Browsing Tag

saúde

2 em Jabá que nós amamos:/ Looks/ Moda no dia 21.09.2016

Quando um look de malhar te dá ânimo extra nos exercícios

Fiquei pensando e resolvi postar meu look de fazer exercícios aqui no blog. Primeiro porque eu adorei a roupa e as fotos, achei a minha cara. Segundo, porque eu já falei da minha forma de enxergar minha mudança de hábitos, por isso acho válido compartilhar momentos em que eu consigo tocar esse plano de ser mais saudável. Terceiro, porque acredito que em tempos de ditadura de magreza vale muito a pena prestigiar marcas (muito boas) que acreditam em vestir a camisa dos mais variados tipos de influenciadores.

Vocês não tem muita noção dessa parte, mas MUITA marca manda roupa de malhar pra você quando você está magra e basta os ponteiros da balança mudarem que não é todo mundo que se interessa em te vestir. Isso parece bobo, mas hoje esse tipo de nuance é importante pra mim, marcas que vestem a camisa de blogueiras fora do padrão imposto chamam a minha atenção. Não deveria ser assim, mas devido a escassez de gente que se posiciona de uma forma legal, acaba sendo.

Desde que ganhei o Tênis Mizuno Synchro MX voltei a ser a maior entusiasta da marca, que por anos foi minha escolhida para correr. Comecei a usar esse modelo para malhar nas mais variadas ocasiões, inclusive postei aqui.  E com isso, voltei a pesquisar as novidades de tênis da Mizuno, até porque muito devagarzinho quero voltar a correr.

Depois de muito pesquisar pensei em mudar para um outro tipo de tênis e me encantei pelo modelo Wave ViperEle foi pensado para correr na rua – o que se aplica aos meus planos – é leve, tem um amortecimento muito confortável e perfeito pra pisada neutra.

Resolvi entrar em contato com a marca, pedi pra testar o tênis e ver como me sentia com ele e foi assim que recebi algumas das coisas mais bonitas e confortáveis que eu nem sabia que queria: um casaco lindo (muito útil pra Lagoa e pras trilhas), uma calça de correr sensacional (a mais confortável que já usei) e um short com gorrinho interno muito confortável entre outras peças básicas para usar na minha rotina de academia e treinos com o Arthur. Fiquei encantada com a qualidade das peças, mas fiquei mais ainda com o quanto a marca vestiu a “minha” camisa, mesmo eu não sendo magra, influencer fit ou a louca da dieta.

Agora to com um armário muito mais legal pra cuidar da saúde e achei que era legal compartilhar o look com vocês:

look-da-joana-1 look-joana-malhar-1 look-de-malhar-joana-2short com forro, top cinza, camisa masculina soltinha
jaqueta corta vento verde e tênis Wave Viper Mizuno

Ok, o visual da Pedra Bonita ajuda, né? :)

Esse modelo Wave Viper feminino tem duas cores: rosa, como esse meu e o verde. que também é lindo. Gosto de cor no tênis porque minhas roupas de academia costumam ser mais básicas então é ele que vai dar um charme e um toque de cor.  

mizuno-wave-viper

Quanto à funcionalidade, eu estou adorando. Quando eu corria sério eu costumava usar o Creation, o Viper chegou para superar minhas expectativas de amortecimento e conforto.

Eu amei a forma como a Mizuno vestiu a camisa do Futi e não poderia estar mais animada para malhar e me cuidar. Sempre achava a roupa a parte mais sem graça do meu armário, sem contar que era sempre a parte desinteressante das fotos desses programas que eu fazia aqui no Rio.

Vocês também curtiram?

Beijos

banner-snap

21 em Comportamento/ desafio de peso/ Saúde no dia 12.07.2016

Mudança de hábitos!

Já tinha ensaiado por aqui minha nova forma de ver a vida em relação a exercícios e tudo mais que me cerca. Contei sobre o novo tênis da Mizuno que estou usando e comecei a me planejar para voltar a ter uma vida ativa, 100% focada na saúde, na melhora dos exames, no meu bem estar, e na minha autoestima, é claro.

A verdade é que toda vez que quis emagrecer foi tentando me encaixar, pertencer. Acho que minha compulsão alimentar veio disso. Recentemente contei por aqui como minha relação com o transtorno alimentar tem melhorado e apesar de não mais comer para me sabotar, sei que ainda tenho um longo caminho para desconstruir minha relação com a comida. Agora tenho os motivos mais nobres do mundo para voltar a me cuidar: minha saúde e meu foco na longevidade. Quero poder viajar, caminhar, correr, fazer trilha mesmo quando estiver mais velha e, para isso, preciso começar a mudar meus hábitos já.

Essa coisa de pertencer é muito cruel. Quando era adolescente eu me achava gordinha. Hoje olho as fotos e vejo que eu era 100% normal, mas como minhas referências eram minhas amigas – sendo que todas tinham a barriga seca – eu não consiga entender isso. Acho que hoje posso dizer que não era fácil ser pré adolescente sem nenhum exemplo de representatividade. Eu não me via nas atrizes, modelos e amigas, fosse no cabelo, corpo ou altura e demorou muito até eu quebrar – quase – todos esses paradigmas.

Hoje eu sinto que não posso usar a desculpa do corpo fora do padrão para nada mais.  Não preciso perder uma grama sequer para pertencer a nada, por mais que existam dias mais complicados ou momentos em que me sinto cobrada, principalmente nesse trabalho de blogueira que quase sempre dá preferência às meninas que vestem 38 para baixo. Agora já não me sinto alvo de preconceito e muito menos me sinto menor ou pior do que ninguém por questões de tamanho, cabelo, corpo ou beleza. Eu desconstruí essas ideias e provei pra mim mesma que consigo realizar todos os meus sonhos e desejos com esse corpo e decidi que estar fora do padrão não seria um empecilho para nada na minha vida. 

No último ano o universo me deu milhares de oportunidades para que eu provasse isso para mim mesma. O que eu precisava não era perder peso, brigar com a balança ou mesmo me privar de comer e beber o que eu queria. Eu precisava me sentir bem comigo, me sentir bonita e cuidar da minha autoestima. Foi isso que permitiu que eu provasse tantas coisas pra mim mesma.

O tempo foi passando e eu entrei na zona de conforto. Foi aí, olhando meus exames e conversando com meus médicos que me dei conta que eu precisava mudar a fórmula do meu bolo. Por mais que eu esteja me garantindo na minha autoestima, chegou a hora do novo desafio: a busca pela saúde e por uma vida longa. Por causa do SOP é muito importante que eu perca peso, visando preservar minha fertilidade. 

aula

Foi nesse contexto que resolvi, com uma ajuda sobre a qual falarei no futuro, ajustar e alinhar minhas expectativas, acertar os pensamentos e focar no que importa: a mudança de hábitos.

O primeiro passo foi óbvio: liguei para o Arthur, meu personal, para voltarmos a treinar. Minhas metas? Fazer exercício para aguentar as trilhas que amo fazer, para melhorar meus exames, para me dar condicionamento físico e liberar endorfina. Por nenhum segundo mencionei a perda de peso como objetivo. Dessa vez isso vai ser consequência, sabe-se lá em que momento essa consequência virá, mas estou desconstruindo que isso não é meu objetivo principal. 

A video posted by futilidades (@futilidades) on

Dessa vez resolvemos fazer algo diferente, nossas duas aulas por semana acontecerão na Lagoa, como sempre, com foco em: fortalecimento muscular e melhora da postura. Todo exercício aeróbico será feito por minha conta, coisa que não vemos desde os tempos da finada Estação do Corpo em 2009. Ou seja, minha primeira dificuldade foi entrar na academia. Como detesto minha relação com esse tipo de ambiente. fui tremendo, mas fui. Me senti vencendo um medo enorme enquanto preenchia os 3 cheques.

Não posso falar ainda sobre vitórias, só posso pedir a torcida de todas vocês para mandarem energias boas, afinal, quero muito engrenar nessa mudança de hábito. Ao longo das últimas semanas me vejo levando os exercícios à sério e isso é bastante animador, dado que eu estava em uma espiral de sedentarismo bem chata. Estou em fase de adaptação, ainda sinto dores no corpo e me sinto bastante tímida pra fazer alguma luta ou dança coletiva, mas o importante é que estou disposta a vencer tudo isso.

Quanto à alimentação, resolvi fazer uma mudança saudável por minha conta agora. Ainda não me sinto emocionalmente preparada para ir à uma nutricionista, não quero prestar conta quanto ao meu peso, não quero correr o risco de entrar em nenhuma neurose ou mesmo me sentir cobrada. Por ninguém. Eu não quero sentir nenhuma cobrança da parte da família, do Arthur (meu personal, não meu afilhado hehe), das seguidoras do insta, ou mesmo das leitoras do blog. Tudo isso já me ajudou muito, mas achei que valia a pena mudar a perspectiva.

Um lado meu deseja que eu não conte quantos quilos vou perder ou muito menos publique um antes e depois. Acredito que isso pode ser um desserviço a tudo que tenho pregado nos últimos tempos. Não quero alimentar nenhum pensamento como “ela ficou muito mais bonita mais magra”, “olha como ela está melhor agora” ou coisas dessa natureza. Eu nunca estive tão bem comigo quanto estou hoje, mesmo sabendo que provavelmente nunca estive tão pesada. Com ou sem mudanças no corpo ou no peso, eu serei a mesma garota que eu sou agora.

Nunca vou querer ser um exemplo de garota que conseguiu tudo porque perdeu peso. Quero ser exemplo pelo que sou hoje. Uma mulher fora do padrão de corpo imposto pela sociedade que não precisa atender as demandas externas pra sair com um cara legal, pra usar a saia curta que quiser, pra colocar uma roupa de praia na frente do boy, pra se sentir sexy, pra ficar com o cara mais bonito da festa ou fazer fotos de look do dia. Se antes eu achava que precisava ter 68 quilos pra isso, hoje eu já provei que dou conta de tudo isso com mais de 80. 

Então eu estou aqui, compartilhando minha vontade da mudança de hábitos,  de focar nos objetivos certos, desconstruindo a minha antiga necessidade de pertencer que nunca me fez bem, só foi uma erva daninha para minha autoestima na adolescência e em alguns períodos da vida de blogueira.

Foco e determinação, dessa vez eu vou correr atrás de vocês! Vamos torcer pra que eu consiga dar uma reviravolta na minha saúde, no meu SOP e no meu condicionamento físico. :) E quem quiser dar dicas, contar suas histórias ou até mesmo palavras de incentivo, estou aqui!

Beijos

banner-snap

2 em Comportamento/ Convidadas/ Gravidez/ Saúde no dia 20.05.2016

Saúde: A pressão pela volta do peso e do corpo após o nascimento do bebê

Recentemente vimos a entrevista de uma atriz famosa à uma revista onde ela disse que durante sua gestação procurou um profissional de nutrição para não ganhar muito peso nesse período. Por conta disso, embarcou em uma dieta com a redução drástica de um dos grupos alimentares mais importantes – o dos carboidratos – e que contava ainda com períodos de jejuns prolongados. Tal declaração deu o que falar e tanto a atriz como a nutricionista se pronunciaram dizendo que esse tipo de dieta aconteceu após a gravidez.

A verdade é que cada vez que uma mulher famosa anuncia que está grávida, a pressão e algumas polêmicas surgem. Parece que todos querem ver “em quanto tempo ela vai voltar ao seu corpo” ou em qual “velocidade da luz” a famosa vai perder os quilos adquiridos.

POSGRAVIDEZVocê já parou para pensar que isso não é saudável para ninguém? Vamos aos personagens desses fatos: a famosa que sofre essa pressão por todos os lados, a mulher comum (sim, você que está lendo essa coluna), os profissionais de saúde que acompanham a famosa, a mulher comum ou qualquer outro tipo de paciente.

1) A famosa: Primeiro, vamos nos colocar no lugar delas. Já imaginou o que deve ser viver em um ambiente onde seu corpo, seu peso, suas celulites ou gordurinhas indesejadas viram pauta de toda revista e programa de fofoca? E de como essas mesmas revistas e programas as consideram “bem sucedidas” quando consegue voltar ao corpo de antes?  Não podemos afirmar com todas as letras mas, muito provavelmente, essa famosa deve ter junto a ela médicos, nutricionistas, educadores físicos, profissionais de estética e outros tantos profissionais que acabam propondo condutas não muito convencionais para atingir a tal meta da “velocidade da luz”. Isso, misturado com a pressão, pode levar a famosa a procurar estratégias contrárias à natureza que não são muito saudáveis.

2) A“mulher normal”: Vamos lá….sim, eu sei que você também quer voltar ao seu peso pré gestacional, ao seu corpo como era antes, de preferência também na tal “velocidade da luz” pois alguém em algum momento, mesmo que inconscientemente ou indiretamente colocou isso na sua cabeça (Sites? Revistas? Uma pessoa próxima? Um profissional de saúde mal preparado….xi, tanta gente!). Acontece que muito provavelmente você não vai ter esse “esquadrão da beleza” ao seu lado (o que não costuma ser divulgado no caso das famosas) e aí, o que acontece? Você não perde o peso adquirido na gestação de forma rápida, você não chega no corpo “capa de revista” (que é completamente construído por outra vasta gama de profissionais – um dia vamos falar sobre isso) e isso vai te gerando angústia, incômodo, sentimento de fracasso e derrota, o que para muitas pessoas acaba gerando mais fome, mais consumo de alimentos e, consequentemente, ganho de peso. Você já deve ter se pegado pensando “mas por que a tal famosa conseguiu perder o peso e ficar com a barriga chapada 2 meses depois de dar a luz e eu não consigo?”…. isso acaba com a sua auto-estima, com a forma como você se vê, como os outros te vêem. Uma confusão só!

Veja bem, você levou 9 m-e-s-e-s para ganhar esse peso, para nutrir de forma saudável a você e a seu bebê, você acha que é saudável perder 10, 12, 15 ou 20kg em apenas 2 ou 3 meses?

A natureza é sábia, e sabe como? Aleitamento materno é um dos grandes aliados na perda de peso pós parto (sim, mais um motivo para você insistir e amamentar o seu bebê!), comer de forma saudável também é outra forma para atingir a perda de peso adquirido na gestação, além de atividade física orientada por um profissional capacitado. E o mais importante e uma dica que pouca gente pensa ou fala: não tenha pressa.

3) Os profissionais de saúde: Você não acha que somos completamente pressionados a atingir a meta da paciente quando elas nos procuram querendo ter o mesmo peso e corpo que a famosa que falamos acima? As pessoas estão fazendo qualquer coisa hoje em dia para perder peso e pedindo as maiores loucuras aos profissionais de saúde, mas cabe a nós não cedermos a essa pressão e orientar o paciente de forma correta, ética e principalmente realista. Assim evitamos frustrações.

Por fim resolvi levantar algumas ideias para a gente pensar:

– Aliviar a pressão: Que tal as famosas e os meios de comunicação pararem com essa pressão generalizada?

– Acolhimento: Que tal menos matérias de como a fulana emagreceu “na velocidade da luz” e sim mais matérias sobre como elas estão no papel de mãe e por ai vai!

– Foco no que realmente importa: Que tal as “mulheres normais” pararem de se cobrar tanto, dar menos importância a isso e se preocuparem com o que realmente importa, que é o momento lindo que é a gestação, a construção de uma família, a chegada de um bebê tão especial. Vá curtir esse momento único na vida de uma mulher. Você é você, não se compare a todo mundo!

No fim, só uma verdade é absoluta: você pode até voltar ao peso que você tinha na balança, mas com certeza você se tornou uma pessoa completamente diferente após o nascimento do seu bebê. Isso é o mais importante, passe essa mudança adiante. Vá curtir o seu bebê e essa nova fase da sua vida sem neuras!

banner-camilla-estimaVocê também pode gostar dos textos da experiência da Carla sobre o assunto:

- Gravidez: as mudanças do meu corpo
#babynofuti: o corpo voltando para o lugar