Browsing Tag

* Look da Ca

0 em Looks/ Moda no dia 07.06.2017

Look da Cá: Cintura alta e blusa ombro a ombro em um look todo azul

Recentemente notei uma cor que invadiu meu armário. Eu sempre curti coisas azuis, mas acho que nunca tive tantas peças com as mais diferentes variações do tom. Não sei se essa cor me acalma, que mais me chama atenção depois de um inverno recheado de looks pretos, se eu acho que é a cor que mais me valoriza, se é a tendência que está nas lojas ou se é uma combinação de todos esses fatores, a verdade é que outro dia fui reparar e vi que agora tenho short, vestido, algumas blusas e até mesmo sapato. Azul claro, jeans, marinho, acho que só não tenho turquesa porque eu quase não uso cores muito “iluminadas”. E o resultado disso é uma infinidade de looks azuis. Esse é mais um deles para a minha coleção. :)

A blusa é novidade no meu armário e eu estava doida para usar! Já contei aqui que outro vício recorrente é o ombro a ombro, né? Teoricamente não é a modelagem que mais me favorece, mas na prática eu me sinto tão bonita com esse tipo de decote que eu ignoro o fato de ter ombros largos. E quanto aos babados em cima dos peitos para quem tem seios grandes? Li uma matéria falando para evitar isso outro dia e quase cuspi minha água. Ignorei lindamente também – e acho que fiz bem, porque AMEI. É por essas e outras que eu tenho um certo pavor de regras de consultoria.

Acho que saber me valorizar é super importante, conhecer os pontos fortes do meu tipo físico também e acho que é o tipo de informação que é sempre bom ter e deixar guardada na manga. Mas a partir do momento que essas regras me limitam e me aprisionam, eu prefiro repensar se o que eu quero mais é atingir uma harmonia ou experimentar e me jogar. Dificilmente eu escolho a primeira opção.

Poxa, eu já sou tão básica na maior parte do tempo, porque eu vou ficar me preocupando se peitos acima do tamanho X devem evitar babados na região? Obrigada, mas não obrigada. :)

 Blusa PS love Stripes | Short J.Crew | Alpargata Cavage

>>>>> nos afiliados <<<<<<

Provavelmente se eu tivesse que mudar um coisa, seria o short. Amo ele, cintura alta do jeito que eu gosto e tem o detalhe do laço que deixa tudo mais charmoso – a não ser quando pego o Arthur no colo e ele quer sair, se contorce e deixa o laço destruído, como na segunda foto hahaha #realidades. Mas depois de ter visto as fotos, eu tive a impressão que essa blusa ficaria mais valorizada com um short menos molenga. E é assim que a gente aprende, errando, testando, aprendendo com o próprio armário.

Eu adoro ver looks meus, mesmo aqueles que eu considero 100% bem resolvidos, e estudar o que poderia mudar ou melhorar. E acho que trazer para cá para a gente conversar sobre é mais legal ainda, não acham?

Beijos!

Fotos: Adriana Carolina
3 em Looks/ Moda no dia 29.05.2017

Look da Cá: quando uma brincadeira vira O detalhe do look

Já tem alguns meses que tenho visto bandanas passeando pelos Pinterests da vida, e apesar de gostar dos looks, não me via usando. Eu acho o máximo usar acessórios poderosos para dar vida à produção, mas nesse sentido acho que era um pouco bitolada porque sempre associava esses acessórios à colares, pulseiras, uma bolsa ou até mesmo um sapato mais tchan.

Assim como eu tinha preconceito com estampa vichy, eu acho que também tinha com lenços no pescoço, por isso mesmo não os encara muito como um acessório modificador de look. Quando não estava associando à uniforme de aeromoça – que não é feio, mas é formal demais para o meu estilo – lembrava de looks da minha avó e achava que não iria combinar comigo MESMO.

Até que vi em uma menina que cruzou comigo no meu prédio. Ela estava maravilhosa com um vestido preto e uma bandana vermelha amarrada. Depois cruzei com outra na rua, de camiseta branca, jeans (praticamente meu look, né? rs) e uma bandana preta. E depois eu vi pra vender em algumas lojas (Urban Outfitters, Madewell, todas estão vendendo) e fiquei bem tentada a comprar mas meu juízo falou mais alto e me convenceu a não comprar algo que provavelmente eu enjoaria ou usaria pouco.

Por coincidência, meu marido fez aniversário sexta passada e ganhou um presente bem singular, que era pra ser zoeira. Obvio que era uma bandana. Assim como fizeram no nosso casamento, os amigos adoram sacanear o Bernardo por causa de uma fase que ele andava com uma bandana na cabeça (sim, essa fase existiu e não, eu não estava presente nessa época, acompanhei de longe apenas rs). Na hora eu virei para o amigo dele que deu o acessório e disse: “você sabe quem vai usar isso, né? Obviamente sou eu!”

Ele enxergou zoeira, eu enxerguei oportunidade e pronto, no dia seguinte do aniversário, lá estava eu botando o lencinho no pescoço pra jogo nesse look aqui:

Camisa Madewell | Calça Eva | Sapato Steve Madden | Bolsa DVF

>>>> nos afiliados <<<<<<

Não vou dizer que me olhei no espelho e achei maravilhoso de cara. Eu estranhei um pouco, a imagem do uniforme de aeromoça tentou vir à tona mas eu não deixei. Imaginem, eu tava de calça rasgada, blusa largada, zero formal, não tinha como a associação acontecer. Depois, assim como acontece com tudo que eu visto e não me sinto segura de cara, fiquei achando que todo mundo estava olhando pra mim. Mas aí fui cruzando com tanta gente usando lenço no pescoço (sim, a tendência tá bem forte nas ruas daqui) que concluí que ninguém estava nem aí para o que eu estava usando (como 99,9% das vezes, aliás). Aí relaxei de vez. :)

No dia seguinte tentei de novo, dessa vez com o lenço mais solto no pescoço e já estava achando que ele era uma ótima forma de dar graça aos looks. Ou seja, acho que ele ainda vai aparecer por aqui ou pelo insta algumas – muitas – vezes!

Vocês curtem essa ideia do lenço no pescoço??

Beijos!

2 em Autoestima/ Destaque/ Looks/ Moda no dia 22.05.2017

Looks da Cá: minha nova relação com a cintura alta

Já contei aqui várias vezes sobre a minha relação com meus seios. Eu queria muito que ela fosse melhor e mais bem resolvida, mas a verdade é que eu odiava ter peitos tão grandes na adolescência. Além deles não me deixarem tão livres quanto outras amigas minhas mais despeitadas, que podiam sair de blusas sem sutiã ou biquinis tomara que caia sem se preocupar que eles realmente poderiam cair, eu acabava sendo vista como o “mulherão” que eu nunca fiz questão de ser, e isso me deixava desconfortável.

Tanto que mesmo depois que fiz a cirurgia de redução e comecei a me permitir decotes e saídas sem sutiã, eu ainda guardava esses sentimentos todos na cabeço e até hoje (que ganhei uns quilos desde meus 20 anos e os peitos aumentaram de novo) ainda acho muito dificil desassociar.

O resultado disso foi uma postura errada de encaixar os ombros pra frente para tentar escondê-los, uma certa aversão por decotes e outros tipos de modelagens que poderiam evidenciar os peitos grandes. Não que eu não tentasse, só que ao contrário de tantas mulheres que se olham no espelho com decotes gigantes ou com peitos em evidências e se acham maravilhosas, eu não conseguia me achar bonita ou sexy, só via mesmo peitos pulando.

Uma dessas roupas que eu evitava ter no armário era justamente qualquer coisa de cintura alta e mais colada ao corpo. Eu até tentava arriscar  e descobri nas saias de cintura alta – lápis, sino ou evasê – boas aliadas, pois elas acabavam equilibrando meu quadril e não deixando os peitos ficarem em destaque.

Até que cheguei aqui e comecei a ver muitas mulheres com calças e shorts de cintura alta. Calça skinny, coladinha, com corpos parecidos com o meu e peitos de todos os tamanhos, inclusive maiores do que os que estão aqui comigo.

Não demorou muito para eu descobrir um modelo que eu amasse: 9″ high rise skinny jeans, da Madewell. Comprei primeiro uma calça jeans e tive a “coragem” de botar a blusa pra dentro, um medo que sempre tive porque tinha certeza que aumentaria a comissão de frente.

Olha, me senti sexy. Como nunca tinha me sentido antes em uma calça jeans.

E aí depois comprei outra, preta com rasgos no joelho, também da Madewell e com a mesma modelagem. E tive outra “coragem”: usar com uma blusa bem justa, pra dentro. Ou seja, tudo coladinho, coladinho, sem medo de peitões ou qualquer outra neura que a gente pode ter quando resolve vestir um look mais justo.

De novo, me senti poderosa. Não tanto pelo look em si, mais pela minha ousadia de quebrar minhas próprias barreiras.

E eu vi que realmente tinha tirado meu preconceito total com cintura alta e peitos avantajados quando adquiri recentemente um jeans bem diferente: uma pantacourt cintura altíssima. Também da Madewell, porque eu viro cliente fiel quando eu curto muito alguma coisa. E apesar dos jeans de lá não serem baratos (variam de 100 a 130 dólares), a qualidade e o atendimento ao cliente me fazem sempre experimentar as novidades de lá.

Eu não me senti tão sexy nesse modelo quanto nos outros, mas acho que a proposta desse tipo de calça nem é essa e eu nem esperava isso dela. Eu queria algo mais fashion/ousado e, novamente, eu só me interessei por esse tipo de modelo porque cruzei com muitas meninas lindas e estilosas – com todos os tipos de corpos – que me convenceram a tentar. Tentei, gostei, achei que tinha a ver comigo, levei. E o peito ficou mais em destaque, sim, e sabem o que aconteceu? Milagrosamente, EU NEM LIGUEI.

Eu ainda estou na dúvida se o fato de eu não ter ligado está mais relacionado à minha autoaceitação ou se é porque eu tenho visto tantas referências inspiradoras e reais nas ruas que estão me fazendo ter vontade de testar coisas diferentes, mas a verdade é que eu estou mais feliz do que nunca de ver meu corpo em outras modelagens, tomando diferentes formas e proporções independente das minhas neuras. <3

Vocês têm alguma história de bloqueio com peças que foi superado? Me contem!