atacar e denegrir a imagem de uma pessoa. Chutar cachorro morto elas não iam né?

    • RESPONDER
      Camila
      10.12.2013 às 20:24

      Também achei um equivoco de vocês, meninas… Mas também entendo que é dificl ser objetiva quando se conhece com um dos lados da historia. O que eu li foi que a acessoria tentou várias vezes contactar a LAX por telefone e até no intagram (nesse sendo até bloqueada). E uma das “inspirações” em questão é lançamento da primavera do ano que vem da MariaSole, isso pra mim é plágio/roubo de propriedade intelectual por parte da LAX. Pior ainda é a loja e a Noleto não se pronunciarem, se fosse comigo eu também esqueceria a classe

      • RESPONDER
        Joana
        10.12.2013 às 20:34

        Camila,
        Acho que equivoco é uma palavra forte. Como trabalhamos no mercado de moda (e conhecemos de perto os casos bizarros de tais coleções 100% copiadas de marcas famosas) não nos prendemos nessa questão, tão polêmica, tão errada, mas tão velha. Falamos que precisamos mudar todas as mentalidades, do designer ao consumidor.
        Concordo que vender uma inspiração de algo que ainda não chegou nas lojas é muito delicado, muito mesmo. E é errado copiar por copiar, a questão da propriedade intelectual, mas como sempre falamos…. Não tenhamos dois pesos e duas medidas, a própria assessora atende uma marca famosa de calçados que é só cópia (info interna), por que nesse caso o silêncio da assessora é bonito? E no caso da Lalá, que sim conhecemos de perto, isso não importa? Pq ela pode ser chamada de vulgar (ao invés de sua empresa)?

        Eu entendo o sangue quente da estilista, juro! Entendo suas declarações, tudo. O que a gente não acha certo, conhecendo ou não a Lalá, é fomentar um ataque de pessoa física para pessoa física. Ainda mais se tratando de uma assessora (que como já disse duas vezes nesse comentário) está optando por ter dois pesos e duas medidas. Sua cliente que tudo copia de sapatos então é vulgar? Qual é esse critério.

        Não somos a favor de falsificações, achamos as cópias muito questionáveis e entendemos o universo das inspirações, mas isso é um tema para ser discutido a parte. Sem lavar a roupa suja de ninguém. Creio que devamos nos educar melhor quanto a isso. A Lax não é a única que vive de vender “inspirações”, muitas outras fazem e vivem de fazer sucesso! E fazem sucesso pois os clientes as desejam. É uma relação super complicada.

        Concordo que o caso é delicado, mas como sempre, quisemos levantar o dedo e prestar atenção naquele detalhe que quase ninguém viu sabe?

        De qualquer forma agradeço a forma como você comentou, nos dias de hoje parece que as pessoas estão com dificuldade de discordar com educação e temos que agradecer as leitoras que vêm aqui com todo o tato dividir seus pontos conosco! :)

  • RESPONDER
    Elise
    10.12.2013 às 10:47

    Oi, meninas!

    Confesso que essa semana estava mais ansiosa pra ler essa coluna =)
    Acho que vcs realmente tem um ponto quando dizem que o fato do “inspired” estar atrelado a uma blogueira deu um outro tom (mais pesado) para a matéria da RG.
    Entretanto, ainda que grandes marcas brasileiras também apresentem coleções “inspireds”, existem uma boa diferença entre usar uma modelagem parecida e detalhes semelhantes (tais como tachinhas, bordados etc) afinal moda é tendência também…Mas quando vc coloca dois produtos um do lado do outro e é dificil apontar as diferenças entre eles acho que nesse caso é forçar demais a barra falar em “inspired”, tal como ocorreu no caso da LAX Store e nesses milhões de sapatos “inspired” no Valentino que a gente vê por ai…
    Por isso eu acho que defender o “imitado” é defender a arte e o trabalho do artista que estudou, parou, pensou, usou do seu talento e tempo pra criar algo novo e que merece ser eventualmente usado como “inspired”, mas não como molde.
    E no caso concreto, acho que a MariaSole tem todo o direito de reclamar e mostrar sua indignação e raiva.

    Beijos!

    • RESPONDER
      Joana
      10.12.2013 às 11:17

      Eu acho que você tem um ponto super forte.
      De qualquer forma você leu o texto do modices? Ele é bem importante para ver as coisas de mais de um lado.

      Eu concordo com seu comentário e acho que as inspireds devem ser cada vez mais cheias de itens que denotem o novo DNA, mas parece que o consumidor final gosta cada vez mais de ter tudo igual, procura a inspiração mais cópia possível. Isso também precisa mudar, todo mundo tem que ser reeducado nessa hora.

      Para nós o grande problema é a Monica atacar a pessoa física da Lalá, chamando até de vulgar, e atender uma marca de calçados que copia 100% da coleção, de forma fidedigna! E o pior? Todo mundo acha cool usar a marca. Quando soubemos que é assim, demos até um passo para trás e perdemos o carinho que já não era enorme, pela marca. Esses dois pesos e duas medidas nos parece apenas um ataque. Sem um ponto de coerência.

      A Maria Sole pode reclamar a vontade, só que a assessora dela tem que pensar que para atacar as pessoas publicamente não devemos ter telhado de vidro em casa né? Aliás, somos contra esse ataque público (Dessa forma levando para o pessoal) ainda que o teto seja de concreto.

      Beijos

    • RESPONDER
      Elise
      10.12.2013 às 11:53

      Joana,

      Acabei não dando atenção para o comentário da Mônica e acho que vc está certa, para ela faltou coerência e, no mínimo, profissionalismo (ainda mais considerando que a foto e comentário partiu de uma assessora experiente nesse setor).

      Eu li o texto do Modices e achei bom por lembrar a importância da “cópia”, mas acho que o termo foi usado justamente para se referir ao “inspired”, que parte de uma tendência para criar algo novo, e não para se referir ao molde, em que não há nenhuma criação.
      Não consegui assistir o vídeo ainda que parece ser bem interessante.
      Só acho perigoso cair nessa história de “nada se cria tudo se copia” porque resulta na desvalorização do verdadeiro criador (que sim, eu acho que existe) e na aceitação de eventuais oportunistas que entram no ramo apenas usurpando o trabalho dos outros na maior parte das vezes sem a preocupação com a qualidade e afeto que o criador depositou na obra.
      E cabe ressaltar que tanto as patentes de invenção e de modelo de utilidade, bem como o registro de marca, previstos na Lei Brasileira de Proteção à Propriedade Industrial se aplicam ao mercado da moda.
      Bjs!

      • RESPONDER
        Joana
        10.12.2013 às 15:17

        Quanto a lei Brasileira acho muito complicado, como tudo mais!
        Mas concordo com todo seu comentário!

        Os vídeos do TED são sensacionais, tente ver depois! :)

  • RESPONDER
    Anna
    10.12.2013 às 13:02

    E olha aí a importância de ler e entender outros pontos de vista! Quando li a notícia, só pensei em coisas do tipo “blogueira folgada” e afins. Não tinha pensado que a LAX tem CNPJ e pode e deve responder pelas suas ações. Assim como as demais empresas que trabalham com cópias, inspired, etc. Injusto mesmo isso ter tomado proporção “pessoal”.

  • RESPONDER
    Michele Marques Soares
    10.12.2013 às 15:41

    Concordo com a história da bolsa,em muitos lugares o que mais interessa as clientes são os produtos inspired,mas bastou a blogueira fazer todo mundo cai de pau em cima…
    Já no caso do restaurante achei exagero ser divulgado no instragam,mas o fato de custar 300 reais não quer dizer que a pessoa esta certa em fazer a reserva e não ir né,humildade minha gente!!

    • RESPONDER
      Carla
      10.12.2013 às 15:49

      30 ou 300, não importa o quanto custe um restaurante, marcar, não aparecer e não avisar é uma falta de educação em qualquer nível! A questão que falamos no texto não foi essa mesmo! Beijoos!

  • RESPONDER
    juliana
    10.12.2013 às 16:59

    Vc passaram a ter um comportamento dúbio, a estilista italiana certamente não pensa como vcs…Qual é? Pensam em abrir “lujinha” e comercializar algum produto “inspired” tbém? Vergonha de vcs Fshits.

    • RESPONDER
      Carla
      10.12.2013 às 17:10

      Oi?? Em momento nenhum tiramos a razão da estilista italiana de estar indignada com a cópia das suas bolsas, mas se vc lesse melhor o texto iria perceber que não estávamos falando de nenhuma das partes envolvidas diretamente e sim como a revista e a assessora trataram do assunto. E iríamos ter a mesma opinião independentemente da blogueira envolvida estar na mesma plataforma que a gente ou não. Mostra pra gente qual comportamento dúbio é esse que aí a gente começa a conversar, tá? :)

    • RESPONDER
      Joana
      10.12.2013 às 17:21

      Sabe o que eu realmente não entendo Juliana?
      Pesquisei seu email para confirmar minha suspeita e detectei seu primeiro comentário maldoso em junho de 2012, de lá para cá você só entrou aqui para questionar um jabá devidamente sinalizado como presente, nos chamar de feias, barangas, vítimas da moda, além da ofensa mortal de dizer que meu nariz parece um morango!
      Me intriga muito. Você não tem nada melhor para fazer com a sua vida? Freqüentar e comentar em um blog que você não gosta do conteúdo, não gosta das donas e nem tem reais argumentos a acrescentar nas postagens? Não me parece uma definição de momento de felicidade.

  • RESPONDER
    Michele Marques Soares
    10.12.2013 às 17:06

    A questão que foi falada no texto,foi o fato da exposição dos clientes, que eu também não concordo,mas acho que o lado da dona do restaurante também deve ter importância,mesmo achando exagerada a atitude.Houve falta de educação das duas partes,e falta de respeito também.

    • RESPONDER
      Joana
      10.12.2013 às 17:12

      Pois é, nós vemos dessa forma também. Falta de educação de ambas as partes.
      A única coisa que não consigo entender na opinião geral é dizem que ela está certa por ter prejuízo, mas na forma que eu vejo isso é uma questão/risco inerente a profissão dela. Não quer passar por isso? Não faz reserva ou só faz mediante a número de cartão de crédito ou sinal. Pra mim soa muito deselegante da parte dela, que tem um restaurante que deveria ter valores relacionados a elegância.

      Bjossss

  • RESPONDER
    Eve
    10.12.2013 às 17:20

    Oi Meninas,
    Sobre o no show do restaurante dela, eu até entendo a raiva, mas achei a forma como ela abordou grosseira. Sabe infelizmente no nosso país as pessoas acham normal marcar as coisas e nao comparecer, ou mesmo chegar atrasada. Sou médica e trabalho na rede pública fazendo exames de ultrassonografia, e a quantidade de pacientes que faltam é enorme, principalmente nesta época do ano, e sabem o que isso significa? Outro paciente da rede pública que esta precisando do exame deixa de fazer, entao além de tudo é falta de cidadania e respeito ao próximo. Um dia antes do exame marcado ligamos para confirmar e mesmo assim algumas pessoas dizem que vem e nao aparecem, agora eu náo acho que ir ao faceboook, instagram ou qualquer outra rede social dessa forma que foi feita pela Roberta vai resolver, afinal quem é mal educado tá se lixando para isso e só vai ficar com raiva, e quem é bem educado pode achar um pouco agressivo e birrento. Acho que deviamos valorizar a educaçao e fazer campanha para que as pessoas entendam que respeitar compromissos é algo básico, que quem tem o mínimo de educaçao faz. Acho que a Roberta quis desabafar pois dá mesmo muito raiva, ver o seu tempo e trabalho nao serem valorizados, e isso esta virando rotina pelas pessoas, mas tem maneiras mais elegantes de fazer isso e também mais práticas, acho que breve ela pensa em outra forma de resolver isso ( com a cabeça mais fria e sem a emoçao do momento ).
    Beijos

    • RESPONDER
      Joana
      10.12.2013 às 17:33

      Eve,
      Adorei seu comentário, falou tudo, as pessoas estão erradas, precisam ser educadas, mas a grosseria também não resolve nada.
      Precisamos criar leis de tolerância zero para atraso (to brincando), mas só essas que funcionam por aqui. :(
      Beijos e obrigada pela participação.

  • RESPONDER
    Paula
    10.12.2013 às 19:13

    Comenta aí!

    • RESPONDER
      Joana
      10.12.2013 às 19:29

      Paula,
      Infelizmente seu comentário deu erro e não entrou! :(

  • RESPONDER
    Marcela
    10.12.2013 às 20:48

    Nossa, fiquei muito chocada ao ver os posts no Insta super mal educados da RS!!!!! Meu Deus, que grosseria! Lá se foi toda minha vontade de conhecer o restaurante dela. O que vocês escreveram foi muito bem colocado: são ossos do ofício! Infelizmente tá cheio de médico, dentista, podólogo, manicure, que perdem receita com esses no-shows, mas fazer o que?

    Sinceramente, pra mim só reforça a teoria de que todo chefe de cozinha é estrela. Sou da hotelaria e já trabalhei com vários deles, sempre tendo crises e achando que o mundo gira em torno de seu umbigo. Lamentável……… Entendo que é uma falta de educação e respeito se reservar e não comparecer, mas a imagem que ela passa é arrogante, e não se conserta um erro com outro erro…….

    • RESPONDER
      Joana
      10.12.2013 às 21:12

      ufa! Alguém que pensa como nós e os amigos com quem conversamos! hahahahaha

  • RESPONDER
    mary
    10.12.2013 às 22:31

    Nossa quanta coisa,bom em relação ao restaurante meninas eu faria a mesma coisa…trabalho com vendas e sei bem o que é isso…quanto a lalá concordo com voces…beijos.

  • RESPONDER
    Mariana
    11.12.2013 às 0:03

    Tb achei feia a reação da roberta… Acho mega falta de consideração reservar e não ir nem avisar, mas concordo com vcs q é um risco do negócio. fiquei com medo de ir lá, sinceramente, vai que acontece alguma coisa e não consigo avisar? E não consigo deixar de pensar q se eu, sei lá, reclamasse de alguma coisa da comida ia tb parar no instagram, sofrendo bullying da dona, como comentaram mt bem aqui em cima. Super acho q foi um erro de marketing. Era pra ser um lugar fino, né, se o cliente não é, o restaurante não devia se rebaixar, senão vira barraco.

    • RESPONDER
      Joana
      11.12.2013 às 1:58

      Ufa que não estamos sozinhas! hahahahahha

  • RESPONDER
    Cacau
    11.12.2013 às 10:02

    Foi feio e mal educado das duas partes! O Cliente deveria ter desmarcado , dado uma satisfação! Sempre! é de bom senso! Mas a Chef do Restaurante foi ridícula na atitude de expor isso !

  • RESPONDER
    Dani
    11.12.2013 às 22:17

    Nossa, tem taaantaaaa coisa para falar que eu não sei nem por onde começar hahahaha fiquei feliz em ler esse debate :)

    Vou focar em um fenômeno que tenho observado nos últimos tempos. Sou do mercado de comunicação, mas sou apaixonada por moda. Leio blogs há uns 10 anos e, revistas, livros e etc desde que me lembro. Nesse período, eu vi a evolução das blogueiras e o incomodo que isso causou em alguns nichos do mercado. Sinceramente, chega a ser infantil o ataque a Lala Noleto como pessoa. A quantidade de marca que fez cópia da 255 em 2010 e mesmo assim as donas continuaram alçadas a it pelo mesmo veículo, não está escrito.

    Essa coisa de cópias e inspirações parece na verdade uma atitude meio elitista, de gente que nao gosta/curte que todos tenham acesso a determinado produto, estilo, marca… e quer de toda maneira ostentar alguma posição inacessível aos demais. Os blogs tiveram e tem um papel fundamental nessa democratização da moda e isso incomoda muita gente. Felizmente as Fast fashions, as blogueiras, a China, a internet…faz com que tendências e peças corram o mundo numa velocidade que eu jamais imaginei. De alguma forma, eu fico feliz que as pessoas possam vestir o que querem e não apenas “o que tem” numa arara empoeirada.

    O interessante disso tudo, é que os veículos e profissionais que tem segurança no trabalho que executam, receberam essa nova profissão blogger e tiraram o melhor através de troca de experiências e parcerias. Quem não se garante joga na ofensiva, claro! Não imagino Lagerfeld batendo boca via Instagram pra dizer que alguém copiou uma idéia dele, né? Muito menos usando a profissão de uma pessoa para desqualificar a mesma.

    Talvez eu esteja errada, mas no meu mercado de trabalho entendemos que o plágio é o maior dos elogios e que quando alguém tem apego muita grande a uma criação é porque na verdade nao tem muitas ideias.

    Ps: sobre a Chef, acho deselegante. Se ela fosse minha cliente já estava ligando o botão de gerenciamento de crise. Hahahaha

    • RESPONDER
      Carla
      12.12.2013 às 11:05

      Dani, meu comentário não vai ser nem um pouco à altura do seu, mas só queria passar pra dizer que achei o máximo a sua visão!

    • RESPONDER
      Dani
      12.12.2013 às 17:56

      que legal carla :)
      adoro observar comportamentos, a gente aprende muito com isso, né?

      um beijo

  • RESPONDER
    Silvia
    14.12.2013 às 16:48

    Vou dizer que quase todos os casos no fim sofreram de um grande problema: falta de RP!

    A começar pela assessora que NÃO é RP – as vezes acho que nunca vão entender isso – e ao invés de gerenciar a situação, deu uma de criança de 7 anos de idade jogando tudo no ventilador. Desnecessário dizer que todo mundo que é do metiê sabe de quem é a LAX, então ela poderia ter se referido apenas a marca e não a pessoa física. O que ela fez foi pior que “Titia Shame” né? E basta uma “paladina” na cruzada contra as blogueiras “infames” não precisamos de duas Shames! Enfim, a LAX já até foi citada no Shame antes mas eu demorei um tempão para saber quem era a dona da empresa. O que a Mônica fez foi explanar deu uma de “vou contar para todo mundo” e sei lá, uma assessora séria não precisava trazer esse tipo de estigma para si. Acabou levando questionamentos que ela não queria ouvir, mas é aquilo quem fala o que quer… E dependo da situação a Lalá ainda poderia processa-la por difamação. Então nessas horas acho muito melhor resolver no pessoal, para que por no IG?! As pessoas parecem que não entendem muito bem para que serve diferentes tipos de redes sociais e o seus usos em diferentes situações…

    Quanto a Roberta se o que ela quer é virar um Gordon Ramsay que fez sua fama como sendo o cara antipático, parabéns para ela pq esse é o caminho certo! Tem alguns americanos tb mas eu não vou lembrar de ninguém agora… Mas é o seguinte esses caras vem de uma outra época, outros países e já tinham muita hora de “mesa” qdo se lançaram no mundo. Se ela AINDA tivesse feito um IG para o Restaurante seria uma coisa, agora postar foto de cachorrinho?! O próximo vai ser o que? Não é um caminho bom para um chef aqui no Brasil especialmente onde o mundo gastronômico não funciona como lá fora. Reserve por 1h, passou do tempo? Rodou! Cobre uma taxa mínima de reserva, por exemplo. MAs ela tem que lembrar que muitos dos clientes dela não vão gostar de saber que estão sendo expostos ao ridículo assim e é outra que está se expondo a um processo desnecessário ou a perder a clientela – pq aqui você quer ser bem tratado e não só comer bem – e até investidores que não curtirem a atitude dela. Esse tipo de coisa você só pode fazer se é a sua personagem e se você já tem forças para se sustentar sozinho!

    Bem sobre a C&A eu falei lá em cima e o fato de nunca ninguém ter se pronunciado é muito ruim tb.

    Sobre o jogo, foi uma enorme tragédia. E uma tragédia que virou motivo para todo mundo reclamar sobre o assunto. Futebol é mais tabu do que nunca, e era para ser uma diversão, algo para você brincar, zoar mas nunca ofender! Que prendem todos os responsáveis, incluindo o juiz! E o pior para mim é a mídia abafando o caso mas por outro lado sendo supersensaciolista. O ponto é que amanhã todo mundo esquece…

    Beijos!

  • Deixe uma resposta