Browsing Category

feminismo

2 em Autoestima/ feminismo/ maternidade no dia 20.07.2018

A modelo que amamentou no meio do desfile e a importância de naturalizar a amamentação

Imaginem a cena: você é amiga de uma modelo acabou de desfilar para a linha de biquini da Sports Illustrated e recebe a mensagem “amiga, você não vai acreditar no que aconteceu, mas acabei de entrar com minha filha mamando no meu colo no meio do desfile!”

amiga

Tradução: Para todos com comentários negativos: Mara é minha melhor amiga na vida real. Ela passou 12 horas no casting, em cima do salto e com seu bebê de 9kg durante cada dia de eliminação. A equipe toda amou a bebê e até sugeriu que ela fizesse uma de suas entradas com ela no colo. Quando chegou a hora dela desfilar, assim que o show começou, a bebê estava mamando. O produtor sugeriu que ela desfilasse com o bebê no colo e mandasse ver. Não foi planejado; ela inclusive me ligou logo depois para contar o que aconteceu. Não tem nada de errado nessa história. O bebê estava com fome. Final da história. / É necessário ter uma mulher sem uma perna no desfile? Não, mas eles colocaram uma e foi lindo. O motivo da Sports Illustrated ter feito um casting aberto foi justamente para celebrar todo tipo de mulher, incluindo mães. E eles deixaram claro sua posição: mães têm que poder alimentar seu filhos QUANDO, ONDE e COMO elas quiserem, sem aturar comentários de um monte de guerreiros do teclado sem nada melhor para fazer que preferem criticar alguém que eles nem conhecem. Mara é uma mãe incrível, mulher e amiga. Ela não merece nada mais do que suporte.

No momento seguinte, a tal amiga, cujo nome é Mara Martin, aparece em manchetes ao redor do mundo como a modelo que andou uma passarela com um dos lados do biquini pra baixo, amamentando enquanto desfilava.

Foi uma imagem forte, impactante, marcante. E tudo isso no sentido mais positivo do mundo, pelos mais diversos motivos.

Eu não me considero uma militante do aleitamento materno, inclusive eu não consegui amamentar por uma série de questões físicas e psicológicas (que inclusive eu demorei muito para entender isso, e hoje desconfio que tais questões foram mais psicológicas do que físicas) e lembro que no auge das minhas tentativas e frustrações, eu me sentia bem mal a cada mensagem que me passava a mensagem que a amamentação, além de fácil, linda, criadora de vínculos e amor, era absolutamente necessária.

Lembro quando fui comprar a primeira mamadeira do Arthur. Me deparei com umas linhas pequenas que, naquele momento, pareciam ter um alto falante que praticamente gritava pra loja inteira ouvir que se eu optasse pela mamadeira, eu iria expor meu filho a doenças e não estaria dando todo o amor que eu poderia dar. Demorou para eu deixar de me culpar e achar uma tranquilidade nessa página da minha história como mãe.

Quando eu fiz as pazes com esse capítulo da minha vida e comecei a entender o tamanho dos milhares de sapos que mães têm que engolir para conseguir alimentar seus filhos em público, finalmente caiu a ficha da importância de cada campanha e cada post feito falando sobre amamentação. Eu tinha minhas questões e encarava cada incentivo como atestado da minha incompetência, mas essa não é uma discussão sobre mim, então eu não deveria ter levado para o pessoal. Mesmo assim, achava que algo ainda estava faltando.

Até que vi essa história da Mara Martin, e fiquei maravilhada com cada decisão tomada para que essa cena tenha acontecido. Em tempos onde as regulamentações da OMS sobre amamentação estão sendo questionadas, essa imagem é um verdadeiro ato político.

Achei corajoso e maravilhoso as pessoas que estavam comandando o desfile terem incentivado Mara a entrar amamentando. Não importa se foi de caso pensado ou não, mas em uma sociedade onde mulheres perdem vagas de emprego (quando não perdem seu trabalho) porque têm (ou estão na idade de ter) filhos, ver um lugar onde a mulher pode ser mãe e profissional ao mesmo tempo é maravilhoso. E amamentar faz parte da maternidade, por isso, nada mais natural.

Aliás, naturalizar esse ato e tirar a sexualização do seio da mulher é urgente e necessário. E acabei percebendo que para mim, esse era o ponto que faltava. Não adianta fazer mil campanhas falando sobre a importância do leite materno e como só a amamentação cria vínculos insubstituíveis com seus filhos se quando a mulher resolve amamentar em público ou posta uma foto amamentando, chovem comentários chamando de desnecessário, de exposição ou surgem sugestões de aparatos para esconder o peito. Será que ninguém percebe que é mais uma forma de cercear a liberdade da mãe? Talvez, se eu tivesse crescido com mais imagens tipo essa, minha história com a amamentação (e até mesmo com meus peitos) teria sido diferente.

1 em Comportamento/ Destaque/ feminismo no dia 02.07.2018

Será que os rapazes do episódio “bucet* rosa” eram mesmo tão idiotas ou imbecis?

Já passou um pouco da tensão da “buceta rosa” e em meio a muitos posts que foram feitos, eu ainda fiquei com algumas coisas pra dizer, algumas epifanias de uma leiga que sentiu um nó na garganta que foi difícil de engolir. Muita coisa já foi dita, mas algumas coisas foram pouco exploradas e é nesses detalhes que moram os risco. Nesse tempo de muita informação viajando por aí, chamar os caras de imbecis ou idiotas é fácil, pensar que muitos amigos que amamos poderiam ter feito exatamente a mesma coisa é que me dói. Afinal, nós sabemos que o problema não eram eles, o problema são as crenças enraizadas e inconscientes que estão aí, transitando como verdade pra toda uma galera da minha geração.

Que fique claro já no começo desse post que eu não acho que o comportamento objetificador daqueles caras reflete ou representa a postura de todo homem branco e hetero desse país, mas a objetificação de mulheres, que são resumidas à vaginas, bundas ou peitos está aí pra todos. Que me ataque uma pedra o primeiro cara que não recebeu um meme machista de um amigo objetificando uma mulher na última semana!

Vocês acham mesmo que simplificar a questão chamando eles de machistas imbecis e idiotas soluciona a questão? Nossa, pra mim é tão mais grave. Precisamos sentar com nossos amigos, pedir pra que eles nos escutem e precisamos praticamente desenhar como é estar no nosso lugar. Eles não fazem ideia de como é estar sozinha em uma rua escura, perceber que tem alguém atrás de você e se aliviar ao ver que é uma mulher. Eles não fazem ideia do quão desconfortável é pegar o metrô e ser  surpreendida por um pau duro encoxado em você. Tão pouco o que é um velho parado no carro batendo punheta olhando pras meninas que conversam na rua. Eles não sabem como é passar por uma obra e ouvir que eles seriam todos chupados. Poucos deles conhecem o risco eminente da cultura do estupro. Parece que o mundo tá ficando chato porque eles precisam selecionar suas brincadeiras, mas isso só acontece porque estamos agora falando sobre abusos que antes eram socialmente estimulados.

simples

Eu não vou dizer que eles são idiotas e encerrar esse assunto. Não vou mesmo. Poderia ser meu namorado, meu irmão, o marido de uma amiga, e por esses caras que eu amo, eu não vou deixar o assunto morrer assim. Porque eu preciso que de alguma forma eles entendam que não é sobre aquele amigo babaca que faz dessas coisas, é sobre uma sociedade que faz dessas coisas. Não quero que eles se sintam atacados na sua individualidade e tampouco que se sintam perdendo direitos, porque eles na verdade, eles só estão perdendo o direito de serem bobos e infantis. Eu pessoalmente quero união, troca e soma, porque separação e segregação deu nisso, dá nisso.

O que aconteceu na Rússia não é exceção. Gente, o que aconteceu na Rússia é o comum, é o que rola na conversa do amigo do seu namorado, do meu também. É o que acontece em todo lugar, principalmente nos grupos de Whatsapp. O que aconteceu na Rússia é o que faz muito cara que a gente adora rir, nem que seja pra não se sentir deslocado pelo amigo. E é com essas pessoas que nós amamos que precisamos conversar sobre o tamanho do absurdo cotidiano que é o episódio da “buceta rosa”.

Lacrar na crítica do facebook nós já estamos fazendo, mas estamos conseguindo voz e silêncio para escutar os caras legais que estão ao nosso lado? Estamos conseguindo falar num tom que gere reflexão? Estamos sendo escutadas por quem foi criado pra fazer isso? Não sei.

Claro que não to invalidando toda crítica que aconteceu em cima do episódio, de forma alguma. Acho inclusive que esse ataque todo acaba sendo fundamental para que os homens entendam que existe a hora de sentar e ouvir. Em lugar de privilégio, é fácil achar que o mundo tá chato, afinal, não é você que tem medo, que foi oprimido ou que é silenciado. Conviver ou respeitar não significa não ter preconceito. Vivemos numa sociedade onde o preconceito é muito mais velado e enraizado do que imaginamos. De alguma forma ele está socialmente presente em nós, por isso a tomada de consciência é tão importante, por mais incômoda que ela seja.

Quanto mais a gente escolher o caminho do autoconhecimento, da empatia e do respeito ao sentimento do outro, mais vamos descobrir que não somos tão bons e tão perfeitos quanto achávamos, e está tudo bem. Esse risco de aparecer em um vídeo fazendo uma brincadeira sobre buceta rosa era inerente a muitos caras, e por mais ultrajante que seja, precisamos considerar que no micro universo isso acontece todo dia e precisamos gerar uma consciência maior de tudo isso, até mesmo para exigirmos o respeito que merecemos. Mas esse respeito não deve vir por essa fraternidade deles, deve vir porque somos humanos e nossas vidas valem o mesmo peso.

Nesse episódio, uma das coisas que mais me incomodou foi a justificativa de um dos caras depois do vídeo ter sofrido represálias. “Estão acabando com nossas vidas, eu sou pai de família, tenho mulher”. Bem, se você precisa explicar que não tem preconceito porque você até convive ou respeita com alguém parecido, você pode já estar vendo esse outro como inferior sem nem notar. Fingir que não temos um problema não está funcionando e reconhecer essa questão pode ser um começo pra de fato abrirmos mão de enxergar o diferente como menos. Ele só não é igual a mim ou a você, sem juízo de valor, nem melhor, nem pior. A hora que tirarmos o juízo de valor do gênero estaremos falando que nossas vidas valerão a mesma coisa.

Para mim o problema não é os caras serem idiotas ou imbecis. Acho que o buraco é bem mais embaixo, vem lá da criação de homens da geração do “engole o choro que isso não é coisa de homem”. Ao meu ver, esse tipo de homem precisa de ajuda pra sair da bolha. Pelo o que conversei com homens ao meu redor, vejo que muitos, no alto de seu lugar confortável, não conseguem ver os absurdos que nos sujeitam. Pensando nisso, sempre lembro de  “Eu não sou um homem frágil”, filme francês que está na Netflix e é um exemplo perfeito do incômodo que é pensar de forma invertida – ainda que eu ache que o estereótipo da mulher com muita energia do masculino não ajude no processo. Eles precisam nos ouvir, seja o dia do abuso que eles não souberam, seja daquele cara que forçou ou tirou a camisinha no meio, seja do garoto que beijou a gente à força, eles precisam se permitir sentir a impotência que a gente sente, pra isso a gente precisa poder conversar.

Eles precisam baixar a guarda e escutar e o maior desafio aqui é conseguirmos encontrar o tom de voz que promova um real diálogo. Nunca irei julgar a mulher com o discurso mais inflamado, acho que feministas radicais são essenciais para trazer assuntos urgentes à tona, mas sigo vendo mais resultado em falas mais calmas e amorosas, acolhedoras e empáticas, menos julgadoras e mais elucidativas.

dois pesos, duas medidas | @veganaeasuamae

dois pesos, duas medidas | @veganaeasuamae

Eles não são uns meros imbecis. Eles foram criados pelo machismo enraizado que incentivava essas brincadeiras que sexualizam a mulher e as colocam como um pedaço de carne que não tem sentimentos. Eu não quero isso mais, isso me enoja, mas eu respiro fundo e tento conversar com todo cara que não é limitado e consegue REFLETIR, ESCUTAR e RESPONDER as questões em pauta, não apenas falas hipotéticas decoradas. Nem todos vão escutar ou mudar, alguns vão atacar e silenciar, outros vão nos tirar do sério, mas eu não vou desistir de tentar.

Se estão achando que é tempestade em copo d'água eles não entenderam nada. | @empodereduasmulheres

Se estão achando que é tempestade em copo d’água eles não entenderam nada. | @empodereduasmulheres

Na minha geração sempre se passou pra frente a sensação de que uma mulher é uma espécie de domínio público pra objetificação. Esse conceito precisa ser revisto. Eu acredito que tudo é possível. Sempre tive um gênio indomável, mas os conceitos machistas do meu pai foram perdendo a força depois dos meus 18 anos. Vejo claramente seu processo de desconstrução e, no alto dos seus 66 anos, posso dizer que tenho um pai feminista. O cara que antes não queria me deixar ir fazer um mochilão na Europa aos 21 porque eu iria só com mulheres sozinhas, hoje tem pensamentos mais modernos e feministas que minha mãe, que nutre algumas doses estranhas de conservadorismos aleatórios. E não, não é só meu pai. O meu namorado atual me impressiona na sua desconstrução diariamente. Nessas horas entendo por quê programas como Pânico na TV deixaram de ter o mesmo espaço e saíram do ar. Aos poucos as coisas estão acontecendo e todo barulho feito está plantando sementes, mas nós podemos ajudar a regar e acelerar essa colheita.

Eu acredito num Brasil onde os caras mais bacanas vão explicar pros amigos os equívocos e riscos dos memes do mesmo jeito que eu uso o meu lugar privilegiado de mulher branca pra falar da seriedade dos problemas do racismo. Eles precisam nos escutar genuinamente, nos dar lugar de fala, mas também precisam nos ajudar se não quiserem ser os próximos reduzidos a imbecis ou idiotas, porque se o mundo não mudar… Isso vai acontecer de novo e alguém que amamos pode ser o próximo imbecil ou idiota.

0 em Destaque/ feminismo/ maternidade no dia 21.06.2018

Pelo direito dos meninos

Depois que virei mãe de menino, uma coisa que passa diariamente pela minha cabeça é como eu e meu marido podemos fazer nossa parte para que ele se transforme em um homem que respeite não só às mulheres, mas também à si mesmo. Como criar uma criança que tenha personalidade e discernimento para saber quando faz sentido pular fora de situações.

Dizem que toda mulher que se torna mãe acaba descobrindo o feminismo, e apesar desse movimento ser uma pauta que já era do meu interesse anos antes de ter um filho, diria que agora é algo imprescindível no meu dia a dia.

Sei lá se existe resposta certa para criar um ser humano (acho que não), sei lá o quanto teremos que nos desgastar e o quanto morderemos nossa língua lá na frente, mas sei que esse é um assunto que eu quero mais é trocar, aprender e tentar entender como fazer a minha parte.

mae-de-menino

Cruzei com esse post de Silvia Amélia de Araújo que foi loucamente compartilhado na minha timeline e achei que tem tudo a ver com o que eu acredito que quero criar meu filho. Quis botar ele aqui, justamente para eu nunca mais perder, e também para compartilhar com quem não tem Facebook:

“Que nenhum menino seja coagido pelo pai a ter a primeira relação sexual da vida dele com uma prostituta (isso ainda acontece muito nos interiores do Brasil!)

Que nenhum menino seja exposto à pornografia precocemente para estimular sua “macheza” quando o que ele quer ver é só desenho animado infantil (isso acontece em todo lugar!)

Que ele possa aprender a dançar livremente, sem que lhe digam que isso é coisa de menina.

Que ele possa chorar quando se sentir emocionado, e que não lhe digam que isso é coisa de menina.

Que não lhe ensinem a ser cavalheiro, mas educado e solidário, com meninas e com os outros meninos também.

Que ele aprenda a não se sentir inferior quando uma menina for melhor que ele em alguma habilidade específica – já que ele entende que homens e mulheres são igualmente capazes intelectualmente e não é vergonha nenhuma perder para uma menina em alguma coisa.

Que ele aprenda a cozinhar, lavar prato, limpar o chão para quando tiver sua casa poder dividir as tarefas com sua mulher – e também ensinar isso aos seus filhos e filhas.

Na adolescência, que não lhe estimulem a ser agressivo na paquera, a puxar as meninas pelo braço ou cabelos nas boates, ou a falar obscenidades no ouvido de uma garota só porque ela está de minisaia.

Que ele não tenha que transar com qualquer mulher que queira transar com ele, que se sinta livre para negar quando não estiver a fim – sem pressão dos amigos.

Que ele possa sonhar com casar e ser pai, sem ser criticado por isso. E, quando adulto, que possa decidir com sua mulher quem é que vai ficar mais tempo em casa – sem a prerrogativa de que ele é obrigado a prover o sustento e ela é que tem que cuidar da cria.

Que, ao longo do seu crescimento, se ele perceber que ama meninos e não meninas, que ele sinta confiança na mãe – e também no pai! – para falar com eles sobre isso e ser compreendido.

Que todo menino seja educado para ser um cara legal, um ser humano livre e com profundo respeito pelos outros. E não um machão insensível! Acredito que se todos os meninos forem criados assim eles se tornarão homens mais felizes. E as mulheres também serão mais felizes ao lado de homens assim. E o mundo inteiro será mais feliz..

O machismo não faz mal só às mulheres, mas aos homens também, à humanidade toda.

Meu ativismo político é a favor da alegria. Só isso.”