3 em Book do dia/ Comportamento/ Cultura no dia 13.05.2013

Book do dia: Wonder (ou) Extraordinário

Há alguns dias, a Carla aproveitou esse espaço para falar de um livro que ela leu e eu amei o post. Como a Ca lê muito e numa velocidade boa, essa coluna vai ser MUITO mais dela do que minha, que leio pouco e muito devagar. Ainda assim, me orgulho muito de termos esse espaço no (f)uti, sou uma apaixonada por livros e acho sensacional trocarmos essas dicas por aqui (indicações são mais que bem vindas!).

No fim do ano passado eu estava procurando alguns livros em inglês na Livraria Cultura e uma das minhas compras foi um livro “meio juvenil” chamado Wonder. Confesso que, nesse caso, levei o livro pela capa. Ela me ganhou!

wonder

“Não julgue um livro menino pela capa cara” dizia o texto. Quando emiti o pedido nem vi que o livro estava na lista de best-sellers do The New York Times, entre outros prêmios mais! E para completar minha surpresa, descobri que era o primeiro livro da autora R. J. Palacio.

Eu me apaixonei pelo livro, mas verdade seja dita, fiquei na dúvida de indicar por ser escrito em outra língua. Porém, quando fui fazer o post, acabei descobrindo que a versão traduzida já chegou por aqui. Seu nome? Extraordinário.

extraordinario

O livro conta a história de um menino de dez anos chamado August Pullman, que teria tudo para ser um menino super comum se não fosse a síndrome genética com qual ele nasceu, que causou uma severa deformidade facial. E a história começa quando ele, aos 10 anos, está prestes a enfrentar a escola pela primeira vez. O preconceito é abordado por diferentes pontos de vista e por diferentes narradores. O menino começa a contar a história e com o passar dos capítulos outras personagens da vida dele nos contam um pouco como as coisas aconteceram.

Tudo isso pode parecer bobo, simples ou até mesmo infantil, mas para mim não foi nem um pouco por ai. A minha experiência foi leve, de aprendizado e me forçou o exercício de olhar sempre para os diferentes lados de uma historia. Também nunca vi o mesmo preconceito visto por tantas óticas diferentes, fruto de diferentes razões.

Até aqui você deve estar pensando que estou falando de um livro triste, certo? Também não é bem por aí, quase toda a história é contada com um humor super gostoso de ler, que pelo menos na versão em inglês tem tiradas ótimas e brincadeiras engraçadas.

Eu abri a primeira página com nenhuma expectativa e o resultado foi maravilhoso, se você até aqui já se convenceu a ler o livro eu aconselho que você o faça mesmo!

Achei uma resenha à altura do livro no Hellostar.org, quem ficou interessado pode ler essa também!

 Quem tiver boas dicas de livro pode comentar no post!

Beijos

 Jô

Gostou? Você pode gostar também desses!

3 Comentários

  • RESPONDER
    Lari
    13.05.2013 às 13:07

    Jo, AMEI a dica! Terminei um livro ontem (que não indico rs) e ia na Travessa procurar um novo. Já vou comprar esse ;) Thanks! Beijos

  • RESPONDER
    Mariana Borges
    13.05.2013 às 13:51

    Meninas, vou fazer uma coisa feia e indicar um livro que não li, mas que pelo filme deve ser extraordinário: O Escafandro e a Borboleta, autobiografia de Jean-Dominique Bauby.

    Ele também é uma narrativa na primeira pessoa de alguém que, por conta de uma “diferença” – no caso do Bauby, uma Síndrome de ‘Locked-in’ surgida após um acidente vascular cerebral – tem que superar o preconceito das pessoas ao redor.

    Ainda não li o livro, mas pelo filme o narrador é bem – humorado – com alguns momentos de desespero – cáustico e muito, muito humano.

    • RESPONDER
      Joana
      13.05.2013 às 13:54

      Eu também vi o filme, quero ler, mas acho que deve ser num tom mais sério que esse.
      O August é uma criança, com um ponto de vista infantil, dai a coisa fica mais “leve”.
      Fiquei interessada, obrigada pela dica! :)
      Bjos

    Deixe uma resposta