papo sobre Autoestima

produtos que Amamos

inspire-se nessas Viagens

0 em Beleza/ Cabelo/ Patrocinador no dia 16.08.2018

Como cuidar dos cabelos na piscina?

Você achou que os posts sobre o fim de semana do papo tinham acabado? Não, não acabaram não. Hoje vamos falar para vocês sobre alguns dos finalizadores de cabelo que mais fazem sucesso quando o assunto é piscina, praia e/ou sol. Nós e algumas amigas que foram para nosso fim de semana do papo com a Bio Extratus separamos pra vocês algumas boas opções para investir nessas horas de lazer onde queremos nadar relaxadas, sem medo de como nosso cabelo vai secar depois.

todas-juntas

Nessa foto nós e as meninas separamos alguns dos produtos que já curtimos muito para usar na piscina!

Carla Paredes & o finalizador Pós química

carla

“Nesses quase 5 anos trabalhando, experimentando, indicando os produtos da Bio Extratus e recebendo o feedback das leitoras sobre eles, acho que nunca vi linha mais democrática que a pós química! Por isso, para o #paponapiscina desse ano, nem pensei duas vezes em escolher o finalizador dessa família. O abacate é hidrorreparador, a jojoba é hidratante e, além disso, ele tem protetor solar e termoprotetor. Praticamente um escudo protetor contra todos os fatores externos que podem danificar os fios. Quem nunca usou, pode experimentar sem medo de ser feliz. Aqui no futi a linha é quase sempre unanimidade”.

Joana Cannabrava & o creme silicone com tutano

tutano

“Para o #paponapiscina de 2018 eu resolvi usar o creme silicone com Tutano. Usei ele pela primeira vez numa viagem de piscina que fiz com a marca e descobri os benefícios desse produto na piscina. Ele é o creme queridinho de muitas quando o assunto é verão, mar, sombra e água fresca, na praia e na piscina. Ele protege o fio da água salgada, do cloro e principalmente do sol, porque contém filtro solar – ponto positivo e importante. Eu achei que os cabelos ficaram super bonitos secando com ele, mas mais do que isso, ficaram protegidos dos danos causados por agentes externos. Desde poluição, poeira, vento e sol. O cabelo é como a pele e precisa de cuidados desse tipo diariamente pra garantirmos a melhor qualidade e saúde do fio.”

Ana Lu & o finalizador Botica Camomila

botica-camomila

Sempre que vou à praia ou a piscina, gosto de usar o finalizador e demais produtos da Botica Camomila. Por ter descolorido e tonalizado os fios de loiro, sinto que os ativos dessa linha reavivam meu tom e o deixa bem mais natural. Além disso, ele possui fator de proteção solar, indispensável nessas ocasiões. O cheirinho também é delicioso!

Karen & o finalizador QueravitQueravit

Pegar um sol e um bronze é tudo de bom. Mas temos que tomar alguns cuidados não é mesmo?! Meu cabelo por exemplo, com as luzes, acabam ficando muito sensível em contato com o sol e o cloro da piscina que oxida a cor e enfraquece mais os cabelos. Nessas horas eu faço questão de usar o finalizador da Linha Queravit da BIO EXTRATUS. Assim como a pele precisa de protetor solar, os cabelos também precisam. O finalizador Queravit contém filtro solar para protegê-ló dos raios do sol, além disso, na sua fórmula, contém ativos que restauram e protegem os fios dos efeitos nocivos da poluição do ar e do cloro da água.
Uso sempre antes e logo após sair da piscina para repor o creme que a água tirou, ajuda a desembaraçar e deixa meus cabelos hidratados, macios e protegidos enquanto eu pego um bronzeado. Claro que no final de um lindo dia de sol eu continuo cuidando dos cabelos com os outros produtos da linha Queravit, para reconstruir e renovar os fios depois de um dia inteiro em exposição.  Ainda bem que temos produtos ótimos para cuidar da nossa cabeleira. Não vá me deixar de curtir um dia de sol delicioso por medo de estragar o cabelo!!

Andreza Goulart & o força com pimenta

De

“Você passa protetor solar no seu cabelo? Sim, seus cabelos também merecem esse cuidado e todos os finalizadores da Bio Extratus tem protetor solar! Para o dia do #PapoSobreAutoestima na piscina escolhi o finalizador da linha Força com Pimenta e para desembaraçar a minha amada escova Michel Mercier, uma combinação perfeita pra piscina.”

Ju Lopes & o finalizador Nutri Cachos

nutri-cachos

“Meu finalizador foi o Nutri Cachos, ele foi meu escolhido pro #PapoNaPiscina! Ah, e a escova verde foi junto pra fazer par! Ela é super boa, desembaraça sem quebrar, e tem pra fios mais finos, normais e mais grossos. Na minha opinião pra se expor ao sol tem que usar finalizador com proteção solar, não tem pra onde correr! O sol danifica demais os fios, e isso inclui muito mais que desbotamento, são danos na estrutura do fio mesmo. E, ó que coisa boa, todos os finalizadores  Bio Extratus têm proteção solar! E pra cada cabelo tem um finalizador adequado, é só procurar o que se adeque mais ao seu.”

Maraisa Fidelis e seus cuidados com as tranças

mara

Maraísa está com tranças no cabelo e por isso seus cuidados com a piscina não são com os finalizadores, apesar de ela contar que sempre usou muito o da linha Botica Cachos Perfeitos. No entanto aproveitamos o ritmo das tranças pra ela contar pra nós como cuida das pontas no caso desse seu novo visual:

“Meu cabelo é crespo e há mais de um mês estou com tranças. É uma opção prática para que tem a vida corrida, mas mesmo assim exige cuidados! Gosto de alinhar os fios usando Sillitan, uma pomada modeladora que tem silicone e tutano na composição. Faz com que as tranças fiquem bem bonitas e sem frizz. Após um banho de piscina, lavo com o shampoo da linha Detox. Preciso tirar o cloro e a oleosidade da raiz; então concentro minha massagem nessa região. Depois, deixo a espuma agir no comprimento e pontas. Para secar indico o sol. Mas se estiver com pressa, pode passar secador!”

Deu pra ver que diferentes cabelos gostam de diferentes produtos né? Essas são algumas das alternativas de finalizadores de Bio Extratus que combinam com piscina, praia, sombra e água fresca. Alguns dos produtos ajudam a proteger do sol, da poluição e de outros fatores externos, mas no fim a gente confessa que adora o resultado do cabelo bem bonito, finalizado com o produto que o cabelo gosta, mesmo na piscina.

0 em Autoconhecimento/ Autoestima no dia 15.08.2018

Não vamos deixar as palavras martelarem na nossa cabeça

Todo mundo tem aquela pessoa que entra na nossa cabeça. Aquela que, por mais que a gente não queira, que a gente saiba que o que dizem não é verdade, que a gente tente não levar em consideração aquilo que falam, não conseguimos evitar que as palavras fiquem ecoando na nossa cabeça. Pode ser sua mãe, uma amiga, seu irmão. Tenho certeza que cada pessoa que está lendo esse texto agora está pensando em alguém em específico.

Querendo ou não, de alguma forma, a gente está sempre buscando validar nossas escolhas. Por mais certeza que a gente tenha delas, no fundo (as vezes nem tão no fundo assim), a gente quer ser aprovada por elas. E aí que mora o perigo, pois as nossas escolhas, justamente por serem nossas, muitas vezes vão de encontro ao que outras pessoas pensam e até sobre o que projetam sobre a gente. É nesse momento que vem o “por que você não faz uma dieta? Ia arrumar logo um namorado”, “você deveria sair desse emprego, você não tem tempo pra nada”, “Já pensou em reduzir os seios? Você ia ficar linda!”, entre tantas outras frases que são quase um clichê de tão repetidas em tantas situações diferentes. 

ilustra: mari andrew tradução: - "Uma coisa legal aconteceu comigo hoje!"  - "Bem, primeiro eu vou te parabenizar de forma meio hesitante, talvez eu te ofereça comentários ambiguos que momentariamente farão com que eu me sinta bem com o seu sucesso. Então eu te deixarei com uma frase como "boa sorte" que vai fazer você se questionar sobre a nossa interação o resto do dia.

ilustra: mari andrew
tradução: – “Uma coisa legal aconteceu comigo hoje!”
– “Bem, primeiro eu vou te parabenizar de forma meio hesitante, talvez eu te ofereça comentários ambiguos que momentariamente farão com que eu me sinta bem com o seu sucesso. Então eu te deixarei com uma frase como “boa sorte” que vai fazer você se questionar sobre a nossa interação o resto do dia.

Tenho certeza que muitas dessas sugestões não são feitas por maldade e sei que essas pessoas com certeza te amam e se preocupam com você. Querem a sua felicidade. O problema é que muitas não entendem que as palavras têm poder. E não entendem que uma frase dessas – que costuma dizer muito mais sobre quem falou do que quem ouviu –  pode desencadear um gatilho, se tornar razão de muitos problemas, inclusive abalos sérios na autoestima. É desse tipo de relação que nasce a sensação de nunca ser boa ou adequada o suficiente. É daí que aprendemos a perder um pouco da nossa capacidade de nos valorizar. E como fazemos para não deixar que a opinião alheia não nos abale? Sinto bater na mesma tecla que as meninas aqui, mas não tem outra saída: se conhecendo. 

Quando a gente se conhece e tem consciência de quem somos, ficamos firmes o bastante para conviver com essas pessoas que deixam a marca das suas palavras na gente. É quando entendemos o nosso valor que essas palavras deixam de ter poder sobre os nossos pensamentos. Quando aprendemos que existem limites que o outro não pode ultrapassar que achamos força para impor o limite do outro sobre a nossa vida. Basicamente, quando aprendemos de fato a reconhecer nosso valor e aceitamos quem somos é que vamos automaticamente entender o que merecemos. E ninguém merece que o julgamento do outro controle as nossas decisões e pensamentos.

Mais importante do que saber se posicionar para que não se metam além do que permitimos na nossa vida, é não deixarmos o que as pessoas dizem definirem quem somos ou como devemos nos sentir e agir. Não deixar que entrem na nossa cabeça e ali fiquem com suas ideias e conceitos que só nos magoam e fazem questionarmos nossas capacidades. Não é simples, mas à medida que o amor próprio vai crescendo, esse controle fica muito mais fácil.

0 em Comportamento/ Destaque/ maternidade no dia 15.08.2018

Calma, respira

Quer um saquinho de vômito? Não pra vomitar (mas se quiser, também serve), te ofereci ele só pra você fazer uma respiração ritmada para botar os ponteiros no lugar novamente, por mais que você saiba que eles não ficarão muito tempo ajustados.

Sei bem o que você está passando e sei que tá dificil achar seu lugar no mundo novamente. Você é mãe, mas você é tão mais. Só que infelizmente você não vai conseguir enxergar isso agora, a não ser que você tenha achado na maternidade a sua vocação de vida (o que eu imagino que não tenha sido seu caso se você está aqui lendo esse texto). E tá tudo bem não ser, viu? Isso não quer dizer que você ame menos essa pessoinha que está aí nos seus braços.

Sei exatamente a sensação frustrante que acontece quando, ali no meio do turbilhão, você tem vislumbres de quem você era antes da maternidade, e de repente se vê nutrindo a esperança que você vai conseguir voltar a ser a mesma pessoa de antes. E aí vem o bebê, em toda a sua imprevisibilidade e te puxa para o aqui e agora, te lembrando que aquele seu eu não tem como aparecer agora para te confortar. Por mais que você consiga momentos de respiro, parece que queremos sempre mais, que não foi o suficiente. Ninguém prepara a gente para essa luta interna que travamos conosco. E ela é dolorosa, parece um band aid que quanto mais a gente demora para tirar e aceitar, mais difícil e dolorido fica.

BEBE-MATERNIDADE

Quisera eu conseguir chegar pra você e falar: calma, vai passar, quando você menos esperar tudo vai se ajustar. Aliás, nem espere de mim um “vai passar” porque só eu sei o quanto isso só me deu mais ansiedade.

Quisera eu dizer pra você que quanto mais cedo você entender toda a mudança na sua vida, mais fácil fica para curtir as belezas da maternidade. De fato é isso que acontece mesmo, mas eu sei que essa chavinha nem sempre vira no meio do furacão. E as vezes, na pressão de tentar fazer as coisas ficarem mais claras, é aí que ela emperra de vez.

Não consigo te dar nenhuma dica porque no meu caso demorou MUITO. 1 ano e meio pra ser exata. Nessa época, com um filho de 2 meses, eu estava angustiada e um tanto perdida. Não tinha ideia quem eu era, cheguei até a fazer uma tatuagem no lugar mais visível de todos (todas as minhas outras são escondidas porque meu maior medo era cansar de olhar todo dia para elas), justamente porque foi a forma que eu encontrei de tentar me achar no meio daquela sensação esquisita de não saber quem eu era mais. Sentia um misto de felicidade com tédio, amadurecimento com injustiça. Ah, e culpa, claro. Afinal, aos olhos dos outros era um absurdo eu estar me sentindo assim. E foi com os olhos dos outros que eu me enxerguei por um tempo, e isso só deixou minha luta ainda mais lenta e dolorida.

Quando tudo estava entrando nos eixos, lá fui eu me mudar de país para viver a maternidade da forma mais intensa por dia: mãe que fica em casa. Não foi intencional, claro, foi apenas uma decisão tomada com toda a consciência do mundo mas que mesmo assim não me impediu de sentir tudo aquilo que eu tinha sentido anteriormente. A perda do tempo, da liberdade, da própria identidade – que por mais que eu lutasse para não perdê-la, me fazia gastar um tempo e energia absurdos para conseguir isso. E essa fase foi bem mais demorada para passar.

Hoje não tenho vergonha de admitir que passei a lutar contra mim exatamente no momento que o Arthur entrou na escolinha e eu pude arrumar tempo para botar minhas ideias no lugar. Foi ali, tendo um tempo para mim e podendo dedicar um verdadeiro tempo de qualidade para ele que eu consegui mensurar e descobrir as delícias da maternidade. Aquela que todo mundo falava e eu me achava estranhíssima por não conseguir enxergar.

Queria te dar um conselho mais certeiro, mas a verdade é que eu não consigo.

Pode ser que você passe a aceitar a maternidade de forma mais leve quando seu filho passar a interagir mais contigo. Pode ser que você só descubra que realmente gosta de ser mãe quando conseguir ter um tempo para você. Pode até ser que você conclua que ser mãe não é algo que você genuinamente goste (e mais uma vez, não gostar de ser mãe nada tem a ver com não amar seus filhos). Mas enquanto essa resposta não vem, só posso te dizer: respira.