Browsing Tag

* Look da Jo

0 em Looks/ Moda no dia 04.06.2018

MODA, vou olhar pra você com mais amor!

Tenho tentado ser mais assídua com os posts de look. As razões variam, muitas pessoas ainda pedem esse tipo de post por ser um conteúdo mais leve, ao mesmo tempo, me vejo sempre tentando inseri-los dentro do novo olhar mais amoroso e acolhedor do qual falamos no #paposobreautoestima. Tem a ver com se expressar, com estilo pessoal e com ser quem queremos ser, sem medo ou crenças limitantes. Só isso já seria o suficiente pra termos posts de look aqui pra sempre, né? Sinto que esse tipo de post traz um pouco do antigo futilidades de volta, mas ainda assim traz toda uma nova importância e uma motivação que vai muito além de inspirar looks que vocês possam reproduzir. Tenho tentado trazer a moda como ferramenta de autoconhecimento, não de objetos desejo pra consumir. 

A verdade é que me vejo tentando me achar constantemente no meu armário. To tentando usar meus looks pra comunicar minha personalidade e espero conseguir fazer isso com muito mais clareza. Estou me esforçando pra usar os looks como ferramenta de comunicar quem é a mais nova versão de Joana. Que nem um aplicativo que muda de cara quando tem um update, procuro sempre uma forma de comunicar que a versão que está ali evoluiu. Busco trazer informações pra quebrar os padrões antigos e abrir mão das crenças limitantes que aprisionavam a Joana versão blogueira de moda convencional. 

Quem de fato já é livre com a moda pode achar repetitivo, mas aí é só pular os posts que você não se identifica que está tudo certo. Seria uma arrogância sem tamanho achar que todo mundo gostaria de tudo que temos por aqui, né? Um blog de tantos assuntos não tem como ter a intenção de agradar a todo mundo. 

Nessa busca por usar a moda como forma de expressão de quem sou hoje, notei que quase todos os looks que monto com calma, cuidado e amor têm uma mensagem de libertação. Foi tanto tempo na auto-prisão da versão blogueira de moda que fazia parte da categoria de pessoa presa em dietas malucas, nunca se achando magra o suficiente para o cliente da categoria querer, sempre se comparando com a coleguinha do lado com o corpo mais magro e achando que para pertencer, eu precisaria ter bolsas de marca e peças caras. Era um ciclo vicioso que me afastava sempre mais de quem eu era, compartilhando essa sensação de inadequação, quase que ensinando que nunca somos suficientes sem perceber.

Um dia eu entendi que eu fiquei doente tentando me curvar a um sistema inflamado de egos e demandas doentias. Onde a parte principal da equação é se sentir melhor e mais poderosa que outras mulheres, quase uma sororidade às avessas. Se comparar já é perigoso, na moda então, eu diria que há um alto risco de se perder de si mesma. 

Em algum momento eu era magra e sequer percebia, igualmente não sabia que isso era sintoma de doença alguma, achava que era parte obrigatória da forma da moda funcionar. Eu era tida como inadequada e nunca suficiente, por mim e pelos outros. Eram menos 12 kg de peso e mais uma tonelada de infelicidade e hoje vejo que o problema começava comigo: eu me diminuía, consequentemente dava o aval para que os outros me diminuíssem. 

Quando eu comecei o processo de me libertar de tudo isso o inesperado aconteceu: a moda que era minha inimiga se tornou uma forma de expressão muito ousada e divertida. Os clientes de look do dia foram diminuindo, mas as marcas que acreditavam nesse olhar mais amoroso também foram se aproximando. A sensação de rejeição do mercado de moda deu lugar à uma sensação de pertencimento linda no universo de moda praia e lingerie. Enquanto eu não era suficiente para postar look do dia pra cliente gordofóbico, eu vivia tentando ser outra pessoa. Quando optei por ser eu, me tornei até modelo de campanha de lingerie. Definitivamente eu estava tentando pertencer ao lugar errado. 

look-joana-cannabrava-2

cropped Karamello

Claro que eu guardo memórias ruins dos tempos de rejeição e inadequação, mas isso não me define mais e tampouco define minha relação com meus looks. Hoje eu posso tudo pra vestir o que eu quiser e me colocar da forma mais confortável e dentro do meu estilo que eu quiser.

Que estilo é esse? Não sei ao certo, estou descobrindo, mas com certeza ele envolve conforto e liberdade. 

look-joana-cannabrava-5 look-joana-cannabrava-3

look-joana-cannabrava-1

look todo Karamello | link jaqueta bordada + link calça bordada

A meu ver, a gente se acostumou à ideia de que devemos emagrecer e mudar pra caber na roupa, pra vestir uma peça. Só que isso tá errado. Na verdade é a peça que precisa que nos vestir. Não devemos ser reféns de pessoas, que dirá de coisas, de roupas. Precisamos nos apropriar desse conceito empoderador de que somos donas de nós mesmas e entender que como consumidoras podemos escolher o que vestir e, quando não tivermos opção, podemos falar sobre isso.

Foi notando que apesar da moda ter mesmo muita gente que só quer excluir e segregar, eu vou olhar diferente. Vou tentar guardar meus traumas e implicâncias pra lá e me apropriar dessa alternativa de postar looks, dos mais ousados aos básicos, sem medo. Vou olhar com amor pra quem é do amor na moda e falar de quem luta pra vestir as mulheres que estão em busca de expressar a sua personalidade através de looks. 

Look-joana-cannabrava-4

Estou tentando deixar meu olhar super rígido e crítico com a moda pra lá, para isso não me limitar. Vou seguir aqui jogando holofote na parte boa, criativa e divertida da moda, para me conectar com a energia do novo que veio pra somar…

Fotos: Adriana Carolina
4 em Looks/ Moda no dia 29.05.2018

Look da Jô: meu look preferido!

Hoje vou compartilhar com vocês um dos looks que mais gostei de montar até aqui. Sinto que ele, assim como o último que postei, traz para o blog um pouco da nova Joana. Minha versão atualizada muitas vezes não consegue se expressar através da moda e isso me frustra um pouco. Tanta ousadia, coragem, personalidade e mensagem pra passar e eu deixando de usar a moda pra me comunicar?

look-joana-cannabrava-1

Agora abraço com unhas e dentes toda oportunidade que eu tenho de montar alguma produção que passe uma mensagem de quem eu sou. Foi isso que fiz nesse que foi meu look preferido com minha saia obra de arte da Adriana Meira. Ele connseguiu ganhar da produção que montei para o Beauty Festival de São Paulo no ano passado, que eu postei aqui. 

Eu sou completamente apaixonada por essa saia, mas desde que a trouxe pra casa pensava em como aproveitar melhor essa peça cheia de potencial. Minhas primeiras alternativas foram produções com camiseta de malha preta. O motivo era quase que inconsciente: não marcaria, seria simples de usar e ao mesmo tempo sem o risco de ousar. Quanto mais vivo meu processo de desenvolver autoestima e autoconfiança, o medo de ousar vai ficando pra trás.

Se em 2017 essa saia era sobre usar com cautela e camiseta – ou com estratégias para a barriga não aparecer tanto com a jaqueta amarrada – em 2018 eu mudei de opinião. Vi um look da Bianca e pensei: Por que não encomendar um cropped da Adriana e fazer a minha versão desse look conjuntinho?

jo

bia

Agendei um horário no ateliê da Adriana e enquanto ela faz a minha peça para um look causador, me peguei pensando novamente: mas por que esperar? Achei esse cropped na Karamello e, pronto, montei o meu look preferido com minha saia até aqui. Parece que foi uma combinação dos deuses eu ter adquirido essa jaqueta – e a minha sandália nova ser dessa cor.

Finalmente eu entendi que a moda pode ser usada a serviço de todo tipo de corpo. Não precisava usar a saia de uma forma mais básica só para fazer meu corpo parecer mais magro ou mais alto, eu não precisava de regras. Vestir bem não significa mais mascarar meu corpo todo o tempo, pode ser abraçar ele como ele é, ser confortável ou algo que simplesmente cause um efeito que eu goste. Posso até me preocupar com esses truques que trazem ilusão de ótica para meu corpo parecer mais padrão em algum momento, mas quero que seja cada dia menos. Não quero ser refém de regras que aprisionam na moda. Quero usar a moda pra quebrar meus próprios paradigmas e curtir isso.

Ao ver minha amiga usando uma variação dessa estampa com cropped pensei: Por que não?
look-joana-cannabrava-5 look-joana-cannabrava-3 look-joana-cannabrava-2

cropped Karamello | saia Adriana Meira | sandália de veludo Vicenza | jaqueta Zara

Desde então é como se uma série de novas opções pra essa saia se abrissem pra mim, essa peça que mais parece obra de arte, ganhou muito mais espaço no meu armário no momento em que resolvi que não me limitaria mais com crenças sobre a moda. As roupas precisam me servir, não sou eu que preciso mudar pra caber nelas, entender isso muda minha vida a todo tempo. 

Eu posso e vou começar a usar a moda pra comunicar minha personalidade, espero que vocês gostem tanto quanto eu de ver os reflexos da nova Joana no meu estilo, enquanto isso uma coisa é fato: eu vou me divertir e gozar da minha liberdade, independente do tamanho do meu manequim.

Beijos

fotógrafa: Adriana Carolina 

0 em Autoconhecimento/ Autoestima/ Looks/ Moda/ Patrocinador no dia 16.05.2018

Look da Jô: Academia, moda fitness e como me sinto um mês depois!

Ano passado fiz meu primeiro post de moda fitness com escolhas da Marcyn com as peças que levei para o Atacama. Algumas das peças escolhi pra levar na viagem, outras eu já estava usando em looks de aeroporto e momentos em que o conforto fosse uma pedida importante. Sendo super transparente com vocês, acredito que de todas as linhas da marca, a fitness tenha sido a que mais demorou para entrar de vez na minha rotina.

O motivo? 2017 foi um dos anos mais difíceis para conciliar minha agenda com a do meu personal e eu tinha uma enorme dificuldade com a ideia de entrar na academia.
marcyn-fitness-atacama-2

tradicional: top + legging
Plus: top + legging

O medo de vestir o look da inadequação e de me sentir oprimida nesse tipo de ambiente acabava me afastando da importante missão de movimentar meu corpo, sem planos de emagrecimento, metas ousadas e dietas malucas. Como contei aqui no blog, resolvi enfrentar essas questões do medo do julgamento e da inércia de frente e, no último mês, tudo está bem diferente. O assunto que foi sementinha plantada aqui virou inclusive minha matéria da Glamour Brasil desse mês, cuja chamada foi até pra Globo.com.

look-marcyn-vermelho-3 look-marcyn-fitness-vermelho

Top vinho e legging vinho – top vinho plus – legging vinho plus

Depois de 30 dias indo regularmente na academia e enfrentando fantasmas antigos, abri mão desse lugar de oprimida e vesti meus looks sem medo. Fui de top pra aula de dança e pra musculação, corri na esteira e encarei a bike com ou sem camiseta, sem medo, pra cuidar de mim da forma mais livre que uma pessoa que já teve pavor desse ambiente pudesse conseguir.

O clima intimidador pode até continuar lá, quem está olhando pra isso de outra maneira sou eu. Busco uma audição seletiva, preferindo não dar voz a certos assuntos e comentários. Tento entender que cada um vive dentro das prisões que conhece, não é porque o outro acredita nela que eu também preciso acreditar. A culpa da alimentação ou da quantidade de sacrifícios de outras pessoas não precisam ser minhas e assim estou levando de maneira mais leve a cada dia o ambiente da academia.

look-academia-3

Top estampado e calça básica

Justamente por gostar de mim, desse corpo e dessa vida que eu tenho optei por buscar exercícios que me façam sentir prazer. Acredito que só assim vou conseguir mantê-los na minha vida num longo prazo. Fazer atividade física e fortalecer meus músculos são atitudes que vão me ajudar na longevidade, independente do tipo de corpo que eu venha a ter. Sempre falei que a OMS recomenda exercício como algo muito importante em termos de saúde para todos, então podemos e devemos cuidar dos nossos corpos, mantê-los em movimento por gostarmos deles, não por odiar, não por culpa.

Minha meta não era perder peso ou compensar nada. Minha meta era encontrar atividades de cuidados com o corpo que me dessem outros ganhos como: alegria, diversão, aliviar o estresse, consciência corporal, condicionamento cardiovascular, melhoria do sono e outros benefícios que atingem a saúde física e mental, juntas. Não uma em detrimento da outra como estamos habituadas.

look-marcyn-roxo-1 look-marcyn-roxo-2

Top roxo  – calça roxacamiseta roxa – top roxo pluslegging roxa plus 

Cada dia me sinto menos peixe fora d’água, me colocando menos no lugar da inadequação, como vim trabalhando na terapia! Me sinto mais segura a cada treino, não importando de ser a única de top em várias ocasiões. Estou à vontade com meu corpo e minha imagem, isso pra mim é uma delícia e uma libertação.

Aprendi nesse último mês que precisamos mudar a perspectiva e entender que todo corpo é digno de se exercitar e que a representatividade importa até nisso, para que nos sintamos acolhidas nos mais variados ambientes. Aprendi com a atriz Mariana Xavier que dançar era para todos, inclusive pra mim, ter essa referência me ajudou a ver que eu também podia ir pra aula, que hoje em dia, é uma das minhas preferidas.

 

Cuidar dos músculos e articulações faz parte desse meu processo de amor próprio e autoestima. Parece que não mudou muita coisa, mas na verdade mudou tudo. Ajustar as reais intenções de estar cuidando de mim e do meu corpo transformou os benefícios que eu tenho como expectativa hoje. Ao se tornar um processo de empoderamento meu abri mão da ideia de que precisava me transformar para ser aprovada naquele ambiente e de que eu precisava mudar para pertencer. Ficar segura de mim me deu forças pra olhar pra tudo de uma forma diferente, até mesmo para não me comparar com outras pessoas, sem fazer juízo de valor do meu corpo ou do corpo dos outros.

marcyn
Top preto e calça básica

Meu corpo não viveu ainda consequências estéticas, mas a saúde mental já está fazendo bom uso da nova rotina, assim como a força física já está diferente. Eu me sinto mais leve, mais feliz e menos estressada, mais livre pra me vestir e agir como sentir vontade.

O autoconhecimento me permitiu tanta coisa nesse processo de praticar atividade física, me expressar através da moda foi apenas um dos ganhos que eu tive durante esses últimos dias e por isso trouxe todos os meus looks e combinações pra vocês, porque finalmente consegui aproveitar um pouco de tudo isso que a Marcyn tem pra oferecer para variados tipos de corpos na sua linha fitness. 

Entrem no site, naveguem por lá e considerem experimentar essas peças. Separei todos os links da modelagem tradicional e da plus para abranger mais de nós. A linha básica  de suplex tem a melhor leeging e tops que eu já usei, a ponto de eu ter querido uma de cada cor. As demais peças são muito legais, além de ter qualidade elas tem estilo e podem ser usadas em momentos fora da academia como a Carla já falou aqui.

Quem estiver vivendo esse novo momento de se exercitar praticando um olhar mais amoroso e acolhedor me conta? Estou amando ler as histórias que estão nos mandando por DM sobre o assunto.

Beijos