Browsing Tag

padrõe de beleza

7 em Autoestima/ Destaque/ maternidade no dia 05.12.2017

Será que vai ter olho claro?

Já tem um tempo que ouvi a Fabiana Saba contando em seu Stories uma história que me deixou pensando, ou melhor, que me deixa pensando até agora. Ela estava contando como ela faz para trabalhar a autoestima das suas duas filhas e nesse dia, ela estava falando sobre as incontáveis vezes que ela teve que ouvir pessoas apontando como se fosse um problema o fato que nenhuma das duas havia puxado a mãe. Isso é, nenhuma das duas nasceu loira de olho claro.

Como se o fato das meninas serem morenas com olhos escuros as deixassem automaticamente menos bonitas.

Lembro de ter levado um choque na hora – afinal, que audácia é essa que permite uma pessoa falar isso para uma mãe? – mas depois parei para pensar e lembrei que eu vivenciei algo MUITO parecido. E pior, eu tinha esse mesmo pensamento das pessoas que me deixaram horrorizada. Deu para sentir o choque maior daí? Acho que dava até para usar o novo recurso do stories de dar zoom enquanto toca uma música de suspense, porque ele me definiu quando percebi tal semelhança.

Meu marido tem olho verde, né. Então, baseado nisso que eu falei até agora, chutem o que mais ouvi durante a gravidez de quem conhecia o pai? “Será que vai ter o olho do pai?”. A pressão para ter o olho do Bernardo foi gigante. Pais, mães, familiares, inclusive a gente, que acabou ficando ansioso não só para ver logo o Arthur como também para saber se ele teria olhos verdes.

Eu sei que todo mundo que falava isso queria mais é que ele nascesse saudável, não foi tudo tão superficial assim, mas não vou negar que eu também fiquei na expectativa. Mais até do que eu gostaria, assumo com certa vergonha. Acho que no fim das contas, eu tinha dentro de mim uma preferência por um padrão eurocêntrico que eu nem mesmo sabia que tinha.

Quando ficou muito claro que não tinha chance nenhuma do olho ser do pai, nunca mais havia pensado no assunto até me deparar com a história das filhas da Fabi. E fiquei matutando: o que é mais grave? A pessoa falar em tom de pena que seus filhos não têm o olho claro ou você mesmo botar uma expectativa que seu filho vai nascer com olhos verdes só porque as chances são grandes e porque você internalizou que o padrão diz que esse olho é o mais bonito?

Hoje paro para analisar: o que eu pensava que ia acontecer se ele tivesse de fato olhos claros? Ia mudar algo? Eu ia achá-lo mais bonito, ia achar que ele seria mais bem sucedido? Que faria mais sucesso? Nossa, mas que tristeza resumir uma pessoa – ainda mais o seu filho – a um par de olhos, não é mesmo? 

Só que maternidade é também crescimento e ironicamente, ele não ter os olhos do pai acabou fazendo com que eu enxergasse meus olhos de uma forma mais carinhosa e amorosa. E aleluia, eu não cheguei a exercer nenhum tipo de pressão por padrões de beleza, coisa que não farei nem com ele, nem com nenhum outro filho que eu venha a ter. Vivendo, levando uns tombos e aprendendo.

Acima de tudo, entendi na prática que, independente de como ele é fisicamente, quero mais é que ele seja feliz, honesto, empático, educado e que saiba respeitar as pessoas. E, bem, essa beleza interior que podemos ajudar a moldar não depende de nenhuma loteria genética. 

E não tem beleza física, olhos claros ou nada que mascare uma alma feia.