Browsing Category

Comportamento

1 em Comportamento/ Experiência no dia 09.03.2017

Materializando sonhos: a importância de falar em voz alta

Não é de hoje que minha terapeuta me alerta pra a importância de dizer para o universo, DEUS ou poder superior de cada um, aquilo que a gente deseja. Como se não bastasse ela me lembrando disso, conheço muitas pessoas que realizam sonhos e mantém sempre uma LISTA de desejos à vista. Essas pessoas são do tipo que conquistam aquilo que almejam, ou seja, eu vejo à minha volta que quem sabe o que quer, fala isso em voz alta ou mesmo escreve – e realizam.

Eu faço o máximo possível para jogar pro universo minhas intenções nas minhas orações, meditações ou momentos de recolhimento, seja de manhã, no banho ou antes de dormir. Só que de uns tempos pra cá, ando colocando mais fé na história de deixar claro pro Universo o que eu desejo.

Nem sempre, ou quase nunca, as coisas acontecem da maneira como eu mentalizei; mas de um jeito inesperado e inusitado, elas acabam acontecendo.

Faço isso desde 2015, e é tão doido que eu peço pra Deus pro boy lixo sumir e ele some, peço pra que pessoas que não estão na mesma vibração que eu se afastem e elas se afastam. Tudo acontece comigo de forma bem literal, inclusive tenho que ter muito cuidado com o que peço, porque em geral vem. Acho inclusive que esse o motivo de eu ainda não ter pedido um grande amor, porque na hora que eu pedir ele pode vir e agora acho que não estou pronta.

Só que hoje não vou falar de assuntos de coração, o tema de hoje tem mais a ver com o meu carnaval mesmo!

Eu sabia que ele ia ter uma agenda legal e alguns eventos bem interessantes, mas lembro de ter comentado em voz alta com uma amiga que queria realizar dois sonhos muito improváveis pra 2017 (e zero impossíveis pra 2018): desfilar numa ala incrível de uma escola do grupo especial e participar do bloco da Preta, no trio principal.

Sim, esse último parece doido e muito específico, mas eu cismei que para nosso #paposobreautoestima era um movimento bem importante e fiquei alguns dias pensando como poderia falar com a BOA para tentar me ajudar nessa empreitada, dado que a Antarctica é a patrocinadora oficial do carnaval de rua do Rio.

Fiquei com isso em mente mas teve tanta coisa para fazer nesse Carnaval que acabei não comentando com nenhum dos meus contatos dentro da marca e com ninguém que organizou com a gente a ação COISA BOA GERA COISA BOA.

Quando me ligaram pra fechar os pontos de como seria a parceria, veio a surpresa. Quarta feira de cinzas, no baixo Gávea, a Antarctica faria o bloco Na Lata em homenagem aos catadores de latinha que trabalharam nesse carnaval e teria uma convidada surpresa no trio elétrico, adivinhem quem? Sim, ela, Preta Gil! E o melhor: fomos convidadas para subir no trio! Chamei leitoras, chamamos amigas e quando vi, estava lá em cima, falando com a Preta.

Quando me vi desfilando na Sapucaí pelo programa de recompensas da MARIOTT eu já estava suficientemente emocionada com as surpresas materializadas do universo, agora imagina quando eu estava ali, gravando stories ao lado da Preta em cima do trio?

Foi mágico, joguei pro universo as duas vontades muito despretensiosamente e o que aconteceu? Tudo! E mais um pouco, porque meu carnaval na verdade não acabou na quarta feira de cinzas! rs

=

No sábado depois do Carnaval, a SEMPRE LIVRE fechou meus dias de festa com chave de diamante e me levou para subir em outro trio que eu nunca poderia imaginar: o da Anitta, que também foi rainha no Rio. Eu me joguei, cantei, dancei, me diverti horrores, muito mais do que poderia imaginar!

Coisa boa gera coisa boa mesmo, a ANTARCTICA não podia ter tido lema melhor pro meu carnaval, que foi cheio de trabalho, montação e alegria!

Eu joguei no ar em voz alta essas duas coisas que sonhava fazer muito improváveis esses dias e pronto, sem mais nem menos. Eram duas coisas que eu queria muito fazer e que não tinha NENHUMA perspectiva de acontecer. Nem sei como agradecer à BOA e ao @vida_carioca por tudo isso. ❤️

A vida é muito curiosa, a gente atrai o que vibra e o universo conspira quando a gente sabe o que quer! É impressionante. Cada dia que passa acredito que verbalizar pro universo nossos sonhos, vontades e desejos tem uma importância ímpar! A gratidão abre portas que a gente nunca sonhou, os desejos do coração também.

Nessa hora fico pensando que eu podia ter pedido também pra conhecer um boy incrível né? Hahaha Brincadeira, não estamos operando com tempo pra isso direito!

Então vamos praticar mais isso? Vamos verbalizar pro universo o que a gente deseja?

Beijos

1 em #futiindica/ Comportamento/ Destaque/ Estados Unidos/ NYC/ Viagem no dia 08.03.2017

Sendo linda em Nova York sob as lentes da Martha Sachser

Em 2015, quando fomos juntas para Paris, nós fechamos com um fotógrafo para nos ajudar com as entregas de um cliente de moda. No fim das contas, o que era para ser um dia de trabalho acabou eternizado em fotos pra lá de especiais tendo como cenário uma das cidades que mais amamos no mundo.

Depois desse dia nós passamos a dar muito valor a um segmento que nunca tínhamos dado tanta atenção: ensaios fotográficos em cidades turísticas.

Não importa se você está viajando sozinha ou acompanhada, no fim todo mundo mostra as fotos de viagem falando as mesmas coisas: “ah, essa não ficou tão legal porque a pessoa não sabia tirar foto” ou “pois é, só fiz selfie nessa viagem porque fiquei com vergonha de pedir para tirarem pra mim”. E tem lugares que a gente se contenta com fotos mal tiradas e selfies intermináveis com o ponto turístico lá no fundo, mas tem outros cantos do mundo que voltamos arrependidas por não termos registros melhores, não é?

Por exemplo, a minha lua de mel. Hoje olho as fotos que tiramos e apesar de amar relembrar os momentos, fico com pena de ter registros tão turísticos e tão pouco comemorativos. Se na época eu soubesse que existia um fotógrafo com esse tipo de trabalho, eu teria contratado sem nem pestanejar.

Quando a Jô veio para cá em 2016, a história era quase igual à de 2015. Outro cliente de moda, outra necessidade de fotos incríveis, a única diferença é que saiu Paris, entrou Nova York como pano de fundo. Nem tivemos dúvidas na hora de bater o martelo, queríamos alguém com esse olhar de ensaio fotográfico usando o cenário novaiorquino a nosso favor. Foi aí que encontramos a Martha Sachser.

A Martha é conhecida pelo seu blog NY & About, que reúne muitas dicas ótimas daqui (ela tem um livro com sugestão de roteiro na cidade também!) mas além de blogueira ela é uma fotógrafa com olhar muito especial.

Eu sou apaixonada pelas fotos de casais, mas não dá para negar que a Martha também arrasa nas fotos de moda. Ela já fotografou várias blogueiras conhecidas como a Lu, a Priscila, a Bruna, a gente ahahaha Eu amo como o olhar dela é delicado e atento, de gente que conhece bem a cidade e sabe usar seus cantinhos a favor da pessoa fotografada. Isso porque não falei da paciência e da boa vontade (e haja paciência para acompanhar blogueira que precisa fotografar look, viu..é cada foto que a gente repete 500 vezes hahah).

Passamos uma tarde toda com ela e os registros desse dia ficaram tão lindos que volta e meia ainda aparecem em alguma rede social. E foi mais especial ainda porque depois do trabalho feito, conseguimos aproveitar para fazer umas fotos celebrando nossa amizade, nossa união com o Arthur, nosso momento de felicidade e o privilégio de estarmos juntas em outra cidade que amamos tanto. Acho que deu para transparecer o quanto estávamos felizes, né?

Quem estiver de passagens compradas (ou quase hehe) para NY e estiver pensando em eternizar essa viagem com fotos lindas, não pode deixar de dar uma olhada no trabalho da Martha através do Ny & About ou do seu instagram.

1 em Comportamento/ Convidadas/ Destaque/ Mayara Oksman no dia 08.03.2017

Às mulheres da minha vida

Eu tenho uma avó que foi dona de casa, criou quatro filhos e não tinha sua voz ouvida pelo marido. Minha mãe, talvez pelo que viu em casa, sonhava em criar asas, voar e construir a vida dela completamente diferente. Minhas três irmãs são muito diferentes entre si, mas cada uma delas é uma sobrevivente e lutadora de formas diferentes. Minhas tias, como eu amo minhas tias! Nada iguais entre si, mas sempre cuidando de mim como se eu fosse filha delas. Perdi uma delas para uma brava luta contra o câncer há onze anos e essa é a maior perda da minha vida, de longe. Minha prima postiça é uma das mulheres mais doces, queridas e pacientes (friso essa qualidade) que eu conheço no mundo. Minhas sobrinhas são minhas princesas, desde pequenas me mostrando, cada uma do seu jeitinho, que o futuro pode sim ser um lugar bem legal.

Tenho algumas boas amigas, daquelas que eu chamo de irmãs de coração. Cada uma delas tem uma história diferente, por óbvio, mas todas me enchem de orgulho todos os dias. Uma delas acabou de sair de uma parceria de trabalho abusiva. Ela foi e continua sendo forte nesse longo processo de compreender o que estava acontecendo e ver que ela não precisava daquilo para ser feliz. Uma outra amiga, assim como minha irmã, teve uma adolescência vida loka e não se arrepende nem um pouco: ela é quem ela é e hoje só se considera foda porque passou por coisas que muita gente não passou. Tenho amigas que viram noite em plantão para ajudar outras pessoas e fazem isso com sorrisos nos rostos. Outra amiga minha luta todos os dias para mostrar no trabalho que é capaz (senão mais) de fazer o que os advogados do escritório fazem. Amigas que voaram para longe para batalharem em outra língua e viver a vida que sempre sonharam. Diversas amigas passaram por cantadas agressivas na balada, foram criticadas por usarem as roupas que queriam. Criticadas porque queriam ser CEO e não donas de casa. Criticadas por quererem ser donas de casa e não CEO.

Duas das minhas amigas, conhecidas de vocês, são fortes, independentes e sem medo algum de ser feliz do jeito que elas bem entenderem. Uma delas me mostrou que eu não sou louca: que ser mãe não é não um conto de fadas. Ambas me ensinam demais sobre autoestima, sobre me aceitar, sobre me amar do jeito que sou. Acho que vocês sabem de quem eu to falando. :)

Tenho orgulho de ter trabalhado e trabalhar com mulheres incríveis. Mulheres casadas, solteiras, com ou sem filhos, que todos os dias saem de casa, chegam no escritório e batalham incansavelmente pelo que acreditam ser correto. Nem sempre o dia termina como esperado e mesmo assim elas não descem do salto (no sentido figurativo, porque quando dá dez da noite todo mundo já desencanou do sapato).

Todas elas têm histórias diferentes. Todas elas passaram por algum tipo de dificuldade. Todas já devem ter sofrido preconceito por serem simplesmente mulheres. Todas precisam provar para o mundo que são capazes, assim como os homens. Todas elas já foram silenciadas em algum momento da vida e nem todas puderam fazer algo para que isso não acontecesse. Todas elas são as pessoas mais fortes que eu conheço no mundo. E tenho certeza que você, mulher, que está lendo isso agora, é tão foda quanto todas as mulheres da minha vida.