3 em Ásia/ Trip tips/ Viagem no dia 01.11.2013

Trip Tips: Qatar

Qatar? Se A é de amor, B de baixinho e C de coração, nossa titia Xuxa nunca diria que Q é de Qatar. Pelo menos não até hoje. Para nós, brasileiros, esse país – que já está entre os 3 mais ricos do mundo e irá sediar a Copa do Mundo de 2022 – ainda é uma incógnita. Eu sempre achei que o maior investimento que um ser humano pode fazer é viajar, mas nunca havia pensado nesse país como destino de viagem. Mas ele havia pensado em mim e no final de setembro embarquei a trabalho para lá.

dicas-qatar

A primeira coisa que reparei quando cheguei foi nas mulheres. Carla, não fica com ciúmes, hein? Reparei no sentido antropológico do termo. Ao invés de se chamarem Carla, Letícia, Roberta, Juliana elas se chamam Chanel, Prada, Hermès, Louis Vuitton. Sim, todas usam burcas cobrindo o corpo todo, mas carregam bolsas das mais diferentes marcas para se destacarem e se diferenciarem.

Apesar da preocupação em não atrair os olhares dos homens alheios, seus olhos estão sempre pintados, os pés calçados com os sapatos mais caros e altos do mundo e os smartphones chamando mais atenção que blogueira da Capricho em porta de balada.

dicas-qatar-museu-arte-islamica

Aliás, se Tom Jobim tivesse nascido por lá, a garota de Ipanema seria linda, cheia de graça, seria ela menina que vem e que passa no doce balanço a caminho do shopping center. Pois é, as mulheres no Qatar não vão à praia nem piscina. Ficam suando bicas esperando seus maridos e filhos se deliciarem nas águas mornas do deserto. Mas essas e outras questões relacionadas a como se vestem e se comportam estão diretamente ligadas a religião. Até o fato de que, salvos nos hotéis 5 estrelas, não se pode beber álcool. Aliás, a regra lá é tão levada a sério que até os carros respeitam. Bebem só gasolina. Pasmem, R$0,30 o litro.

Graças ao bom Alah, eu estava hospedado no St. Regis, um hotel 5 estrelas muito bonito, bem localizado e com muito álcool. Além de uma piscina maravilhosa, SPA, praia particular, café da manhã incrível e um quarto com televisão na jacuzzi, o hotel abriga o terceiro melhor restaurante do país segundo o trip advisor: o Gordon Ramsey at St. Regis Doha.

nascer-do-sol-st-regis

Jantei lá em minha primeira noite. Como fui o primeiro a chegar, sentei sozinho em uma mesa no canto do restaurante. Logo uma garçonete muito simpática e o gerente vieram puxar papo para quebrar o gelo. Por falar em gelo, todo lugar que você entra no Qatar tem ar condicionado. Agora é inverno por lá e a temperatura está 35ºC, no verão pode chegar a 55ºC. Mas voltando ao restaurante, tinha a opção de pedir à la carte ou menu degustação. Como quem está na chuva é pra se molhar, ou no meu caso, quem está no deserto é pra suar, escolhi o menu degustação com harmonização de vinhos. Sensacional. A conta sai por volta de U$320 por pessoa, mas vale cada centavo.

No dia seguinte eu e um grupo de pessoas vindas de vários países mas que trabalham na mesma multinacional que eu, começamos nosso tour pelo país e foi surpreendente. Andei de camelo, fiz surf na areia, 4X4 nas Dunas do deserto, mergulhei com arraias no mar, assisti a uma preparação de corrida de camelos (cada camelo de corrida custa em media U$10 milhões), visitei um hospital de falcões (caçar com falcões é um passatempo típico da região e cada um desses animais custa em media U$15 mil), visitei o museu de arte islâmica (imperdível), fui ver iates chiques sendo construídos e ainda assisti a um companheiro da Nova Zelândia que esqueceu de passar protetor solar nas costas fazer caretas engraçadas de dor. Comi kafta, tomei Coca Cola (light) numa lata esquisita, ouvi quatro vezes num dia as rezas serem entoadas através de alto-falantes gigantes espalhados pela cidade, vi pintinhos coloridos artificialmente no Souq Waqif (uma espécie de mercadão de lá), vi camelos no deserto (até então só tinha visto camelôs na 25), vi um centro de treinamento para cavalos árabes com jacuzzis para os animais (sem tv na jacuzzi, #chupacavalo), vi um hotel em forma de tocha olímpica e muito mais no Qatar.

dicas-qatar-deserto

O fato é que é um país cheio de contrastes. Modernidade versus tradição, religião versus materialismo, riqueza versus pobreza, areia versus mar e tantas outras.  Mas também é isso tudo que o torna tão interessante, tão único. Vale a pena passar uma semaninha por lá. E ainda mais se for de Qatar Airways. Minha empresa me mandou de executiva, que no 777 equivale a 1ª classe, e as 14 horas de voo direto de São Paulo a Doha passaram, literalmente, voando. Não é à toa que foi eleita a melhor classe executiva do mundo. Pensei até em mudar meu endereço do instagram de @bernardoromero pra @bernardoReiNero. A poltrona reclina totalmente virando uma cama com direito a jogo de cama e pijama. Todo o kit disponível no voo é assinado pela Ferragamo, os bombons são Godiva (que não pude aproveitar, infelizmente) e o menu assinado por chefs internacionais. Aliás, você não precisa obedecer a um cronograma de horários de refeições. A cozinha funciona como num restaurante e o menu está inteiramente disponível pra você pedir o que quiser e na hora que quiser, e tudo é servido em pratos, talheres e copos de restaurante. Os vinhos são um capítulo à parte, títulos sensacionais de diversas regiões e para todo gosto (tomei um Brunello de Montalcino 2003 cujo preço em qualquer restaurante de SP está na media de R$1000 a garrafa).

Enfim, encerro com um humilde pedido à rainha dos baixinhos: na música do abecedário, dá uma chance pra Q de Qatar. Muito mais original do que G de gente e H de humano, não acham?

Gostou? Você pode gostar também desses!

3 Comentários

  • RESPONDER
    mary
    01.11.2013 às 16:53

    Comenta aí!

  • RESPONDER
    Aline P.
    02.11.2013 às 19:53

    Sensacional! Deu tanta vontade de visitar esse país que até cogitei dar uma olhadinha no preço das passagens… Ótimo post, parabéns! Meu pai sempre viaja pros Emirados e Omã e me conta de experiências parecidas em ambos os países. Existe até uma “mini” comunidade brasileira em Omã, pra quem se interessar. Essa região inteira é riquíssima em história e cultura, e acredito mesmo que se alguém conhecer um dia esses países deve ir assim, desprovido de preconceitos, pra aproveitar cada instante. Parabéns pelo post :) Por essas e outras que esse blog já entrou na minha lista de blogs favoritos! Um beijo pra vcs!

    ps.: um ps bobo, mas não consigo resistir… a roupa que elas usam não se chama burqa! Burqa é aquela que cobre o corpo inteiro e o rosto, normalmente usada só no Afeganistão e numa parte do Paquistão. Acho que no Qatar se usa o Abaya ou Niqab, que cobrem o corpo, mas não o rosto (ou deixam só os olhos a mostra) :D

  • RESPONDER
    Paola Scott
    04.11.2013 às 17:24

    Amei!!! Bernardo devia ser blogueiro ( hehehe) , não ia ter pra ninguém!
    Bjss e quero ir pro Qatar!

  • Deixe uma resposta