Browsing Category

Futi em NYC

8 em Autoconhecimento/ Autoestima/ Futi em NYC no dia 18.04.2017

Tenho sotaque mesmo, e daí?

Meus pais me matricularam em cursos de inglês desde bem novinha. Começou com aulas de atividades, para aprender o básico do básico quando eu tinha uns 5 anos. Depois fui evoluindo para cursos que estimulavam a leitura e a escrita, aprendendo gramática, tempo verbal, além de estender o vocabulário, claro. Até que chegou uma hora que começou a conversação e foi aí que eu descobri que eu tinha um bloqueio. Eu ODIAVA essa parte.

Não gostava de conversar em inglês (ou qualquer outra língua, na verdade) por alguns motivos: não queria errar alguma concordância, medo de não entender e não ser entendida, medo de errar a pronúncia, enfim, uma série de limitações que eu mesmo me impus sem motivo algum. E imaginem eu, brasileira que nunca tinha morado fora do país, querendo falar perfeitamente como uma pessoa que nasceu nos Estados Unidos?

Quando eu era mais nova eu lia livros e mais livros em inglês e em voz alta, justamente para aperfeiçoar o meu sotaque. De certa forma eu acho que isso foi ótimo, minha pronúncia é até bem legal, mas mesmo assim, quando chegava a hora de me comunicar mesmo, eu travava. Eu me cobrava mais do que deveria e isso refletia quando eu viajava. Eu quase nunca me comunicava além do básico “excuse me, how much, where is”, quando a conversa ia além disso eu já dava um jeito de não deixar ir além e botar quem quer que estivesse comigo na frente. Sim, amigas, eu me anulava e deixava de me comunicar por medo.

Lembro uma vez eu elogiando uma amiga porque achava que ela falava muito bem, até que ela me falou algo que eu nunca esqueci: “não falo, não, erro pra caramba e muitas vezes só descubro que errei depois que já falei. Mas se no fim eu entendo e me entendem é isso que importa”. Na época eu achei ela muito corajosa e ousada por pensar dessa forma. Poxa, quem dera eu conseguisse me desinibir, tirar essas besteiras da cabeça e tentar me comunicar sem medo de erros ou pronúncias perfeitas.

Eu sei que tenho sotaque, mas as pessoas me entendem suficientemente bem!

Até que a vida vem e meio que te obriga a desembuchar, né? No meu caso, eu precisei morar aqui e passar a me virar sozinha e em inglês para começar a trabalhar o desapego de falar certo e fluente e sem sotaque para começar a me soltar e me sentir segura até mesmo para errar ou dizer que não entendi. Eu precisava me comunicar, eu precisava resolver coisas e, em menos de um mês, eu descobri que por mais que digam que novaiorquinos são frios e fechados, a história não é bem essa porque muita gente gosta de puxar papo.

No início foi um horror para uma pessoa que sempre teve medo de não entender, não ser entendida e não conseguir se comunicar bem. A frase que eu mais usava era “excuse me?” ou “sorry”, a segunda frase “can you repeat please?” Eu não conseguia entender quase NADA de primeira, o que foi um baque para meu orgulho mas um baita aprendizado também. Eu tive que aceitar que eu falo bem mas não sou totalmente fluente, que eu ainda erro muita coisa, que eu empaco e preciso de ajuda e, de certa forma, também tive que aceitar que a forma que eu me comunico entrega o meu status de estrangeira. Eu tive que aprender a ser humilde linguisticamente falando, eu diria. Tive que aceitar ajuda, pedir para falarem mais devagar, pedir para ser corrigida (isso é maravilhoso porque eles corrigem e completam frases de um jeito que eu nunca me senti constrangida).

Por incrível que pareça, o que me deu o estalo de que estava tudo bem não falar como os locais foi a Chiara Ferragni. Sabe, a blogueira, Blonde Salad? Então, foi um dia, assistindo um snap dela que eu me toquei como o sotaque italiano dela era forte. E constatar que uma das maiores blogueiras do mundo fala seu inglês com um sotaque carregadíssimo e tá tudo bem me deixou mais confiante para abraçar meu “estrangeirismo”. Depois fui lembrando outros nomes que antes não me chamavam essa atenção: Sofia Vergara, por exemplo, atriz mais bem paga da TV americana taí, fazendo sucesso com um sotaque colombiano fortíssimo. Ou seja, se elas são bem sucedidas sem abrirem mão de suas nacionalidades por que eu, que nem tenho ambições de fama aqui nos States, não posso me comunicar da minha forma?

Claro que Nova York ajuda muito nessa desinibição, afinal, aqui é uma torre de babel. Em uma saída na rua você ouve chinês, português, espanhol, francês, japonês, indiano, russo. E no fim das contas todo mundo acaba se entendendo em seus sotaques, falando certo ou errado, pedindo para repetir ou sendo fluente.

Hoje em dia eu já entendo tudo mais facilmente e as vezes até tento puxar uma conversa, e posso falar? Nunca me senti tão capaz, fiquei até com vontade de aprender outras línguas. Quem sabe eu volte pro francês? :)

0 em Autoestima/ Comportamento/ Experiência/ Futi em NYC no dia 12.04.2017

Clima e autoestima

Antes de eu me mudar, algumas amigas que moram (ou já moraram) em lugares cujo inverno é bem demarcado e intenso me alertaram: aproveita bem o verão porque quando esfria a coisa complica. E eu segui bem o conselho, bati muita perna, fui à piscina, à praia, curti parque e por do sol, aproveitei lugares ao ar livre e ficamos até tarde na rua.

Quando o termômetro foi caindo, eu fui encarando o frio com curiosidade. Já viajei para muitos lugares frios, inclusive para NY, mas estava empolgada com a experiência de morar em uma cidade com inverno de verdade, com neve e temperaturas abaixo de 0 grau, com comemoração de Natal com ugly sweaters e cujas músicas que falam “baby, it’s cold outside” ou “winter wonderland” fazem todo sentido para essa época do ano. E Nova York em Dezembro é especialmente mágica – mesmo escurecendo as 4:30 da tarde – o clima natalino por toda cidade realmente contagia e te faz sentir em filmes, uma sensação maravilhosa que eu nunca vou esquecer.

Só que aí chegou janeiro. E fevereiro (que eu passei no Brasil, e acho que nunca dei tanto valor ao nosso clima quanto agora). E março. E eu descobri que não estava tão bem assim. A curiosidade e empolgação de novembro deu espaço para um grande desânimo, para uma apatia fora do normal e até mesmo uma autoestima minada.

Em janeiro, com o casaco que me acompanhou o inverno inteiro (tadinho, merece um descanso)

Eu, que sempre me empolguei em fazer looks de frio, me vi de saco cheio do meu armário. Não aguentava mais olhar para os mesmos casacos, ter que botar várias camadas de roupas para ir na esquina e só ter uma parte do guarda roupas que realmente dava para usar no dia a dia. Fotografar look? Pra quê se eu só tava usando as mesmas coisas sempre? Fui perdendo a vontade até mesmo de alimentar o instagram, estava sem saco, sem olhar, sem inspiração.

A minha vaidade foi para o beleléu. Deixei de pintar as unhas do pé e a depilação começou a ser lembrada apenas quando a situação estava crítica. A única coisa que ganhou atenção foi a pele, especialmente das mãos, porque elas ficaram extra secas do aquecedor e gritavam por hidratação. E a bola de neve dentro de mim foi crescendo cada vez mais, porque eu fui perdendo a vontade de sair de casa. Deixei passar dias lindos só porque eles estavam congelantes. Poderia ter ido a museus, feito programas em lugares fechados, batido perna mas não, quando vi estava estagnada dentro de casa, totalmente entediada e usando o Arthur como desculpa para eu não sair. Em algum dado momento eu me senti incapaz.

Mas vocês sabem o que foi mais assustador?

Ter percebido o efeito devastador do inverno em mim só agora, na semana que fez mais de 20 graus e o sol brilhou e esquentou a minha pele de verdade. Quando senti o calor a minha energia voltou, a minha vontade de explorar a cidade também, de sair todo dia só para fazer os mais diferentes looks – e fotografar todos e tudo! Voltei a sentir vontade de depilar e deixar os pés bem cuidados, por fim me senti renovada, renascida e bonita novamente! E só aí eu percebi como eu operei o inverno todo com, sei lá, uns 40 % da minha capacidade.

Cor, leveza, iluminação e um sorriso maior no rosto. Ah, a primavera!

O engraçado é que eu também percebi que eu não fui a única, isso acontece até com quem já encarou inúmeros invernos. Nesse fim de semana que a temperatura chegou a 23 graus em um domingo ensolarado as ruas estavam lotadas, as pessoas nas ruas andavam sem casacos, sentadas nas varandas dos restaurantes, a felicidade no ar realmente era palpável e a vontade de recarregar a vitamina D também.

 

Antes eu acreditava naquela frase que as pessoas ficam mais bonitas e bem arrumadas no inverno, mas hoje eu tenho certeza que nada se compara à beleza e à leveza dos dias quentes e ensolarados!

0 em Destaque/ Estados Unidos/ Futi em NYC/ Viagem no dia 14.02.2017

#futiemnyc: um restaurante grego, um marroquino e um tailandês para botar na lista

Eu não sei se quando vocês viajam para os Estados Unidos vocês procuram restaurantes interessantes e de cozinhas diversificadas ou preferem aproveitar as férias para decidir qual o melhor hambúrguer da cidade e usar isso como desculpa para ficar alternando entre Shake Shack, Five Guys e Burger Joint (Shake Shack, né? Sem dúvidas! hahaha #polêmicas). Ou então você passa a semana em Nova York e descobre que só comeu em pizzaria, restaurante italiano ou mexicano.

Mas hoje to aqui para falar de restaurantes diferentes no roteiro de quem vai para NY. Por exemplo, recentemente eu conheci 3 lugares que fogem do senso novaiorquino comum e que eu achei que vale muito à pena conhecer para aquele dia da viagem que dá vontade de comer bem e diferente! Lembrando que eu não sou uma desbravadora gastronômica, então se me agradou provavelmente vai agradar a maioria também!

Café Mogador, marroquino em Williamsburg ou East Village

Fiquei sabendo desse restaurante na semana que eu me mudei. Pedir indicações de lugares legais na vizinhança sempre é um bom tema para começar conversa com estranhos e foi assim que o Café Mogador foi um dos mais indicados pela comida deliciosa, ambiente aconchegante e gente bonita (eu nunca entendo quem usa esse tipo de adjetivo para se referir a um lugar que as pessoas vão para comer e não para paquerar, mas tudo bem).

E mesmo sendo super indicado e perto de casa, eu demorei 6 meses para conhecer. O motivo? Não sou a maior fã da cozinha árabe e por isso não me empolguei. Até que um belo dia eu estava com meus pais e disse que estava morrendo de saudades do bazergan, uma entrada do Spot (de SP) que é uma coalhada com tabule e pita. Daí entramos numa discussão se era uma receita turca, libanesa ou marroquina e foi assim que eu me lembrei do Café Mogador. Sugeri e fomos conhecer. Nessas horas eu fico muito p. da vida comigo mesma por demorar tanto para conhecer coisas novas por preconceitos sem sentido, viu…

Eles têm um brunch famoso no fim de semana mas sinceramente? Tem tanta coisa boa no cardápio normal que eu acho um desperdício de dinheiro ir pra lá comer ovo. Sem contar que o horário do brunch costuma ter muita fila, não acho que vale a pena mesmo!

As entradinhas são deliciosas e super bem servidas. Quando fomos em 4 pessoas pedimos 3 entradas (6 dólares cada) e foi mais do que suficiente. Entre várias opções tem o tabule, a coalhada que se chama labne (obviamente matei as saudades do bazergan! hehe) além de outras coisas como o babaganoush (que eu não curto, mas sei que sou minoria) e uma pastinha de tomate com pimentão maravilhosa chamada matbucha. Ah, em qualquer entrada vem uma pilha com pitas quentinhas, ou seja, nem precisa pedir muita coisa de entrada, – não ser que você prefira ficar apenas nelas.

De prato principal tem os clássicos como cuscuz e tagine, assim como grelhados e saladas. Eu amei o grelhado de frango com arroz basmati e legumes assados no palito, gostei tanto que na segunda vez que eu fui eu não quis experimentar nenhum prato novo.

Sem bebidas alcoólicas acho que foi em torno de 30 a 40 dólares por pessoa. Achei bem justo para a qualidade e também para a quantidade de comida que é servida. Vale muito a pena conhecer! Eu só fui na de Williamsburg, mas acredito que a do East Village deve ser tão descolada quanto a do Brooklyn.

The Greek, grego em TriBeCa

Um belo dia de janeiro eu e Bernardo acordamos com saudades de um restaurante grego. Em SP íamos muito ao MYK e queríamos alguma coisa no estilo (tão percebendo que estamos querendo lembrar os tempos paulistas? Pois é, acho que estamos). Procuramos no Yelp e no Foursquare até que achamos o The Greek em TriBeCa.

Ele é super charmoso, com decoração aconchegante e intimista. Fomos atendidos por uma senhora grega que nos indicou um empanado de feta com mel de entrada que praticamente comemos rezando.

De prato principal eu escolhi o Souvlaki de frango, o Bernardo foi de Bifteki, carne com queijo e arroz. Ambos super saborosos, apesar de eu ter achado o Bifteki melhor. No meu caso, eu diria que o destaque foi a entrada apesar de ter sido uma refeição deliciosa, tanto que to aqui indicando.

No dia acabamos não bebendo nada mas vale dar uma olhada na carta de vinhos, recheada de opções gregas.

A conta deu em torno de 90 dólares o casal, mais ou menos o mesmo preço do marroquino. Também achei um preço bem justo pelo conjunto da obra.

Obao, tailandês em Hell’s Kitchen, Midtown ou Financial District

Conheci o Obao depois de uma noite com amigos no fliperama. Estávamos em Hell’s Kitchen morrendo de fome e eles sugeriram esse lugar que tem em mais dois locais em Manhattan. Eu já falei aqui sobre o Uptown, um tailandês no Upper East que eu adorei, mas ouso dizer que o Obao é páreo duro.

Para começar a decoração é fofa e sofistica, com luminárias que parecen balõezinhos. O cardápio é bem variado e tem opções para todos os gostos. O esquema que fizemos foi pedir umas 3 entradas e 2 pratos principais para nós e a conta foi certinha para 4 pessoas esfomeadas porque os pratos são bem grandes. Não lembro o que pedimos, mas o pad thai foi um dos pratos preferidos, assim como o red curry de pato confitado.

E o preço? Muito bom! Se não me engano deu uns 40 dólares o casal, o que é considerado um preço bem amigo para Nova York! rs

Vocês conhecem outros restaurantes diferentes e que merecem indicação? Me contem!

Beijos!