Browsing Tag

fitness

3 em Autoestima/ Saúde no dia 20.04.2017

Vida Saudável: (des)construindo um conceito

Não é difícil ouvir, em qualquer lugar que eu frequente, sobre o assunto da moda: exercício físico, alimentação e estilo de vida saudável. Seja em uma academia ou em meio à outra rodada de chopp no bar, entreouvidos é possível perceber que há sempre o “personagem fitness” do grupo que vai puxar esse assunto. Está nos programas de televisão em horário nobre, nas redes sociais, na fila do mercado e até no almoço de domingo em família. Advogados, economistas, empresários e estilistas começaram a participar de grupos de pedal, se inscreveram – e começaram a ir – na academia e já até admitem diminuir o consumo de doces; ser saudável se tornou não só algo benéfico para a saúde, mas um estilo de vida. Até aí tudo ótimo, não é?! Quando essa busca se torna uma obsessão, a resposta é não. Definitivamente, precisamos conversar.

“A dieta desse mês é o corpo do mês que vem” – não, pensar assim não deveria ser considerado saudável.

Acompanho diariamente as redes sociais e, como não poderia ser diferente, sigo pessoas que possuem algum tipo de influência no mercado fitness, nutrição e qualidade de vida em geral, seja com dicas de treino ou ditando um lifestyle. Mas afinal de contas, já parou pra pensar o que é qualidade de vida? Dentre as diversas definições, a que eu acho mais completa diz assim: “Qualidade de vida indica o nível das condições básicas e suplementares do ser humano. Essas condições envolvem o bem estar físico, mental, psicológico e emocional, além dos relacionamentos sociais como família e amigos, a educação e outros parâmetros que afetam a vida humana.” Percebeu a complexidade? Hoje o que se prega na internet é o reducionismo dessa definição, nos induzindo a pensar que ser saudável é APENAS ter um baixo percentual de gordura e um bom punhado de músculos. Pelo menos é assim que muita gente propaga, de forma muito equivocada e perigosa, a imagem do saudável. E o pior é que muitas pessoas estão sendo influenciadas por esses “gurus” e estão construindo suas vidas e pensamentos em cima desse alicerce!

Primeiramente, é importante saber a diferença básica entre exercício físico e atividade física. Isso mesmo, eles não são a mesma coisa. Atividade física é toda e qualquer atividade que promova gasto energético, em eventos cotidianos e despretensiosos como carregar uma sacola de mercado, subir uma escada ou passear com o cachorro; exercício físico faz parte de uma rotina programada e planejada de atividades que promovam a melhora de diversas variáveis físicas. Enquanto uma se relaciona com hábitos cotidianos, a outra tem horário marcado e duração programada. Fazer exercícios físicos é muito importante, mas é só uma parte do quebra-cabeça. Enquanto a atividade física não for inserida na sua rotina diária, seu corpo e sua mente irão sempre te dizer que parar, seja lá o que você estiver fazendo, para ir à academia ou dar uma corrida é um mega sacrifício! E enquanto isso for um sacrifício, a chance de suas expectativas serem maiores do que os resultados são enormes. As consequências disso? Frustração, desânimo, depressão e distorção de autoimagem são as mais prováveis. A tendência é que o ciclo insatisfação – quebra de expectativa – culpa – insatisfação se perpetue.

Praticar exercícios físicos é extremamente benéfico pra todos e suas consequências positivas são incontestáveis. Para exemplificar, estudos demonstram que ele é capaz de regular a qualidade do sono através da maior duração da fase REM (sono profundo); prescrito de forma correta diminui os níveis de ansiedade e depressão, tanto por fatores fisiológicos (maior liberação de neurotransmissores como a endorfina e dopamina), quanto por fatores ambientais (socialização, contato com a natureza e mudança momentânea de foco); melhora a cognição e memória, através da capacidade de aumentar as sinapses neurais e ativar o hipocampo, entre outros. Quem não quer experimentar todos esses benefícios? O problema é que, em alguns casos, esses efeitos podem não existir ou até mesmo serem invertidos. Estar em privação de sono, em alto nível de stress ou em condições nutricionais desfavoráveis por um longo período interfere na forma como o seu corpo reage a esses estímulos.

Na outra ponta está o que chamamos de dependência ao exercício. É o desenvolvimento de um comportamento patológico na necessidade da prática excessiva de exercício físico. Existe uma corrente de estudiosos que indica que a necessidade de se exercitar em demasia seja um gatilho para o desenvolvimento de transtornos alimentares. É mais comum do que você imagina e tem gente se vangloriando por isso.

Percebe que é possível que você esteja praticando exercícios físicos regularmente, se alimentando melhor e mesmo assim não estar conseguindo adquirir qualidade de vida e saúde?

Mas como encontrar esse equilíbrio? Pode começar aceitando seu corpo do jeito que ele é hoje. Claro que todos nós temos o direito de buscar melhorias para nós mesmos, mas isso tem que ser uma busca interna, não para os outros. Dito isso, tente buscar alguma atividade que lhe dê alguma satisfação. Nós já somos bombardeados com obrigações, portanto as chances de você seguir com uma atividade que não é uma obrigação são maiores. Não precisa ser exatamente o que sua amiga magra gosta. Vale dança, luta, crossfit, esporte e tudo o que puder experimentar! Está mais do que comprovado que as pessoas que se exercitam para buscar uma melhora na saúde em geral (incluindo a estética) permanecem por mais tempo nessa prática do que os que visam simplesmente a aparência física – e no final das contas alcançam os objetivos estéticos mais frequentemente porque permanecem engajados por mais tempo. Esse é um ciclo que vale a pena seguir.

Você pode estar perseguindo um modelo de corpo que foi construído em cima de privações severas de alimento, treinamento intenso diário e toda uma equipe em volta dando o suporte para que se alcançasse aquele resultado. Agora me diz, isso parece ser saudável?

4 em Comportamento/ desafio de peso/ Saúde/ treinos no dia 06.02.2014

Já pensou em fazer Pole Dance?

Muita gente fala do “pole dance” como alternativa de apimentar relacionamento, se sentir mais sensual e por aí vai… O que muita gente esquece é que interagir com essa barra exige muito esforço de toda a musculatura do corpo e, por isso, essa prática se tornou o exercício físico queridinho de muitas mulheres. Uma dessas mulheres que se apaixonou pelo pole dancing foi nossa amiga e também blogueira Carol, do Toque de Neon.

Depois que vimos essa foto dela no instagram (pode seguir também: @carolheinrichs) resolvemos convidá-la para contar mais sobre esse assunto aqui no blog. Lembramos que o post da Ca sobre o Ballet Fitness foi um sucesso e quisemos trazer mais esse tipo de “exercício do momento” para o blog. Mas deixa a Carol falar!

“Meninas, eu comecei o pole há 6 meses, mas já andava de paquera com essa modalidade há algum tempo. Como o studio (chama-se Studio Manaus Pole Dance) fica dentro da academia que frequento, sempre passava pra dar uma olhadinha.

Morria de insegurança por pensar que não tinha coordenação motora ou força no braço suficientes, mas um dia criei coragem e fiz uma aula experimental, à convite da professora que na verdade é jornalista e apresentadora, mas se apaixonou pelo pole, se profissionalizou e hoje dá aulas. Foi amor à primeira vista!

carol-heinrichs

Nunca encarei o pole unicamente como uma arte sensual, mas principalmente como modalidade esportiva. E é de fato o que fazemos nas aulas!

Faço duas vezes por semana, mas por mim faria todos os dias da minha vida! É viciante demais.

Desde o início das aulas até hoje evoluí bastante. No início a dificuldade é maior, mas com duas aulas já conseguimos evoluir muito! Hoje em dia consigo fazer movimentos mais difíceis e “figuras” (é assim que chamamos as poses!) mais complicadas. Quando fiz inversão (fiquei de cabeça para baixo!) foi uma festa! E a cada aula aprendo uma coisa nova, por isso é estimulante. Mas ainda tenho muito pra aprender!

carol-2

O legal é que lá no studio todas se ajudam! Tem as menos flexíveis, tem gordinhas, magrinhas, as que não têm muita força… tem de tudo! E somos muito unidas.

carol-1

Quanto aos benefícios, senti que meu corpo ficou mais definido, principalmente braços, abdomen e parte interna da coxa. Mas uma das coisas que mais gostei foi que minha postura melhorou MUITO. Também existem aqueles outros benefícios, como concentração, determinação e superação de limites. É assim que eu encaro o pole!

E o lado ruim? Pra mim não tem nenhum. Há quem diga que os roxos são a parte ruim do pole, mas uma “pole dancer” de verdade vê seus roxos como troféus!”

Nós amamos saber de tudo isso, de verdade. Ficamos super interessadas! Nós acompanhamos “de pertinho” a mudança de corpo da Carol e de verdade é super notável, arrasou Carol. 

Não é diferente? E vocês, curtem a ideia? Alguém aqui mais faz?

28 em Comportamento/ desafio de peso/ Parceria/ Saúde/ treinos no dia 21.08.2013

Projeto saúde 2013: 10 quilos perdidos

Quem acompanhou meu desafio de peso ano passado sabe que eu lutei muito para chegar aos 70kg. Já expliquei por aqui que tive um período um pouco complicado e quem está acompanhando a versão 2013 do projeto vai ficar feliz com a notícia de hoje: Perdi 10 quilos desde que retomei meu projeto saúde na clínica Patricia Davidson Haiat.

projeto-saude-10-kg

Vamos relevar a cara de sono porque treino de sexta-feira de manhã não é mole não!

Para quem não sabe, em maio eu fiz o detox de 10 dias, o mesmo que a Carol Buffara fez agora. Segui os demais 20 dias do mês seguindo um plano alimentar ainda bem rígido – à pedido meu – para garantir que eu fosse para as minhas férias não com os 81.8kg, mas sim com algo em torno de 75kg. Mesmo minha meta sendo mais ousada que a da turma da clínica, eu cheguei lá. Não tinha como ficar mais feliz ao sair de férias com 6,8kg perdidos em UM mês.

Como contei aqui, além dos 16 dias de férias, ainda tive que lidar com algumas adversidades no mês de junho. Acabei retornando para a Patricia Davidson no dia 18 de julho, um pouco tensa com o resultado, confesso. Quando fui ver, eu estava pesando 75,2kg. Praticamente manti o peso, mas ganhei um pouco de gordura.

Até o dia 16 de agosto, eu consegui perder toda a gordura que ganhei e mais um pouco. Voltei a correr diariamente e continuei seguindo o cardápio, me permitindo alguns dias especiais (tipo dia dos pais, aniversário da mãe) de folga.

Esse plano alimentar que a Patricia fez agora foi sem dúvida o que mais gostei, mas é claro que os exercícios estão ajudando muito. Para eu gastar o que eu ingeri ao invés da massa magra, a Patricia me deu “tanta comida” que achei, honestamente, que não ia perder muito peso. Ledo engano. A meta era perder 4kg em 45 dias, ainda faltam mais de 15 dias para a data final e apenas 600 gramas para completar a meta de julho.

Nessa dieta passei a comer algumas coisas que amo muito: pão de queijo sem glúten e sem queijo para malhar (não poderia amar mais), requeijão de búfala, pão sem glúten (o meu é de cenoura, mas quase não sinto gosto da mesma) e calda de “chocolate” sem leite,  para comer com frutas e saciar a vontade do doce.

Eu não tenho nada para reclamar dessa dieta! Mantive o suco verde, os congelados no almoço (para não alterar muito a dinâmica da minha casa e nem roubar nas quantidades), chás e sopas. No fim, foi o melhor mês de dieta que já tive na vida. Inacreditavelmente, sem muita crise de ansiedade.

DIETASemana passada, mais precisamente no dia 14 de agosto, tive meu controle com a nutricionista Patricia Rung e descobri que faltavam 400 gramas para completar 10kg perdidos, fiquei muito feliz. Dois dias depois, essas gramas haviam sido exoneradas da minha balança e eu quase não acreditei. De 75,2 kg (no 18/07) fui para 71,8 kg (no 16/08), sem sofrer.

Feliz da vida, perdi 10 quilos em 3 meses e meio, sendo que apenas 2 meses de dieta regrada de verdade.

dieta-2

Os objetivos agora vão ficando menores. Pretendo perder 12 para depois focar no passo seguinte, e dai em diante. Combinei com toda a equipe multidisciplinar que me ajuda (nutricionista, personal, endocrinologista e analista) que eu seguirei a linha de metas pequenas até alcançar um peso mais saudável. Essas pequenas metas estão me ajudando a não me frustrar e, consequentemente, a não ter as crises de ansiedade que me faziam descontar tudo na comida.

Agora faltam 2 quilos para o meu próximo objetivo, os 12kg perdidos e no dia que alcançar isso, vou conseguir de tabela uma coisa que queria muito: chegar aos 70kg.

Depois, sei que vou começar uma luta que sempre tive dificuldade de travar: ficar fora da casa dos 7. Por mais que esse número não pareça um absurdo para minha altura, no meu caso, não é legal para a minha saúde. Ano passado, com esse peso, fiz uma densitometria óssea e meu médico em questão se surpreendeu com o quanto de massa gorda eu ainda tinha. Ele estava preocupado, querendo que eu começasse a trocar massa gorda por massa magra, coisa que vou fazer, mas não agora. Hoje só tenho tempo para correr com o Arthur e fortalecer as musculaturas que uso. Uma coisa de cada vez, pois nessa de dar o passo maior do que a perna já me ferrei várias vezes.

Estou levando a dieta à sério, respeitando as minhas intolerâncias alimentares e contando com todo o apoio que tenho na clínica da Patricia e em casa. Fazer tudo de uma forma diferente dá trabalho no início, mas quando você sente pequenas coisas mudarem na sua rotina, já fica possível sentir que tudo valeu a pena. Dormir mal toda noite, viver sem rinite e não ficar inchada com frequência são alguns dos benefícios que a nutrição funcional trouxe para a minha vida.

Agora quero fazer tudo com muita calma, sem desespero nem ansiedade. Não quero perder nada do que conquistei. Sei que surgirão dificuldades no caminho dos objetivos, já tem até uma em vista, por isso, quero ter calma e pensar que ainda faltam alguns meses até o fim do ano.

Quero agradecer a todas as pessoas fofas que estão me dando apoio e parabéns nas redes sociais. Vocês não imaginam o quanto isso ajuda a seguir em frente sem perder o foco.

Quem estiver interessada em dicas e receitas desse universo da nutrição funcional, pode procurar no blog da clínica e seguir a Patricia Davidson no instagram, seu usuário é @patriciadavidsonhaiat, ambas as redes contam com diferentes dicas. Eu estou viciada no instagram tem umas receitas sensacionais, como essa.

Beijos