Você está navegando na categoria: "Viagem"

14
nov
2016

Destino Lua-de-Mel: Polinésia Francesa, um pulinho no Tahiti!

Polinésia Francesa, Viagem

Olá! Eu sou a Aline, uma das melhores amigas da Jô há mais de 15 anos. Acredito que posso dizer que nós temos uma boa quilometragem rodada: já estivemos juntas em 14 países, em 3 continentes diferentes. Além desses todos que fomos juntas, já estive em mais um montão de lugares legais e os planos não param.

Eu diria que se tem uma palavra que me define é “wanderlust”: aquele que tem uma vontade e um desejo incontrolável de viajar. É uma coisa que beira até a neurose, daquelas que não saem da sua cabeça em nenhum momento. É estar no avião voltando de algum lugar já pensando qual o próximo destino. Alguém se identifica?

Deu pra perceber que essa coisa de viagem é séria pra mim, né? 

Já que eu viajo bastante, pesquiso bastante e sou bastante sincera, fui convidada pra escrever alguns posts pro Futi e aceitei o desafio! Escrevi dois posts no passado (um sobre Londres e o outro sobre Los Roques) e espero poder compartilhar um pouco mais das minhas dicas com vocês. Espero que vocês gostem das minhas experiências!

Vamos começar com meu destino de lua-de-mel? Polinésia Francesa!

Tahiti

Tahiti

 

Um dos destinos mais exóticos e mais cobiçados para lua-de-mel é sem dúvida o Tahiti. Mas o Tahiti, jura?

Deixa eu explicar. Muita gente confunde o Tahiti com a Polinésia Francesa, e isso, sem os devidos esclarecimentos, pode acabar arruinando a tão sonhada viagem de lua-de-mel.

O Tahiti nada mais é do que a ilha principal da Polinésia Francesa, um arquipélago com 118 ilhotas no meio do Oceano Pacífico.

moorea

Moorea

 

Tá, e daí?

E daí que de longe o Tahiti é a menos interessante dessas ilhas. Se ligou no tamanho da confusão?

As ilhas turísticas mais famosas, além do próprio Tahiti, são Bora Bora e Moorea, mas além delas ainda existem várias outras bem interessantes como Rangiroa, Taha’a, Huahine e Tikehau.

aline-6

Bora Bora

 

Como o Tahiti é a principal, é lá que está o aeroporto internacional (Papeete – PPT), e é lá que você pega os vôos domesticos para as outras ilhas.

Mas como você chega lá?

Como eu falei, a Polinésia Francesa está no meio do Pacífico, sendo a rota mais curta para quem sai do Brasil a que vai pelo Chile, com a LATAM. A parte negativa desse vôo é que sua frequência é semanal, tirando bastante a flexibilidade de quantos dias você vai poder ficar por lá.

Eu fui de Los Angeles para a Polinésia com a Air France, em um vôo direto de 8 horas (se eu não me engano esse vôo tinha frequência diária saindo de LAX). Além da Air France, existe outra companhia que oferece o mesmo vôo, a Air Tahiti Nui.

E quando ir?

Em tese, a melhor época para ir vai de maio a agosto – os meses mais secos e também mais caros.

Eu fui em novembro e peguei tempo bom. De fato peguei um pouquinho de chuva, mas nada que durasse mais do que 15 minutos e/ou estragasse a viagem. Parece que lá sempre que chove passa rápido.

A vantagem de ir na baixa temporada é que os hotéis podem fazer promoções, oferecendo quartos a preços mais amigos e/ou upgrades de categoria.

Em resumo, vá quando você puder! O tempo lá é bom sempre, a água é sempre quente e o cenário vai ser sempre lindo de morrer.

É caro?

É, bastante. Por isso é fundamental o planejamento de que ilhas conhecer, quantos dias ficar e o que fazer por lá, pra sair tudo perfeito e valer cada centavo.

Aqui tenho uma dica de ouro: contrate um agente de viagens. Pode parecer maluquice, mas acredite se quiser: sai mais em conta se você fechar com uma agência do que se fizer tudo por conta própria. Eu usei a Tatiana do EasyTahiti (tatiana.meunier@easytahiti.com), uma agência local super bem recomendada e só tenho elogios a fazer. A Tatiana foi uma fofa do início ao fim, me ajudou a montar meu roteiro personalizado do jeito que eu queria, organizou hotéis, vôos internos e atividades e isso tudo ainda saiu por um precinho mais camarada. Ah, e ela ainda arranha no Português. Indico de olhos fechados!

Eu fui pra Polinésia com meu marido (oi Dani!) em 2014 em nossa late honeymoon. Pois é, nós casamos meio rápido e a tão sonhada viagem de lua-de-mel acabou só acontecendo dois anos depois.

Nosso roteiro foi: 2 noites em Moorea, 4 noites em Bora Bora, 3 noites em Rangiroa e 1 noite no Tahiti.

Espera, mas você não disse que o Tahiti não é legal?

Não, eu disse que o Tahiti é a menos legal das ilhas e portanto você não deve ficar lá vários dias, mas provavelmente você não vai ter como fugir de dormir pelo menos 1 noite lá por causa dos horários dos voos (algumas pessoas tem que dormir na primeira noite, eu tive que dormir na última). Mas isso eu explico com calma depois.

Moorea

 

aline-9aline-11
Bora Bora

aline-7 aline-5

Rangiroa

aline-13 aline-2 aline-8

Tahiti

aline-1 aline-10

Vou contar um pouquinho de cada ilha nos próximos posts, não percam.

banner-aline

3
nov
2016

Rio de Janeiro: Pici Trattoria

Gastronomia, rio de janeiro, Viagem

Há alguns dias eu sai para jantar com uma amiga de Minas Gerais e ela me falou que queria ir na Pici Trattoria, um Italiano em Ipanema que tinha uma pegada que ela gosta (de produtos frescos, naturais e de qualidade). Eu disse que nunca tinha ouvido falar, mas como ela sempre tem boas dicas topei a ideia na hora. Na verdade eu só queria matar a saudade, mas gostei tanto do programa e do restaurante que resolvi que ele valia esse post.

Nossa trattoria é repleta de surpresas e detalhes! Estamos abertos #italiansdoitbetter #Pici

A photo posted by Pici Trattoria (@picitrattoria) on

O restaurante não me convidou, eu não degustei tudo que podia e muito menos pedi todas as entradas do que gostaria, mesmo assim, achei que já valia falar dele. O Rio é carente de restaurantes que te cativam pelo prato, esse me pegou pelo estômago, ainda bem!

Nós fomos jantar lá num sábado a noite. Marcamos de chegar as nove e meia, o que nos fez esperar mais de uma hora pra sentar, mesmo assim, como a saudade da amiga era muita, achei que estava tudo bem. Não fazia diferença, nesse dia não era importante sentar correndo.

A primeira entrada não teve tempo de ser fotografada, era um tipo de queijo com presunto de parma que roubou meu coração e ligou meu sinal de alerta. Em seguida a brusqueta pousou na mesa e eu resolvi fotografar, ali me ocorreu que a experiência poderia render algum post. Tudo superou toda e qualquer expectativa, por isso estou rezando para arrumar uma desculpa para voltar lá.

pici-trattoria-entrada

Minha tão amada Praça Nossa Senhora da Paz ganhou um novo empreendimento que terá muita da minha atenção, o restaurante fica na Barão da Torre, acho eu que no lugar do antigo Informal.

Depois que eu saquei que o restaurante não estava cheio a toa me dediquei muito a escolher bem meu prato principal, depois de trocar figurinha com nosso garçom, eu decidi.

Nossa mesa tinham 6 pessoas, podíamos ter provado 6 pratos diferentes, mas todo mundo escolheu entre 3 opções, a maioria foi de Carbonara, teve a massa da casa Pici e eu e a Bela escolhemos o nhoque. Todos os pratos arrancaram suspiros, ninguém pediu mal. Os elogios e sorrisos eram proporcionais a alegria da mesa.

O nhoque foi tão diferente do habitual, ao mesmo tempo perfeitamente gostoso. A massa dele é feita no restaurante, o molho é pesto de manjericão e vem com uma burrata no meio. Divino, de comer rezando.

pici-trattoria-2

Eu tenho feito o exercício de comer com calma para aproveitar cada garfada, mas não fui totalmente eficiente dessa vez. Me apaixonei pelo prato e nem percebi a velocidade em que comi.

pici-trattoria

Para finalizar eu e a Bela dividimos uma Palha Italiana “destroyed” que também valeu cada caloria. Ela era zero óbvia, mas maravilhosa, desde a textura aos sabores misturados.

Pici, obrigada por ter vindo se juntar a minha restrita lista de restaurantes italianos muito bons do Rio. <3 Espero voltar logo.

Para quem quiser seguir o instagram deles e acompanhar as novidades, é @PiciTrattoria

Vocês já conhecem? Se sim me contem caso recomendem algum prato!

Beijos

banner-snap

2
nov
2016

#futiemnyc: Um dia em Williamsburg

Estados Unidos, Futi em NYC, NYC

Apesar do DUMBO ser o lugar preferido de quem quer cruzar a ponte e conhecer o Brooklyn, Williamsburg também é bem cotado. Eu sou suspeita porque estou amando morar nessa área! Não é o lugar mais charmoso de NY mas é uma delícia e cheio de restaurantes, bares, lojas legais, feirinhas e o melhor, do lado de Manhattan mas sem toda a barulheira da ilha principal. E o melhor, está em expansão constante, toda hora tem alguma novidade abrindo por aqui!

Pensando nisso, pensei em separar algumas dicas para quem estiver pensando em tirar um dia – ou algumas horas – para conhecer o bairro!

Dá para chegar aqui tanto de metrô (linha L – Estação Bedford Av.) ou pela barca East River Ferry, que custa 4 dólares e dá para pegar tanto no Pier 11 quanto na 35th st. É só saltar em North Williamsburg e explorar a vizinhança!

Começando por comidas, Williamsburg tem a famosa feira gastronômica Smorgasburg. Ela funciona de abril até meados de outubro e conta com comidas de vários lugares do mundo e algumas tendências culinárias como, por exemplo, o tal hamburguer de miojo (sim, ao invés de pão temos miojo) e a batata frita trufada que a Jô e a Mandy mostraram nesse post. Lá também tem o ice cream sandwich que eu falei aqui e ainda não consegui provar, mas paciência, vai ficar pro ano que vem! rs

antica-pesa

Se você não tem muita vontade de feira, por aqui também tem ótimos restaurantes italianos! Eu cito 3 que gosto bastante, em ordem de preferência: Antica Pesa, Aurora e D.O.C. Wine Bar. O Aurora já foi post e o Antica Pesa (Berry St – entre N7th e N8th) precisa aparecer por aqui em algum momento (como ele só funciona para jantar, nunca consegui tirar uma foto boa da comida) porque é delicioso – o spaghetti cacio & pepe é o melhor que eu já comi! Volta e meia o dono de lá, o Francesco Panella, posta uma foto com alguma celebridade que apareceu no restaurante daqui ou no de Roma. Eu ainda não dei essa sorte! O D.O.C. (esquina de N7th com Wythe St) também é de italianos e abre apenas para jantar, a comida é ótima e o ambiente é bem aconchegante.

williamsburg4

Se você preferir pizzas, duas dicas completamente diferentes: o Acqua Santa (N 7th entre Bedford Av e Driggs Av) tem pasta mas as pizzas me impressionaram, todas – absolutamente TODAS – são maravilhosas. Massa crocante e recheios super saborosos. A entrada que mais amo é a bruschetta de pizzeta, que nada mais é que uma bruschetta na massa crocante da pizza, DIVINA. A outra pizzaria famosa de lá é a Joe’s Pizza (Bedford Av. esquina com N4th), mas é esquema de pizza fast food, sem muitos recheios e fatias gigantes.

Rooftop charmoso do Juliette, ótimo para dias lindos! | Foto: @juliettebkny

Rooftop charmoso do Juliette, ótimo para dias lindos! | Foto: @juliettebkny

 

Outras sugestões gastronômicas que são ótimas: Williamsburg Thai, tailandês honesto e saboroso (na Bedford Av entre N5th e N6th); Devocion, um café super charmoso cheio de doces maravilhosos (Grand St entre Kent Av. e Wythe Av.); sorveteria Van Leuween, depois que eu conheci essa sorveteria nunca mais quis outro sorvete, principalmente depois que eu experimentei o exótico sabor de Matcha Green Tea (esquina da Wythe Av. com N5th); Umami Burger, hamburgueria deliciosa (N4th entre a Bedford Av. e a Driggs Av); Sweetgreens para quem quer comer light, estilo monte sua salada e com opções muito gostosas. A Kale Ceaser Salad de lá é de comer rezando (do lado do Umami Burger); O Juliette é ótimo para brunch, ambiente aconchegante e comida super gostosa (N5th entre Berry St. e Bedford Av).

Vou parar por aqui porque senão vocês vão achar que só vale visitar Williamsburg para comer! haha E não, dá para comprar também!

Para começar, todo fim de semana fica aberto o Artists & Fleas (N7th entre Kent Av e Wythe Av), uma espécie de mercadinho onde marcas independentes expõem suas peças, e tem de tudo, desde joias até essências para casa e roupas para bebê. O A&F também tem uma filial no Chelsea Market que funciona todo dia, mas se eu não me engano o espaço é menor.

Fachada da Urban Outfitters

Fachada da Urban Outfitters

Quem quiser ver outras marcas legais, vale começar pela N6th e ir andando até a Bedford Avenue. É lá que tem a Urban Outfitters (sob o nome de Space Ninety 8, fica entre a Wythe  Av. e a Berry St.), a Sandro, a Maje, a Madewell e a Meg, uma marca só de produtos feitos em NY e com várias peças lindas e super originais. A N4th é outra que também vale a pena ser explorada, tem Levi’s e uma loja chamada Scotch & Soda que vale conhecer (mesmo não sendo das mais baratas). Ah, e não posso esquecer da J.Crew, que fica na Wythe Av. entre a N4th e N3rd.

Red Pearl, uma loja cheia de presentes fofos!

Red Pearl, uma loja cheia de presentes fofos!

Outra rua que precisa ser muito explorada é a Bedford Avenue. Cheia de lojas vintage e bares, também dá para encontrar muita coisa bacana por ali e pelos seus arredores. Se você está querendo ver semi joias fofas e delicadas, tem a NorBu (N4th com a Bedford Av.) e a Catbird (Bedford Av. entre N4th e N5th). Para presentinhos, uma que eu amo é a Red Pearl (Bedford Av. entre 5th e 6th). Ah, e não vamos esquecer da Apple Store – que costuma ser bem mais vazia que todas as outras que eu já visitei – que fica na Bedford Av. esquina com a N3rd.

De programas mais diferentes, sugiro dois: a Brooklyn Brewery, a fábrica da cerveja local onde você pode fazer tour e degustações e a Rough Trade, uma loja de discos e cd’s que tem espaço para shows, um café e é bem interessante de se conhecer.

E quem quiser terminar o dia vendo Manhattan, tem dois lugares ótimos: o Waterfront Piers (onde pega a barca) e o East River State Park, que tem uma “prainha” com vista incrível para o skyline.

Praia com vista no East River State Park

Praia com vista no East River State Park

Waterfront Piers

Waterfront Piers

Ufa! Acho que é isso! O mais engraçado é que na minha primeira semana em Williamsburg eu saía para explorar o bairro e fiz uma série de escolhas erradas que me levaram para lugares super residenciais, vazios e sem nada de interessante. Hoje eu penso e vejo como tem coisa para fazer se você entre nas ruas certas! rs

Tenho a impressão que ainda vou fazer um post 2 em algum momento, mas por enquanto essas são as minhas dicas de um super tour por Williamsburg! Isso porque eu não englobei Greenpoint, que é outro bairro que está crescendo muito e ficando cheio de coisas legais!

E se alguém tiver mais dicas para dividir, estou doida para anotar! :)

Beijos

banner-SNAP-ca

Página 3 de 9512345...102030...Última »