Browsing Tag

cabelos

1 em Autoestima/ Cabelo/ Convidadas/ Destaque no dia 30.11.2017

Mudar é bom, principalmente quando não “temos que” nada – por Bruna Ramos

Quando a Joana me pediu pra escrever um texto para o Futi, bateu o desespero. Não sou boa escrevendo, sempre me perco vagando pelas ideias, mas aceitei esse convite.
Mas e aí, o que escrever? Aaah, vou falar de uma das coisas que mais gosto no meu corpo…Quando eu era criança, nunca me via diferente das outras. Mas aí veio a adolescência, onde todas passamos por aquela fase de descoberta, de construção de identidade e veio aí minha relação com o cabelo.Não que eu não gostasse do meu cabelo, mas foi uma fase que eu queria ter o cabelo comprido, como o cabelo da maioria das minhas amigas.


Mas por que queria ter o cabelo comprido, não é mesmo? Ah… essa é fácil. Chega uma fase que você quer pertencer a algum grupo e eu não me sentia parte de nenhum. Eu não era do grupo das lisas, das morenas, das loiras, das cacheadas… É, representatividade faltava nessa fase.Na infância eu tinha o cabelo estilo “menininho”, com a adolescência eu queria mudar para me sentir “parte do grupo”, foi aí que enfrentei o permanente afro (como eu sofri durante o processo, tanto que nunca mais fiz) e por fim, anos de relaxamento. Fiz também trancinhas nele, mas era pela facilidade que eu tinha e não pelo mesmo motivo de agora. Mas não parou por aí, veio o alisamento! Sim. Cheguei a alisar. Mas aí logo voltei ao relaxamento.Mas por que falar sobre toda essa trajetória com o cabelo? Então…Hoje eu sou completamente feliz com meu cabelo. Ele não é cacheado, com ondas perfeitas, porque é isso que a atual ditadura do natural quer nos impor. Não. Meu cabelo é lindo e crespo. É… crespo.

E meu cabelo posso usar do jeito que eu quiser! Se eu quiser alisar eu aliso, se eu quiser trançar ele eu tranço, se eu quiser colocar aplique eu coloco, se eu quiser deixar o maior black do universo, também posso. Você também pode!

Fico muito contente em ver que hoje em dia isso mudou. Vejo muitas cacheadas e crespas pelas ruas, na tv, nas revistas, na mídia e isso contribui para que muitas crianças e adolescentes se identifiquem e se amem como são.

Com certeza muitas mulheres, principalmente, depois dessa onda do cabelo natural, experimentaram mudar e voltar às origens. Saíram do tal padrão para experimentarem o novo.

Bom ressaltar que ninguém é obrigado a nada, não é porque agora a vibe é usar cabelo natural que você “tem que”, ok?

meu cabelo hoje tá assim – e amanhã? Sei lá, as possibilidades são tantas. :)

Meus amigos dizem que eu sou uma das pessoas que mais mudam de visual quando o assunto é cabelo. Fazer o quê se eu não tenho medo da mudança? Nós não deveríamos ter medo de mudanças. Arriscar sempre é uma possibilidade e eu gosto muito disso.
Lembre-se, nós podemos ter o cabelo que quisermos ter, é só querer e se jogar.

Não se sinta pressionada a ter o cabelo natural porque é a onda do momento, nem pela opinião dos outros, deixa seu cabelo ser o que você quiser que ele seja.

É tão bom sermos quem queremos ser, nos aceitarmos, assumirmos quem somos sem medo de sermos julgadas… a vida fica muito mais leve.

0 em Beleza/ Cabelo/ Destaque/ Patrocinador no dia 22.11.2017

Transformação do cabelo: muito além de um antes e depois!

Lembram que eu falei semana passada que eu ia mudar? Pois bem, mudei! Finalmente sábado consegui tirar um tempo – ou melhor, consegui ajustar a agenda do marido com a do salão, afinal, precisava que ele ficasse com o Arthur – para fazer meu cabelo.

Essa foi a foto que eu postei e recebi várias mensagens perguntando se tinha escurecido meu cabelo: não, isso foi resultado de 1 ano sem retocar as luzes! :)

Enquanto estava no caminho para o salão, com a linha completa de coloração que a Bio Extratus me enviou para experimentar, me deparei com uma frase que até postei no insta onde dizia: “não é mudando que você se ama, é se amando que você muda”. E isso nunca fez tanto sentido para mim, combinou perfeitamente com essa minha fase.

Porque talvez vocês não saibam, mas eu já tive cabelos pintados de vermelho. Eu tinha 19 anos, tinha passado o ano anterior enlouquecida com o vestibular, engordei, não tinha mais roupa, não sabia quem eu era e resolvi pintar o cabelo porque estava insatisfeita, sem me reconhecer. Queria me reencontrar e depositei todas as minhas esperanças na mudança da cor do cabelo.

Eu, com 19 anos, tirando foto no banheiro com Cybershot. rsrs

Obviamente isso não aconteceu. Por isso mesmo, acho que a mudança capilar não adiantou de muita coisa naquela época. Depositei muitas expectativas nessa mudança. Eu tinha pouca autoestima sobrando naquele momento, achei que essa transformação me ajudaria nesse processo de reconstrução, mas não aconteceu dessa forma. Mudar o cabelo foi uma mudança superficial naquele momento, ela foi efetiva só até certo ponto, mas seria muita pretensão que uma cor de cabelo reorganizasse tanta coisa desajustada naquele momento.

Engraçado como as cores podem ser parecidas, mas as motivações não poderiam ser mais diferentes. Dessa vez meu objetivo era outro: eu queria mudar porque eu estava muito segura de mim. Eu queria mudar porque minha relação com o meu cabelo está em sua melhor fase – então, por que não experimentar algo novo? Acho que meu cabelo nunca esteve tão bonito e foi uma delícia curtir isso e me sentir segura o suficiente para mudar, brincar com meu visual num momento tão gostoso da minha relação com o espelho, em que sinto que estou cuidando de mim pelas razões mais honestas que eu já tive. Foi justamente por estar achando ele bonito que eu senti vontade de aproveitar todo potencial de adorno que ele tem. E claro, minha experiência aos 19 anos, por mais que não tenha sido 100% bem sucedida no que eu esperava dela, me ajudou a não ter medo dessa mudança que, para muita gente que acompanhou, foi super radical.

Na verdade, a referência que eu tinha era algo muito mais claro do que está, quem leu meu primeiro post falando do lançamento de Bio Extratus Color sabe disso. A tintura que eu escolhi – a 9.4, loiro muito claro acobreado – é a ideal para quem quer o visual que eu mostrei aqui na semana passada. Só que chegando no salão, o Rogério – o profissional que mexe no meu cabelo desde que eu cheguei aqui em NY – achou melhor não chegar nessa cor logo de uma vez. Eu confiei, afinal quero mudar o visual, mas com todo cuidado que meu cabelo merece, não a qualquer custo.

Eu estava sem fazer luzes desde Dezembro de 2016, o que quer dizer que tinha muito cabelo virgem na jogada, castanho escuro ainda por cima. Para chegar naquele tom eu teria que descolorir, e ele achou que seria um procedimento bem mais agressivo para o estado que meus fios se encontravam. Também demoraria mais e gastaria um tempo que eu não teria naquele dia, coisa que as mães vão me entender perfeitamente. Preferi seguir com a opinião de especialista dele, e aí a gente vai clareando com o tempo. Se bobear é até bom para eu ir me acostumando com as tonalidades ruivas. :)

Só sei que quando virei para o espelho, lá estava a Carla com uma cor de cabelo super parecida com a da Carla de 19 anos. Por um segundo lembrei de todo aquele período de insegurança, mas quando olhei de novo, aquela Carla realmente não estava ali. Que sensação maravilhosa me dar conta que a Carla de frente do espelho em 2017 pode até ter outras questões e inseguranças, mas que não é mais aquela que deposita esperanças em mudanças externas.

E quanto ao cabelo em si? Para começar, eu fiquei espantada que a cor conseguiu chegar nesse tom logo de primeira. Ainda não é a cor final e ainda está mais escuro do que eu tinha planejado, mas levando em conta que não usamos o pó descolorante, eu achei muito bom! E o principal? Eu to apaixonada pelo toque. O tutano na fórmula, que é exclusivo da Bio Extratus e diferencial no mercado, ajuda a hidratar enquanto colore e isso realmente acontece. Lavei ele dois dias depois de pintar, e quando sequei (tá frio aqui, não tenho conseguido deixá-lo secando naturalmente), ele estava super sedoso, os fios nada embaraçados. O brilho também é notável. Confesso que fiquei pensando em não descolorir, afinal, por mais que eu cuide muito, é normal que resseque demais, coisa que a tinta claramente não fez. Veremos.

Aliás, percebi nessa semana que a tinta também está ajudando demais a controlar a oleosidade. Nesse período que eu estava com a raiz virgem bem comprida, eu cortei um dobrado com ele, porque ela voltou a ficar super oleosa em tempo recorde. A linha pós química de abacate com jojoba – que eu amo – é tão hidratante que a minha raiz não aguentou, só podia usar nas pontas. A mesma coisa aconteceu com a linha pós coloração, que é ainda mais hidratante e não funcionou tão bem (comecei a usar ela novamente essa semana, vamos ver como ela vai se comportar nessas outras condições capilares). Tem sido um alívio poder voltar a lavar meu cabelo dia sim, dia não sem me preocupar tanto se a raiz vai ficar oleosa.

Eu estou super satisfeita com o resultado e feliz por ter escolhido uma cor tão diferente do que eu tenho feito há tanto tempo, parece que essa cor combinou perfeitamente comigo e com esse meu momento de vida em Nova York. O que vocês não imaginam é como fiquei impressionada com o sucesso que a mudança fez no instagram!!!! Acho que não lembro de um post meu ter tido tantos likes, tampouco lembro de ter recebido tantas mensagens diretas antes. Não que a popularidade nas redes sociais influencie minha opinião, mas não nego que é uma injeção de elogios no processo de construir uma boa autoestima receber tanta mensagem positiva. Elogiar faz bem a quem faz e quem recebe. :)

Quem estiver pensando em mudar, sugiro conhecer a linha de Bio Extratus Color e conversar com o profissional que cuida dos seus cabelos para juntos, definirem a melhor ideia para vocês. Juro que não é só porque eles são patrocinadores do blog, mas o resultado foi muito melhor do que eu tinha imaginado, inclusive com a minha auto percepção. A marca demorou bastante tempo para lançar o produto até o resultado ficar do jeitinho que eles queriam, trazendo algo pro mercado que não tinha antes (espero que o tutano nessa fórmula traga o mesmo sucesso que o ingrediente em si trouxe para empresa anos atrás). O cabelo novo não foi feito para suprir nenhuma falta de amor próprio, mas estou amando me enxergar com novos olhos e me ver diferente nessa fase tão gostosa em que busco me conhecer cada dia mais e melhor.

0 em Beleza/ Cabelo/ Destaque/ Patrocinador no dia 27.10.2017

Gelatina Botica Cachos Perfeitos, o produto que me ganhou depois que eu aprendi a usar

Era dezembro de 2015 quando eu entrei em contato pela primeira vez com a linha Botica Cachos Perfeitos, que na época era lançamento da Bio Extratus. Desde então essa linha, que é feita para as cacheadas e para quem segue as técnicas no poo/low poo, me ganhou e virou uma das minhas preferidas da marca. Posso até alternar com outras linhas que eu gosto, mas eu sempre volto para ela. Considero que funciona como um restart para o meu cabelo. Sem contar a máscara, que é muito boa para quem curte fazer cronograma capilar, principalmente no esquema das ampolinhas que eu já contei por aqui. 

Só que existe um produto dessa linha que até então eu ignorava. E ele se chama Gelatina.

Na verdade, a gente tem que lembrar o contexto de como eu cuidava dos meus cabelos naquela época. Como eu falei aqui, eu era bem dependente do secador porque eu tinha verdadeiro pavor do meu cabelo sair do meu controle se secasse naturalmente. Hoje eu uso quando eu to afim ou quando eu não tenho tempo hábil de deixá-los secar antes de sair de casa, mas tem vezes que eu até esqueço que secador existe.

Lá em 2015 meu jeito de cuidar de cabelos era mais ou menos o mesmo sempre: lavava, secava com a toalha, passava o finalizador e secava os fios. Quando recebi a linha Cachos Perfeitos pela primeira vez, encarei a gelatina como um outro tipo de finalizador e acabei usando da mesma forma que eu usava todos os outros, isso é, passando nas mãos e esfregando nas pontas. Como ela tem uma textura bem leve mas um pouco grudenta, eu acabei não entendendo seu objetivo, usei bem errado e obviamente ela não me impressionou em nada e foi sendo deixada de lado.

Meu interesse por ela começou mesmo em Maio, quando a Joana deu um jeito de mandar a linha toda pra NY mas interceptou a gelatina porque queria experimentar. Ela adorou e me deixou morrendo de curiosidade para testar também.

Quando cheguei aqui no Rio no final de setembro, acabei descobrindo que eu tinha uma Gelatina perdida no banheiro da casa dos meus pais. Obviamente comecei a usar, dessa vez de outra forma, e bem…eu entendi o por quê ela é tão queridinha entre tantas cacheadas. Estou aqui no Rio há 15 dias e acho que só usei secador umas 3 vezes, sendo que a gelatina virou o verdadeiro produto obrigatório nessa minha temporada carioca.

À esquerda, sem a gelatina. À direita, com. Os cachos ficam mais modelados e definidos e também com mais volume.

Apesar da Bio Extratus indicar usá-la com os cabelos ainda úmidos, eu gosto muito de usar com os fios secos. Boto a cabeça pra baixo, um pouco de produto na mão e fico amassando para cima constantemente. Ela ajuda a modelar os cachos e dá um volume bem bacana. Quem tem cabelo liso talvez consiga fazer um efeito meio beach waves com a Gelatina, mas acredito que quem vai curtir mesmo são as onduladas e cacheadas!

O preço dela varia entre 27 e 28 reais e dá para encontrar online na Venâncio ou na Ikesaki. ou então acesse http://bioextratus.com.br/onde-comprar/#resultado para descobrir o revendedor mais perto de você. :)