Browsing Tag

reflexões

13 em Autoestima/ Moda no dia 09.08.2017

Mulheres que nem eu não fazem look do dia?

Eu não sei se vocês têm isso, mas volta e meia eu me pego vendo comentários alheios, seja no Facebook, seja no instagram. Não acho isso legal, não, inclusive acho que perco preciosos minutos da minha vida com esse hábito pouco saudável, mas volta e meia acontece de algo me inspirar a escrever aqui. Por exemplo, essa história.

Faz algum tempo eu estava no insta quando cruzei com um comentário no perfil da Thassia. Não vou lembrar exatamente o que estava escrito, mas lembro que era uma reclamação de uma seguidora que dizia ser muito difícil se inspirar na blogueira porque o corpo dela era muito diferente.

Bem, volta e meia eu pego um look da Thassia para usar como inspiração, mesmo que eu não tenha o mesmo corpo ou a mesma conta bancária, por isso eu me segurei para não mandar uma resposta para a menina do tipo: “MIGA, E DAÍ?“.

uma das vezes que eu me inspirei em algum look da Thassia

Até que outro dia estava andando pela minha pasta de inspirações de moda do Pinterest e me intriguei: todos os looks que eu salvo lá são de meninas magérrimas, com corpos totalmente diferentes do meu.

Até então isso nunca tinha sido um problema porque nunca vi aquelas fotos pensando que eu poderia ter uns quilos a menos só porque a pessoa na foto vestia um 36, senão 34. Na maior parte das vezes eu uso como inspiração para misturar estampas, combinações de cores ou até mesmo acessórios. As vezes – porque eu não sou de ferro – eu sentia uma invejinha porque o decote ou uma blusa mais aberta ficava sexy sem ser vulgar em uma menina com muito menos peito enquanto eu tentava fazer parecido e me sentia completamente exposta.

Só que esse pequeno incômodo que eu senti me abriu os olhos para o comentário que a menina fez lá atrás e nunca saiu da minha cabeça. Na verdade o problema não está na Thassia ou na Camila ou na Chiara ou em qualquer outra blogger de look que seja super magra. O problema é que não é fácil achar blogueiras equivalentes a essas meninas e que façam looks inspiradores com outros tipos de corpos.

Procurar no google qualquer tipo de inspiração de look sem especificar dá nisso!

De alguns (poucos) anos para cá tenho visto muitas blogueiras gordas postando seus looks e inspirando e incentivando seguidoras para vestirem o que quiserem, dando dicas de lojas que vendem peças atuais e com modelagem legal. Mas acho tão difícil achar as “meio termo”, aquelas que têm mais peito aqui ou mais quadril acolá, com uma barriga não tanquinho. Não que elas não existam, eu sigo várias, mas a verdade é que todas têm um apelo mais body positivity – que eu amo e me inspira cada dia mais – e menos fashion.

No instagram, que para variar agora copiou também o Pinterest, estou conseguindo salvar os looks de mulheres com os mais diferentes tipos de corpos porque eu fui atrás, fiquei dias caçando essas pessoas individualmente, pulando de perfil em perfil atrás de quem tivesse um estilo parecido com o meu, garimpando ideias parecidas com a minha realidade em meio a muitas fotos cujo principal destaque são as suas curvas. Tirando modelos como Ashley Graham ou Candice Huffine, acho difícil achar referências curvy com pegada de moda.

Minha pasta de looks salvos no insta tá uma coisa bem linda de se ver, tem de tudo!

E se já não é fácil no instagram, onde achar essas pessoas fora dali? No Pinterest ou no Google, por exemplo. Apenas procurando por “looks de calça jeans” ou “looks com (insira a tendência do momento)”, sem especificar, dificilmente aparece opções variadas. Onde achar essas outras mulheres em semanas de moda, cujas portas de desfile sempre ficam lotadas de fotógrafos de streetstyle com suas câmeras prontas para clicarem as principais tendências do momento? Será que essas outras mulheres não estão ali (resposta: óbvio que estão) ou não estão com looks fashion ou grifados o suficiente para serem fotografadas?

Continuo com o argumento de que inspiração não vê tamanho de roupa ou tipo de corpo. Se você viu em alguém, experimentou e curtiu, está tudo certo. Mas que ajudaria ter uma variação na hora de buscar essa inspiração, isso com certeza ajudaria. E se em algum momento eu fiquei desmotivada de fotografar meus looks, achei que eles não faziam mais tão sentido ou que eu tava muito básica e sem muita informação de moda para compartilhar, acho que arranjei toda uma nova motivação para continuar! E espero que muitas outras mulheres com corpos parecidos com o meu – e com o seu, e com o da sua irmã, sua prima, sua melhor amiga – façam o mesmo, porque quanto mais melhor, né?

1 em Autoconhecimento no dia 08.08.2017

Qual situação você viveria se pudesse voltar no tempo?

Qual situação, momento ou circunstância da sua vida você reviveria se pudesse voltar no tempo?

Essa não é uma pergunta visando te lembrar daquela situação em que você gostaria de ter feito algo de diferente, estou falando daquela cena que você gostaria de reviver com os mínimos detalhes. Aquela que na hora você curtiu, mas se soubesse o quanto era única teria prestado mais atenção para memorizar a decoração, o retrato da parede ou o cenário da janela, tudo pra não te deixar escapar da sensação ainda guardada no peito. Uma situação que pode ter sido banal pra outra pessoa, mas pra você foi única e você jamais imaginou a singularidade do momento.

A vantagem que vejo em saber que algo está acontecendo pela última vez é ter a chance de guardar consigo o máximo de detalhes daquela situação memorável, literalmente. Em viagens isso acontece mais facilmente, afinal você consegue ter a consciência de que naquele momento, naquela idade, naquele ano e com aquelas companhias, aquele episódio não vai se repetir. Acho que os lugares onde mais realizei a sensação de última vez foram o Japão e São Francisco. Me lembro de sentir que vários momentos não iriam acontecer de novo. Me lembro de dizer pra Aline olhando a baía de Odaiba que eu sabia que provavelmente não pisaria em Tóquio novamente. Foi assim com o Lucas na Califórnia também. Eu sabia que jamais viveria aquele lugar daquela forma de novo. Decorei o cheiro, o abraço, a saudade e o sorriso. Talvez por ter tido plena consciência da finitude daqueles momentos eu não me preocuparia em revive-los. Eu não gastaria meu “ticket” de uma viagem tipo “de volta pro futuro” para essas situações, eu as vivi da forma mais plena.

Em Odaiba (Toquio) com Aline em 2004

Toquio 2004

São Francisco 2014

São Franciso <3

Para reviver “tudo por completo novamente” escolheria aquelas situações que foram DESPRETENSIOSAS e incríveis ao mesmo tempo, em que vivi naturalmente a felicidade plena, sem saber que aquele momento significaria tanto depois, que ele não voltaria. Por isso é muito mais fácil fazer isso com viagens do que com romances, por exemplo.

Quem nunca viveu o melhor encontro da sua vida sem saber que ele seria único? As vezes a pessoa te decepciona e você até volta a sair com ela, mas nunca mais é com a inocência e a fluidez da primeira vez.

Hoje eu tento olhar tudo com um aprendizado que levo comigo: só existe o hoje. Não levo ao pé da letra com desculpa para ser leviana, mas entendo que só o hoje é garantido e por isso busco viver ao máximo cada fase da minha vida valorizando todo momento feliz. Hoje um encontro inesquecível, o melhor sexo da minha vida com aquele cara que virou meu mundo ou um passeio com minha mãe no jardim de Giverny não seria vivido sem essa sensação de DAR TODO O VALOR ao momento, ao presente, a cada fase que não volta mais.

Agora eu quero ter discernimento para viver tudo plenamente, com consciência da finitude de tudo, de cada fase de cada relação. Seja aproveitar cada momento da nova paixão arrebatadora sabendo que independente do desfecho essa etapa não voltará mais ou curtir a fase solteira da melhor amiga que está tão presente ao meu lado em todos os momentos. Hoje eu fico alerta para poder registrar muitos detalhes na minha memória, pra que assim eu ainda tenha muita história pra jamais esquecer, muita experiência pra agradecer.

Mykonos e o fim dos meus melhores dias

Se eu soubesse que certos dias não voltariam mais eu teria me dedicado com afinco para guardar cada coisinha trivial que eu amei viver. Eu sei exatamente para quais momentos eu voltaria e prestaria atenção em cada detalhe, dos dias mais sensacionais aos mais simples. Queria ter guardado mais o olhar do meu cachorro, ter feito um diário de viagem dos dias na Grécia, feito anotações de aprendizados antes dos diários de terapia. Queria não esquecer nenhum detalhe dos dias em que amei muito, daqueles em que fui muito amada, me senti muito amada. Queria ter guardado mais dos cheiros e das músicas (gatilhos que minha memória adora).

Hoje eu me concentro para ter a consciência de todo momento incrível que vivo, agradeço por ele e por alguns segundos busco aqueles detalhes que me verão não querer jamais esquecer. A plena consciência e a gratidão te permitem saber quais momentos vão para o hall de melhores, assim no futuro espero não querer tal ticket para matar a saudade de uma história que um dia vivi, espero ter os detalhes anotados num papel ou guardados na mente, pra construir assim a minha história.

8 em Relacionamento no dia 26.07.2017

O meu silêncio condescendente e o que eu não disse pra ele…

Passaram algumas semanas e eu me arrependo amargamente de ter feito a fina e não ter falado com ele o quanto achei infantil a sua ausência de atitude. Nada condizente com um homem de mais de 30 anos que tem responsabilidade pelo que sente e fala.

Não mendiguei amor, não supliquei por paixão ou atenção. Abri mão de tudo no momento em que ficou óbvio que ele não estava – mais – tão afim. Ele só não queria tanto assim, mas não teve coragem de dizer. O que não é por si só um problema, mas como esse fator parece uma doença de repetição, depois dele eu já queria desistir. 

Quando percebi que ele muito falou, mas não sustentou nas atitudes, parei de acreditar em palavras, agora elas sozinhas não me dizem nada. Odeio partir do princípio que tudo é um jogo e de que a pessoa não fala a verdade, mas é isso. Agora eu só acredito em atitude e admiro gente corajosa.

E sabem o que é o pior? Ouço isso se repetir todo dia, com dezenas de mulheres e confesso que estou ficando cansada. Você já passou por isso?

Eles começam de maneira linda e promissora seja com palavras como “ah, eu estou cansado de joguinhos, estou procurando conhecer alguém legal e que bom que a gente se encontrou” quanto com expectativas tais como “mês que vem tem um show que precisamos ir juntos!”. “Você conhece o restaurante novo que tem em Botafogo? Semana que vem podemos ir.” “Nossos signos combinam muito sabia?”. Nossa, e quando faz das tripas coração para te ver, arruma um horário entre duas agendas apertadas para no fim de tanto esforço, cancelar tudo e sumir?

Eu conheço inúmeras mulheres que passaram por situações parecidas ou até mesmo iguais, tenho certeza que muitas aqui também se viram com a pulga atrás da orelha depois de ter certeza que aquele relacionamento iria engrenar ou render mais um pouco e de, repente, o cara desapareceu.

Ou então os encontros começaram a rarear até o sujeito nunca mais dar notícias. Ou, pior. Por algumas vezes ele cancela os programas dizendo que está cansado ou precisa estudar ou qualquer outra desculpa e, quando você entra no instagram, lá está ele com os amigos.

No meu caso o “queria você aqui” deu lugar ao silêncio misturado a uma série de razões sem sentido pra sair sem avisar. Nada que eu tivesse falado o faria ficar – e nem eu iria querer vencer ninguém no cansaço – mas hoje eu sinto que precisava ter falado o quanto acho cansativo lidar com esses joguinhos infantis, sem desfecho ou verdade. Queria sinalizar a falta de responsabilidade com relação ao outro, que pode de fato estar acreditando nos planos sugeridos, encontros pré marcados e coisas do tipo.

Queria ter tido a coragem de dizer mas com medo de parecer maluca, ou interessada demais me calei (ou seja, até quando eu to fugindo de joguinhos, me vejo tendo que encarar tudo como um jogo – #exausta). Com esse silêncio a gente acaba permitindo que esse hábito seja comum. Então esse silêncio final eu acho que não quero mais, na próxima quero dizer o que penso, não pra tentar continuar, mas sim pra dizer: “oi, sumir sem avisar e dar desculpas não é legal, tá? Não quero forçar uma relação, só quero ter um fechamento. E informar se não está mais afim é um ato de respeito que honra tudo que foi vivido. Obrigada, beijo, tchau”

Além desse arrependimento, eu também me enchi de dúvidas quanto a esse hábito tão pouco educado e fiquei me perguntando:

Será que os caras passariam a criar mais responsabilidade afetiva se nós começássemos a dizer pra eles certas verdades?

Será que se informarmos que não precisamos de jogos, mentiras ou exageros nas conquistas eles não ficariam mais seguros de não fazer planos que não querem realizar?

Será que se falássemos sobre a importância de informar que não quer mais faria com que eles se dessem ao trabalho de o fazer?

Sumir do mapa só é justo quando vem de alguém que deixou muito claro que aquela conquista era pontual, não criou expectativas na outra pessoa e não ficou fazendo joguinhos da conquista. .

Homens e mulheres adultos deveriam ter responsabilidade com sentimentos, seus e do outro. Não é preciso estar namorando sério para ter responsabilidade com a outra pessoa. Nunca sabemos o quanto o outro está envolvido e ter cuidado com esse detalhe é um baita sinal de cuidado com o outro.

Esse último cara foi o último que  ficou com meu silêncio condescendente.