Browsing Tag

Brasil

0 em Brasil/ Destaque/ rio de janeiro/ Trip tips/ Viagem no dia 13.11.2017

Belmond Copacabana Palace: o melhor do Rio também pode ser aproveitado por cariocas

Há tempos que eu passo na frente do Copacabana Palace e fico sonhando em me hospedar ali. É verdade que eu já estive no Copa por diversas ocasiões, seja em um dos muitos casamentos de princesa nos salões do hotel, num almoço no Pérgula à beira da piscina ou num jantar no restaurante Hotel Cipriani. Mas como hóspede, nunca.

Eu não sou uma pessoa que costuma comemorar muito datas especiais, mas esse ano, com meus 5 anos de casamento, resolvi que era hora de buscar algo diferente para marcar nosso aniversário. E foi numa dessas que eu tive a idéia de passar uma noite no tão sonhado hotel dos sonhos na cidade maravilhosa.

O Copacabana Palace (ou só Copa, em carioquês) é um dos mais chiques e o mais tradicional hotel do Rio de Janeiro. Faz parte da rede Belmond, que possui outros hotéis únicos e icônicos como o Belmond Hotel das Cataratas, dentro do Parque Nacional do Iguaçu, e o Belmond Sanctuary Lodge, na entrada de Machu Picchu. O hotel é sempre escolhido por celebridades nacionais e internacionais quando vem visitar o Rio e também é palco para muitos eventos sociais badalados da cidade.

Vale dizer que o Copa vem passando por reformas e modernizações, a exemplo da piscina principal, que agora tem bordas molhadas, e o restaurante Pérgula, que reabriu recentemente com um look repaginado (quando nos hospedamos no hotel, o Pérgula ainda estava em obras).

Então lá fomos nós passar um fim de semana no crème de la crème da hotelaria carioca.

Deixamos as coisas na recepção e fomos direto para a piscina, onde passamos a tarde relaxando e aproveitando o solzinho. Apesar de estar fechado, o serviço do Pérgula estava funcionando ao redor da piscina, com snacks e drinks. Pedimos uma sangria de vinho branco (deliciosa!) e uns petiscos e ficamos ali até o sol baixar, quando resolvemos ir para o quarto.

Só assim pro marido aparecer nas fotos!

Top tomara que caia Marcyn

Ao todo, o Copa tem 226 quartos e suítes divididos no prédio principal e no prédio anexo, classificados em várias categorias de acordo seu tamanho e com a vista. Nosso quarto era da categoria Luxo Frente mar, no 5º andar do prédio principal.

O quarto em si não era enorme, mas tinha tudo que a gente precisava: uma cama king size super confortável, uma varandinha simpaticíssima e um banheiro com chuveiro e banheira separados (detesto quanto é junto!), além de amenities super bacanas que incluíam sais de banho e banho de espuma (amo!). A decoração é clássica e clean, com muito bom gosto e móveis muito bem cuidados. E a vista, nem preciso falar né? Linda, maravilhosa, de cima do calçadão de Copabacana.

Chegamos no quarto e fomos agraciados com presentinhos: uma garrafa de espumante rosé, docinhos e um bilhetinho assinado pelo gerente do hotel nos dando parabéns pela nossa data especial. São pequenos detalhes que fazem a diferença!

Uma curiosidade que não sei se todos sabem é que existe uma 2ª piscina no Copa, a black pool ou piscina negra, que fica no 6º andar do prédio principal do hotel e somente os quartos localizados nesse andar tem acesso a ela (nem precisa dizer que eu fiquei louca para ir lá conhecer né?).

Já à noite, descemos para jantar no restaurante Mee, um restaurante de gastronomia pan-asiática super sofisticado que tem, nada mais, nada menos, que uma estrela Michelin. Os pratos tem influência da Tailândia, Camboja, Malásia, Cingapura, Coreia, Vietnã, China e Japão e são meticulosamente preparados na hora com ingredientes fresquíssimos.

O cardápio é bem extenso, então decidimos pedir as dicas para a nossa atendente, que acertou na mosca. Tudo que comemos estava di-vi-no!

A carta de bebidas também é incrível e tem diversas opções de sake importados que eu fiquei com vontade de provar. Como já tínhamos bebido bastante ao longo do dia, acabou ficando pra próxima visita (e vai ter próxima sim!). Esse restaurante abre somente para o jantar.

Carpaccio de salmão com molho cítrico

Filé mignon wagyu com foie gras: de comer rezando

Além do Mee e do Pérgula, no Copa existe ainda restaurante Hotel Cipriani, um italiano delicioso que experimentamos em outra oportunidade e que também é uma ótima opção para almoçar ou jantar.

Depois de uma noite de sono revigorante, acordamos cedo para tomar café. Normalmente, o café da manhã é servido no Pérgula, mas por conta das obras, estava sendo servido no Cipriani, também ao lado da piscina. Eram muitas opções de pães, frios, iogurtes, doces, tapiocas, omeletes, tudo que você pode imaginar para um café da manhã farto e reforçado (amo café da manhã de hotel!).

Aproveitamos esse momento pós café para dar um passeio pelo hotel, conhecer o Spa, a academia e dar uma voltinha pelos salões. Depois, pegamos uma espreguiçadeira ao lado da piscina e ali ficamos pelo resto do dia.

Todo domingo, acontece o famoso brunch no Pérgula. Como tínhamos comido demais no café, optamos por pedir o almoço na piscina mesmo, mas ficou outro motivo para voltarmos ao hotel!

A experiência de passar um fim de semana como turista em um dos melhores hotéis da nossa própria cidade foi deliciosa e muito diferente. O Belmond Copacabana Palace tem instalações maravilhosas, além de ótimos restaurantes que podem ser frequentados por hóspedes e por visitantes também. Então porque não aproveitar o que o Copa tem a oferecer?

Tenho certeza que voltaremos em outras oportunidades para explorar os restaurantes e nos hospedarmos no hotel novamente (agora estou mirando o exclusivo 6º andar e a black pool! Quem sabe, né?). Tudo ali é muito especial!

 

Reveillon 2018

Já pensou em passar a noite de ano novo no melhor ponto de Copacabana?

O Belmond Copacabana Palace dará uma super festa em seus salões das 20:00 do dia 31 de dezembro até o amanhecer do dia 1º de janeiro, com jantar incluso e bebida liberada. Os convidados vão poder escolher o local do jantar (Pérgula, Cipriani ou os salões), cada um com um formato e proposta diferentes. É para agradar todos os gostos!

Com a localização privilegiada para a praia de Copacabana e a queima de fogos, tenho certeza que será inesquecível. Não preciso nem dizer que estou desejando né?

Para quem animar de começar 2018 no melhor estilo, os ingressos estão sendo vendidos direto pelo hotel através do telefone 21 25454-8788 ou email banquetes.cop@belmond.com.

0 em Brasil/ Destaque/ Parceria/ Viagem no dia 23.10.2017

Salvador: passeios turísticos & o hotel MERCURE RIO VERMELHO

Esse fim de semana que passou eu embarquei pela primeira vez na vida para Salvador. Eu já havia ido à Bahia duas vezes, uma para Itacaré muitos anos atrás e outra para Chapada Diamantina. Jurava que conheceria a capital por motivos de Carnaval, mas dessa vez, minha motivação inicial para o embarque foi trabalho! Eu fui convidada pela distribuidora local de Bio Extratus para fazer o #PICNICDOPAPO na cidade, uma honra e um desafio. Seria atender a uma das cidades mais pedidas, mas ao mesmo tempo seria fazer em um local que eu ainda não conheço.

Sobre o evento eu vou falar em outro post, só adianto que fiquei surpresa por ter sido lá o MAIOR PIQUENIQUE DO FUTI DE TODO BRASIL. E como todos os outros, é claro que vai merecer uma matéria sobre ele e sobre um pouco do que eu vi e senti com as baianas mais arretadas que eu já conheci. <3

No instante em que eu soube que precisaria voar para Salvador já tinha em mente que queria ficar num hotel bom, com boa piscina, bem localizado e bem prático e funcional. Durante minha pesquisa virtual dei de cara com dois que funcionariam para mim, sendo que um deles era um MERCURE. Se era para falar de #paposobreautoestima, eu achei que nada seria mais justo do que falar com eles, que tantas vezes apoiaram e continuam apoiando o futi. Dessa vez não foi diferente.

Escolhi o MERCURE RIO VERMELHO como minha “casa” na Bahia e me hospedei lá de sexta a segunda. O bairro é boêmio e está todo renovado, contendo alguns dos bares e lugares mais descolados da vida noturna na cidade. Não posso mentir que boa parte do que me fez escolher o hotel foi a piscina, que tem uma borda infinita linda e de frente para o mar, ali tinha tudo que eu estava procurando… Inclusive uma MOQUECA GOSTOSA no cardápio. A outra parte é que esse foi o hotel que a Carla ficou quando passou o Carnaval em Salvador e ela tinha me falado super bem dele, principalmente quanto à localização, que é perfeita para quem vai curtir a folia.

Meu quarto foi muito espaçoso e com vista pro mar (o melhor era o som das ondas batendo nas pedras, mais relaxante impossível). 

Eu cheguei e não quis nem ir almoçar, parti diretamente para a piscina e fiquei curtindo o meu fim de sexta-feira lá.

Na primeira noite saí para jantar com minhas amigas no Lafayete, um restaurante de frutos do mar muito gostoso, com uma vista linda (que você nota mais no almoço)

No sábado eu fiquei 100% por conta do meu evento, aproveitando apenas o maravilhoso café da manhã do hotel, que é muito sortido, cheio de opções regionais e diversas opções de tapiocas e omeletes feitos na hora.

Como acontece em todo piquenique, voltei morta para o hotel e com isso não tive condições de sair, por isso a salvação da minha noite foi o restaurante do hotel. Pedimos uma moqueca de camarão para duas pessoas e estava muito gostosa, o preço foi bem honesto. Não foi nem barato, nem caro, mas valeu cada centavo

No domingo eu tirei o dia livre para fazer um pouco de turismo em Salvador. Foi pouco, foi o básico, mas deixou bem claro o quanto Salvador é super cheia de cultura e história, levando em conta que ela foi a primeira capital do Brasil, vocês podem imaginar que muito da história do nosso país se passou ali.

Comecei pela Igreja do Bonfim, pois eu precisava agradecer, amarrar minha fitinha e viver um momento de fé. Em seguida fui para o Elevador Lacerda e subi para a versão baiana do “bairro alto” de Lisboa, a caminho do Pelourinho eu já notei que as construções me levariam numa viagem do tempo e assim foi. Fiquei arrepiada pensando que gostaria de ter conhecido esse lugar durante as aulas da escola. Contratamos um guia bem legal (ele se chama Jorge) e foi a MELHOR ideia de todas, pois todo o passeio foi além de fotos e contemplação básica, tudo tinha uma explicação, um contexto e uma história. O que mais fiz foi andar e prestar atenção, afinal era muita coisa legal pra pensar. Foi uma volta no tempo in loco.

A igreja São Francisco de Assis foi o que mais me impressionou, a arte do prédio é linda, mas a igreja em si é uma coisa de LOUCO, foi a igreja mais linda que já vi no Brasil até hoje, competindo com muitas das maravilhosas que eu vi na Europa. Foi linda a visita, cheia de paradoxos com as madeiras com acabamento de pó de ouro.

A Salvador antiga da Cana de Açúcar foi muito mais culturalmente interessante do que achei que seria. 

De lá fui almoçar com minhas amigas no Velerio no Yatch Club, o que mais amei foi a vista e o fim de tarde. Foi uma experiência mais carinha, mas muito gostosa.

Depois fui acompanhando o pôr do sol e me impressionando como a Bahia tem uma vibração única e um mar lindo. Passeamos de carro e fomos até o Farol da Barra, que é tão icônico quanto imaginei. Queria ter ido mais cedo com calma, mas deu para ver o quanto é bonito mesmo super cheio no fim da tarde.

Tinha inúmeras dicas de turismo e restaurantes lindos para ir com vistas, mas infelizmente o tempo foi curto. De toda forma eu adorei que consegui fazer muita coisa, ainda que correndo para saber um pouco mais da capital desse estado que tem tantas praias e cidades que eu ainda quero desbravar..

Segunda ainda consegui tomar um café maravilhoso antes de seguir para São Paulo, masyggv só posso agradecer ao Mercure Rio Vermelho e a distribuidora da Bio Extratus na Bahia por terem me ajudado a realizar esse piquenique que foi emocionante, que juntou das leitoras mais novas com várias mais antigas, onde eu vivi alguns dos momentos mais especiais dos últimos tempos.

Meu coração está preenchido de amor com essa visita à Salvador, foi breve, mas marcante.

Vocês já foram? Tem mais dicas imperdíveis? Comentem aí para quando eu voltar!

Beijos

0 em Brasil/ Trip tips/ Viagem no dia 24.01.2017

O que Bonito tem de bonito

Como contei no último post, em maio de 2016 resolvi ir conhecer um pouquinho do Mato Grosso do Sul. Depois de passar 2 noites na Fazenda Baía Grande, continuamos a viagem para Bonito.

Chegar em Bonito não é das coisas mais simples do mundo se você não quiser pagar uma nota no vôo da Azul, o único que pousa na cidade. Na grande maioria das vezes, a opção mais em conta é voar até Campo Grande (CGR) e de lá ir de carro até Bonito, o que demora mais ou menos umas 4 horas. Como nossa primeira parada foi na Fazenda, seguimos de carro até Bonito, o que deu umas 3 horas de viagem.

Dilema #1: alugar ou não alugar carro. Pra mim não há dúvidas de que a melhor (se não a única) solução é sim alugar um carro. Os passeios são super longe do centro de Bonito e os transfers oferecidos são bem caros.

Ao contrário do que li na internet, achei bem tranquilo me localizar nas estradas. De fato, tem que ter bastante atenção porque muitas das estradas são ruinzinhas, de barro e com buracos, mas nada que nós brasileiros não estejamos acostumados. Principalmente para nós, que fomos primeiro para a Baía Grande que fica um pouco fora do circuito turístico no Pantanal, o carro foi fundamental para garantir que conseguiríamos nos locomover sem estresse.

Dilema #2: qual agência contratar. Em Bonito, 100% dos passeios são vendidos por meio de agências locais, de forma que você não consegue fazer nada sem contratar uma delas. Mas qual? A verdade é que a única diferença entre elas é o nível de serviço, já que o preço dos passeios é tabelado. Eu optei pela Bonitour, uma das maiores de Bonito, e fiquei bastante satisfeita com o atendimento deles. Foram os primeiros a me responder e sempre me atenderam de forma rápida e eficiente, recomendo muito.

Dilema #3: quais passeios fazer. Aqui o bicho pega. Se você achou que seria fácil, errou feio, errou rude. Existem milhares de atrações diferentes, de todos os tipos em diferentes locais, o que embaralha totalmente a sua cabeça na hora de escolher. Eu tentei selecionar uma atração de cada tipo (flutuação, cachoeira, rapel, mergulho, etc) e vou contar sobre cada uma delas pra vocês.

Mas antes disso, dica de ouro: reserve com MUITA antecedência. Os passeios são bem restritos, com número muito limitado de visitantes por dia (que é razoavelmente pequeno pra quantidade de gente que visita a região). Portanto, as atrações mais famosas lotam e você corre um sério risco de não conseguir fazer as coisas mais legais. Eu, como sou muito planejada (quase psicopata), reservei tudo com uns 4 meses de antecedência e consegui visitar tudo que eu queria!

Vamos à programação:

 

Dia 1 – tarde: Buraco das Araras

Chegamos a Bonito no início da tarde e fomos logo almoçar. Passamos na Bonitour para pegar nossos vouchers e eles nos recomendaram ir ao Buraco das Araras, atração que pode ser visitada durante todo o dia. Acabamos pegando o último grupo, que saía por volta das 15h.

O Buraco das Araras consiste numa dolina, uma formação geológica oriunda do desmoronamento do teto de uma caverna. E como o nome sugere, dezenas de araras moram por ali.

O lugar é super bacana, a caminhada é bem tranquila e o passeio é basicamente de “contemplação”(em Bonito, as pessoas amam essa palavra!), ou seja, você faz uma caminhadinha, para em dois mirantes e fica admirando as araras e o visu.

Dá pra ver as araras ali voando?

Não achei imperdível, mas foi legal incluir esse passeio na primeira tarde que tínhamos livre. Demos a sorte de ver várias araras voando de um lado pro outro (essa revoada nem sempre acontece), então saí satisfeita.

O Buraco fica bem próximo a fazenda do Rio da Prata, então você pode tentar conjugar esse passeio com uma flutuação por lá, por exemplo, pra reduzir o tempo de deslocamento.

 

Dia 2 – manhã: mergulho de cilindro na Lagoa Misteriosa

A Lagoa Misteriosa é uma lagoa de água azul turquesa extremamente cristalina que fica na fazenda Rio da Prata. É considerada a sétima caverna mais profunda do país, atingindo mais de 220 metros de coluna d’água.

Lá, você pode fazer a flutuação (que é um passeio com máscara e snorkel em que você fica flutuando na superfície) ou o mergulho de cilindro, que foi o que escolhemos fazer.

Não há peixes por ali, então a graça toda do mergulho é a sensação de estar entrando num buraco quase infinito: quando mais você desce, mais fundo ele parece. A sensação de ser engolido pelo azul é muito diferente e de certa forma até um pouco claustrofóbica, mas eu gostei bastante. Minha crítica a esse passeio é que não deixaram a gente ficar nem 30 segundos flutuando, ou seja, ou é uma coisa ou outra. Dado que pagamos bem mais caro pelo mergulho, acho que eles podiam ter liberado a flutuação pelo menos um pouco… mas não rolou.

Ainda assim, achei bem legal e bem bonito! Adorei e recomendo muito.

OBS: A Lagoa fecha de outubro a meados de abril por conta da proliferação de algas.

Vista de baixo pra cima, dentro da fenda da lagoa


Dia 2 – tarde: Flutuação Rio da Prata

Depois de fazer o mergulho na Lagoa, fomos almoçar no restaurante da fazenda Rio da Prata. Adorei a comida! Caseira, farta, bem feitinha, no melhor estilo comida de fazenda mesmo.

Depois do almoço, descansamos um pouquinho nas redes antes de sair para o passeio de flutuação no rio que dá o nome à propriedade.

Como a Fazenda Rio da Prata fica pertinho do buraco das araras, elas estão sempre por ali saracutiando

Vestimos nossas roupas de neoprene e saímos para uma trilhazinha com o guia. A flutuação no Rio da Prata é uma delícia e o melhor passeio pra preguiçoso. Depois de entrar no rio, é só apreciar a paisagem e relaxar, a correnteza faz o trabalho todo de levar você pro caminho certo. Peixinhos, peixões, plantas e tudo mais de bacana vai passando por você naquela água transparente enquanto você só fica lá, paradão, aproveitando. Imperdível!

Olha a cor da água!

 

Dia 3 – dia inteiro: Boca da Onça

No terceiro dia, fomos passar o dia no Boca da Onça Ecotour, uma propriedade enorme que inclui a cachoeira da Boca da Onça, a maior do estado com 156m de queda.

O passeio é basicamente uma trilha de 4km, passando por 8 cachoeiras e 4 paradas pra banho. Para os mais corajosos, há a opção de se fazer um rapel de 800m numa plataforma debruçada em cima da mata! Como nós já íamos fazer o rapel do Abismo Anhumas, acabamos não indo.

A trilha é bonita, bem tranquila mesmo pra quem não está lá na melhor forma (só ir devagarinho que você chega lá), e os mergulhos nas cachoeiras são excelentes pra lavar a alma.

Depois que termina a trilha, o almoço é servido na sede da fazenda. Achei a comida direitinha, mas bem menos gostosa que a do Rio da Prata.

Voltamos para Bonito e no fim do dia fizemos o treinamento para o rapel do Abismo Anhumas, obrigatório para todos que vão fazer o passeio.

 

Dia 4 – manhã: Gruta do Lago Azul

O dia começou com a visita à Gruta do Lago Azul, que é uma caverna que possui em seu interior um lago de um azul turquesa impressionante. É uma das maiores cavidades inundadas do planeta e, curiosamente, não se sabe ao certo de onde vem a água (acredita-se que venha de um rio subterrâneo). Esse passeio é basicamente de contemplação. O guia acompanha o grupo, explica um pouco da história e das formações rochosas e depois você tem um tempo para admirar e tirar fotos.

O lugar é lindo demais mas o passeio em si é meio sem graça, além de rápido. Ainda assim, como a Gruta do Lago Azul é o cartão postal de Bonito e de fato a paisagem é bem bacana, acho que deve entrar no roteiro de todo mundo.


Dia 4 – tarde: Lobo Guará Bike

Essa atividade foi uma surpresa muito boa! A idéia do Lobo Guará é explorar Bonito de bicicleta, aprender sobre o local, se divertir e preservar a natureza.  No meio do passeio, o guia (que no nosso caso foi o Márcio, idealizador desse projeto tão bacana) faz uma parada para todos plantarem uma árvore.

Muito legal ver que existem projetos de preservação bacanas por ali e que há a real preocupação com o ambiente. O incentivo para os turistas plantarem essa árvore serve para conscientização de que é preciso cuidar para que possamos continuar aproveitando Bonito no futuro.

Além da pedalada ser muito bacana, achei esse lance da árvore sensacional. Dizem que antes de morrer todo mundo deve fazer três coisas na vida: escrever um livro, plantar uma árvore e ter um filho. Comecei pela árvore!

 

Infelizmente no fim do passeio o tempo começou a mudar e caiu um dilúvio, o que prejudicou um pouco a pedalada de volta.

 

Dia 5 – dia inteiro: Abismo Anhumas

Chegamos ao local onde fica o Abismo de manhã cedo e quando eu vi a altura do buraco por onde teríamos que descer quase tive um AVC – morro de medo de altura e naquele momento só me perguntava o que eu tinha na cabeça pra ter comprado esse passeio.

A cada momento e a cada nova instrução que me davam, mais nervosa eu ia ficando. Só pensava que se eu apertasse forte demais o gancho eu poderia varar lá pra baixo da caverna e me esborrachar no chão (medo é um negócio engraçado, quando fizemos o treinamento eu tirei de letra e aprendi exatamente o que tinha que ser feito, mas na hora mesmo foi tudo diferente).

Beleza, tinha pago uma pequena fortuna pra descer naquele rapel, então engoli o choro e fui.

Foi maravilhoso! Foi só começar a descer que o pânico inicial foi passando e eu consegui aproveitar a emoção de estar entrando num abismo com um lago azul turquesa lá dentro.

O dia estava super nublado, mas segundo um dos guias, dias nublados deixam o interior da caverna ainda mais azul.

Depois da descida, fizemos um passeio de bote no lago, pra ver melhor as formações rochosas. É realmente muito impressionante!

Rapel no Abismo

Além disso, está inclusa uma flutuação, feita com roupa de neoprene e lanterna. Como eu decidi que queria tudo no máximo, não me contentei com a flutuação e resolvi fazer também o mergulho com cilindro lá dentro do abismo.

Assim como na Lagoa Misteriosa, não existem peixes por ali. O mergulho é, portanto, focado em passear pelas formações gigantes debaixo d’água e totalmente no escuro. Dá um nervoso danado só enxergar o que a lanterna ilumina, mas achei incrível. Uma sensação bem diferente dos outros mergulhos que já fiz!

Achei que valeu super a pena e indico muito pra quem curte mergulhar de cilindro. Só tenho um comentário: uiiii que água fria!!! Rsrsrsrs

O rapel no Abismo e o mergulho de cilindro são os passeios mais caros de Bonito, muito porque o acesso é bem limitado e pouquíssimas pessoas fazem essa atividade por dia. O mergulho, por exemplo, é limitado a 4 turistas por dia.

Depois de curtir muito lá embaixo, chegou nossa vez de subir. Que missão!!!! Se descer foi light e tranquilo, subir foi bem cansativo. Mas aos pouquinhos fomos minhocando (já viram como que se sobe na corda? Igual uma minhoquinha mesmo) até a parte de fora do Abismo. A subida toda demorou uns 40 minutos, incluindo o tempo de mini descanso entre uma minhocada e outra.

Foi o meu passeio preferido de Bonito e é dos que tem que ser reservados com maior antecedência.

 

Dia 6 – Flutuação Nascente Azul e Estância Mimosa (cancelados)

Infelizmente, toda a água existente no planeta Terra resolveu cair do céu no nosso último dia de viagem. Tínhamos reservado outro passeio de flutuação, dessa vez na Nascente Azul, e também outro passeio de cachoeira, na Estância Mimosa. Por conta do mau tempo, tivemos que cancelar os dois e antecipar nosso retorno à Campo Grande.

Fiquei bem triste (principalmente pelo azar de pegar mal tempo na melhor época, que teoricamente não chove) mas pelo menos nós já tínhamos feito atividades do mesmo tipo por ali. Em todo caso, fiquei com muita vontade de voltar para fazer esses e outros passeios que acabaram ficando de fora do nosso roteiro.

Nos hospedamos na pousada Girassol, uma pousadinha simples mas com ótimo custo benefício. Pelo que eu vi, não existem super hotéis por ali, e mesmo que existissem, achei que não era bem o clima da viagem ficar em nada luxuoso. Como o custo total dos passeios foi bem salgado ($$$$$ – preços atualizados no site da Bonitour), preferimos optar por uma hospedagem mais em conta.

Em relação à alimentação, me surpreendi positivamente. Comemos super bem na cidade e destaco 3 restaurantes: Pastel Bonito, que serve pastéis delícia de sabores tradicionais e também bastante inusitados (tipo Jacaré), restaurante Tapera, almoço super em conta e uma espetacular carne de vacio (corte da fraldinha à moda do sul, Uruguai e Argentina), e a Casa do João, um restaurante que tem opção para todos os gostos (e tudo maravilhosamente bem servido e bem feitinho). Me lembrou um pouco o Coco Bambu do coração <3. Não deixem de experimentar a Traíra do João, um peixe magnífico! Comemos umas 4 vezes nesse restaurante, de tão gostoso que era.

Amei conhecer Bonito e assumo que fiquei com gostinho de quero mais. Tem tanta coisa linda para visitar que tenho a intenção de voltar em breve.

Apesar de no final não sair barato, achei maravilhosa a experiência de conhecer um pedacinho do Brasil e, principalmente, de ver que apesar de ser um lugar muito explorado pelo turismo, há uma grande preocupação de todos na região em cuidar e preservar a natureza. Vibe boa demais!