Browsing Tag

autoestima

0 em Autoestima/ crônicas/ Destaque/ Relacionamento no dia 17.11.2017

A melhor amiga do namorado

Eu lembro exatamente do dia que peguei antipatia de você. Você já era amiga do meu namorado há tempos, antes mesmo de eu entrar na equação. Mas nunca esqueço aquelas palavras ditas por uma pessoa que nem minha amiga era, justamente naquele momento em que vocês soltaram gargalhadas cheias de cumplicidade depois de alguma piada interna: “nossa, vocês são tão parecidas uma com a outra, né?

Foram ditas daquele jeito enigmático, onde você não consegue julgar se aquela informação está chegando para constatar, elogiar, alertar ou simplesmente jogar lenha na fogueira. Até hoje não sei o objetivo daquela pessoa ao apontar nossas semelhanças, mas se for considerar a expressão corporal e clima que senti na hora – duas coisas tão subjetivas que nunca vou conseguir transcrever – continuo apostando que meu instinto tava certo. “Nossa, como ele foi arranjar uma namorada que é a cara da melhor amiga dele, né?”

Ignorando a existência de uma verdadeira amizade entre homem e mulher – adolescentes, na verdade, tínhamos 17! – passei a te ver como inimiga, competição, o “clone” que queria o que era meu e que ocuparia o meu lugar sem que meu namorado percebesse no primeiro momento que eu desse mole (impressionante as idiotices que a gente pensa quando a competição feminina aflora, né?). E o pior? Passei a te ver como uma versão melhorada de mim.

Nossos cabelos eram muito parecidos, mesma cor, mesmo movimento, mesmo comprimento, mas o seu era sempre mais brilhante e definido. Você não era tão alta quanto eu, mas era bem mais magra, e toda a sua naturalidade ao ficar de biquini nos churrascos da turma ou nos fins de semana na praia destoava com a minha insegurança de fazer o mesmo. Você tirava notas melhores, apresentava trabalhos mais bem elaborados, tinha uma desenvoltura para falar que eu não tinha. Em certos momentos a insegurança era tanta que eu tinha certeza que meu namorado ia acordar um dia e perguntar: “o que eu estou fazendo com você? Me confundi, eu queria ela, vocês são parecidas mas ela é bem melhor”.

Até que meu namoro terminou por outros motivos que nada tiveram a ver com você e aconteceu justamente o que eu temi durante todos esses anos que te considerei meu clone ameaçador: vocês ficaram. Pelo o que eu fiquei sabendo, uma vez. Talvez aquele momento que os amigos confundem os sentimentos. “Com certeza ele fez isso porque ainda não te superou”, minhas amigas me disseram. Acreditei porque era muito conveniente. Acreditei porque fantasiar que você foi o plano B me fez ficar por cima pela primeira vez desde que passei a te encarar como ameaça.

Os anos passaram e outro dia vi uma foto sua no perfil de uma amiga. Fui te fuxicar, a curiosidade falou mais alto. Vi fotos da sua família, do seu filho recém nascido, do sorriso gigante dos pais de primeira viagem, dos amigos cultivados no colégio que estavam todos no seu chá de bebê. Descobri que você e meu ex continuaram tão amigos que ele virou padrinho do seu filho. Aquela cumplicidade que eu enxergava em vocês antes der te sido envenenada continuou, mesmo depois de tantos anos, mesmo depois de 3 anos onde eu tentei afastá-los um do outro. Pela primeira vez consegui te enxergar como você realmente é, e sempre pareceu ser.

ilustra: Marylou Faure (@maryloufaure)

Ah, insegurança, o que você não faz com uma pessoa… Vendo suas fotos eu só queria voltar no tempo, para o exato momento que eu resolvi ouvir aquela mensagem sobre a gente da forma errada e responder: “você acha? Que elogio, porque ela é mesmo um mulherão da porra”.

Conforme contamos aqui, a tag de crônicas não tem nenhuma obrigação de refletir histórias verdadeiras, nossas ou recentes. Ela é inspirada em sentimentos reais e muitas vezes floreada com a imaginação.
19 em Autoestima/ Convidadas/ Juliana Ali no dia 09.11.2017

Será Kim Kardashian realmente empoderada? Eu acho que não.

Em uma conversa com um bando de mulheres incríveis (entre elas, Carla e Jo), eu disse que Kim Kardashian não pode ser considerada um símbolo de empoderamento feminino. Carlota disse: “Ju, por favor, faz esse texto, porque sempre achei Kim muito empoderada. Queria entender.”

Ok, amiga. Este não será um texto muito fácil. Ele me dá um pouco de medo, confesso, porque sei que Kim K tem muitas fãs incondicionais e não quero que pensem que estou aqui tecendo uma crítica. Pois não estou. Acho a Kim linda, divertida, inteligente, estilosa, uma mulher de negócios cheia de timing e talento. Mas antes de começar, vamos ao significado de empoderar: 

“Empoderar é um verbo que se refere ao ato de dar ou conceder poder para si próprio ou para outrem.

O ato de empoderar é considerado uma atitude social que consiste na conscientização dos variados grupos sociais, principalmente as minorias, sobre a importância do seu posicionamento e visibilidade como meio para lutar por seus direitos.

Um dos atos de empoderar mais conhecido é o empoderamento feminino, ou seja, quando há a conscientização das mulheres de reivindicarem socialmente por igualdades de direito entre os diferentes gêneros.

Entre alguns dos principais sinônimos de empoderar estão: dar poder, conceder poder, dar autoridade, investir autoridade, dar autonomia, habilitar, desenvolver capacidades, promover, promover influência, afirmação, entre outros.”*

Empoderamento feminino, então, é não apenas tomar o poder para si, como também ser um exemplo para as mulheres que cercam a gente, certo? E reivindicar por direitos iguais aos dos homens. Que, hoje em dia, estamos longe de ter ainda.

Outro dia aconteceu o concurso para eleger a Miss Peru 2017 e – tenho certeza de que você ouviu falar – as concorrentes citaram dados sobre feminicídio ao invés de suas medidas corporais. 

Pensa comigo: Estas candidatas a miss, por mais bem intencionadas que fossem, estavam tomando o poder para si? Estavam influenciando outras mulheres a serem empoderadas? Em um concurso onde competem para ver quem está MAIS DENTRO DO PADRÃO DE BELEZA imposto pela sociedade patriarcal?

Esses concursos costumam ser patrocinados por grandes empresas comandadas por homens que ganham dinheiro em cima de competição feminina, restrição alimentar, padrões de beleza difíceis de atingir. É uma contradição clara.

É como um cara que foi preso por roubar um carro gritar lá de dentro da cadeia: “Esses políticos brasileiros são uns corruptos safados!!!”. Bem, o ladrão na cadeia não está falando bobagem. Os políticos brasileiros são mesmo, em geral, corruptos safados. E o preso não roubou nossos impostos, roubou um carro. Mas, ainda assim, é um ladrão. Não faz muito sentido porque o cara não é um bom exemplo de honestidade, não é mesmo?

Aí entramos na Kim. Ela é como uma das misses. Apesar de ser uma mulher de sucesso (exemplo de empresária então, sem dúvida), é uma pessoa que está o tempo todo tentando se encaixar em um padrão. E isso é o oposto do empoderamento. Kim botou bunda, peito, afinou cintura, fez altas lipos, está sempre em cima do salto, roupas caríssimas, sensuais, cabelo alisado, etc etc.

Ei Ju, peraí! Feminismo não é meu corpo minhas regras?? Não é deixar a mulher fazer o que quiser?? Claro, mas precisamos refletir, pois é BEM mais que isso (talvez, em outro post, eu consiga falar mais sobre isso).

Não existe absolutamente nada de errado em se montar e em fazer plásticas e em alisar o cabelo e em querer parecer o mais gostosa possível. Nada.

No entanto, ao observar uma mulher fazendo isso – ou ao fazermos isso nós mesmas – temos que estar cientes de que o fazemos por pura influência de padrões impostos pela sociedade, que é PATRIARCAL. Não fomos nós que escolhemos essa montação toda.

“Ah, Ju, eu escolhi sim. AMO estar maquiada, linda e arrumada.” Entendo. Tudo certo em amar. Mas, embora pareça uma escolha consciente, não é. Quem te disse que tudo isso é lindo foram as revistas, os filmes, a televisão, sua mãe, suas amigas, sua escola e… a Kim Kardashian. Entre muitas outras mulheres famosas, claro.

Foto do ensaio Impression de Justin Bartels, que questiona o desconforto nas peças que usamos no dia a dia.

E isso desde que somos crianças, a vida toda, por isso pode parecer “uma escolha pessoal”, de tão condicionadas que estamos. E sabe quem sempre controlou a TV, o cinema, as revistas de moda, sua escola, e tudo o que nos cerca? Pois é. Os homens. Desde que mundo é mundo.

Então não, Kim não é um exemplo de empoderamento feminino. Ela é um exemplo de vítima da sociedade patriarcal, que coloca a BELEZA antes de muita, muita coisa. Mulher tem que ser bonita, eles dizem. E se não for? Que que tem? Eu não acho que mulher tem que ser bonita. Não acho que mulher TEM QUE SER. Ponto.

Só que estamos todas em estágios diferentes de desconstrução, e esse processo é bem longo e árduo. Tem meninas que conseguiram abrir mão da depilação. Eu ainda não cheguei nesse nível, não dou conta, nem sei se darei um dia, até porque esse processo de desconstruir-se não é uma competição para ver quem vai chegar primeiro na linha da “”””””desconstruidona”””””””.  Por outro lado, tem meninas que não conseguiram abrir mão nem dos cílios postiços. E TUDO BEM. Tranquilo. Estamos todas aprendendo. Eu, você, Kim Kardashian.

O importante é – mesmo que você ame a Kim e ame mais ainda um saltão daqueles (mas que você sente que te dexa liiiiiinda, então vale a pena) – saber de onde vem essas nossas “vontades”. Entender que são imposições sociais. Não são símbolos de empoderamento e, muito menos, de autoestima.

4 em Autoestima/ Destaque/ Looks/ Moda no dia 07.11.2017

Look da Jô: peitos soltos, livres e não tão em pé!

E tá tudo bem…

macacão Karamello | colar vício da Francisca Joias 

Aos 28 anos eu me vi bonita pela primeira vez, comecei a entender de fato que eu era “gostosa” e curtir a maneira legal como eu vinha me vendo. Não foi um processo fácil, tampouco proveniente de frases motivacionais. Isso foi consequência de algum tempo em uma terapia certa pra mim, o caminho da terapeuta transpessoal me levou ao autoconhecimento de uma forma bacana, que aos poucos foi me deixando segura e me ajudando a fixar o olhar naquilo que eu gostava mais em mim tanto no corpo quanto no comportamento e na essência mesmo. Tudo entrou na conta, não era apenas sobre se sentir bonita, era sobre se sentir BEM de uma forma geral.

Nesse contexto comecei a aplicar o olhar mais amoroso e acolhedor com meu corpo, o que pra alguém com histórico de transtorno alimentar foi um ganho inimaginável. Eu me peguei ali curtindo as coisas que eu tinha de mais bonitas (a meu ver): pernas, bunda, cabelo, altura e outras coisas que falavam mais alto do que dobrinhas de gordura localizada ou o nariz que foge do padrão de beleza feminino e delicado que tanto vemos por aí. Aos poucos eu estava ali, vendo o que eu tinha de mais bonito e bacana, alimentando isso.

Foi 100% natural que todas as pessoas começassem a falar que eu nunca tinha estado tão bonita, era genuíno, era verdade e eu me sentia assim. Era vindo de amiga, de crush e de leitora, todo mundo falando e eu finalmente acreditando, afinal era o que eu via. Não foi fácil, não soluciona todos os problemas da vida, mas foi bom. Não posso negar que foi preenchedor me sentir bonita, inteligente e segura de quem eu sou.

Só que como eu digo sempre, não é um passe de mágica, não acontece de uma hora pra outra e também não abrange tudo. Se você perguntar se eu acho meu nariz lindo eu direi que não sei te responder agora, afinal eu cresci “sabendo” que ele era inadequado, então eu acho que ele é meu, faz parte de quem eu sou e quando eu tirei o meu holofote imaginário dele, ele se transformou “apenas em um nariz”. Ele não era real causador de nenhuma rejeição, era tudo coisa da minha cabeça, não do meu corpo. No entanto, minha luta não é para me obrigar a amar aquilo que não aprecio. Meu objetivo no meu processo é apenas me libertar, não sou obrigada a amar nada, mas não quero que nenhuma crença construída sobre meu corpo ou minha vida me aprisione.

Foi basicamente assim que aos poucos fui me libertando as crenças limitantes que eu nutria sobre meus peitos. Ao só ver mamilos pequenos e “perfeitos” à minha volta na midia, passei a achar os meus estranhos. Eu era do tipo de pessoa que sonhava em reduzir os mamilos até pouco tempo atrás, imaginem só (e nunca tinha falado isso pra ninguém, imaginem só de novo).

Não posso dizer em um minuto passei a achar meu peito super bonito, seria mentira. No entanto aos poucos comecei a achar ele bem mais bonito do que eu via antes, um pouco mais pra baixo do que eu “gostaria”, do que a sociedade ensina por “bonito” ou “perfeito”, mas eu comecei a olhar num olhar positivo até pra ele, conseguindo gostar cada vez mais.  O curioso é que mesmo achando ele caído aos poucos eu já vinha num processo de sair sem sutiã quando o “look pedia isso”, é engraçado como mesmo não achando ele PERFEITO eu já não me via com tanto medo do julgamento e preferia olhar de uma forma geral que se aquele decote me fazia sentir poderosa e ali não cabia sutiã, eu ia sem.

Macacão Karamello (Rio Sul) | bolsa Dolce e Gabbana | colar (bbb) Francisca Joias

Aos poucos eu vou descobrindo que eu adoro o sutiã porque ele é um item de moda que me faz sentir bonita, que me traz conforto em alguns looks e produções, mas ele já não é mais uma prisão. Se eu precisar ir sem, vou sem e vou feliz. Usar porque quero e não porque preciso é uma espécie de liberdade da qual eu gosto muito, me faz sentir ainda mais segura de mim. 

Quando me vi com esse macacão, sem sutiã e com os peitos soltos, me senti forte, bonita e consciente de mim. Se não achassem bonito, tudo bem, é apenas o olhar do outro, no meu olhar tudo estava bem. Eu não precisava gostar do meu peito, mas fato é que com tantas mudanças eu estou começando a ver o que ele tem de melhor e hoje, ao invés de te dizer 10 coisas que eu não gosto nele, diria apenas que gostaria que ele fosse mais em pé. O que eu quero fazer pra mudar isso, por enquanto eu não sei. Nem sei se de fato quero mudar isso um dia. Tá tudo bem. Eu estou me curtindo assim.

Aos poucos percebo que atraímos mesmo o que vibramos porque parece que me cerco de seres humanos que notam as mesmas coisas positivas que eu noto, e cada dia fica mais claro que julgamentos negativos têm mais a ver com as crenças limitantes da pessoa do que sobre mim. Isso tem a ver com liberdade genuína, isso tem a ver com segurança de sermos quem somos e com o autoconhecimento como ferramenta de busca de felicidade. 

Eu não sei vocês, mas eu vim aqui pra ser feliz e, pra mim, ser feliz implica em ser livre. 

Beijos



fotos: Luiza Ferraz