12 em Comportamento/ Deu o Que Falar no dia 23.04.2012

Deu o que falar…

1 – #46nãoentra

Pra quem não entendeu, essa hashtag chegou a 1o. lugar nos TT’s do Brasil por causa dessa matéria aqui que saiu no site da Isto É. Nós não concordamos com muitas coisas que foram ditas, mas o que nos chamou atenção mesmo (e de muita gente, senão não entraria nos TT’s) foi a frase: “Se usar roupas menores que o tamanho 46, a candidata tem chances de ser aceita.”.

Por mais que tenham caído em cima de uma empresa específica, a verdade é que muitas marcas fazem isso mas não “falam em voz alta”. Não que a gente ache que falar em voz alta esse tipo de coisa seja um ponto positivo…

Podemos falar sobre isso com conhecimento de causa já que a Jô já foi 42, já foi 44, já foi 46 e, nessa época, ela teve muita dificuldade de achar roupas por aqui. Em compensação, quando ela para cidades como Londres e NY ela notou uma quantidade incrível de peças tendência, essas que todas querem e todas amam (por 15 segundos), em vários tamanhos.

Se lá fora meninas plus size podem se vestir de acordo com o que desejam – e não com o que podem encontrar – por quê aqui no Brasil isso não pode acontecer?

Fora que qualquer uma pode comprar bolsas, sapatos e acessórios independente do seu manequim. Ou meninas acima de 46 não gostam dessas coisas? Temos que tomar muito cuidado para não alimentar essa exclusão de consumo, afinal, isso é um tipo de preconceito, não acham?

2 – Pra quê contratar a celebridade e o fotógrafo se você pode fazer montagem no Photoshop?

Nós adoramos o blog Red Carpet Fashion Awards. A celeb mal bota o pé no tapete vermelho e já tem post falando qual a marca do vestido, das jóias, do sapato, enfim. Dessa vez, além de desvendar looks completos, Catherine desvendou o mistério da capa deja vu!

Provavelmente para não precisar pagar cantora/fotógrafo/estúdio e tampouco pagar os créditos por uma foto já existente, a equipe dessa revista teve a ideia JÊNIA (sic sic sic) de fazer uma montagem de Riri. Pegou a cabeça dali, o corpo de lá, deu um Flip Horizontal, mudou o Hue/Saturation do vestido e pronto, uma Rihanna Frankenstein novinha em folha!

Por favor, não façam isso no trabalho. Ainda mais se você trabalhar em revista!

Gostou? Você pode gostar também desses!

12 Comentários

  • RESPONDER
    Ana Carolina - Vila Trendy
    23.04.2012 às 19:28

    Perfeito o deu o que falar de hoje!!!! Beijoss!

  • RESPONDER
    Sabrina
    23.04.2012 às 19:33

    O problema não é não ter roupa acima de 44 (sim, é problema, mas enfim), já que, como vc disse, várias marcas brasileiras não possuem peças em tamanho grande, a questão que as pessoas estão com dificuldade de entender é que ela falou que *barra* as pessoas que vestem mais de 44 do cadastro, A pessoa não pode nem virar cliente pra comprar um sapato, se quiser. É o fato de barrar, não de não vender roupa 46, que é a questão.

    • RESPONDER
      Joana
      23.04.2012 às 19:52

      Sabrina a gente deu a entender que isso é de fato grave, chamamos isso de exclusão de consumo, mas o que nos preocupa como pessoas é como a moda ignora as clientes plus size. Que sofrem essa “exclusão” por nunca ter peças sempre e tem dificuldade de se vestir. No fim isso pode virar um preconceito estético que a gente abomina, a discriminação social contra quem está acima do peso.
      Todo mundo pode ser feliz e pesar o quanto quiser, não podemos julgar seres humanos por quanto eles pesam.
      Beijos

  • RESPONDER
    Fê Olweiler
    23.04.2012 às 19:51

    Como falei pelo twitter antes, a primeira coisa que pensei foi “que preconceituoso”! Mesmo não sendo tamanho 46 (sou 40), me senti ofendida pelo fato dela barrar pessoas plus size, e sair correndo para liberar filha do dono da Grendene! Acho um total desrespeito qqr pessoa ser excluída por qqr motivo que seja… Ficou feio pra ela, pros blogs participantes e pra RBS TV! Logo nos dias de hj, onde ser plus size não é motivo de vergonha… Taí Adele comprovando que pra fazer sucesso e ser LINDA não precisa usar 36/38!! Tah na hora dessa gente rever seus conceitos e fazer igual a Melissa, assumindo o erro e pedindo desculpas (no minimo).

  • RESPONDER
    Fê Olweiler
    23.04.2012 às 19:53

    Quando me referi a Melissa, foi mo caso de ela chamar blogueiras que sempre falaram mal da marca e não Melisseiras!! Já que tb ficou nos TT’s na época! ;)

    • RESPONDER
      Joana
      23.04.2012 às 19:56

      Fê,
      Parece que ela ligou para o Hugo Gloss e disse que nunca falou nada disso.
      Acho que desmentir e pedir desculpas não será algo tão simples desta vez, afinal ficamos sem saber qual é a verdade verdadeira.
      Beijos

  • RESPONDER
    Victoria
    23.04.2012 às 19:57

    Eu concordo plenamente com essa injustiça e, preconceito como vc mesma disse, com as meninas plus size. Mas eu também sempre lembro que isso não ocorre somente com essas meninas, pq nunca ninguém fala sobre as mais altas que também não conseguem encontrar roupas adequadas para o seu corpo, ou as mais baixinhas, que também sofrem muito. Não falo só das marcas que escolhem suas modelos, mas as outras pessoas que não se encaixam no padrão de beleza também sofrem muito para conseguir achar roupas. Eu só quero lembrar que não são só as mais cheinhas que sofrem uma discriminação nesse meio tão rígido.
    Beijos

  • RESPONDER
    Amauri Domingos
    23.04.2012 às 21:56

    Eu sinceramente fiquei sem palavras. Ficou muito feio pra imagem das blogueiras e do F*Hits. Qual blogueiro(a) não sonha em fazer parte de um grupo de renome ? Agora todos os blogueiros vão pensar 3 vezes antes de sair dizendo qualquer coisa por dinheiro (:

  • RESPONDER
    Tati
    23.04.2012 às 22:33

    Comenta aí!

  • RESPONDER
    Lari
    23.04.2012 às 23:28

    Como disse no twitter, eu acho um tremendo preconceito! Pq a pessoa é gordinha não pode estar na moda? Era melhor pedir desculpas do que bancar a louca que não disse. Beijos

  • RESPONDER
    Lyanna
    24.04.2012 às 9:08

    Sempre aquela velha desculpa vai ser usada de que “não disse isso” ou “não foi bem assim” ou “minha frase foi tirada de contexto”.
    Já que a tag é deu o que falar e acho que o espaço do (f)utilidades dá liberdade para expressarmos nossa opinião a minha é: não gosto de F*Hits e quando um blog que gosto se associa a eles, paro de ler, paro de acessar. Mas esses blogs estão pouco se lixando pra minha greve de acesso, né?! Afinal quantos outros milhões de acesso o F*Hits gera!!??
    Depois do episódio do esmalte, agora esse do manequim… esse marketing é super bom, né?!

  • Deixe uma resposta