Browsing Category

NYC

7 em Autoestima/ Destaque/ Futi em NYC/ NYC no dia 13.07.2017

Teve #picnicdopapo em Nova York também!

Quando a Joana começou com a ideia dos piqueniques para as participantes do grupo e, de cara, já estava planejando encontros em São Paulo, Curitiba e Rio, eu fiquei feliz porém assustada.

A felicidade é óbvia. Achei a possibilidade de poder trazer para a vida real um pouco do que conversamos no online maravilhosa. Já o susto aconteceu porque eu só conseguia ficar com o pensamento bitolado de que um monte de coisa estava acontecendo e eu não estaria presente, um dos efeitos colaterais de se morar tão longe (por mais que pareça tão perto).

E eu demorei tanto para pensar em fazer um em Nova York por outro pensamento super limitador: eu não me sentia capaz de reunir uma galera. Pode parecer maluco, mas por anos eu vi milhares de blogueiras fazendo encontros com leitoras e jurava que nosso perfil de blog não era para isso. Sabia que a gente tinha influencia, que as pessoas se importavam com o que a gente conversava, mas botei na cabeça que não éramos feitas para agregar no offline.

Até que a Joana começou com os piqueniques e mostrou que, sim, nós somos. E foi aí que eu tive coragem de fazer o convite e organizar uma data. Mas só tive certeza mesmo que podia dar muito certo quando fui para Londres e tivemos nosso encontro lá, que mesmo organizado com pouco tempo de antecedência foi incrível. E só então que eu relaxei.

Na tarde do último domingo, dia 09, o piquenique em Nova York aconteceu e eu não poderia ter ficado mais feliz! O lugar? Sheep Meadow no Central Park (dica da rainha das dicas nova-iorquinas Laura Peruchi) em uma tarde maravilhosa com muito sol e calor.  Achamos uma sombrinha, cada uma das 16 participantes estendeu toalhas e cangas e ficamos das 3 da tarde até mais ou menos umas 7 da noite ali, conversando e batendo muitos papos sobre autoestima, morar fora, maternidade, relacionamentos e tudo o que cerca esse universo.

Uma das coisas que mais me marcou é o quanto morar fora mexe com a nossa autoestima. Em Londres rolou um pouco desse papo e em Nova York nós conversamos muito sobre isso. Descobri que muita coisa que eu venho sentindo desde que cheguei aqui e jurava que acontecia só comigo não é fruto apenas da minha cabeça. Muitas também se sentem perdidas e sem saber como recomeçar e se reinventar, principalmente as que vieram acompanhadas dos companheiros. Confesso que senti um alívio misturado com felicidade, lembram da história do #tamojunta? Isso funciona nesse caso também, é acolhedor demais ver que suas questões também são de outras pessoas e, a medida que cada uma vai contando o que tem feito para resolvê-las, imediatamente vai inspirando quem ouve.

Outro assunto que surgiu e que raramente é conversado é sobre autoestima no trabalho. Desde aquela história do chefe (ou da chefe, impressionante – e triste – como tivemos mais relatos de problemas com chefes mulheres do que homens) que mina a sua autoestima até mesmo a questão do subemprego que é comum aqui nos Estados Unidos mas nossa cultura é de desvalorizar esse tipo de trabalho. Vou organizar melhor para fazer um post só sobre isso, porque tem MUITO pano para manga legal de ser debatido.

E claro, sobre maternidade. Conversamos sobre como pode ser solitário ser mãe (ainda mais morando fora), as dificuldades de não ter tanta ajuda e como nós temos que nos desconstruir de tantos pensamentos justamente para não reproduzir os mesmos padrões nos nossos filhos.

E se no encontro de Londres tivemos Fabiana Karla nos inspirando com sua autoestima e alegria, aqui em Nova York eu tive o prazer de conhecer outra Fabiana que tem sido uma inspiração diária, a Saba!

Ela já foi modelo e apresentadora hoje em dia é modelo curvy e tem um trabalho super legal no seu instagram @fabisaba e no youtube com o canal Todas Juntas. Ela contou para a gente como foi seu processo de se redescobrir depois que ela saiu do estereótipo da modelo magérrima e não sabia onde se encaixava, como as pessoas que conviveram com ela por tanto tempo diziam que ela estava se descuidando – sendo que o ganho de peso começou quando ela parou de fumar, ou seja, quando ela estava caminhando para uma vida mais saudável – e como ela educa suas filhas para serem mais livres do padrão de beleza.

Foi uma tarde deliciosa, daquelas que dá vontade de repetir todo mês (e se depender da animação da galera, acho que o próximo piquenique ou encontro não vai demorar para acontecer!). E no fim, saí com aquele gostinho de “eu consegui” misturado com “caramba, como eu consegui isso??”. Fui dormir tão feliz que nem sei expressar em palavras, por mais piegas que isso possa parecer!

Essas são algumas fotos que a Michelle Cadari, fotógrafa aqui em Nova York, fez e eu estou encantada. Acho que ela expressa muito o que compartilhamos no domingo passado!

Só posso agradecer novamente a todas que foram, vocês deixaram meu dia iluminado (e não estou falando dos vagalumes que vimos no fim da tarde :) )

Beijos!

1 em #futiindica/ Comportamento/ Destaque/ Estados Unidos/ NYC/ Viagem no dia 08.03.2017

Sendo linda em Nova York sob as lentes da Martha Sachser

Em 2015, quando fomos juntas para Paris, nós fechamos com um fotógrafo para nos ajudar com as entregas de um cliente de moda. No fim das contas, o que era para ser um dia de trabalho acabou eternizado em fotos pra lá de especiais tendo como cenário uma das cidades que mais amamos no mundo.

Depois desse dia nós passamos a dar muito valor a um segmento que nunca tínhamos dado tanta atenção: ensaios fotográficos em cidades turísticas.

Não importa se você está viajando sozinha ou acompanhada, no fim todo mundo mostra as fotos de viagem falando as mesmas coisas: “ah, essa não ficou tão legal porque a pessoa não sabia tirar foto” ou “pois é, só fiz selfie nessa viagem porque fiquei com vergonha de pedir para tirarem pra mim”. E tem lugares que a gente se contenta com fotos mal tiradas e selfies intermináveis com o ponto turístico lá no fundo, mas tem outros cantos do mundo que voltamos arrependidas por não termos registros melhores, não é?

Por exemplo, a minha lua de mel. Hoje olho as fotos que tiramos e apesar de amar relembrar os momentos, fico com pena de ter registros tão turísticos e tão pouco comemorativos. Se na época eu soubesse que existia um fotógrafo com esse tipo de trabalho, eu teria contratado sem nem pestanejar.

Quando a Jô veio para cá em 2016, a história era quase igual à de 2015. Outro cliente de moda, outra necessidade de fotos incríveis, a única diferença é que saiu Paris, entrou Nova York como pano de fundo. Nem tivemos dúvidas na hora de bater o martelo, queríamos alguém com esse olhar de ensaio fotográfico usando o cenário novaiorquino a nosso favor. Foi aí que encontramos a Martha Sachser.

A Martha é conhecida pelo seu blog NY & About, que reúne muitas dicas ótimas daqui (ela tem um livro com sugestão de roteiro na cidade também!) mas além de blogueira ela é uma fotógrafa com olhar muito especial.

Eu sou apaixonada pelas fotos de casais, mas não dá para negar que a Martha também arrasa nas fotos de moda. Ela já fotografou várias blogueiras conhecidas como a Lu, a Priscila, a Bruna, a gente ahahaha Eu amo como o olhar dela é delicado e atento, de gente que conhece bem a cidade e sabe usar seus cantinhos a favor da pessoa fotografada. Isso porque não falei da paciência e da boa vontade (e haja paciência para acompanhar blogueira que precisa fotografar look, viu..é cada foto que a gente repete 500 vezes hahah).

Passamos uma tarde toda com ela e os registros desse dia ficaram tão lindos que volta e meia ainda aparecem em alguma rede social. E foi mais especial ainda porque depois do trabalho feito, conseguimos aproveitar para fazer umas fotos celebrando nossa amizade, nossa união com o Arthur, nosso momento de felicidade e o privilégio de estarmos juntas em outra cidade que amamos tanto. Acho que deu para transparecer o quanto estávamos felizes, né?

Quem estiver de passagens compradas (ou quase hehe) para NY e estiver pensando em eternizar essa viagem com fotos lindas, não pode deixar de dar uma olhada no trabalho da Martha através do Ny & About ou do seu instagram.

6 em Estados Unidos/ Futi em NYC/ NYC no dia 02.11.2016

#futiemnyc: Um dia em Williamsburg

Apesar do DUMBO ser o lugar preferido de quem quer cruzar a ponte e conhecer o Brooklyn, Williamsburg também é bem cotado. Eu sou suspeita porque estou amando morar nessa área! Não é o lugar mais charmoso de NY mas é uma delícia e cheio de restaurantes, bares, lojas legais, feirinhas e o melhor, do lado de Manhattan mas sem toda a barulheira da ilha principal. E o melhor, está em expansão constante, toda hora tem alguma novidade abrindo por aqui!

Pensando nisso, pensei em separar algumas dicas para quem estiver pensando em tirar um dia – ou algumas horas – para conhecer o bairro!

Dá para chegar aqui tanto de metrô (linha L – Estação Bedford Av.) ou pela barca East River Ferry, que custa 4 dólares e dá para pegar tanto no Pier 11 quanto na 35th st. É só saltar em North Williamsburg e explorar a vizinhança!

Começando por comidas, Williamsburg tem a famosa feira gastronômica Smorgasburg. Ela funciona de abril até meados de outubro e conta com comidas de vários lugares do mundo e algumas tendências culinárias como, por exemplo, o tal hamburguer de miojo (sim, ao invés de pão temos miojo) e a batata frita trufada que a Jô e a Mandy mostraram nesse post. Lá também tem o ice cream sandwich que eu falei aqui e ainda não consegui provar, mas paciência, vai ficar pro ano que vem! rs

antica-pesa

Se você não tem muita vontade de feira, por aqui também tem ótimos restaurantes italianos! Eu cito 3 que gosto bastante, em ordem de preferência: Antica Pesa, Aurora e D.O.C. Wine Bar. O Aurora já foi post e o Antica Pesa (Berry St – entre N7th e N8th) precisa aparecer por aqui em algum momento (como ele só funciona para jantar, nunca consegui tirar uma foto boa da comida) porque é delicioso – o spaghetti cacio & pepe é o melhor que eu já comi! Volta e meia o dono de lá, o Francesco Panella, posta uma foto com alguma celebridade que apareceu no restaurante daqui ou no de Roma. Eu ainda não dei essa sorte! O D.O.C. (esquina de N7th com Wythe St) também é de italianos e abre apenas para jantar, a comida é ótima e o ambiente é bem aconchegante.

williamsburg4

Se você preferir pizzas, duas dicas completamente diferentes: o Acqua Santa (N 7th entre Bedford Av e Driggs Av) tem pasta mas as pizzas me impressionaram, todas – absolutamente TODAS – são maravilhosas. Massa crocante e recheios super saborosos. A entrada que mais amo é a bruschetta de pizzeta, que nada mais é que uma bruschetta na massa crocante da pizza, DIVINA. A outra pizzaria famosa de lá é a Joe’s Pizza (Bedford Av. esquina com N4th), mas é esquema de pizza fast food, sem muitos recheios e fatias gigantes.

Rooftop charmoso do Juliette, ótimo para dias lindos! | Foto: @juliettebkny

Rooftop charmoso do Juliette, ótimo para dias lindos! | Foto: @juliettebkny

 

Outras sugestões gastronômicas que são ótimas: Williamsburg Thai, tailandês honesto e saboroso (na Bedford Av entre N5th e N6th); Devocion, um café super charmoso cheio de doces maravilhosos (Grand St entre Kent Av. e Wythe Av.); sorveteria Van Leuween, depois que eu conheci essa sorveteria nunca mais quis outro sorvete, principalmente depois que eu experimentei o exótico sabor de Matcha Green Tea (esquina da Wythe Av. com N5th); Umami Burger, hamburgueria deliciosa (N4th entre a Bedford Av. e a Driggs Av); Sweetgreens para quem quer comer light, estilo monte sua salada e com opções muito gostosas. A Kale Ceaser Salad de lá é de comer rezando (do lado do Umami Burger); O Juliette é ótimo para brunch, ambiente aconchegante e comida super gostosa (N5th entre Berry St. e Bedford Av).

Vou parar por aqui porque senão vocês vão achar que só vale visitar Williamsburg para comer! haha E não, dá para comprar também!

Para começar, todo fim de semana fica aberto o Artists & Fleas (N7th entre Kent Av e Wythe Av), uma espécie de mercadinho onde marcas independentes expõem suas peças, e tem de tudo, desde joias até essências para casa e roupas para bebê. O A&F também tem uma filial no Chelsea Market que funciona todo dia, mas se eu não me engano o espaço é menor.

Fachada da Urban Outfitters

Fachada da Urban Outfitters

Quem quiser ver outras marcas legais, vale começar pela N6th e ir andando até a Bedford Avenue. É lá que tem a Urban Outfitters (sob o nome de Space Ninety 8, fica entre a Wythe  Av. e a Berry St.), a Sandro, a Maje, a Madewell e a Meg, uma marca só de produtos feitos em NY e com várias peças lindas e super originais. A N4th é outra que também vale a pena ser explorada, tem Levi’s e uma loja chamada Scotch & Soda que vale conhecer (mesmo não sendo das mais baratas). Ah, e não posso esquecer da J.Crew, que fica na Wythe Av. entre a N4th e N3rd.

Red Pearl, uma loja cheia de presentes fofos!

Red Pearl, uma loja cheia de presentes fofos!

Outra rua que precisa ser muito explorada é a Bedford Avenue. Cheia de lojas vintage e bares, também dá para encontrar muita coisa bacana por ali e pelos seus arredores. Se você está querendo ver semi joias fofas e delicadas, tem a NorBu (N4th com a Bedford Av.) e a Catbird (Bedford Av. entre N4th e N5th). Para presentinhos, uma que eu amo é a Red Pearl (Bedford Av. entre 5th e 6th). Ah, e não vamos esquecer da Apple Store – que costuma ser bem mais vazia que todas as outras que eu já visitei – que fica na Bedford Av. esquina com a N3rd.

De programas mais diferentes, sugiro dois: a Brooklyn Brewery, a fábrica da cerveja local onde você pode fazer tour e degustações e a Rough Trade, uma loja de discos e cd’s que tem espaço para shows, um café e é bem interessante de se conhecer.

E quem quiser terminar o dia vendo Manhattan, tem dois lugares ótimos: o Waterfront Piers (onde pega a barca) e o East River State Park, que tem uma “prainha” com vista incrível para o skyline.

Praia com vista no East River State Park

Praia com vista no East River State Park

Waterfront Piers

Waterfront Piers

Ufa! Acho que é isso! O mais engraçado é que na minha primeira semana em Williamsburg eu saía para explorar o bairro e fiz uma série de escolhas erradas que me levaram para lugares super residenciais, vazios e sem nada de interessante. Hoje eu penso e vejo como tem coisa para fazer se você entre nas ruas certas! rs

Tenho a impressão que ainda vou fazer um post 2 em algum momento, mas por enquanto essas são as minhas dicas de um super tour por Williamsburg! Isso porque eu não englobei Greenpoint, que é outro bairro que está crescendo muito e ficando cheio de coisas legais!

E se alguém tiver mais dicas para dividir, estou doida para anotar! :)

Beijos

banner-SNAP-ca