Browsing Category

Viagem

0 em Brasil/ Trip tips/ Viagem no dia 24.01.2017

O que Bonito tem de bonito

Como contei no último post, em maio de 2016 resolvi ir conhecer um pouquinho do Mato Grosso do Sul. Depois de passar 2 noites na Fazenda Baía Grande, continuamos a viagem para Bonito.

Chegar em Bonito não é das coisas mais simples do mundo se você não quiser pagar uma nota no vôo da Azul, o único que pousa na cidade. Na grande maioria das vezes, a opção mais em conta é voar até Campo Grande (CGR) e de lá ir de carro até Bonito, o que demora mais ou menos umas 4 horas. Como nossa primeira parada foi na Fazenda, seguimos de carro até Bonito, o que deu umas 3 horas de viagem.

Dilema #1: alugar ou não alugar carro. Pra mim não há dúvidas de que a melhor (se não a única) solução é sim alugar um carro. Os passeios são super longe do centro de Bonito e os transfers oferecidos são bem caros.

Ao contrário do que li na internet, achei bem tranquilo me localizar nas estradas. De fato, tem que ter bastante atenção porque muitas das estradas são ruinzinhas, de barro e com buracos, mas nada que nós brasileiros não estejamos acostumados. Principalmente para nós, que fomos primeiro para a Baía Grande que fica um pouco fora do circuito turístico no Pantanal, o carro foi fundamental para garantir que conseguiríamos nos locomover sem estresse.

Dilema #2: qual agência contratar. Em Bonito, 100% dos passeios são vendidos por meio de agências locais, de forma que você não consegue fazer nada sem contratar uma delas. Mas qual? A verdade é que a única diferença entre elas é o nível de serviço, já que o preço dos passeios é tabelado. Eu optei pela Bonitour, uma das maiores de Bonito, e fiquei bastante satisfeita com o atendimento deles. Foram os primeiros a me responder e sempre me atenderam de forma rápida e eficiente, recomendo muito.

Dilema #3: quais passeios fazer. Aqui o bicho pega. Se você achou que seria fácil, errou feio, errou rude. Existem milhares de atrações diferentes, de todos os tipos em diferentes locais, o que embaralha totalmente a sua cabeça na hora de escolher. Eu tentei selecionar uma atração de cada tipo (flutuação, cachoeira, rapel, mergulho, etc) e vou contar sobre cada uma delas pra vocês.

Mas antes disso, dica de ouro: reserve com MUITA antecedência. Os passeios são bem restritos, com número muito limitado de visitantes por dia (que é razoavelmente pequeno pra quantidade de gente que visita a região). Portanto, as atrações mais famosas lotam e você corre um sério risco de não conseguir fazer as coisas mais legais. Eu, como sou muito planejada (quase psicopata), reservei tudo com uns 4 meses de antecedência e consegui visitar tudo que eu queria!

Vamos à programação:

 

Dia 1 – tarde: Buraco das Araras

Chegamos a Bonito no início da tarde e fomos logo almoçar. Passamos na Bonitour para pegar nossos vouchers e eles nos recomendaram ir ao Buraco das Araras, atração que pode ser visitada durante todo o dia. Acabamos pegando o último grupo, que saía por volta das 15h.

O Buraco das Araras consiste numa dolina, uma formação geológica oriunda do desmoronamento do teto de uma caverna. E como o nome sugere, dezenas de araras moram por ali.

O lugar é super bacana, a caminhada é bem tranquila e o passeio é basicamente de “contemplação”(em Bonito, as pessoas amam essa palavra!), ou seja, você faz uma caminhadinha, para em dois mirantes e fica admirando as araras e o visu.

Dá pra ver as araras ali voando?

Não achei imperdível, mas foi legal incluir esse passeio na primeira tarde que tínhamos livre. Demos a sorte de ver várias araras voando de um lado pro outro (essa revoada nem sempre acontece), então saí satisfeita.

O Buraco fica bem próximo a fazenda do Rio da Prata, então você pode tentar conjugar esse passeio com uma flutuação por lá, por exemplo, pra reduzir o tempo de deslocamento.

 

Dia 2 – manhã: mergulho de cilindro na Lagoa Misteriosa

A Lagoa Misteriosa é uma lagoa de água azul turquesa extremamente cristalina que fica na fazenda Rio da Prata. É considerada a sétima caverna mais profunda do país, atingindo mais de 220 metros de coluna d’água.

Lá, você pode fazer a flutuação (que é um passeio com máscara e snorkel em que você fica flutuando na superfície) ou o mergulho de cilindro, que foi o que escolhemos fazer.

Não há peixes por ali, então a graça toda do mergulho é a sensação de estar entrando num buraco quase infinito: quando mais você desce, mais fundo ele parece. A sensação de ser engolido pelo azul é muito diferente e de certa forma até um pouco claustrofóbica, mas eu gostei bastante. Minha crítica a esse passeio é que não deixaram a gente ficar nem 30 segundos flutuando, ou seja, ou é uma coisa ou outra. Dado que pagamos bem mais caro pelo mergulho, acho que eles podiam ter liberado a flutuação pelo menos um pouco… mas não rolou.

Ainda assim, achei bem legal e bem bonito! Adorei e recomendo muito.

OBS: A Lagoa fecha de outubro a meados de abril por conta da proliferação de algas.

Vista de baixo pra cima, dentro da fenda da lagoa


Dia 2 – tarde: Flutuação Rio da Prata

Depois de fazer o mergulho na Lagoa, fomos almoçar no restaurante da fazenda Rio da Prata. Adorei a comida! Caseira, farta, bem feitinha, no melhor estilo comida de fazenda mesmo.

Depois do almoço, descansamos um pouquinho nas redes antes de sair para o passeio de flutuação no rio que dá o nome à propriedade.

Como a Fazenda Rio da Prata fica pertinho do buraco das araras, elas estão sempre por ali saracutiando

Vestimos nossas roupas de neoprene e saímos para uma trilhazinha com o guia. A flutuação no Rio da Prata é uma delícia e o melhor passeio pra preguiçoso. Depois de entrar no rio, é só apreciar a paisagem e relaxar, a correnteza faz o trabalho todo de levar você pro caminho certo. Peixinhos, peixões, plantas e tudo mais de bacana vai passando por você naquela água transparente enquanto você só fica lá, paradão, aproveitando. Imperdível!

Olha a cor da água!

 

Dia 3 – dia inteiro: Boca da Onça

No terceiro dia, fomos passar o dia no Boca da Onça Ecotour, uma propriedade enorme que inclui a cachoeira da Boca da Onça, a maior do estado com 156m de queda.

O passeio é basicamente uma trilha de 4km, passando por 8 cachoeiras e 4 paradas pra banho. Para os mais corajosos, há a opção de se fazer um rapel de 800m numa plataforma debruçada em cima da mata! Como nós já íamos fazer o rapel do Abismo Anhumas, acabamos não indo.

A trilha é bonita, bem tranquila mesmo pra quem não está lá na melhor forma (só ir devagarinho que você chega lá), e os mergulhos nas cachoeiras são excelentes pra lavar a alma.

Depois que termina a trilha, o almoço é servido na sede da fazenda. Achei a comida direitinha, mas bem menos gostosa que a do Rio da Prata.

Voltamos para Bonito e no fim do dia fizemos o treinamento para o rapel do Abismo Anhumas, obrigatório para todos que vão fazer o passeio.

 

Dia 4 – manhã: Gruta do Lago Azul

O dia começou com a visita à Gruta do Lago Azul, que é uma caverna que possui em seu interior um lago de um azul turquesa impressionante. É uma das maiores cavidades inundadas do planeta e, curiosamente, não se sabe ao certo de onde vem a água (acredita-se que venha de um rio subterrâneo). Esse passeio é basicamente de contemplação. O guia acompanha o grupo, explica um pouco da história e das formações rochosas e depois você tem um tempo para admirar e tirar fotos.

O lugar é lindo demais mas o passeio em si é meio sem graça, além de rápido. Ainda assim, como a Gruta do Lago Azul é o cartão postal de Bonito e de fato a paisagem é bem bacana, acho que deve entrar no roteiro de todo mundo.


Dia 4 – tarde: Lobo Guará Bike

Essa atividade foi uma surpresa muito boa! A idéia do Lobo Guará é explorar Bonito de bicicleta, aprender sobre o local, se divertir e preservar a natureza.  No meio do passeio, o guia (que no nosso caso foi o Márcio, idealizador desse projeto tão bacana) faz uma parada para todos plantarem uma árvore.

Muito legal ver que existem projetos de preservação bacanas por ali e que há a real preocupação com o ambiente. O incentivo para os turistas plantarem essa árvore serve para conscientização de que é preciso cuidar para que possamos continuar aproveitando Bonito no futuro.

Além da pedalada ser muito bacana, achei esse lance da árvore sensacional. Dizem que antes de morrer todo mundo deve fazer três coisas na vida: escrever um livro, plantar uma árvore e ter um filho. Comecei pela árvore!

 

Infelizmente no fim do passeio o tempo começou a mudar e caiu um dilúvio, o que prejudicou um pouco a pedalada de volta.

 

Dia 5 – dia inteiro: Abismo Anhumas

Chegamos ao local onde fica o Abismo de manhã cedo e quando eu vi a altura do buraco por onde teríamos que descer quase tive um AVC – morro de medo de altura e naquele momento só me perguntava o que eu tinha na cabeça pra ter comprado esse passeio.

A cada momento e a cada nova instrução que me davam, mais nervosa eu ia ficando. Só pensava que se eu apertasse forte demais o gancho eu poderia varar lá pra baixo da caverna e me esborrachar no chão (medo é um negócio engraçado, quando fizemos o treinamento eu tirei de letra e aprendi exatamente o que tinha que ser feito, mas na hora mesmo foi tudo diferente).

Beleza, tinha pago uma pequena fortuna pra descer naquele rapel, então engoli o choro e fui.

Foi maravilhoso! Foi só começar a descer que o pânico inicial foi passando e eu consegui aproveitar a emoção de estar entrando num abismo com um lago azul turquesa lá dentro.

O dia estava super nublado, mas segundo um dos guias, dias nublados deixam o interior da caverna ainda mais azul.

Depois da descida, fizemos um passeio de bote no lago, pra ver melhor as formações rochosas. É realmente muito impressionante!

Rapel no Abismo

Além disso, está inclusa uma flutuação, feita com roupa de neoprene e lanterna. Como eu decidi que queria tudo no máximo, não me contentei com a flutuação e resolvi fazer também o mergulho com cilindro lá dentro do abismo.

Assim como na Lagoa Misteriosa, não existem peixes por ali. O mergulho é, portanto, focado em passear pelas formações gigantes debaixo d’água e totalmente no escuro. Dá um nervoso danado só enxergar o que a lanterna ilumina, mas achei incrível. Uma sensação bem diferente dos outros mergulhos que já fiz!

Achei que valeu super a pena e indico muito pra quem curte mergulhar de cilindro. Só tenho um comentário: uiiii que água fria!!! Rsrsrsrs

O rapel no Abismo e o mergulho de cilindro são os passeios mais caros de Bonito, muito porque o acesso é bem limitado e pouquíssimas pessoas fazem essa atividade por dia. O mergulho, por exemplo, é limitado a 4 turistas por dia.

Depois de curtir muito lá embaixo, chegou nossa vez de subir. Que missão!!!! Se descer foi light e tranquilo, subir foi bem cansativo. Mas aos pouquinhos fomos minhocando (já viram como que se sobe na corda? Igual uma minhoquinha mesmo) até a parte de fora do Abismo. A subida toda demorou uns 40 minutos, incluindo o tempo de mini descanso entre uma minhocada e outra.

Foi o meu passeio preferido de Bonito e é dos que tem que ser reservados com maior antecedência.

 

Dia 6 – Flutuação Nascente Azul e Estância Mimosa (cancelados)

Infelizmente, toda a água existente no planeta Terra resolveu cair do céu no nosso último dia de viagem. Tínhamos reservado outro passeio de flutuação, dessa vez na Nascente Azul, e também outro passeio de cachoeira, na Estância Mimosa. Por conta do mau tempo, tivemos que cancelar os dois e antecipar nosso retorno à Campo Grande.

Fiquei bem triste (principalmente pelo azar de pegar mal tempo na melhor época, que teoricamente não chove) mas pelo menos nós já tínhamos feito atividades do mesmo tipo por ali. Em todo caso, fiquei com muita vontade de voltar para fazer esses e outros passeios que acabaram ficando de fora do nosso roteiro.

Nos hospedamos na pousada Girassol, uma pousadinha simples mas com ótimo custo benefício. Pelo que eu vi, não existem super hotéis por ali, e mesmo que existissem, achei que não era bem o clima da viagem ficar em nada luxuoso. Como o custo total dos passeios foi bem salgado ($$$$$ – preços atualizados no site da Bonitour), preferimos optar por uma hospedagem mais em conta.

Em relação à alimentação, me surpreendi positivamente. Comemos super bem na cidade e destaco 3 restaurantes: Pastel Bonito, que serve pastéis delícia de sabores tradicionais e também bastante inusitados (tipo Jacaré), restaurante Tapera, almoço super em conta e uma espetacular carne de vacio (corte da fraldinha à moda do sul, Uruguai e Argentina), e a Casa do João, um restaurante que tem opção para todos os gostos (e tudo maravilhosamente bem servido e bem feitinho). Me lembrou um pouco o Coco Bambu do coração <3. Não deixem de experimentar a Traíra do João, um peixe magnífico! Comemos umas 4 vezes nesse restaurante, de tão gostoso que era.

Amei conhecer Bonito e assumo que fiquei com gostinho de quero mais. Tem tanta coisa linda para visitar que tenho a intenção de voltar em breve.

Apesar de no final não sair barato, achei maravilhosa a experiência de conhecer um pedacinho do Brasil e, principalmente, de ver que apesar de ser um lugar muito explorado pelo turismo, há uma grande preocupação de todos na região em cuidar e preservar a natureza. Vibe boa demais!

1 em Brasil/ Trip tips/ Viagem no dia 19.01.2017

Conhecendo o Pantanal Sul Matogrossense

Eu sou uma pessoa que durante muito tempo tive um certo preconceito de viajar pelo Brasil. Isso porque acho tudo caro, overrated, muvucado, mal cuidado. Normalmente, viajar pra fora do Brasil, se planejado com uma boa antecedência, acaba saindo mais em conta do que explorar o nosso país, o que é meio triste.

No ano passado, queria fazer algo diferente no meu aniversário, que todos os anos acontece em maio rsrsrs. Estava atrás de um destino que fosse perto o suficiente para que eu pudesse passar no máximo uma semana e que tivesse uma vibe aventura, já que minha viagem anterior tinha sido para a Tailândia e focada em praia (essa eu prometo que conto depois pra vocês).

Procurei, procurei e acabei descobrindo que a melhor época para visitar Bonito e o Pantanal sul matogrossense era justamente do fim de abril a meados de setembro, quando chove menos. Demos o braço a torcer e decidimos então por passar 2 noites numa fazenda no Pantanal e 5 noites em Bonito, o que vou contar no próximo post.

Escolher uma fazenda não foi uma tarefa fácil. As agências de Bonito que vendiam os passeios só tinham parceria com uma fazenda chamada São Francisco, que justamente por isso me pareceu ser muito cheia. Muitas pessoas saem de Bonito e passam o dia (num day use) nessa fazenda, o que definitivamente não era o que eu estava procurando.

Procurei bastante na internet mas também achei pouquíssimas referências. Depois de fuçar muito, descobri que a Fazenda Baía Grande ficava na região que eu queria (próximo a Miranda, MS) e que fazia parte do programa “Experiência” do Itaú Personnalité. Pra quem não conhece, esse é um programa para clientes do Itaú que oferece descontos em hotéis cadastrados. 

Não achei quase nada falando bem da Fazenda, mas também não achei nada que falasse mal, então resolvemos ir pra lá mesmo. E foi uma ótima escolha!

A Fazenda Baía Grande trabalha com esquema de pensão completa, ou seja, café da manhã, almoço e jantar estão inclusos (bebidas à parte).

Além disso, também está incluso no valor da diária os seguintes passeios: cavalgada, passeio de barco na baía com pescaria de piranhas, safári fotográfico, focagem noturna de jacarés e trilha na mata. Os passeios são realizados dentro mesmo da propriedade, que é enorme e que, como o próprio nome já diz, tem uma baía bem grande.

O clima lá é bem tranquilo e os dias se resumem basicamente a comer, dormir e ver bichos. Quer vida melhor?  

O dono da Baía Grande nos disse que mais de 90% dos seus hóspedes são gringos, o que eu achei bem curioso. Acho que o brasileiro está começando a descobrir o Pantanal só agora. Provavelmente foi por isso que eu tive tanta dificuldade em encontrar dicas e recomendações online. Realmente, só eu e meu marido éramos brasileiros, os demais hóspedes eram todos estrangeiros (europeus, principalmente).

 

 

Safári fotográfico

O safári é feito num tratorzinho que vai puxando uma caçamba com uns banquinhos. No primeiro dia, o guia Adriano nos levou para uma parte da propriedade num dia, onde pudemos ver vários jacarés. O mais engraçado é que o guia chamava os jacarés pelo nome (Juninho, Negão, entre outros), e super conversava com eles, tipo melhores amigos! Ele mora na fazenda há muito anos e sempre trabalhou ali, conhece toda a propriedade como a palma da mão, inclusive todos os jacarés que moram nos lagos.

Vimos uma capivara, um carcará, vários pássaros e também um tamanduá bandeira enorme (mas esse não tinha nome)! 

 

 

No dia seguinte, fizemos novamente o safari mas para uma parte diferente da fazenda. Fomos ver o Tuiuiu, que é a ave símbolo do Pantanal. De novo, o Adriano sabia onde tinha um ninho e nos levou direto lá. No meio do caminho encontramos uma família gigantesca de capivaras tomando um banho de sol. Pudemos chegar bem pertinho delas, foi muito bacana.

 

 

Cavalgada

O passeio de cavalo aconteceu no segundo dia pela manhã. Infelizmente o tempo não estava muito bom, o que prejudicou um pouco a experiência, mas ainda assim conseguimos aproveitar. A Fazenda tem muitas cabeças de gado e o Adriano nos levou para andar bem no meio delas. Me senti total na novela O Rei do Gado! Muito legal.

Demos uma boa volta de cavalo antes de voltar a sede para o almoço.

E sim, todos os cavalos tinham nome! A minha égua se chamava Pocotó! Gente, eguinha Pocotó? Rsrsrs!

 

 

Focagem noturna de jacarés

O guia nos pegou com uma pickup e nos levou ao lago da Fazenda. Quando chegamos lá, eles ligaram uma lanterna gigante e cada um pode ficar apontando pro lago, tentando achar os bichos que estavam escondidos.

Encontramos muitos jacarés (os olhinhos deles brilham quando a luz reflete) e um grupo enorme de capivaras! Muito legal!

Focagem de capivaras

 

Passeio de barco e pesca de piranhas

Antes de irmos embora, no último dia, resolvemos aproveitar o sol e fazer o passeio de barco na baía que dá o nome à Fazenda. Novamente nosso guia Adriano nos pegou e nos levou de caminhãozinho até a baía, onde pegamos uma balsinha. Depois, ele nos ensinou a colocar a isca e a pescar as piranhas. No início, achei bem difícil e nenhum peixe pegava minha isca.

Depois minha sorte mudou e eu consegui pescar várias!

 

De tempos em tempos vinha um jacaré intrometido pra perto da gente e tínhamos que mudar de lugar na baía (se não ele comia todas as piranhas e não sobrava nada pra gente pescar!). Achei bem divertido!

 

Quando estávamos indo embora ainda demos a sorte de ver um tatu bola correndo! Ficou faltando mesmo ver a onça, mas infelizmente não foi dessa vez.

Adorei a estadia na Fazenda e conhecer um pouco do Pantanal. Achei que 2 noites foram o suficiente para aproveitar os passeios e a preguicinha que é aquele lugar.

Depois de descansar muito, fomos nos aventurar em Bonito! Volto depois pra contar!

9 em Looks/ Moda/ rio de janeiro no dia 17.01.2017

Look da Jô: passeio de helicóptero no Rio!

Esse fim de semana foi atípico em todos os aspectos do mundo. Nele teve de tudo, desde noites viradas a passeio de helicóptero, o que não seria nada demais se não fosse algo que eu tinha me jurado nunca mais fazer. Pois bem, quebrei minha promessa, menti pra minha mãe e fui.

Eu estava no #sunsetnomorro, projeto bem bacana de música ao vivo, comes e bebes no Morro da Urca. Ele rola nos domingos até o final de fevereiro. Por lá marquei de encontrar minhas amigas Nathalie Barros e Nina Gabriella. Surgiu para nós 3 a oportunidade de vencer esse medo e fazer o passeio – urbano – de helicóptero mais cobiçado do mundo: sobrevoar a zona sul do Rio de Janeiro.

Com @nathaliebarros e @euninagabriella

Nos preparando para curtir o pôr do sol sobrevoando a cidade.
No heliponto do Morro da Urca, um dos pontos onde a empresa Helisight faz seus voos.

Antes de mostrar os detalhes do look, vou compartilhar minhas duas fotos preferidas do passeio, confesso que fiquei mais tempo admirando do que propriamente filmando/ registrando. Fizemos uma das versões curtinhas do passeio, tipo uns 12 minutos. Acho que numa próxima eu faria o de 16 min, mas não sei se encararia um muito maior não.

Se tem uma cidade para se voar de helicóptero, certamente essa cidade é o Rio de Janeiro. E olha que o Grand Canion foi bem bonito viu? No entanto esse pôr do sol vai ser inesquecível, muito inesquecível mesmo.

Voltamos ainda em tempo de curtir o show do Sunset no Morro, do projeto Live A Live.

Para curtir esse fim de tarde com música, amigos e boa vista eu escolhi um look confortável. Ele me atendeu muito bem.

Colar chocker Giu Giu Store | body Tulli | blusa Riachuelo
short jeans Colcci | bolsa Cavage | tênis (amor da vida) Cavage

Para começar direi que já postei tudo sobre esse tênis aqui e sobre a bolsa nesse outro post. Amo ver que uso e abuso das peças preferidas, são essas que valem mesmo aparecer aqui no blog, porque uso demais mesmo.

O body da Tulli  foi um presente da marca, que é só amor. Eu estava louca pra usar pra sair, porque acho ele lindo no corpo, fico me achando. Dai aproveitei que o esquema pra usar essa blusa da Riachuelo é de guerra e resolvi que dessa vez eu ia usar sem o sutiã largo, sem o alfinete, sem a loucura anti-decotão. Aproveitei o body pra deixar o decote lá, lindo, leve e solto. Com conforto.

A parte mais complicada desse look foi o short, que está bem curto (mais que o normal) e deixa minha gordurinha entre pernas aparecendo de vez em quando. No entanto como amo um short rasgado jeans e o meu boyfriend se destruiu, achei que valia usar mesmo assim. Se em algum momento eu conseguir perder peso o modelo vai vestir ainda melhor, mas enquanto isso vou aproveitar sem me preocupar muito.

Agora se você notou a chocker, bom é isso mesmo. Não sou dada a modismos mas APAIXONEI nessa da Giu Giu Store, marca de uma grande amiga que arrasa no bom gosto e qualquer dia vai ser pauta por aqui. Acho um acessório super sexy quando veste bem, ele dá um charme que eu to amando.

Quanto as fotos, eu sei que está longe de ser um look muito bem fotografado, mas achei legal compartilhar esses registros com vocês, no improviso mesmo. O look, o #sunsetnomorro e o passeio inesquecível. É isso, espero que gostem, não tá perfeito, mas está muito vida real! <3

Beijos de uma versão mais corajosa de mim