Browsing Tag

luxo

0 em África/ Trip tips/ Viagem no dia 08.06.2017

Cape Winelands: conhecendo as vinícolas da África do Sul

Para quem gosta de vinho, o passeio a Cape Winelands é parada obrigatória numa visita a Cape Town.

Como contei aqui, perto da Cidade do Cabo existem várias regiões vinícolas, sendo as mais conhecidas Constantia, Stellenbosh e Franschhoek. Essas duas últimas ficam a 1 hora da cidade e muita gente opta por se hospedar por lá ao invés de fazer um bate-e-volta de dia inteiro, e foi exatamente o nosso caso.

Nós realmente gostamos muito de enoturismo e desse tipo de programação dormir-comer-beber. Por isso, ficamos 4 noites em Stellenbosch aproveitando a região que é linda e com uma grande oferta de bons restaurantes e vinhos (isso eu nem precisava dizer né).

 

Onde se hospedar

A oferta de acomodação tanto em Stellenbosch quanto em Franschhoek é enorme e agrada todos os gostos e bolsos. A grande maioria das pousadas são das próprias vinícolas e costumam ter poucos quartos.

Nos hospedamos em 2 pousadinhas bem legais: Delaire Graff e Jordan.

Delaire Graff Estate

Sem dúvida, a mais chique e mais incrível pousada de Stellenbosch. Fica de frente para as montanhas em um vale rodeado de parreiras, com uma vista de tirar o fôlego.

São somente 10 lodges, todos enormes e muitíssimo bem equipados com tudo que você pode imaginar de mimo: uma mini cozinha com máquina de Nespresso, chás e sucos, uma sala enorme, um quarto com uma cama maravilhosa, um banheiro com banheira, closet e uma varanda com piscina particular. Todas as bebidas e comidinhas que tem no quarto e no frigobar estão incluídas na diária e podem ser consumidas à vontade. Além disso, fomos recebidos com uma garrafa de vinho branco da própria Delaire.

A diferença entre os quartos é a vista e o tamanho: nós ficamos no Deluxe Garden Lodge, o mais simples da Delaire, e era um sonho. O quarto da categoria superior era igualzinho mas tinha uma vista absurda para o vale – infelizmente estavam todos reservados e eu não tive nem a opção de ter um surto e topar pagar um pouco mais por ele. Vou ter que voltar!

O nível de serviço é uma coisa absurda. Você tem um mordomo pra te servir a qualquer hora do dia e ele entra pela porta da cozinha e sai por ali mesmo, sem te incomodar em nada. Eles se colocam à disposição para tudo, inclusive para vir fazer o seu Nespresso (oi? Mas não é só apertar um botão que o café fica pronto?). Além disso, arrumam o quarto 2 vezes por dia e repõem as bebidas e snacks do quarto. É mimo para ninguém colocar defeito.

Se os lodges já são um sonho, a piscina da Delaire é algo de outro mundo. Ela fica ao lado do Spa, de frente para o vale, e tem uma jacuzzi quentinha dentro. A localização é perfeita para assistir o por do sol, um dos mais bonitos que já vi na vida. Perto da hora do sol se por, o hotel oferece drinks e canapés para os hóspedes (sem custo adicional), deixando o espetáculo ainda mais prazeroso.  

Para quem não está hospedado na Delaire, é possível reservar uma massagem ou tratamento no Spa e aproveitar um pouco da piscina, almoçar ou jantar em um dos dois restaurantes do hotel, além de conhecer a vinícola. Aliás, a Delaire é uma das vinícolas mais visitadas da região, com vinhos bem bacanas. O Delaire Graff Restaurant foi um dos meus preferidos e vou contar um pouco mais dele daqui a pouco.

Claro que por ser tão exclusivo, a diária não é nada barata (clique aqui para verificar os preços atualizados), mas para o que o hotel oferece achei que valeu muito a pena. Realmente foi uma experiência inesquecível.

Jordan Wines

Nossa segunda parada em Stellenbosch foi na Jordan Wines, uma pousadinha super fofa que fica dentro das vinícolas Jordan.

São poucos quartos que, apesar de mais simples que os da Delaire, eram muito aconchegantes. A pousada fica ao lado da estrutura principal da vinícola onde existe uma Bakery, o restaurante Jordan, super famoso na região, e a parte de degustação. O café da manhã é servido na Bakery, de frente para um laguinho muito simpático, e tudo do cardápio é delicioso (por isso estava sempre cheio!).

Aproveitamos para fazer um tour na parte de produção dos vinhos e também um passeio de 4×4 pela propriedade, em que nos explicaram tudo sobre a cultura das uvas, do solo, da insolação, da posição do terreno para se ter um determinado resultado no vinho… muito legal! E a parte mais legal desse passeio é que você vai parando pelo caminho e experimentando os vinhos! Uhmmm

Aliás, os vinhos da Jordan nos surpreenderam. Experimentamos todos que eles tinham pra degustação (e pq não? Era só andar até o quarto mesmo!) e gostamos tanto de alguns que compramos algumas garrafas para trazer para casa.

Adoramos nossa estadia na Jordan e achamos o custo benefício excelente!

Terraço da The Bakery

Tour de 4×4

Jordan Suites

Varandinha do quarto

Os melhores restaurantes

Os restaurantes da região que fomos e achamos mais imperdíveis foram:

 

Delaire Graff Restaurant

Talvez seja o restaurante mais famoso da região e não é à toa. Lembra que eu falei que a Delaire tinha uma vista linda? Então, o restaurante também tem essa vista, além de um cardápio recheado de boas opções de pratos. A apresentação dos pratos é impecável e tudo que comemos estava magnífico.

Demos a sorte de o dia estar lindo e ensolarado, o que nos permitiu almoçar em uma das mesas do jardim de frente para as montanhas. Incrível!

O Delaire Graff Restaurant é super concorrido então é fundamental reservar com alguma antecedência.

Depois do almoço, fomos para a parte de degustação da vinícola, ao lado do restaurante. Para quem não conseguir reservar o restaurante ou quiser beliscar ao invés de almoçar, nessa parte são servidos alguns snacks para acompanhar a degustação.

Leeu Estates

A Leeu Estates fica em Franschhoek, a uma meia hora de onde estávamos hospedados.

Ao chegar na propriedade, fomos direto para a degustação dos vinhos Mullineux & Leeu. A sala de degustação já mostra o nível do que iríamos experimentar ali: a decoração era linda e imponente, com a exposição das garrafas ao lado de potes com exemplo de solo onde as uvas daquele vinho foram cultivadas e um sommelier muitíssimo simpático que foi nos contando toda a história da Mullineux e explicando cada vinho.

Que surpresa boa! Todos os vinhos que provamos eram incríveis (os melhores que bebemos na África do Sul!). A Mullineux é super renomada e não pára de ganhar prêmios. Andrea Mullineux ganhou recentemente o prêmio de melhor wine maker do mundo, sendo a primeira mulher a ser consagrada com o título.

A produção de cada tipo de vinho por safra é pequena e por isso são super concorridos. Muitos dos vinhos que degustamos já estavam esgotados para venda. Na verdade, muitos dos vinhos esgotam antes de serem lançados, olha que loucura! Dos que estavam disponíveis, compramos todos! São realmente muito diferenciados e tem um preço muito justo.

O vinho que mais gostamos foi o Mullineux Syrah 2014, um vinho que ficou em décimo lugar na lista européia do Decanter como melhor substituto para o Chateauneuf du Pape. Não é pouca coisa não!

Para visitar a Mullineux & Leeu, é preciso reservar. Diferentemente de outras vinícolas em que era só chegar e entrar, o acesso à Leeu Estates só é autorizado com hora marcada.

Mullineux & Leeu Family Wines (www.mlfwines.com)

The Wine Studio – tastings@mlfwines.com

Vale muito a pena ir até lá conhecer esses vinhos tão deliciosos! O problema é a pena que dá de beber essas garrafas tão incríveis e limitadas que trouxemos para casa!

Depois, fomos almoçar no The Conservatory, um restaurante lindinho de frente para um jardim dentro da propriedade. O restaurante é a la carte com pratos de culinária francesa.

Olha como os pratos eram lindos! E também estavam deliciosos.

 

Aproveitamos para pedir uma garrafa de vinho Mullineux, afinal, era só ali mesmo que eu teria essa oportunidade. Nós adoramos o almoço e recomendamos muito.

Além desse, ainda existem mais 2 restaurantes, o The Dining Room e o The Garden Room, sendo o primeiro o mais conhecido.

A Leeu Estates também oferece acomodação. Na verdade, são 3 pousadas dentro da propriedade: Leeu Estates, Leeu House e Le Quartier Français. Todas são muito bem avaliadas e acho que podem ser uma ótima opção de hospedagem em Franschhoek.

 

Grande Provence

Também em Franschhoek, a Grande Provence é uma outra excelente opção de vinícola para degustação e restaurante. Chegamos lá no fim da tarde e sentamos no jardim para degustar os vinhos e esperar a hora do jantar. Aliás, nós exageramos na parte de degustação: cada um pediu um tipo diferente com 4 ou 5 vinhos e no fim saímos trocando as pernas.

O estado da pessoa era esse:

Por aqui foi o dia todo assim 🍷 . . . #futitrips #futinaafrica

A post shared by Aline Rajão (@alinerajao) on

A propriedade é enorme e o jardim é super agradável. É possível comprar uma tábua de frios ou uma cesta de picnic, uma garrafa de vinho e ficar jogado na grama vendo a vida passar. Amamos o clima da Grande Provence, que apesar de ser uma vinícola chique era ao mesmo tempo leve e relaxada.

O restaurante Grande Provence é super conhecido na região e funciona em esquema de menu (entrada, prato principal e sobremesa, sendo que no jantar ainda tem um prato intermediário), com influência francesa. A refeição pode ser acompanhada de uma boa garrafa ou de harmonização de vinhos – infelizmente eu já tinha me exaltado na degustação antes do jantar e não consegui experimentar a harmonização.

Todos o pratos eram super bem apresentados, sem dizer de como eram gostosos. Era daquele tipo de menu com muitos sabores diferentes e que cada um dos pratos era uma experiência diferente. Achamos o menu bem completo e com opções suficientes para agradar todo mundo.

Olha a produção dos pratos!

Nós amamos o restaurante Grande Provence e arrisco dizer que foi o jantar mais impressionante em que tivemos na África do Sul.

Para quem aprecia boa culinária e excelentes vinhos, a visita a Stellenbosch e Franschhoek não pode ficar fora do roteiro. Mesmo que seja em um passeio rápido, a região tem muitas vinícolas e restaurantes que merecem a visita.

0 em África/ Destaque/ Trip tips/ Viagem no dia 04.04.2017

Trip Tips: St Regis Mauritius

Depois da introdução sobre as Ilhas Maurício, vou começar a contar em mais detalhes a experiência que tivemos em cada hotel.

Nossa primeira parada em Mauritius foi no St Regis, que fica localizado na península de Le Morne. Quando comecei a pesquisar sobre a ilha, sempre via a foto da montanha Le Morne e acabei descobrindo que essa montanha foi usada por escravos foragidos nos séculos XVIII e XIX. Depois, foi transformada em um símbolo de luta dos escravos pela liberdade, tornando-se patrimônio da UNESCO em 2008. Então dá para perceber a importância que Le Morne tem para os maurícios, né?

É ali também que fica a famosa “underwater waterfall“, que é a ilusão de uma cachoeira debaixo d’água por causa da diferença nos tons de azul do mar. Se você segue perfis de viagem no Instagram, com certeza já viu essa imagem:

Fonte desconhecida

Mas pra ver esse fenômeno lindo, só voando de helicóptero mesmo — com o drone não consegui chegar tão alto. :(

Le Morne é linda e completa o visual da praia de uma maneira magnífica, deixando a paisagem realmente espetacular. Me lembrou um pouco o Monte Otamanu de Bora Bora. A única certeza que eu tinha era de que eu precisava conhecer esse lugar e para isso decidimos nos hospedar no St Regis, uma rede que eu super admiro e que só tem hotéis incríveis no mundo todo (lembram do post da Jo sobre o St Regis Istambul?)

Essas fui eu que tirei :)

 

Estrutura

Além da vista maravilhosa de Le Morne, o St Regis tem uma praia linda e enorme: é 1km inteiro de areia exclusiva para o uso dos hóspedes do hotel. Ao longo de toda sua extensão, existem guarda-sóis de palha e espreguiçadeiras, para relaxar e curtir o visual azul de doer em frente ao hotel.

A piscina principal é imensa e fica na frente da Manoir House, a casa principal do hotel e onde ficam os restaurantes e o bar. São várias camas daquelas super charmosas disponíveis, para você chamar de sua e ficar jogado o dia todo.

Além da piscina principal, existe mais uma piscina menorzinha, a Garden Pool, que fica mais perto dos quartos e um pouco mais afastada da Manoir House. Segundo nos falaram, tem hóspedes que vão embora sem nem saber da existência dessa piscina, o que mostra que é bem mais reservada que a outra.

Se por acaso chover ou se você cansar de pegar sol, é possível aproveitar o salão de jogos, que tem mesa de ping pong, sinuca, totó, playstation, XBox, jogos de tabuleiro e até guitarra e violão.

Outra coisa fantástica é o cinema. A sala tem 30 lugares e o St Regis disponibiliza 3 sessões de filme por dia sem custo adicional. É possível também reservar a sala para uma sessão privada ao custo de 600 rúpias por pessoa (cerca de 60 reais), valor que inclui pipoca, bebidas e snacks. Já pensou em ter um cinema desses só pra você? É muito luxo!

O hotel ainda tem 3 salas de conferência, sendo a maior com capacidade para até 100 pessoas (não consigo imaginar alguém trancado numa sala num lugar tão lindo desses, mas vai lá). Essa sala maior também é utilizada para festas e eventos (aí sim, já pensou casar nesse paraíso?). Além disso, tem uma biblioteca gigante que pode ser usada para fazer reuniões ou somente para ler um bom livro.

Para a galera fitness, tem uma academia muito completa que fica aberta 24h, sendo que das 9 às 20h tem um professor disponível que pode ser consultado sem custo adicional. Tem também uma quadra de tênis que pode ser usada à vontade.

Já para os pimpolhos, tem um Kids Club muito legal. Para crianças de 4 a 12 anos, há atividades o dia inteiro com temas variados, piscina, brincadeiras e até relax room, com o acompanhamento de animadoras e sem custo adicional. Já para crianças com menos de 4 anos, é necessário contratar uma babá particular para acompanhá-las. Para facilitar a vida dos pais, o hotel fornece uma lista de babás locais para o hóspede escolher e contratar diretamente.

Existem jardins super bem cuidados e um gramado onde são realizadas cerimônias de casamento. Além disso, tem um lago em forma de piscina na entrada do hotel que serve para deixar você de queixo caído logo de cara.

O St Regis é lindo e tem uma decoração bem característica dos hotéis da rede, no estilo clássico/colonial. Um detalhe super interessante é a escada e o lustre da Manoir House que foram inspiradas no Titanic e construídas em homenagem ao fundador do hotel St Regis que morreu no navio.

Quartos

O hotel em si é bem grande: são 172 quartos e suítes, todos com vista pelo menos parcial para o mar. Os quartos são bem espalhados pela propriedade e todos contam com varanda, banheira oval e chuveiro separado, cama king size maravilhosa, sofá cama, closet e máquina de espresso (super importante!). Nós ficamos em uma Junior Suite e adoramos! Era super espaçosa e aconchegante, além de ter uma vista bem bacana para o mar.

Vista da nossa Junior Suite

Existem também quartos na Manoir House, que são maiores e mais luxuosos. Conhecemos uma Grand Manoir Suite que tinha mais de 200m² de área, um banheiro com 2 camas de massagem e uma sala e varanda gigantes. Essas Manoir Suites ficam de frente para a piscina principal e acho que se adequa melhor a quem quer ter a experiência de se sentir de férias em sua casa de praia. Como nós queríamos mais privacidade, achamos que a nossa suíte foi a melhor escolha!

A categoria mais alta de acomodação do St Regis é a Villa, uma casa gigante com 4 quartos, piscina privada, sala de jantar, sala de estar, cozinha, além de regalias como seu próprio chef de cozinha e checkin e checkout privados. É a maior villa de Mauritius.

 

Restaurantes e bar

O St Regis tem 5 restaurantes bem diferenciados e um bar:

  • The Boathouse Grill: de frente pro mar e onde foi servido o café da manhã enquanto estávamos hospedados. Fica aberto para almoço (é o único que fica aberto durante o dia) e jantar diariamente.

Jantamos lá um dia e a comida estava divina! Comemos uma carne (sirloin, equivalente a um bife ancho argentino), que dava para cortar com o garfo de tão macia, acompanhada de legumes. Depois, de sobremesa, um sorvete de queijo de cabra com calda de frutas vermelhas. De comer sonhando!

  • Le Manoir Dining Room: onde é servido o café da manhã quando o hotel está mais cheio. Fica aberto também para o jantar diariamente e serve pratos da culinária francesa e maurícia.
  • Floating Market: é um restaurante charmosíssimo com uma decoração bem oriental que serve pratos de culinária sul asiática. Fica aberto somente para jantar.
  • Atsuko: é um restaurante japonês que oferece pratos de peixes fresquíssimos, aberto somente para jantar. Jantamos lá um dia e os sushis estavam realmente muito incríveis (as peças são um pouco grandes pro que estamos acostumados, mas estavam todas deliciosas!).
  • Simply India: restaurante indiano que também só abre para o jantar.
  • 1904 Bar: é um bar ao lado da piscina em que são servidos drinks e petiscos. O nome remete o bar de madeira, presente até hoje no local, que é o original da propriedade e construído em 1904.

É ali onde fazem o ritual de sabrage, tradição da rede St Regis, que consiste em abrir uma garrafa de champanhe com o sabre.

Fui convidada por um funcionário do hotel a aprender o ritual e abrir, SOZINHA, a garrafa de champanhe no sabre. Quase morri de nervoso mas consegui! Depois fui consagrada com um certificado de sabreur, acreditam? Fiquei me achando!

Sendo consagrada após o ritual

 

Além dos restaurantes, é possível pedir comida e bebida no quarto, na piscina e na praia.

Nos hospedamos em half board, que inclui café da manhã e jantar, que pode ser em qualquer restaurante exceto o Atsuko. Mesmo não estando incluso, era possível jantar lá pagando a parte e, para quem estiver em half board, o hotel dá um desconto de 25% no valor da conta.

Um ponto que achei bem positivo foi que todos os restaurantes funcionam em estilo a la carte mesmo para quem está em half board.

Outra coisa muito interessante é a noite “adults only” dos restaurantes: todo dia, 1 ou 2 restaurantes ficam abertos somente para adultos, para dar maior privacidade a casais em lua-de-mel ou que viajam sem os filhos. Existe um rodízio entre os restaurantes com essa restrição, dando a oportunidade de todos os hóspedes experimentarem as diferentes culinárias da forma que mais interessar (com ou sem a presença de crianças).

Aliás, vale dizer que achei que o St Regis agrada a pessoas em todos os tipos de viagem (lua-de-mel, viagem com família, negócios), já que é possível ter privacidade com um altíssimo nível de serviços, além de atividades para todos os gostos e necessidades.

 

Iridium Spa

Como não poderia faltar, o St Regis tem um spa maravilhoso com 10 salas de tratamento individuais e 2 salas de casal. Visitamos algumas para conhecer e todas tem uma ou duas camas de tratamento, uma banheira, um banheiro super equipado com sauna e uma varanda com chuveiro externo, além da atmosfera relax que se espera de um spa.

O menu de tratamentos é extenso e era possível fazer uma massagem e depois ficar relaxando na sala, pedir algo para comer, essas coisas.

Além disso, há um salão de beleza e uma área comum do spa, que pode ser utilizada por qualquer hóspede sem custo adicional (mediante reserva). Lá tem sauna seca, a vapor, jacuzzi com hidromassagem e aqueles chuveiros que jogam jatos de pressão pra tudo quanto é lado.

Reservamos 1 hora dessa sala na parte da tarde e ficamos lá relaxando. Achei uma boa solução para quem gosta de spa mas não quer investir numa massagem, além de ser uma ótima alternativa para dias não tão bonitos. Realmente esse é um dos diferenciais do St Regis.

Atividades

E tem alguma coisa pra fazer no hotel? Tem sim senhor! O St Regis tem uma boathouse (como eles chamam a casa onde você pode pegar os equipamentos para atividades aquáticas) super completa. É possível sair num passeio em um glass bottom boat (aqueles barquinhos com piso de vidro, pra ficar olhando os peixinhos sem ter que se molhar), passeio de barco para fazer snorkel nos corais, pedalinho, standup paddle, caiaque, ski aquático, wind surf e kite surf, todos inclusos na tarifa. Ou seja, pode usar e abusar sem ter que desembolsar nem um tostão.

Aliás, Le Morne é o melhor lugar da ilha (e um dos mais reconhecidos do mundo) para fazer kite surf. Quando estávamos hospedados no St Regis, pudemos ver dezenas de pipas voando pelo mar que mais pareciam estar dançando ballet. Lindo de assistir!

Infelizmente para nós, que não sabemos fazer kite surf, o vento estava bem propício para essa atividade mas forte demais para todas as demais. Por isso, acabamos não aproveitando o que a boathouse do St Regis oferecia (tá vendo o problema de ficar pouco tempo?).

Ainda assim, como pegamos dias quentes e ensolarados, nos esbaldamos de ficar nas piscinas e na praia, sendo mimados o tempo todo.

 

Mordomias

Se tem uma coisa que o St Regis sabe fazer é te tratar como uma rainha. Eu nunca vi tanta mordomia em um só lugar.

Para começar, em cada guarda sol da praia tinha um botãozinho que servia para chamar um funcionário do hotel para te atender na sua espreguiçadeira. Isso mesmo, BO-TÃO-ZINHO! É pra evitar até de se cansar de levantar só o dedinho para chamar o garçom né?

Além disso, durante o dia ficava circulando outro funcionário com suquinhos e espetinhos de fruta na praia e na piscina, sem custo adicional.

E como se a sua experiência de não ter que fazer nada não estivesse completa, havia ainda outro funcionário que ficava circulando pela praia perguntando se você desejava que ele limpasse seus óculos. Estou zero acostumada a ser tão bem tratada então juro que nem entendi o que ele queria dizer com “posso limpar seus óculos?”. Mais VIP que isso, só se eu fosse a rainha da Inglaterra!

Como eu disse ali em cima, o hotel era bem grande e os quartos ficavam bem espalhados. Você acha que você tinha que andar pra chegar no seu quarto? Claro que não! Era só chamar um buggy (como eles chamam aqueles carrinhos de golf) pra te buscar.

O serviço de quarto e o mordomo (sim, tinha mordomo) estavam 24 horas a disposição e ofereciam serviços tão absurdos como “luggage unpacking“: isso mesmo, seu mordomo poderia ir até seu quarto desfazer suas malas e organizar tudo dentro do closet pra você. Inacreditável!

Por fim, cada hóspede tinha direito a passar 2 peças de roupa por dia sem custo adicional. Ninguém precisa andar com a roupa amassada né? Para lavar roupa, entretanto, havia uma taxa extra.

Não tem como não se apaixonar pelo St Regis Mauritius!


Nossa hospedagem no St Regis foi curta mas inesquecível, por muitos motivos: pelo nível de serviço, visual da praia, piscinas, restaurantes, spa e toda a estrutura do hotel que realmente é muito diferenciada.

Como achei 2 noites muito pouco, já sonho com o dia que vou voltar para Mauritius e ficar pelo menos 4 dias no St Regis aproveitando todas as mordomias que eles oferecem. E não são poucas!

Quer ver mais fotos do St Regis? Confira a galeria abaixo.