Browsing Tag

machismo

1 em Comportamento/ Destaque/ feminismo no dia 02.07.2018

Será que os rapazes do episódio “bucet* rosa” eram mesmo tão idiotas ou imbecis?

Já passou um pouco da tensão da “buceta rosa” e em meio a muitos posts que foram feitos, eu ainda fiquei com algumas coisas pra dizer, algumas epifanias de uma leiga que sentiu um nó na garganta que foi difícil de engolir. Muita coisa já foi dita, mas algumas coisas foram pouco exploradas e é nesses detalhes que moram os risco. Nesse tempo de muita informação viajando por aí, chamar os caras de imbecis ou idiotas é fácil, pensar que muitos amigos que amamos poderiam ter feito exatamente a mesma coisa é que me dói. Afinal, nós sabemos que o problema não eram eles, o problema são as crenças enraizadas e inconscientes que estão aí, transitando como verdade pra toda uma galera da minha geração.

Que fique claro já no começo desse post que eu não acho que o comportamento objetificador daqueles caras reflete ou representa a postura de todo homem branco e hetero desse país, mas a objetificação de mulheres, que são resumidas à vaginas, bundas ou peitos está aí pra todos. Que me ataque uma pedra o primeiro cara que não recebeu um meme machista de um amigo objetificando uma mulher na última semana!

Vocês acham mesmo que simplificar a questão chamando eles de machistas imbecis e idiotas soluciona a questão? Nossa, pra mim é tão mais grave. Precisamos sentar com nossos amigos, pedir pra que eles nos escutem e precisamos praticamente desenhar como é estar no nosso lugar. Eles não fazem ideia de como é estar sozinha em uma rua escura, perceber que tem alguém atrás de você e se aliviar ao ver que é uma mulher. Eles não fazem ideia do quão desconfortável é pegar o metrô e ser  surpreendida por um pau duro encoxado em você. Tão pouco o que é um velho parado no carro batendo punheta olhando pras meninas que conversam na rua. Eles não sabem como é passar por uma obra e ouvir que eles seriam todos chupados. Poucos deles conhecem o risco eminente da cultura do estupro. Parece que o mundo tá ficando chato porque eles precisam selecionar suas brincadeiras, mas isso só acontece porque estamos agora falando sobre abusos que antes eram socialmente estimulados.

simples

Eu não vou dizer que eles são idiotas e encerrar esse assunto. Não vou mesmo. Poderia ser meu namorado, meu irmão, o marido de uma amiga, e por esses caras que eu amo, eu não vou deixar o assunto morrer assim. Porque eu preciso que de alguma forma eles entendam que não é sobre aquele amigo babaca que faz dessas coisas, é sobre uma sociedade que faz dessas coisas. Não quero que eles se sintam atacados na sua individualidade e tampouco que se sintam perdendo direitos, porque eles na verdade, eles só estão perdendo o direito de serem bobos e infantis. Eu pessoalmente quero união, troca e soma, porque separação e segregação deu nisso, dá nisso.

O que aconteceu na Rússia não é exceção. Gente, o que aconteceu na Rússia é o comum, é o que rola na conversa do amigo do seu namorado, do meu também. É o que acontece em todo lugar, principalmente nos grupos de Whatsapp. O que aconteceu na Rússia é o que faz muito cara que a gente adora rir, nem que seja pra não se sentir deslocado pelo amigo. E é com essas pessoas que nós amamos que precisamos conversar sobre o tamanho do absurdo cotidiano que é o episódio da “buceta rosa”.

Lacrar na crítica do facebook nós já estamos fazendo, mas estamos conseguindo voz e silêncio para escutar os caras legais que estão ao nosso lado? Estamos conseguindo falar num tom que gere reflexão? Estamos sendo escutadas por quem foi criado pra fazer isso? Não sei.

Claro que não to invalidando toda crítica que aconteceu em cima do episódio, de forma alguma. Acho inclusive que esse ataque todo acaba sendo fundamental para que os homens entendam que existe a hora de sentar e ouvir. Em lugar de privilégio, é fácil achar que o mundo tá chato, afinal, não é você que tem medo, que foi oprimido ou que é silenciado. Conviver ou respeitar não significa não ter preconceito. Vivemos numa sociedade onde o preconceito é muito mais velado e enraizado do que imaginamos. De alguma forma ele está socialmente presente em nós, por isso a tomada de consciência é tão importante, por mais incômoda que ela seja.

Quanto mais a gente escolher o caminho do autoconhecimento, da empatia e do respeito ao sentimento do outro, mais vamos descobrir que não somos tão bons e tão perfeitos quanto achávamos, e está tudo bem. Esse risco de aparecer em um vídeo fazendo uma brincadeira sobre buceta rosa era inerente a muitos caras, e por mais ultrajante que seja, precisamos considerar que no micro universo isso acontece todo dia e precisamos gerar uma consciência maior de tudo isso, até mesmo para exigirmos o respeito que merecemos. Mas esse respeito não deve vir por essa fraternidade deles, deve vir porque somos humanos e nossas vidas valem o mesmo peso.

Nesse episódio, uma das coisas que mais me incomodou foi a justificativa de um dos caras depois do vídeo ter sofrido represálias. “Estão acabando com nossas vidas, eu sou pai de família, tenho mulher”. Bem, se você precisa explicar que não tem preconceito porque você até convive ou respeita com alguém parecido, você pode já estar vendo esse outro como inferior sem nem notar. Fingir que não temos um problema não está funcionando e reconhecer essa questão pode ser um começo pra de fato abrirmos mão de enxergar o diferente como menos. Ele só não é igual a mim ou a você, sem juízo de valor, nem melhor, nem pior. A hora que tirarmos o juízo de valor do gênero estaremos falando que nossas vidas valerão a mesma coisa.

Para mim o problema não é os caras serem idiotas ou imbecis. Acho que o buraco é bem mais embaixo, vem lá da criação de homens da geração do “engole o choro que isso não é coisa de homem”. Ao meu ver, esse tipo de homem precisa de ajuda pra sair da bolha. Pelo o que conversei com homens ao meu redor, vejo que muitos, no alto de seu lugar confortável, não conseguem ver os absurdos que nos sujeitam. Pensando nisso, sempre lembro de  “Eu não sou um homem frágil”, filme francês que está na Netflix e é um exemplo perfeito do incômodo que é pensar de forma invertida – ainda que eu ache que o estereótipo da mulher com muita energia do masculino não ajude no processo. Eles precisam nos ouvir, seja o dia do abuso que eles não souberam, seja daquele cara que forçou ou tirou a camisinha no meio, seja do garoto que beijou a gente à força, eles precisam se permitir sentir a impotência que a gente sente, pra isso a gente precisa poder conversar.

Eles precisam baixar a guarda e escutar e o maior desafio aqui é conseguirmos encontrar o tom de voz que promova um real diálogo. Nunca irei julgar a mulher com o discurso mais inflamado, acho que feministas radicais são essenciais para trazer assuntos urgentes à tona, mas sigo vendo mais resultado em falas mais calmas e amorosas, acolhedoras e empáticas, menos julgadoras e mais elucidativas.

dois pesos, duas medidas | @veganaeasuamae

dois pesos, duas medidas | @veganaeasuamae

Eles não são uns meros imbecis. Eles foram criados pelo machismo enraizado que incentivava essas brincadeiras que sexualizam a mulher e as colocam como um pedaço de carne que não tem sentimentos. Eu não quero isso mais, isso me enoja, mas eu respiro fundo e tento conversar com todo cara que não é limitado e consegue REFLETIR, ESCUTAR e RESPONDER as questões em pauta, não apenas falas hipotéticas decoradas. Nem todos vão escutar ou mudar, alguns vão atacar e silenciar, outros vão nos tirar do sério, mas eu não vou desistir de tentar.

Se estão achando que é tempestade em copo d'água eles não entenderam nada. | @empodereduasmulheres

Se estão achando que é tempestade em copo d’água eles não entenderam nada. | @empodereduasmulheres

Na minha geração sempre se passou pra frente a sensação de que uma mulher é uma espécie de domínio público pra objetificação. Esse conceito precisa ser revisto. Eu acredito que tudo é possível. Sempre tive um gênio indomável, mas os conceitos machistas do meu pai foram perdendo a força depois dos meus 18 anos. Vejo claramente seu processo de desconstrução e, no alto dos seus 66 anos, posso dizer que tenho um pai feminista. O cara que antes não queria me deixar ir fazer um mochilão na Europa aos 21 porque eu iria só com mulheres sozinhas, hoje tem pensamentos mais modernos e feministas que minha mãe, que nutre algumas doses estranhas de conservadorismos aleatórios. E não, não é só meu pai. O meu namorado atual me impressiona na sua desconstrução diariamente. Nessas horas entendo por quê programas como Pânico na TV deixaram de ter o mesmo espaço e saíram do ar. Aos poucos as coisas estão acontecendo e todo barulho feito está plantando sementes, mas nós podemos ajudar a regar e acelerar essa colheita.

Eu acredito num Brasil onde os caras mais bacanas vão explicar pros amigos os equívocos e riscos dos memes do mesmo jeito que eu uso o meu lugar privilegiado de mulher branca pra falar da seriedade dos problemas do racismo. Eles precisam nos escutar genuinamente, nos dar lugar de fala, mas também precisam nos ajudar se não quiserem ser os próximos reduzidos a imbecis ou idiotas, porque se o mundo não mudar… Isso vai acontecer de novo e alguém que amamos pode ser o próximo imbecil ou idiota.

1 em Comportamento/ Destaque/ feminismo/ maternidade no dia 28.05.2018

Será que aprendemos errado?

Recentemente comecei a ver um desses filmes estilo “Sessão da Tarde” que sempre que passa eu volto a ver. Posso ficar anos sem assistí-lo, mas quando passa sei praticamente todas as cenas. Só que dessa vez uma das cenas me deixou com bode.

A menina de uns 6, 7 anos apareceu muito chateada porque o amiguinho da escola a empurrou e xingou. A reação dos adultos foi bem natural para a época,  e acredito que toda mulher de 30 e poucos sabe exatamente o que aconteceu: “não fica chateada, ele fez isso porque na verdade gosta de você”. É claro que no filme é exatamente isso que acontece e no final, depois da menina crescer sendo empurrada, xingada e esnobada, o menino cresce e descobre que ele realmente amava ela.

df30bf5be51ec7b125682b081ccc284e

Pare de ensinar meninas que meninos são malvados porque gostam delas.

Eu juro para vocês que achava uma fofura. Até virar mãe. E até virar problematizadora (dica de amiga: se você virar problematizadora, lembre-se de não assistir mais filmes e séries que você amava quando era mais nova).

Eu não sei se existe alguma explicação psicológica para justificar tal relação, mas eu só c onseguia pensar que merda deve ser crescer sendo esnobada e diminuída de todas as formas e, mesmo assim, continuar alimentando a esperança que no fundo de todos os maus tratos, pode existir uma forma de amor. E aí parei para pensar e, opa…eu já vivi uma história parecida. Tenho certeza que você também. A minha sorte é que sempre fui muito impaciente, então não aguentei a sacanagem por muito tempo, caso contrário eu poderia estar até hoje esperando chegar a minha vez em um relacionamento que não me valorizava em nada.

Como mãe de menino, eu pensei em outra coisa: caramba, de onde essa criança (o menino, no caso) aprendeu a expressar seus sentimentos dessa forma tão torta? Sei que era só um filme, mas já cansei de ouvir essa expressão na vida real também. Fui perguntar para o meu marido e ele confirmou o que eu suspeitava, também ouviu para caramba isso na infância. Na escola, na família, tudo camuflado de “brincadeirinha”.

Fico me questionando se educar os meninos dessa forma, relacionando violência com sentimento, não é um dos pilares responsáveis por tantas histórias sobre abusos e violências diárias que ouvimos de tantas mulheres hoje em dia. Da cantada da rua até o tapa por ciúmes, tudo isso tem origem em um lugar, e esse lugar me parece ser justamente aquele em que meninos são educados (e levados) a desrespeitarem as meninas, e as meninas são convencidas a aceitarem esse desrespeito camuflado de demonstração de amor. Na verdade, acho que não me questiono, cada dia isso fica mais claro.

Quando vi a frase que ilustra o texto, até pensei que ela tinha todo o sentido, mas depois vi que concordava em termos. Sim, precisamos botar na cabeça das meninas que meninos malvados são apenas…meninos malvados (futuros embustes talvez?). Que elas precisam de amor próprio antes de tudo. Mas precisamos para ontem educar os meninos a não demonstrarem amor de forma tão equivocada, torta e desrespeitosa. Quem sabe assim, a gente cria uma geração onde as mulheres não precisem passar por tudo que já passamos?

10 em maternidade/ Reflexões no dia 27.05.2016

O homem que eu quero que você seja

Oi filho, você acabou de dormir e enquanto ouço sua respiração e vejo você segurando sua naninha com suas mãozinhas macias, eu não posso deixar de pensar no seu futuro, na sociedade que você irá crescer e como eu irei educá-lo.

Essa semana aconteceu algo horrível, um fato tão grotesco que nem os filmes de terror mais perversos têm coragem de abordar: 33 rapazes se uniram para estuprar uma menina de 16 anos. Ela estava inconsciente na hora, e por mais horrível que seja eu dizer isso, não ter noção do que aconteceu naquele momento deve ter sido um presente. Infelizmente os requintes de crueldade não acabaram por ali, já que não satisfeitos, os caras filmaram tudo e divulgaram nas redes sociais, onde outros rapazes analisaram a cena e comentaram como se estivessem vendo um episódio de Game of Thrones. Como se aquele horror não fosse real, como se no lugar daquela menina não pudesse estar a mãe, a irmã, a namorada deles.

Alguns dizem que isso aconteceu porque ela traiu o namorado. Outros afirmam que ela estava completamente drogada. Mas quer saber? Nada disso importa. Não existe argumento plausível no mundo para justificar que UM homem estupre uma mulher, que dirá TRINTA. E TRÊS. Espero que quando a hora chegar e eu ver que você não é mais um menininho inocente e sem maldades, eu consiga te fazer entender que não existe isso de “ela pediu”, “ela estava querendo”, “ela mereceu”. Não, nenhuma mulher pede para ser invadida enquanto está inconsciente, nenhuma mulher merece ser violada porque traiu um namorado, nenhuma mulher está querendo só porque saiu de casa com um decotão e uma saia curta.

Mas enquanto eu lia as poucas coisas que tive coragem de ler até o final, confesso que comecei a me preocupar com algo que tenho certeza que se você não estivesse aqui, nunca passaria pela minha cabeça. A influência. Posso estar numa crise de polianismo agudo, mas eu não consigo conceber que desses 33 caras, pelo menos um não estivesse ali se sentindo mal e enjoado, com vontade de ir embora mas por medo não conseguiu se impor. Como eu li por aí, a probabilidade de 30 psicopatas estarem juntos em uma sala é menor do que você ganhar na Mega Sena algumas vezes seguidas, ou seja, não é possível que de 33, pelomenos um não fosse uma pessoa minimamente decente antes desse episódio. Sempre soube que educar não era uma tarefa fácil, mas pela primeira vez eu tive medo, muito medo.

Sabe, eu já fui adolescente e sei como pode ser cruel você querer pertencer a um grupinho. Que para um ser humano em construção, cheio de inseguranças e que não quer ser isolado, é quase impossível levantar a voz, bater o pé e não se deixar induzir ao erro. O simples fato de falar “meus pais não deixam” é considerado quase um suicídio social, eu sei. Só que uma coisa é ir com a turma para o cinema e fazer bagunça ou arrumarem um esquema de cola coletiva em alguma prova, outra completamente diferente é cometer um crime e acabar com a vida de uma pessoa.

Infelizmente vivemos em uma sociedade onde atualmente ser mulher é viver constantemente com medo de sair na rua sozinha, de ser encoxada no ônibus ou no metrô, de ter que pensar duas vezes na roupa antes de sair de casa, de ter medo de beber além da conta quando sai para uma noitada. É viver pensando que mesmo com todas as precauções, podemos nos envolver em algum escândalo simplesmente porque fizemos uns nudes e tivemos nossos celulares invadidos ou porque nos relacionamos com alguém que parecia ótimo, mas foi só terminar para que ele divulgasse nossos vídeos íntimos. Sabe, meu filho, acho muito cruel vivermos em uma sociedade em que nós, mulheres, tenhamos que viver com medo de conhecidos, desconhecidos e julgamentos alheios. E é triste pensar que atualmente no Brasil uma mulher é estuprada a cada 11 minutos, mas foi preciso que 33 homens cometessem essa atrocidade para que o assunto viesse à tona e começasse a ser discutido. E é desesperador saber que muitas vítimas não denunciam seus estupradores porque as poucas que resolvem fazer isso são desacreditadas e julgadas por quem deveria estar punindo os verdadeiros culpados.

Antes desse episódio eu sonhava apenas em um educar um homem bom, que tivesse compaixão, empatia e respeito ao próximo, em especial às mulheres que estarão ao seu redor. Hoje eu vou além. Não quero que você seja o homem que diante de um caso desses fale “mas eu sou bom, eu não faço isso”. Quero que você seja o menino que mostre ao amigo que compartilhou o nude que vazou da menina da escola que isso não se faz, quero que você seja o cara que ajuda o coleguinha que reproduz discurso machista a ver que ele está errado e, apesar de eu esperar que isso nunca aconteça, quero que você seja a pessoa que ao se ver em uma situação como a desses homens, você perceba que mais vale ficar sozinho do que ter 32 monstros como amigos.

Infelizmente o que aconteceu essa semana vai perseguir essa garota até o final de sua vida e essa história de terror vai ficar presa na memória de todas as mulheres que acompanharam o caso. Sei que tenho um caminho muito longo e difícil pela frente, mas tenho a esperança que sua geração será bem melhor que a minha nesse aspecto.

Beijos da sua mãe apreensiva porém esperançosa

banner-SNAP-ca