Browsing Category

Viagem

0 em Brasil/ Destaque/ rio de janeiro/ Trip tips/ Viagem no dia 13.11.2017

Belmond Copacabana Palace: o melhor do Rio também pode ser aproveitado por cariocas

Há tempos que eu passo na frente do Copacabana Palace e fico sonhando em me hospedar ali. É verdade que eu já estive no Copa por diversas ocasiões, seja em um dos muitos casamentos de princesa nos salões do hotel, num almoço no Pérgula à beira da piscina ou num jantar no restaurante Hotel Cipriani. Mas como hóspede, nunca.

Eu não sou uma pessoa que costuma comemorar muito datas especiais, mas esse ano, com meus 5 anos de casamento, resolvi que era hora de buscar algo diferente para marcar nosso aniversário. E foi numa dessas que eu tive a idéia de passar uma noite no tão sonhado hotel dos sonhos na cidade maravilhosa.

O Copacabana Palace (ou só Copa, em carioquês) é um dos mais chiques e o mais tradicional hotel do Rio de Janeiro. Faz parte da rede Belmond, que possui outros hotéis únicos e icônicos como o Belmond Hotel das Cataratas, dentro do Parque Nacional do Iguaçu, e o Belmond Sanctuary Lodge, na entrada de Machu Picchu. O hotel é sempre escolhido por celebridades nacionais e internacionais quando vem visitar o Rio e também é palco para muitos eventos sociais badalados da cidade.

Vale dizer que o Copa vem passando por reformas e modernizações, a exemplo da piscina principal, que agora tem bordas molhadas, e o restaurante Pérgula, que reabriu recentemente com um look repaginado (quando nos hospedamos no hotel, o Pérgula ainda estava em obras).

Então lá fomos nós passar um fim de semana no crème de la crème da hotelaria carioca.

Deixamos as coisas na recepção e fomos direto para a piscina, onde passamos a tarde relaxando e aproveitando o solzinho. Apesar de estar fechado, o serviço do Pérgula estava funcionando ao redor da piscina, com snacks e drinks. Pedimos uma sangria de vinho branco (deliciosa!) e uns petiscos e ficamos ali até o sol baixar, quando resolvemos ir para o quarto.

Só assim pro marido aparecer nas fotos!

Top tomara que caia Marcyn

Ao todo, o Copa tem 226 quartos e suítes divididos no prédio principal e no prédio anexo, classificados em várias categorias de acordo seu tamanho e com a vista. Nosso quarto era da categoria Luxo Frente mar, no 5º andar do prédio principal.

O quarto em si não era enorme, mas tinha tudo que a gente precisava: uma cama king size super confortável, uma varandinha simpaticíssima e um banheiro com chuveiro e banheira separados (detesto quanto é junto!), além de amenities super bacanas que incluíam sais de banho e banho de espuma (amo!). A decoração é clássica e clean, com muito bom gosto e móveis muito bem cuidados. E a vista, nem preciso falar né? Linda, maravilhosa, de cima do calçadão de Copabacana.

Chegamos no quarto e fomos agraciados com presentinhos: uma garrafa de espumante rosé, docinhos e um bilhetinho assinado pelo gerente do hotel nos dando parabéns pela nossa data especial. São pequenos detalhes que fazem a diferença!

Uma curiosidade que não sei se todos sabem é que existe uma 2ª piscina no Copa, a black pool ou piscina negra, que fica no 6º andar do prédio principal do hotel e somente os quartos localizados nesse andar tem acesso a ela (nem precisa dizer que eu fiquei louca para ir lá conhecer né?).

Já à noite, descemos para jantar no restaurante Mee, um restaurante de gastronomia pan-asiática super sofisticado que tem, nada mais, nada menos, que uma estrela Michelin. Os pratos tem influência da Tailândia, Camboja, Malásia, Cingapura, Coreia, Vietnã, China e Japão e são meticulosamente preparados na hora com ingredientes fresquíssimos.

O cardápio é bem extenso, então decidimos pedir as dicas para a nossa atendente, que acertou na mosca. Tudo que comemos estava di-vi-no!

A carta de bebidas também é incrível e tem diversas opções de sake importados que eu fiquei com vontade de provar. Como já tínhamos bebido bastante ao longo do dia, acabou ficando pra próxima visita (e vai ter próxima sim!). Esse restaurante abre somente para o jantar.

Carpaccio de salmão com molho cítrico

Filé mignon wagyu com foie gras: de comer rezando

Além do Mee e do Pérgula, no Copa existe ainda restaurante Hotel Cipriani, um italiano delicioso que experimentamos em outra oportunidade e que também é uma ótima opção para almoçar ou jantar.

Depois de uma noite de sono revigorante, acordamos cedo para tomar café. Normalmente, o café da manhã é servido no Pérgula, mas por conta das obras, estava sendo servido no Cipriani, também ao lado da piscina. Eram muitas opções de pães, frios, iogurtes, doces, tapiocas, omeletes, tudo que você pode imaginar para um café da manhã farto e reforçado (amo café da manhã de hotel!).

Aproveitamos esse momento pós café para dar um passeio pelo hotel, conhecer o Spa, a academia e dar uma voltinha pelos salões. Depois, pegamos uma espreguiçadeira ao lado da piscina e ali ficamos pelo resto do dia.

Todo domingo, acontece o famoso brunch no Pérgula. Como tínhamos comido demais no café, optamos por pedir o almoço na piscina mesmo, mas ficou outro motivo para voltarmos ao hotel!

A experiência de passar um fim de semana como turista em um dos melhores hotéis da nossa própria cidade foi deliciosa e muito diferente. O Belmond Copacabana Palace tem instalações maravilhosas, além de ótimos restaurantes que podem ser frequentados por hóspedes e por visitantes também. Então porque não aproveitar o que o Copa tem a oferecer?

Tenho certeza que voltaremos em outras oportunidades para explorar os restaurantes e nos hospedarmos no hotel novamente (agora estou mirando o exclusivo 6º andar e a black pool! Quem sabe, né?). Tudo ali é muito especial!

 

Reveillon 2018

Já pensou em passar a noite de ano novo no melhor ponto de Copacabana?

O Belmond Copacabana Palace dará uma super festa em seus salões das 20:00 do dia 31 de dezembro até o amanhecer do dia 1º de janeiro, com jantar incluso e bebida liberada. Os convidados vão poder escolher o local do jantar (Pérgula, Cipriani ou os salões), cada um com um formato e proposta diferentes. É para agradar todos os gostos!

Com a localização privilegiada para a praia de Copacabana e a queima de fogos, tenho certeza que será inesquecível. Não preciso nem dizer que estou desejando né?

Para quem animar de começar 2018 no melhor estilo, os ingressos estão sendo vendidos direto pelo hotel através do telefone 21 25454-8788 ou email banquetes.cop@belmond.com.

5 em Autoconhecimento/ Comportamento/ Estados Unidos/ Futi em NYC no dia 06.11.2017

Uma Nova York desromantizada

Faz um tempo que eu tenho notado que toda vez que eu falo que moro em Nova York, já vejo as engrenagens da cabeça da pessoa girarem, pensando em tudo aquilo que imaginamos quando o nome da cidade surge.

Nova York é romantizada, inclusive, diria que é mais romantizada até do que a maternidade, assunto que eu falo tanto por aqui. É a selva de pedras onde os sonhos se tornam realidade, onde “se você consegue se dar bem aqui, consegue se dar bem em qualquer lugar”. A cidade das comédias românticas, dos filmes de heróis, do luxo da moda, a cidade que nunca dorme (mentira, e vai dormir cedo ainda por cima), onde tudo pode acontecer. É glamour, é chic, é um sonho.

Eu caí nessa armadilha. Eu me apaixonei e caí de joelhos pela ideia que eu tinha da cidade, tirada de tantos lugares e tantas outras visitas que eu fiz à Big Apple. Quando meu marido recebeu a proposta de trabalhar aqui, quando o Arthur estava prestes a nascer, o coração bateu mais forte. Imagina que incrível? N-O-V-A Y-O-R-K.

A diferença é que, assim como a maternidade, descobri que toda a expectativa que eu tinha fez com que eu levasse um baita tombo. Logo eu, que tento sempre evitar as malditas expectativas.

Consegui me reerguer desse tombo quando admiti para mim mesma que a cidade é incrível, mas ainda não é minha casa. Descobri nessa minha última estadia em SP que meu coração ainda é muito apegado à Terra da Garoa e à vida que eu construí lá. Me vi percorrendo ruas tão familiares, vendo pessoas tão queridas e por um segundo achei que nunca tinha ido embora, que iria sair do restaurante e voltar para o aconchego do meu apartamento. E para vocês verem que NY é romantizada, fui comentar isso assim que cheguei em terras paulistanas e tive que ouvir: “nossa, que pobreza, você mora em NY e tá sentindo falta de SP?”

Não vou dizer que Nova York não é incrível. É. Cidade rica culturalmente, pulsante, inspiradora em diversos sentidos. O senso de comunidade é grande, de um jeito que eu nunca tinha visto morando no Brasil. Até hoje eu olho para a minha janela, dou de cara com o skyline mais famoso do mundo e penso: “eu to aqui mesmo?” Reconheço meu privilégio, agradeço todos os dias essa oportunidade que só tem me feito crescer, um crescimento que eu sei que nem em 15 anos morando no Brasil eu não teria.

Só que as pessoas não falam a minha língua, elas são mais apressadas e menos calorosas. As ruas são mais barulhentas, é muita luz, muito som, muito movimento, vindo de todo lugar. É lindo quando você está de passagem, mas cansativo quando os meses vão passando. A primeira neve é linda, mas ficar mais da metade do ano sem poder botar as pernas de fora ou uma sandália é difícil para quem cresceu no inverno quase verão do Rio de Janeiro. Os amigos existem (e são minha salvação) mas eu sinto falta de todos os outros que eu deixei pra trás. Quando eles combinam algo pelo whatsapp, então, dá vontade de criar um teletransporte urgente para estar com eles em 2 minutos. Saber que os avós e a única bisavó do Arthur estão acompanhando seu crescimento à distância dói o coração mesmo.

Se sentir falta de tudo isso é pobreza, prefiro continuar com esse espírito então. Nunca trocaria esses sentimentos por uma cidade que inspira um glamour que, para a grande maioria da população que vive aqui, não condiz com sua vida real.

De pouquinho em pouquinho vou me recuperando do tombo, botando meus pés realmente no chão e vendo a cidade com olhos mais carinhosos e verdadeiros. Esquecendo comédias românticas e ignorando Franks Sinatras para realmente escrever a minha história dentro desse lugar.

1 em Brasil/ Destaque/ rio de janeiro/ Viagem no dia 06.11.2017

Hotel Grand Mercure Rio & nosso amor por ele!

Quem acompanhou a primeira e a segunda pool party do #paposobreautoestima sabe que o Grand Mercure é nossa segunda casa no Rio de Janeiro. Uma espécie de recanto moderno, chique e bonito onde é possível estar na Cidade Maravilhosa, mas curtindo de uma forma diferente, apreciando a vista linda, seja de uma das piscinas mais bacanas de toda a cidade ou dos quartos aconchegantes que o hotel oferece.

Se você precisa ficar na Barra, ele é uma das melhores opções que você terá. O hotel é ao lado do Parque Olímpico (onde foi o Rock in Rio, o Festeja e outros grandes eventos) e igualmente perto da Jeunesse Arena (onde acontecem alguns dos melhores shows que a gente respeita). Outro ponto de referência é o RioCentro, que recebe a Bienal e uma série de outros eventos. Ou seja, precisou ficar desse lado da cidade, o Grand Mercure Rio Centro é uma opção de luxo, qualidade e com direito à estrutura pra você curtir o Rio.

Nossa motivação preferida para ficar no hotel é escapar da rotina. Se você quer fugir de casa por um dia ou um fim de semana, o hotel oferece a piscina mais legal, um por do sol de tirar o fôlego e um room service pra lá de aprovado.

Nós duas já levamos muitas e muitas leitoras para dormir lá na primeira festa e quase todo mundo (mesmo) voltou na segunda vez! Tá na cara que essa experiência com o GRAND MERCURE RIOCENTRO não é aprovada apenas pelo futi, mas também por quem vive conosco o #paposobreautoestima.

Talvez o lugar preferido dessa turma seja a maravilhosa piscina no rooftop do hotel. A gente entende porque também somos apaixonadas por ela. O melhor é que para aproveitá-la não precisa necessariamente estar hospedado no hotel e o day use que dá direito à piscina, sauna e academia sai em torno de R$99 o casal.

No entanto toda essa experiência com eles envolve mais. O prédio é lindo, com uma entrada de pé direito enorme e os quartos falam por si só. Sejam no quesito vista ou no quesito conforto. O banheiro é espaçoso, com chuveiro forte e produtos L’Occitane.

A gente falou que tinha vista, não é mesmo?

Apesar das lindas fotos da Gabriela Isaias, não podemos negar que quem acompanhou os stories sabe o quanto os quartos são grandes, bonitos e modernos (coisa não tão comum no Rio de Janeiro). Alguns dos quartos contam com uma varanda com mesa e cadeiras, perfeito para quem quiser relaxar no final do dia tomando alguma coisa.

No 1o. andar fica o restaurante, com um café da manhã variado e delicioso. O omelete e o pão de queijo, que chega na mesa fresquinho, são nossos pontos altos.

No 14o. andar fica a  piscina e o salão. Eles são uma super alternativa para casamentos, festas e eventos. Quem nos conhece sabe que fizemos o máximo possível pra repetir a dose da segunda festa por lá justamente por acharmos que o espaço é bem ímpar no Rio de Janeiro. E realmente foi a melhor opção, pois acabamos nem nos importando com a chuva que caiu no dia da pool party. Não usamos muito a piscina, mas pudemos fazer a festa dentro do salão – que conta com a mesmíssima vista. Isso porque não falamos do serviço, que foi super elogiado pela atenção e simpatia que os garçons tiveram com as convidadas.

Já gravamos, fotografamos e vivemos muitas coisas nesse hotel justamente porque acreditamos que ele tem um custo benefício muito legal. Eles fizeram parte dos maiores sonhos do #paposobreautoestima duas vezes esse ano e por isso nós duas não poderíamos estar mais agradecidas.

Ah! vale falar que o hotel tem uma estacão de BRT em frente, estacionamento incluso e um serviço atencioso e impecável.

Obrigada Grand Mercure RioCentro, a gente ama estar pertinho com vocês nessa parceria.

Vou fugir por muito mais vezes, para aproveitar o verão e essa piscina em grande estilo.

Beijos

 

Para saber tudo sobre as nossas duas festas na piscina do hotel clique aqui:

Primeira edição

Segunda edição