Browsing Category

Viagem

5 em Autoconhecimento/ Autoestima/ Destaque/ Estados Unidos no dia 01.12.2017

Sobre se perder… e (ainda) não se encontrar

Você já se deparou com algum texto ou depoimento de superação? Sabe, aqueles que a pessoa descreve algum período complicado na sua vida, como essa fase foi difícil, mas como hoje, após todo esse acontecimento, a pessoa está mais forte, mais preparada, e muito mais feliz?

Eu mesma já fiz esse discurso inúmeras vezes: como me mudar para os EUA foi difícil, como largar meu emprego, minha família, meus amigos, meu cachorro foi complicado, mas que, graças a Deus, eu estou bem agora.

Mas percebi que não é verdade. Eu me perdi…. e ainda estou perdida. Me perdi e estou levando um ano e meio    e contando –  para me encontrar de novo.

Me perdi com relação às minhas amizades – Eu amo meus amigos, não se engane. Mas  sempre fui a amiga que ia atrás, que morava na Zona Leste e não se incomodava – para facilitar a vida de todos os envolvidos – de ir no Bar na Paulista ou no restaurante no Itaim, que não se importava de, depois de 16h horas de trabalho, passar na casa dos amigos e conversar por mais algumas horas, mesmo numa terça-feira chuvosa. Mas quando você está há 9,271 km de distância e com 5h de fuso horário a menos, não é tão fácil assim ir atrás. Mas difícil mesmo é, esperançosamente, aguardar que venham atrás de você, já que  – agora vc percebeu – que quase nunca foi assim.

Me perdi com relação ao meu trabalho – como já descrito no texto anterior sempre fui extremamente workaholic e sempre tive muito orgulho disso. Sem contar que, mesmo trabalhando uma média de 16h por dia e ganhando bem mal para uma advogada pós-graduada em São Paulo, eu REALMENTE amava meu trabalho. Poderia ser advogada aqui? Sim – bastaria uma adaptação de currículo de mais de 3 anos e prestar o BAR exam (OAB daqui dos EUA) em cada estado que fosse exercer a profissão (só nesse 1 ano e meio que estou aqui já morei em 3 estados diferentes).

Mas vamos nos reinventar, não é mesmo? VAMOS! Comecei um pequeno instagram vendendo itens de papelaria, os quais levo para o Brasil de 6 em 6 meses. Paralelamente, ainda fazia alguns trabalhos pontuais para escritórios de advocacia em SP e, por fim, como fico em casa, passei esse ano fazendo trabalho como Pet Sitter. Juntei um dinheirinho… mas não é isso que eu queria fazer. Não sei o que quero fazer.  Não sei o que quero fazer. 

Me perdi com relação à coisas que me inspiram – quando fui apresentada à esse blog e convidada a escrever sobre minha experiência nos EUA, eu fiquei MUITO animada. Escrevi o primeiro texto em 1 hora e amei quando foi publicado. Escrevi mais alguns e, como num passe de mágica, não vi mais sentido em enviá-los afinal, quem é que se interessaria no que euzinha tenho para falar?

Me perdi com relação à quem eu sou – afinal, meu nome é Mariana, e sou advogada. Não é isso? Nós somos o que nós fazemos, não é? E eu não tenho feito nada demais.

Queria deixar uma coisa bem clara: eu AMO morar aqui, com todas as dificuldades e belezas que incluem morar fora. Eu não me arrependo um minuto da decisão que tomei de vir para cá e todo dia acordo e agradeço a Deus essa oportunidade.

Mas muito embora eu esteja sim feliz, ame o lugar que eu moro e agradeça sempre… eu tenho que ser honesta e reconhecer que sim, eu estou perdida.

E não importa o quanto eu tente explicar ou desabafar, as coisas ainda não estão melhorando…por enquanto.

Mas o que quero trazer com esse texto é: não tem problema eu estar perdida. E não tem problema admitir que estou perdida. Todo mundo que posta textão falando como superou suas dificuldades estava nesse mesmo momento que eu estou agora… só não queria escrever textão sobre isso.

Pois hoje eu quis. Eu quis porque hoje eu precisei muito das pessoas que eu amo perto de mim e não tinha ninguém para me ajudar – não porque as pessoas são ruins, e sim simplesmente porque ninguém vive em minha função. Então eu resolvi escrever…  escrever quase um ano depois do meu primeiro texto (sorry again, Cá e Jô) porque hoje isso fez sentido para mim.

Então é isso – a gente se perde, cai, chora, sofre… para depois um dia se encontrar, se reencontrar. Eu tenho muita fé e vontade de fazer tudo isso dar certo. E espero escrever em breve o meu textão de superação.

1 em Autoconhecimento/ Comportamento/ Destaque/ Futi em NYC no dia 28.11.2017

O dia que meu olho voltou a brilhar

Já contei por aqui o quanto a vida novaiorquina não tem nada daquilo que romantizamos ao vermos filmes, séries e músicas sobre a cidade. Contei também como eu levei um tombo ao entender que a minha realidade era bem diferente do que eu sonhava.

Um dos meus principais tombos se deu por causa dela, a moda. Lembro muito bem quando eu decidi focar nessa área quase no final do meu curso de Design. Meus olhos brilharam como nunca antes. Um ano antes de me formar comecei a mudar escolhas de cursos na faculdade e decidi fazer do meu projeto final uma coleção de estampas.

Assim que me formei, tracei um plano de vir para Nova York fazer uma pós graduação no FIT. Achei o curso que queria fazer, preenchi todos os formulários, fiz o Toefl, consegui a nota para entrar no curso, fui para Nova York só para pegar a papelada, fui na palestra agendada para falar sobre as inscrições mas….não aconteceu. Outros planos se tornaram prioridade e deixei essa ideia de lado.

Aquele momento que você realmente respira moda e arte quando anda pela rua e se depara com esses outdoors pintados à mão. Quem não conhece o trabalho da Colossal, que fez esse da Gucci que eu tirei a foto, precisa dar uma olhada! Eu sempre fico fascinada.

Um ano depois de formada, já trabalhando com design de estampas, o Futi nasceu com um propósito: nos botar em contato com a galera da moda para ver se a gente conseguia se inserir no mercado. Trabalhamos com marcas que sempre admiramos, fomos à incontáveis desfiles (inclusive internacionais, inclusive aqui em Nova York!), festas, vimos de perto sapatos serem feitos, bolsas serem criadas, conhecemos pessoas incríveis que nem nos nossos sonhos pensamos que cruzaríamos. E o olho brilhando continuou lá, mas um brilho um pouco mais cansado. Alguns anos vivendo diretamente os bastidores e descobrindo verdades inconvenientes pode dar uma desanimada mesmo, é normal.

Cheguei em NY e não nego que a primeira coisa que pensei foi, novamente, MODA. Essa é uma cidade onde tendências são criadas, coleções são lançadas, as vitrines mais exuberantes do mundo são montadas, exposições acontecem, os principais nomes moram (ou têm um apartamento) aqui. É óbvio que eu seria engolida por ela sem nem pensar.

Mas não.

Eu não me atentei que a vida de mãe me engoliria de uma tal forma que eu me perderia de mim mesma. Foi 1 ano dedicado integralmente ao Arthur, dividindo todo o trabalho que é cuidar de criança e casa apenas com o pai. 1 ano onde eu morei em Nova York e contei nos dedos os momentos que me trouxeram a verdadeira empolgação de morar aqui. 1 ano onde o brilho nos olhos que eu tinha em relação à moda sumiu porque eu não tinha tempo de apreciá-la, estudá-la e até mesmo admirá-la. Logo onde, né? Que ironia.

Até que semana passada eu fui convidada para participar de um passeio guiado pelo Soho (obrigada, @dig_ny). Aceitei o convite porque eu achei que um dia diferente me faria bem, mas confesso que achei que ia ser aqueles passeios clichês, com lojas que todo mundo já conhece.

A proposta da tour, conduzida pela personal stylist Marcia Crivorot, era justamente nos levar em lugares menos convencionais cuja experiência de compra fosse diferenciada (se vocês quiserem, posso contar melhor sobre isso em outro post). Entrar em contato com aquele cenário pulsante, cheio de novidades e inovações foi uma das melhores coisas que eu fiz por mim nesse 1 ano e meio aqui. Ver que as coisas estavam acontecendo apesar da minha ausência e sentir a paixão dela ao contar das marcas, mostrar detalhes, contar curiosidades e nos apresentar tanta coisa bacana foi acalentador.

Terminei o dia leve, feliz, me sentindo eu novamente e com os olhos cheios daquele mesmo brilho forte e reluzente que eu tinha em 2008. Com a criatividade pulsando e a cabeça à mil (mas de um jeito bom). Foi um fôlego necessário para poder voltar à vida normal de mãe/blogueira/dona de casa – que foi intensamente caótica nos dias que se seguiram, já que teve feriado (ou seja, filho sem aulas) e marido viajando, tudo de uma vez só. As vezes a gente tem que fazer isso para voltar aos eixos, e eu agradeço por não ter negado esse convite.

Dá para notar a minha cara de “aqui é o meu lugar”? Porque para mim transpareceu nessa foto hahaha

Eu não sou mais a Carla com os mesmos sonhos de 10 anos atrás, nem com os mesmos objetivos, mas ter reencontrado a Nova York que eu imaginava desde que cheguei aqui – nem que fosse apenas por 1 dia – foi maravilhoso.

0 em Brasil/ Destaque/ rio de janeiro/ Trip tips/ Viagem no dia 13.11.2017

Belmond Copacabana Palace: o melhor do Rio também pode ser aproveitado por cariocas

Há tempos que eu passo na frente do Copacabana Palace e fico sonhando em me hospedar ali. É verdade que eu já estive no Copa por diversas ocasiões, seja em um dos muitos casamentos de princesa nos salões do hotel, num almoço no Pérgula à beira da piscina ou num jantar no restaurante Hotel Cipriani. Mas como hóspede, nunca.

Eu não sou uma pessoa que costuma comemorar muito datas especiais, mas esse ano, com meus 5 anos de casamento, resolvi que era hora de buscar algo diferente para marcar nosso aniversário. E foi numa dessas que eu tive a idéia de passar uma noite no tão sonhado hotel dos sonhos na cidade maravilhosa.

O Copacabana Palace (ou só Copa, em carioquês) é um dos mais chiques e o mais tradicional hotel do Rio de Janeiro. Faz parte da rede Belmond, que possui outros hotéis únicos e icônicos como o Belmond Hotel das Cataratas, dentro do Parque Nacional do Iguaçu, e o Belmond Sanctuary Lodge, na entrada de Machu Picchu. O hotel é sempre escolhido por celebridades nacionais e internacionais quando vem visitar o Rio e também é palco para muitos eventos sociais badalados da cidade.

Vale dizer que o Copa vem passando por reformas e modernizações, a exemplo da piscina principal, que agora tem bordas molhadas, e o restaurante Pérgula, que reabriu recentemente com um look repaginado (quando nos hospedamos no hotel, o Pérgula ainda estava em obras).

Então lá fomos nós passar um fim de semana no crème de la crème da hotelaria carioca.

Deixamos as coisas na recepção e fomos direto para a piscina, onde passamos a tarde relaxando e aproveitando o solzinho. Apesar de estar fechado, o serviço do Pérgula estava funcionando ao redor da piscina, com snacks e drinks. Pedimos uma sangria de vinho branco (deliciosa!) e uns petiscos e ficamos ali até o sol baixar, quando resolvemos ir para o quarto.

Só assim pro marido aparecer nas fotos!

Top tomara que caia Marcyn

Ao todo, o Copa tem 226 quartos e suítes divididos no prédio principal e no prédio anexo, classificados em várias categorias de acordo seu tamanho e com a vista. Nosso quarto era da categoria Luxo Frente mar, no 5º andar do prédio principal.

O quarto em si não era enorme, mas tinha tudo que a gente precisava: uma cama king size super confortável, uma varandinha simpaticíssima e um banheiro com chuveiro e banheira separados (detesto quanto é junto!), além de amenities super bacanas que incluíam sais de banho e banho de espuma (amo!). A decoração é clássica e clean, com muito bom gosto e móveis muito bem cuidados. E a vista, nem preciso falar né? Linda, maravilhosa, de cima do calçadão de Copabacana.

Chegamos no quarto e fomos agraciados com presentinhos: uma garrafa de espumante rosé, docinhos e um bilhetinho assinado pelo gerente do hotel nos dando parabéns pela nossa data especial. São pequenos detalhes que fazem a diferença!

Uma curiosidade que não sei se todos sabem é que existe uma 2ª piscina no Copa, a black pool ou piscina negra, que fica no 6º andar do prédio principal do hotel e somente os quartos localizados nesse andar tem acesso a ela (nem precisa dizer que eu fiquei louca para ir lá conhecer né?).

Já à noite, descemos para jantar no restaurante Mee, um restaurante de gastronomia pan-asiática super sofisticado que tem, nada mais, nada menos, que uma estrela Michelin. Os pratos tem influência da Tailândia, Camboja, Malásia, Cingapura, Coreia, Vietnã, China e Japão e são meticulosamente preparados na hora com ingredientes fresquíssimos.

O cardápio é bem extenso, então decidimos pedir as dicas para a nossa atendente, que acertou na mosca. Tudo que comemos estava di-vi-no!

A carta de bebidas também é incrível e tem diversas opções de sake importados que eu fiquei com vontade de provar. Como já tínhamos bebido bastante ao longo do dia, acabou ficando pra próxima visita (e vai ter próxima sim!). Esse restaurante abre somente para o jantar.

Carpaccio de salmão com molho cítrico

Filé mignon wagyu com foie gras: de comer rezando

Além do Mee e do Pérgula, no Copa existe ainda restaurante Hotel Cipriani, um italiano delicioso que experimentamos em outra oportunidade e que também é uma ótima opção para almoçar ou jantar.

Depois de uma noite de sono revigorante, acordamos cedo para tomar café. Normalmente, o café da manhã é servido no Pérgula, mas por conta das obras, estava sendo servido no Cipriani, também ao lado da piscina. Eram muitas opções de pães, frios, iogurtes, doces, tapiocas, omeletes, tudo que você pode imaginar para um café da manhã farto e reforçado (amo café da manhã de hotel!).

Aproveitamos esse momento pós café para dar um passeio pelo hotel, conhecer o Spa, a academia e dar uma voltinha pelos salões. Depois, pegamos uma espreguiçadeira ao lado da piscina e ali ficamos pelo resto do dia.

Todo domingo, acontece o famoso brunch no Pérgula. Como tínhamos comido demais no café, optamos por pedir o almoço na piscina mesmo, mas ficou outro motivo para voltarmos ao hotel!

A experiência de passar um fim de semana como turista em um dos melhores hotéis da nossa própria cidade foi deliciosa e muito diferente. O Belmond Copacabana Palace tem instalações maravilhosas, além de ótimos restaurantes que podem ser frequentados por hóspedes e por visitantes também. Então porque não aproveitar o que o Copa tem a oferecer?

Tenho certeza que voltaremos em outras oportunidades para explorar os restaurantes e nos hospedarmos no hotel novamente (agora estou mirando o exclusivo 6º andar e a black pool! Quem sabe, né?). Tudo ali é muito especial!

 

Reveillon 2018

Já pensou em passar a noite de ano novo no melhor ponto de Copacabana?

O Belmond Copacabana Palace dará uma super festa em seus salões das 20:00 do dia 31 de dezembro até o amanhecer do dia 1º de janeiro, com jantar incluso e bebida liberada. Os convidados vão poder escolher o local do jantar (Pérgula, Cipriani ou os salões), cada um com um formato e proposta diferentes. É para agradar todos os gostos!

Com a localização privilegiada para a praia de Copacabana e a queima de fogos, tenho certeza que será inesquecível. Não preciso nem dizer que estou desejando né?

Para quem animar de começar 2018 no melhor estilo, os ingressos estão sendo vendidos direto pelo hotel através do telefone 21 25454-8788 ou email banquetes.cop@belmond.com.