Browsing Tag

dica de viagens

2 em Brasil/ Destaque/ Sem categoria/ Trip tips/ Viagem no dia 17.01.2018

Conhecendo o Brasil: Foz do Iguaçu

A curiosidade de conhecer Foz do Iguaçu veio durante a nossa viagem para a África do Sul no ano passado. Conhecemos muitos (mas muitos mesmo) europeus ao longo da viagem que ao descobrir que nós éramos brasileiros sempre falavam “estivemos no Brasil e fomos para Amazônia e Foz do Iguaçu, são lugares magníficos”. E nós dois sempre ficávamos com cara de pateta porque moramos aqui, viajamos pra caramba pelo mundo todo, amamos a natureza e não conhecíamos nem um nem outro. Que vergonha né?

Resultado, voltei da África já catando uma passagem para Foz para corrigir esse erro gravíssimo. E lá fomos nós explorar um pedacinho do nosso Brasil.

IMG_0566

P1100634 (1)

IMG_0783

Quando ir

A notícia boa é que Foz pode ser visitada o ano todo. Na primavera e verão, meses mais chuvosos, as Cataratas ficam mais volumosas e mais imponentes. No outono e inverno, meses mais secos, as quedas ficam mais definidas. Acho que vale visitar mais de uma vez para tirar as próprias conclusões do que é mais bonito.

Em relação à chuva, a verdade é que o tempo em Foz é muito louco e muda de uma hora pra outra. Segundo as pessoas locais que conversamos, essa incerteza acontece o ano todo, mas nos meses mais quentes é sem dúvida pior. Nós fomos em Novembro e pegamos dias lindos de sol e dias de tempestade pesada. Na média, o tempo foi bom e conseguimos aproveitar bastante (ainda bem que tínhamos bastante tempo).

 

O que fazer

Cataratas do Iguaçu

Óbvio que a primeira coisa que vem na nossa cabeça são as Cataratas do Iguaçú, certo? E não é pra menos. Com o título de uma das 7 maravilhas da natureza, as Cataratas apresentam quedas de até 80 metros de altura, mostrando aos espectadores como somos minúsculos perto da sua força.

O acesso ao Parque das Cataratas é pago e muito organizado. Com o passe diário, os visitantes tem acesso a vários atrativos e restaurantes, além do ônibus circular que passa de 5 em 5 minutos por todas as estações (o acesso a carros de passeio é proibido). Ficamos muito bem impressionados de como tudo é bem cuidado e funciona perfeitamente!

A atração mais tradicional dentro do Parque é a trilha das Cataratas. Toda pavimentada e com corrimãos, a trilha tem extensão de 1,5km, passando ao lado das muitas quedas do rio Iguaçu, com vários mirantes para observação. A caminhada é bem tranquila e pode ser feita por adultos e crianças sem estresse. Para quem tem dificuldade de locomoção, o ideal é saltar na última parada do ônibus, que dá acesso às maiores quedas com rampas e elevadores. É lá que fica também o Porto Canoas, um restaurante estilo buffet bem gostosinho que tem uma vista bem legal do rio Iguaçu (e do vaporzinho das quedas). 

É muito difícil explicar a energia que tem esse lugar! Realmente é algo de outro mundo, uma sensação boa de lavar a alma que nos faz pensar no quanto nós somos pequenininhos na Terra. Mexe mesmo com a gente!

DCIM100GOPROG0380573.JPG

P1100612

IMG_0947

IMG_0803

IMG_0589

Varanda do Restaurante Porto Canoas

Macuco Safari

Se ver as cataratas dos mirantes não foi o suficiente para você, recomendo fortemente ir de cabeça nas águas das Cataratas no Macuco Safari. É um passeio de barco que te leva pertinho de algumas quedas para você tomar um banho e sentir a pressão da queda da água. Recomendo fortemente entrar no barquinho descalça e de biquíni mesmo (molha MESMO). Extremamente divertido e imperdível!

 

DCIM100GOPROG0070051.JPG

DCIM100GOPROG0090068.JPG

Trilha do Poço Preto

Existem algumas trilhas dentro do Parque, que devem ser feitas com guia. Nós optamos pela Trilha do Poço Preto, que começa com 10 km dentro da mata, que podem ser feitos a pé, de jipe ou de bicicleta (fomos de bike!). Depois, andamos mais um pouco pela mata até chegar a um barquinho, que nos levou para fazer um passeio no rio Iguaçu, na divisa com a Argentina. Pudemos andar de caiaque no rio, que estava com a água bem turva por conta das chuvas (mas ainda assim lindo!). No fim, ainda ganhamos um lanchinho.

DCIM100GOPROG0530691.JPG

DCIM100GOPROG0520684.JPG

Depois da trilha, fomos tomar banho de cataratas de novo!

Depois da trilha, fomos tomar banho de cataratas de novo!

Parque das Aves

Quase na entrada do Parque das Cataratas, fica o Parque das Aves, um centro de recuperação e conservação de aves. A visita é muito interessante e muito rica em informações sobre os animais, além de dar a oportunidade de estarmos bem pertinho das aves que ficam em grandes viveiros. Sim, é um zoológico, mas achei o papel deles na conscientização sobre tráfico e maus tratos muito importante. Além disso, como eles nos explicaram e ao contrário do que as pessoas pensam, soltar esses animais de cativeiro na natureza selvagem é condená-los à morte.

É um passeio ótimo para os pequenos. Eles adoram e já podem ir aprendendo o que é certo e o que é errado quando se trata de animais silvestres. Muito bacana!P1100892 (1)

P1100870

P1100831

P1100761

Vôo panorâmico

Se dos mirantes e debaixo das quedas não foi o suficiente para você ter uma experiência completa das Cataratas, é possível voar de helicóptero e ver aquele espetáculo também de cima. O vôo dura 10 minutos é operado pela Helisul, que fica exatamente em frente ao Parque das Aves. Ah, custou R$ 430 por pessoa (novembro/17).

O visual é um escândalo! Antes de chegar às quedas, dá para ver como a floresta do Parque é densa e bem cuidada. Depois, é só se deliciar com aquele espetáculo que é lindo de todos os ângulos.

OBS: o piloto do helicóptero faz 2 ou 3 manobras bem radicais para deixar os passageiros de cara para as quedas. Se você tem medo de voar, não recomendo o passeio, mas se não tem, vai com tudo que é lindo demais!

P1100934

P1100960

P1100968

Itaipu Binacional

A visita a maior usina hidrelétrica do mundo entra sempre no roteiro de quem passa por Foz. Fizemos o Circuito Especial, que mostra a usina pelo lado de fora e também inclui uma visita interna, com muitas explicações sobre a construção e o funcionamento de Itaipu. É bem impressionante a obra de engenharia feita por brasileiros e paraguaios para que fosse possível gerar aquele tanto de energia com a força das águas do rio Paraná.

No fim, paramos no lago da represa da usina, onde fizemos um passeio de catamarã no por do sol. O lago é imenso e o passeio parece muito legal, mas como eu disse ali em cima, o tempo é doido e logo depois que entramos no catamarã caiu um DILÚVIO! Resumo, ficamos passeando no lago com chuva e nada de por do sol. Uma pena!

IMG_0096

P1100979

P1100972

IMG_0148

Nuvens já querendo anunciar a chuva e o catamarã esperando os passageiros

IMG_0136

O imenso lago de Itaipu

Compras no Paraguai

Sim, a veia muambeira sobressaltou e lá fomos nós para Ciudad Del Este comprar eletrônicos. CHO-CA-DA como tudo lá é mais barato do que o Brasil, com preços próximos aos praticados nos EUA. Para quem quer comprar equipamentos fotográficos, drones, celulares e até laptops, recomendo demais a ida ao Paraguai. É economia na certa!

Antes de ir, eu pesquisei bem as lojas confiáveis (sim, mesmo nos dias de hoje é possível cair em furada) e acabamos comprando na Cellshop e Casa NisseiNossa experiência foi ótima!

 

Outros passeios

Por falta de tempo, acabamos não conhecendo outros atrativos de Foz como o Marco das Três Fronteiras, onde parece ser bacana de assistir o por do sol. Para os pequenos, existe ainda o Museu de Cera e o Vale dos Dinossauros, que devem ser divertidos.

Também ficou de fora a visita ao lado argentino das Cataratas. Mas nós gostamos TANTO do lado brasileiro que já até compramos a passagem para voltar e conhecer o lado dos hermanos em 2018.

 

Onde ficar

A cidade oferece muitas boas opções de acomodação para todos os gostos (e bolsos), desde hotéis mais em conta estilo business, localizados no centro, a grandes resorts, que ficam na estrada que leva até o Parque das Cataratas.

O hotel mais luxuoso da região é o Belmond Hotel das Cataratas, o único que fica dentro do Parque das Cataratas e de frente para as quedas. Não precisa nem dizer como é fantástico, né? Para ver o review do Belmond, clique aqui (em breve).

Em outras categorias, indicamos duas opções que ficam no centro: o Nadai Confort, um hotel simples mas bem confortável, e o Concept Design Hostel & Suites, um albergue modernoso muito simpático que oferece quartos compartilhados e privados com excelente custo benefício.

A escolha do lugar vai muito do estilo e budget de cada um: ficar nos resorts vai te dar uma gama de atividades extras para fazer dentro do próprio hotel, o que pode ser especialmente importante se você estiver viajando com crianças, enquanto que ficar no centro facilita a locomoção para os atrativos e restaurantes.

DCIM/136MEDIA/DJI_0006.JPG

Belmond Hotel das Cataratas

IMG_0039 1

Por do sol na frente do Belmond

Como se locomover

Tudo em Foz é longe, os taxis são caros e os aplicativos tipo Easy Taxi e 99 só funcionam na região do centro. Resumindo, se você estiver sem carro (como foi o nosso caso), prepare-se para gastar uma pequena fortuna com corridas. Para dar uma noção, gastamos cerca de R$ 200 para ir e voltar do Parque das Cataratas até Itaipu, socorro!

A solução é alugar um carro ou contratar um receptivo, que foi o que acabamos fazendo no final. Depois da dinheirama gasta para ir até Itaipu, contratamos a Loumar Turismo, uma das maiores da região, para nos levar para as atrações mais distantes.

Dica importante: não é permitido usar o carro alugado para ir ao Paraguai. As opções são atravessar a Ponte da Amizade a pé, ir de taxi (o que dá mais ou menos 50 reais para ir e 50 reais para voltar do centro de Foz) ou ir com um receptivo (que sai na média uns 50 reais por pessoa). Fomos e voltamos com a Loumar e adoramos o serviço!  

Foz tem mesmo que entrar na listinha de destinos de todo brasileiro. O lugar realmente é especial e nos surpreendeu em termos de infraestrutura e oferta de atrações. Não vemos a hora de voltar!

 

0 em Brasil/ Destaque/ São Paulo/ Trip tips/ Viagem no dia 18.12.2017

Tivoli Mofarrej: luxo no meio do burburinho de Sampa

Como vocês sabem, sou carioca e moro no Rio. Viajo para São Paulo com relativa frequência no estilo bate-e-volta ou até para ficar por alguns dias, sempre em hotéis de business e com a agenda super tumultuada.

Há algum tempo, vinha pensando em aproveitar umas dessas idas à capital paulista para passar o fim de semana e aproveitar um pouquinho do que a cidade tem a oferecer, sem pressa e sem correria. E foi numa dessas que resolvemos conhecer o Tivoli Mofarrej, um hotel super badalado no coração de Sampa. O Tivoli Mofarrej faz parte da rede Tivoli, dona também do famoso Tivoli Ecoresort Praia do Forte, hotel que está na lista para conhecermos em 2018 (se Deus quiser).

Falando de localização, o Tivoli fica nos Jardins e está a apenas um quarteirão da Av. Paulista, no meio do burburinho de São Paulo. Fica próximo a muitos restaurantes excelentes e de várias atrações da cidade, o que facilita muito a vida de quem se hospeda ali seja para turismo ou para trabalho.

Ao todo, o Tivoli tem 217 quartos, classificados em várias categorias de acordo seu tamanho. Nosso quarto era da categoria Deluxe Plus, no 18º andar.

O quarto era bem grande e com tudo que a gente precisava: uma cama king size super confortável, uma salinha com sofá, um banheiro grandinho com amenities super bacanas (que cheiro maravilhoso!), além de uma TV com acesso ao Netflix (já me ganhou né?). A decoração é clássica e clean, com linhas retas e muita madeira, bem no estilo que a gente gosta. Destaque para a iluminação dimerizável de parte do teto do quarto, o que dava um climinha gostoso para ficar de preguiça.

Quando chegamos no quarto, demos de cara com um buquê de rosas vermelhas e morangos com chocolate que estavam uma delícia. Adoro ser bem recebida!

Apesar de por fora parecer só mais um grande bloco de concreto, o Tivoli nos surpreendeu e se mostrou ser um refúgio gostoso no meio da selva de pedra que é SP. Digo isso principalmente pelo andar térreo do hotel, que conta com uma área comum cheia de poltronas e sofázinhos espalhados num estilo jardim de inverno com teto e paredes de vidro e muito verde na parte de fora.

Decoração natalina do lobby

 

Nossa idéia inicial era aproveitar para bater perna pela cidade e conhecer alguns pontos turísticos, mas como o sol resolveu aparecer, foi ali na piscina que passamos as manhãs e as tarde que estivemos no hotel. Nossa estadia se resumiu a pedir espumante e petiscos no MUST ao lado da piscina enquanto aproveitamos para ler um bom livro e atualizar o bronze. Dá pra ser melhor que isso?

Olha eu sentadinha ali na beira da piscina!

O café da manhã (maravilhoso!) é servido no restaurante SEEN, o mais novo queridinho de São Paulo, no último andar do hotel. Além de ter uma vista linda, o SEEN é super aconchegante. As mesas são todas dispostas na frente dos janelões, que são rodeados com sofás de couro. No meio, um bar bem grande com tudo quanto é tipo de bebida e banquinhos que deixam a atmosfera mais descontraída.

Para o café, são oferecidas muitas opções de comidas gostosas entre pães, doces, frutas, sucos, omeletes e tapiocas feitas na hora, tudo da melhor qualidade. A gente ficava horas ali jogado no sofazinho e só pensando qual seria o próximo quitute a ser devorado (nessas horas eu simplesmente ignoro a dieta e me jogo nas gostosuras).

Todo domingo, o SEEN serve também um brunch, que pode ser aproveitado tanto por hóspedes como por não hóspedes. Como tínhamos comido MUITO no café, não conseguimos experimentar, mas com certeza estará na listinha de TO-DO para uma próxima visita a SP.

À noite, subimos de novo para o SEEN para tomar uns drinks antes de sair para jantar. Por ali era só gente bonita, música boa e uma infinidade de opções de drinks. Nossa idéia era ir a um restaurante espanhol próximo ao hotel, mas gostamos tanto da animação do SEEN que acabamos ficando por lá mesmo. O cardápio é bem variado, com opções de comidas quentes e de sushi, além de uma carta de bebidas super extensa. Acabamos escolhendo um combinado japonês fresquíssimo e uma garrafa de sake premium ma-ra-vi-lho-so, que combinou perfeitamente com a comida.

SEEN bombando à noite

Além do SEEN e do MUST, no Tivoli existe ainda o restaurante Bistrô Tivoli, localizado no subsolo e aberto de segunda a sexta para o almoço. O hotel também conta com uma academia e um spa com selo Anantara, uma rede de hotéis de luxo bem famosa na Ásia.

A experiência de passar um fim de semana na capital paulista de mostrou uma ótima oportunidade para descansar, comer e beber bem. O Tivoli Mofarrej tem um nível de conforto diferenciado, com restaurantes de gastronomia de alto nível e uma atmosfera relaxada, além de estar bem pertinho de muitas das grandes atrações da cidade. Então porque não aproveitar?

E falando em aproveitar, agora no final do ano o Tivoli está com uma programação que promete ser imperdível. Para o Natal, o SEEN está oferecendo brunch e ceia na noite de Natal com cardápio bem interessante. Já para o Ano Novo, as opções são uma festa super exclusiva também no SEEN, com ou sem jantar, ou a festa que será realizada na área da piscina, a Tivoli Celebre 2018, com open bar e jantar em estilo buffet que será servido no Bistrô Tivoli. Ainda, para o período de 15 de dezembro a 7 de janeiro, o hotel está dando 20% de desconto nas diárias. Demais né? 

0 em Trip tips/ Viagem no dia 11.12.2017

Dicas gerais para economizar em viagens

Que eu sou uma viajante ferrenha, vocês já sabem. Mas o que muitos não sabem é que cada uma das minhas viagens requer um super planejamento para se tornar viável.

Ao contrário do que alguns podem pensar, não, eu não ganhei na loteria e viajar não é a minha ocupação principal. Eu sou engenheira e tenho um trabalho de 2a a 6a que consome a maior parte do meu tempo, como a grande maioria das pessoas.

Vejo nas férias uma baita válvula de escape para as dores de cabeça do dia-a-dia e, justamente por isso, dedico um tempo razoável da minha semana (sim, olho coisas de viagem toda semana) programando as próximas viagens, espremendo os meus dias de folga para eles renderem mais, olhando passagens e mais um montão de outras coisas que no fim tornam possível as nossas escapadinhas pelo mundo.

Eu poderia escrever um milhão de posts sobre como é a minha rotina de planejamento, mas vou começar compartilhando algumas dicas básicas de como eu consigo viajar muito e sem ter que necessariamente quebrar o porquinho.

 

Planeje-se

Não há dúvidas: planejamento é a base para toda e qualquer viagem, seja ela um mochilão ou uma baita viagem de luxo.

Quanto antes você começar a pensar e organizar seu roteiro, mais fácil será de conseguir promoções. Para vocês terem idéia, eu costumo planejar minhas viagens com aproximadamente 10-12 meses de antecedência. Pode parecer maluquice, mas é nesse tempo que eu tenho conseguido as melhores promoções de passagens aéreas (principalmente de milhas) e hotéis.

Conheço várias pessoas que não conseguem se planejar e acabam pagando o dobro, triplo e às vezes até mais nas mesmas passagens e nas mesmas diárias de hotel, simplesmente porque deixaram para cima da hora.

Se por acaso você tem uma agenda incerta e não consegue se organizar com tanta antecedência, minha dica é: planeje mesmo assim. Hoje em dia, tanto as companhias aéreas quanto a grande maioria dos hotéis trabalham com tarifas 100% reembolsáveis em caso de cancelamento (até uma data limite). Normalmente, elas custam um pouco mais caro do que as não reembolsáveis, mas com certeza serão mais baratas (se compradas com antecedência) do que se você deixar pra comprar em cima da hora. Vale a pena e te protege de eventuais problemas!

 

Tenha flexibilidade de datas e destinos

O que eu normalmente faço é definir um bucket list, que nada mais é do que os top destinos que eu quero conhecer. Defino também a época (geralmente o mês) que eu vou ter disponibilidade para viajar e  depois fico de olho nas passagens que vão pintando ao longo do tempo.

Quanto mais destinos você estiver disposto a conhecer e quanto maior a sua flexibilidade de datas de ida e de volta, mais fácil é de encontrar uma promoção. Parece óbvio, mas quando se trata de viagem nem sempre é. Muita gente define um único destino e uma data certa, e depois reclama que pagou caro na passagem, mesmo com antecedência.

É impossível a gente saber de antemão quais serão as promoções disponíveis ao longo do ano. Então abra sua mente e pense em várias possibilidades, você terá muito mais chance de conseguir um super deal.

 

Escolha bem a época que você vai viajar

Acho que eu não preciso dizer que viajar em alta temporada é sinônimo de lugares cheios e preços exorbitantes na grande maioria dos destinos, não é mesmo?

E é verdade também que muitos dos lugares são influenciados pelo tempo e condições climáticas, o que pode tornar a visita na baixa temporada uma baita de uma furada. Por exemplo: já pensou estar no Caribe e passar um furacão? Ou visitar a Tailândia na época das monções e pegar chuva todo dia? Não adianta nada pagar barato e não se divertir.

Então primeiro de tudo, é muito importante pesquisar bem sobre o destino para saber quais são os meses do ano ideais para se conhecer aquele lugar. Óbvio que, em se tratando de natureza, você pode ir na melhor época e acabar dando um azar (já aconteceu comigo várias vezes), mas é sempre melhor tentar minimizar a chance de encontrar um problema. Uma fonte legal para pesquisar as chuvas nas praias no Brasil e no Caribe é o Praiômetro do Viaje na Viagem. Adoro!

Minha dica geral é: procure viajar na média temporada. São aqueles meses que antecedem ou sucedem imediatamente a alta temporada, e costumam ter bom tempo a preços muito mais amigos.

Ao mesmo tempo, se você quiser ainda melhores ofertas, é possível arriscar na baixa temporada. Foi o que nós fizemos nas Maldivas: mesmo sabendo que poderíamos pegar dias chuvosos (e pegamos de fato), optamos por ir na baixa porque foi possível ficar em hotéis de alto luxo pagando diárias com mega desconto, com direito a vários mimos.

Defina o propósito da viagem

Quase tão importante quanto os itens acima, definir o tipo de viagem que você quer fazer é fundamental para não estourar o orçamento.

Voltando ao exemplo das Maldivas, lá é um lugar remoto em que você ficará basicamente o tempo inteiro dentro de um resort. Em casos como esse, acho que vale sim espremer a conta bancária e escolher uma opção com super infra, bom serviço e restaurantes bacanas.

Outro exemplo interessante é um lodge de Safari, como o Chitwa Chitwa, que ficamos na África do Sul. Era esquema all inclusive, com todos os game drives inclusos, refeições, bebidas, tudo. Nesse caso, pra mim fez todo sentido cacifar um hotel de luxo, com super conforto e com uma equipe super experiente que levou a gente pros melhores lugares para conseguirmos ver todos os animais que queríamos, coisa que não conseguiríamos fazer igual se estivéssemos por conta própria.

O que eu estou tentando dizer é que se o objetivo é ficar dentro do hotel e usar a infraestrutura de comida, passeios e descanso que ele oferece, é recomendável ficar no melhor que você puder/quiser pagar. Isso porque você terá tempo para aproveitar tudo com calma e muito provavelmente terá uma sensação de que aquele investimento foi bem feito.

Outro caso que eu considero legal investir em hotéis é quando existe algum super diferencial. Por exemplo: uma localização extraordinária com uma vista imperdível (caso do Madinat Jumeirah, em Dubai, e do Shangri-La, em Abu Dhabi).

Agora, imagina fazer uma viagem para Londres ou Paris, por exemplo. São cidades grandes, com um milhão de coisas para fazer. Nesse caso, como normalmente ficamos pela rua batendo perna o dia inteiro, não costumo priorizar o luxo e sim a praticidade. Escolho hotéis estilo budget bem localizados ou até mesmo alugo apartamentos no Airbnb. Ainda, a depender do destino (Europa, principalmente), uma ótima opção pode ser ficar em albergues boutique, que normalmente tem ótima localização e um nível de conforto bem razoável. 

Por fim, a companhia também influencia muito na escolha de hospedagem. Se a viagem for de casal, pode fazer sentido você ficar em um hotel mais cheio de frufru e com alto nível de serviço. Mas se a viagem for de “galera”, geralmente é melhor priorizar a localização e deixar o resto do orçamento pra farra!

 

Use múltiplos buscadores de vôos e hotéis

Hoje em dia, existem milhares de ferramentas de busca de hospedagem e passagens aéreas, que inclusive permitem a inclusão de alertas que avisam quando o preço dos voos foram alterados. Como eu amo a tecnologia! Em geral, as que eu mais uso são:

Passagens:

Também tenho instalado no meu celular o app do Melhores Destinos e do Passagens Imperdíveis, que me avisam diariamente sobre as novidades e promoções.

 

Hotéis:

  • Booking (sou cliente Genius e ganho 10% a mais de desconto)
  • Hoteis.com (tem um programa de acúmulo de pontos que são revertidos em diárias grátis)
  • Agoda
  • Airbnb (para apartamentos de temporada)
  • Hostelworld (para albergues)
  • Sites específicos dos hotéis, que muitas vezes tem promoções

Sim, dá um trabalho danado mas eu cruzo as informações de todos os buscadores para ver o melhor preço. E ainda faço isso tudo também pelo celular. Acredite se quiser, mas grande parte das vezes consigo melhor preço olhando pelo meu iPhone do que pelo Mac, vai entender.

Ah, não esqueçam de limpar os cookies do seu computador antes de fazer as buscas!

 

Use e abuse de milhas

Eu sou obcecada com milhas porque simplesmente AMO viajar de “graça”.

Esse item merece um post dedicado porque é bem complexo e é muita coisa para falar, mas em resumo, beeeeem resumido é:

  • Escolha um cartão de crédito em que você possa acumular milhas pelo uso e possa resgatar para companhias aéreas. Atualmente eu tenho o American Express Platinum, que me dá 2,2 milhas por dólar gasto, e estou bem satisfeita.
  • Pague tudo possível com o cartão.
  • Faça o cadastro em todas as empresas parceiras do seu cartão. No Brasil, normalmente é Smiles, Multiplus, Amigo Avianca, Azul, Livelo.
  • Não se esqueça de pontuar nos programas de milhagem quando voar pagando.
  • Veja se existem outras formas de acumular pontos nas companhias desejadas. Exemplo: reservas do Booking pontuam no Tudo Azul e no Multiplus, os KM de Vantagens Ipiranga podem ser resgatados pro Multiplus também, etc.
  • Fique de olho nas promoções das companhias e resgate seus pontos do cartão para a parceira.
  • Seja feliz viajando!

Conseguimos chegar nas Maldivas e na Polinésia Francesa somente com o uso das milhas, acreditam? Muita gente despreza ou tem preguiça, mas é um excelente mecanismo para economizar nas passagens.

 

E aí? Animados para começar a planejar a próxima viagem?